Doença de Chagas

Páginas: 14 (3428 palavras) Publicado: 13 de junho de 2014
Doença Chagas
Introdução
Foi pelas mãos de Carlos Chagas, discípulo de Oswaldo Cruz, que o Brasil no inicio do século xx, contribuiu notavelmente nas grandes descobertas cientificas, com a elucidação do ciclo completo da doença infecciosa, incluída a identificação do Tripanosoma Cruzi, nome dado ao parasito por Carlos Chagas em homenagem a Oswaldo Cruzi.
Esta doença é causada através dapicada de um inseto que possui hábitos noturnos e vive nas frestas de casa de pau a pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de tronco de árvores e em baixo de pedras.
Doença de Chagas:
Tripanosoma Cruzi;
Triatomíneos (barbeiro);
A Doença de Chagas é um problema de saúde pública, há cercade 3 milhões de pessoas infectadas no mundo.
Morfologia do Parasita
Forma Amastigota:

Forma esferoidal ou oval, com membrana única;
Núcleo grande e excêntrico;
Flagelo curto; presente na bolsa flagelar;
Multiplica-se por divisão binária nas células do vertebrado;
Eclode nas células assumindo a forma de triplomastigota;Forma Epimastigota:

Um pouco alongada;
Cinetoplasto anterior ao núcleo;
Multiplica-se no invertebrado;
Diferencia-se em tripomastigota metacíclica (liberada pelo vetor nas fezes e urina)

Forma Tripomastigota:

Mais alongado que as outras;
Flagelo longo;
Cinetoplasto posterior ao núcleo;

Apresenta duas formas:

Sanguínea (exames parasitológicos);
Metaciclica (fezes/urina dobarbeiro)

Classificação Taxonômica do vetor:

Filo: Artrópode
Classe: Insecta
Ordem: hemíptera
Família: Redunidae
Gênero: Triatoma, Rhodnius, Panstrongylus.
Ciclo do vetor
Ovos, ninfas e inseto adulto.

Ciclo biológico



1. O inseto pica e defeca ao mesmo tempo;
2. O tripomastigota passa as fezes no ferimento;
3. Os amastigotas multiplicam-se assexuadamente dentro das células;
4.Os tripanosomas invadem novas células, em regiões diferentes do corpo onde se multiplicam como amastigotas.

Epidemiologia

Limita-se ao continente Americano
Presença do vetor;
Casos em países não endêmicos;
Fatores que interferem:
Migração humana;
Precariedade das condições socioeconômicas;
Formas de transmissão
Habituais:

Vetorial;
Transfusional;
Transplacentária (congenital)
Viaoral (alimentos);

Não habituais (menos comum)

Leite materno;
Acidentes laboratoriais;
Transplante de órgãos;

Transmissão Vetorial:

Maior importância epidemiológica;
Desequilíbrio ambiental, domiciliação e colonização;
Penetração dos tripomastigota metaciclico;



Em 2006, o MS do Brasil (Certificação Internacional de transmissão da Doença de Chagas pelo triatomainfestans;

Atualmente o controle da doença se da através de:

Monitoramento entomológico;
Utilização de inseticida específico;
Melhoria habitacional;

Transmissão transfusional:

E o segundo maior mecanismo de importância epidemiológica;
Maior incidência nas cidades;
Principal forma de transmissão em países não endêmicos;



Controle:

Vigorosa triagemclinica e;
Vigilância sanitária;

Transmissão transplacentaria:


Pode ocorrer em qualquer fase da doença materna ou em qualquer período da gestação;
Fatores relacionados são pouco conhecidos;
A mãe pode transmitir o parasita em uma gestação sim e outra não;
Grau de parasitemia, fatores transplacentarios, imunitários e de nutrição;
A infecção materna pelo T. Cruzi pode afetar ocrescimento e a maturidade dos fetos infectados;
Aborto, prematuridade crescimento intrauterino retardado e má formação fetal;

Transmissão por via oral:




Comum entre animais no ciclo silvestre;
Alimentos contaminados;

Em 2005, um surto Ganhou destaque em Santa Catarina, onde 45 casos relacionados à ingestão de caldo de cana, 31 com confirmação laboratorial e 5...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • doença de chagas
  • Doença de chagas
  • doenças de chagas
  • Doença de chagas
  • Doença de chagas
  • Doenças de Chagas
  • Doença de Chagas
  • Doença de chagas

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!