Contato

810 palavras 4 páginas
Comentário ao filme “Contacto”, baseado no Romance de Carl Sagan

Depois de assistirmos atentamente ao filme “contacto”, há que analisar ou avaliar e se possível tirar e fazer algumas considerações dentro do contexto que o filme nos propôs.
Claro que o objectivo é levar os alunos a fazer essa análise, uma vez que vivemos no mundo do audiovisual e paralelamente somos confrontados com conteúdos filosóficos nas nossas aulas de filosofia.
Ao ver o filme, deparei-me com ideias e afirmações de que já tinha sido alertada nas aulas.
Aplicando conhecimentos tratados no tema “Do Vivido ao Pensado” , vemos que Ellie no filme, passou do vivido (afectivo, sentimental, pré-lógico) para o pensado (racional, lógico e cognitivo), sentindo esta mudança na sua vida mais cedo do que é habitual uma vez que nunca conheceu a mãe e perdeu o pai aos 9 anos.
Desde tenra idade, Ellie Harroway, deixou de pensar com o senso comum (baseado na simplicidade das coisas) para adoptar o pensamento do bom senso (senso esclarecido e mais complexo).
Aos 8 anos, Ellie, punha de lado as bonecas e os amigos, para se colocar em frente ao rádio, procurando o seu objectivo, contactar com pessoas de longínquas paragens.
No filme são bem visíveis as características de um padre e de uma cientista, como aquilo em que acreditam ou não.
O padre acredita em Deus, em algumas verdades indiscutíveis e o cientista precisa de provas para acreditar: “Como cientista apoio-me em provas empíricas…”

Ellie é rigorosa, racional, baseia-se em teorias assentes na realidade, procura o real para o compreender explicar e até fazer previsões.
Contrariamente, Joss acredita sem ver, não explica, não critica, como um modo de preencher um vazio na sua vida.
Contudo ambos anseiam atingir um objectivo: a verdade, a procura da verdade.
O fim do filme mostra-nos uma verdadeira cientista, Ellie, que age com todas as características necessárias; as suas certezas como não são fundamentadas em provas físicas,

Relacionados