Educação

Páginas: 9 (2144 palavras) Publicado: 17 de maio de 2012
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO – UFMA
2º PERÍODO DO CURSO DE DIREITO
DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA JURÍDICA


MAYKON NUNES MORAES









COMUNIDADE: a busca por segurança no mundo atual
(Zygmunt Bauman)
















IMPERATRIZ - 2012
Minorias étnicas: focos de resistência

Na contemporaneidade, enquanto se observa o estilhaçamento de algumascomunidades, encontra-se pelo menos uma exceção a essa regra: as “minorias étnicas”, nestas o sentimento do pertencimento comunal permanece entre seus integrantes, entretanto, esse sentimento não é espontâneo. No capítulo 7, “Da igualdade ao multiculturalismo”, Bauman mostra que as pessoas são designadas como pertencentes a uma minoria étnica sem que lhes seja pedido consentimento, uma vez que essas minoriassão determinadas por quem está do lado “de fora”, isto é, pelas “comunidades poderosas”, fortes, dominantes. As diferenças que fazem desses grupos “minorias” derivam de um contexto social que forçou a imposição desses limites.
Segundo o autor o fortalecimento do fenômeno das “minorias étnicas” é atribuido à passagem do período moderno de construção da nação para o estágiopós-estado-nação. Na Modernidade, para que se moldasse uma unidade, era preciso que a nacionalidade compartilhada abarcasse todo o Estado e legitimasse a união do território. Para tanto, a identidade nacional era construída por meio de uma narrativa histórica, e a prática da construção da nação tinha duas faces: a nacionalista (avessa às comunidades étnicas ou locais que impedissem a homogeneidade nacional, muitasvezes até de forma belicista) e a liberal (a favor do individualismo, ou seja, a favor da liberdade total de escolha e, por isso mesmo, também contrária às comunidades que pudessem cercear essa liberdade). Ambas as facetas do Estado-Nação, portanto, tendiam a aniquilar a comunidade, à qual cabia ser assimilada pela nação, privando os “outros” de sua alteridade; ou perecer. 
Entretanto, naatualidade, com o esmorecimento do poder do Estado-nação, a “segurança existencial se estilhaçou” e “as velhas histórias reiteradas para restaurar a confiança na filiação” e numa identidade nacional perderam sua credibilidade. O vazio normativo deixado pelo fim da rigorosa regulamentação estatal abriu espaço para mais liberdade e para o fortalecimento de novas historias de identidade. Para que essasidentidades recém-reconhecidas persistam e sejam preservadas, muitas vezes os indivíduos que as “constroem” caem no exagero e tornam-se conservadores (insistindo na volta às origens) e exclusivistas (reiterando a divisão nós x eles). 
Por vezes, essa postura acaba sendo adotada pelas “minorias étnicas”, como cita Bauman, referindo-se à relação de imigrantes e nativos em grandes países,como ocorre hoje em dia. Muitas vezes, explica o autor, os imigrantes não têm escolha e acabam tornando-se minoria étnica no país de adoção. Mas essa proximidade dos “estranhos étnicos” com os nativos, em vez de aproximar e integrar, afasta ainda mais: imigrantes disparam nos nativos seus instintos étnicos e os fazem desejar isolar os “invasores” cada vez mais; estes, por sua vez, sentindo-seagredidos, fecham-se em sua “comunidade”. E, no lugar de contribuir para reduzir esta distância, as classes dominantes, ou “forças poderosas”, como define Bauman, até estimulam essa separação e favorecem a construção de barricadas. Fazem uso do princípio de “dividir para reinar”. Deixam que os menos poderosos, ou pobres, briguem e disputem entre si para que sua representatividade e seu poder se esvaziem.Enquanto os pobres brigarem entre si, os super-ricos nada terão a temer, esta ideia agrada à nova hierarquia do poder, de acordo com o autor. A idéia é que todas as diferenças são boas e dignas – mas simplesmente porque são diferenças e favorecem este momento de desengajamento que se vive hoje. 
Bauman vai além e ataca ainda a utilização do “multiculturalismo” de forma interessada...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Educação
  • Educação
  • Educação
  • Educacao
  • Educação
  • Educação
  • Educação
  • Educação

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!