Educar para vida

Páginas: 13 (3180 palavras) Publicado: 17 de setembro de 2014
Educação em Angola
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Educação no Angola


Recursos nacionais para educação
2,6% do PIB (147º)[1](2006)
Língua oficial
Português


Alunos numa escola danificada pela guerra civil, em Kuito
Índice
  [esconder] 
1 A educação em Angola (até aos anos 1920)
2 A educação em Angola durante o período "clássico" da ocupação colonial (1926 a 1961)3 Mudanças de rumo no período do colonialismo tardio, 1962 - 1975
4 Orientações e realizações durante a "experiência socialista", 1975 a 1991
5 Situação e desenvolvimentos desde 1991
6 Referências
7 Ver também
[editar]A educação em Angola (até aos anos 1920)
O ensino escolar teve início em Angola nos séculos XVI e XVII, portanto muito antes do actual território constituir uma unidade. No decorrerda sua presença no Reino do Kongo, os padres católicos presentes na corte de M'Banza Kongo empenharam-se em divulgar não apenas o cristianismo, mas também a língua portuguesa e a correspondente escrita, bem como rudimentos de matemática.[2]
Depois da fundação das Praças Fortes de Luanda e de Benguela, estabeleceram-se lá algumas escolas de nível básico, inicialmente apenas para filhos doscolonos brancos, inclusive alguns que tiveram com mulheres africanas, depois também para um pequeno número de crianças africanas. Nesta fase, as escolas não constituíam um sistema de ensino e nem sequer tinham estruturas muito definidas.
A situação mudou no decorrer do século XIX, quando Portugal passou a ocupar lentamente o território correspondente ao da Angola de hoje e, paralelamente à acçãomilitar, e muitas vezes a precedê-la, houve uma acção missionária cada vez mais extensa, tanto católica como protestante. Os missionários ligavam sempre a cristianização a uma escolarização mais ou menos desenvolvida. Esta começou, inclusive, a abranger a população africana urbanizada que se aglomerava em Luanda e Benguela bem como nas vilas que se foram fundando passo a passo.[3]
[editar]A educação emAngola durante o período "clássico" da ocupação colonial (1926 a 1961)
No início do século XX, delimitado no essencial o território colonial, iniciou-se a construção de um Estado colonial e, inclusive, de um incipiente sistema de ensino: ao lado das escolas missionárias, criaram-se nos ambientes urbanos escolas básicas do Estado e, pouco a pouco, alguns liceus. Em meados dos anos 1920, com oadvento do Salazarismo em Portugal, houve uma primeira sistematização deste sector, que durou 30 anos e que, no período do "colonialismo tardio", cedeu o lugar a um sistema inteiramente reformulado. Para o período de ocupação colonial podem, portanto, distinguir-se duas fases no domínio da educação escolar, uma de 1928 a 1958, e outra de 1958 a 1975.[4]
O primeiro período caracteriza-se pelaaplicação ao ensino de uma política de separação por raças que chegou a ser apelidada de apartheid branda. Para o nível primário e secundário geral, foi introduzida uma distinção e separação entre escolas que obedeciam ao modelo introduzido em 1927 em Portugal, reservados aos "civilizados" (brancos, a maior parte dos mestiços, um ínfima parte dos negros) e escolas para "indígenas" que, geralmente, não iampara além da segunda classe. Na primeira categoria, as escolas era na sua maioria estatais, mas numa parte significativa (a partir dos anos 1930) também privadas ou de comunidades religiosas. O número de alunos do ensino primário nesta categoria, cerca de 4000 em 1929/30, chegou a mais de 35 000 em 1959/60, sendo pouco menos da metade brancos, perto da quarta parte mestiços, e mais da quarta partenegros. O desenvolvimento a nível secundário foi mais lento e acentuou-se apenas nos anos 1950. Para além de liceus em Luanda e no Lubango houve sobretudo os seminários menores da Igreja Católica. Em 1960, o total dos alunos de nível secundário era de cerca de 11 000, na sua grande maioria brancos.[5].
No desenvolvimento do ensino para "indígenas" podem, durante este período, distinguir-se...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • EDUCAR VIDA
  • educar para a vida
  • Educar para a vida ou trabalho
  • EDUCAR PARA REENCANTAR A VIDA
  • EDUCAR PARA A VIDA OU PARA O TRABALHO
  • Educar para a vida ou para o trabalho
  • Educar Para A Vida Ou Para O Trabalho
  • EDUCAR PARA A VIDA OU PARA O TRABALHO

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!