Colheita e pós-colheita do trigo

Páginas: 7 (1568 palavras) Publicado: 5 de dezembro de 2012
7.1. Colheita

O processo de colheita é considerado de extrema importância, tanto para garantir a produtividade da
lavoura quanto para assegurar a qualidade final do grão.

Para reduzir perdas quali-quantitativas, alguns cuidados devem ser tomados em relação à regulagem
da colhedora, lembrando que à medida que a colheita vai sendo processada as condições de umidade
do grão e da palhavariam, necessitando assim de novas regulagens.

Colheita de grãos com umidade ao redor de 13% permitem uma folga de 8 a 10 mm, e rotação de 950
rpm. Para colheita de grãos com umidade ao redor de 16%, a regulagem ideal exige uma folga entre
cilindro e côncavo de 6 a 7 mm e aumento da rotação no cilindro para 1100 rpm.

As lavouras de trigo podem ser colhidas antecipadamente, visando escapar dechuvas na maturação
plena, evitando-se o problema de germinação na espiga, dentre outros. Nesse caso, para colheita
ao redor de 20% de umidade, é aconselhável a regulagem cuidadosa da colhedora. Recomenda-
se, nesse caso, folga entre cilindro e côncavo de 6 mm e 1300 rpm de rotação no cilindro. Deve-se
ter cuidado especial na velocidade e na localização do ar do ventilador, lembrando que tantoa palha
quanto o grão estão mais pesados.

Deve-se dar atenção ao alinhamento e à afiação das navalhas da barra de corte e à velocidade
do molinete ( 25% acima da velocidade de deslocamento), pois esses cuidados contribuem para a
redução de perdas.

7.2. Secagem

A secagem de trigo é uma operação crítica na seqüência do processo de pós-colheita. Como
conseqüência da secagem, podemocorrer alterações significativas na qualidade do grão.

A possibilidade de secagem propicia melhor planejamento da colheita e o emprego mais eficiente de
equipamentos e de mão-de-obra, mantendo a qualidade do trigo colhido.

O teor de umidade recomendado para armazenar trigo colhido é da ordem de 13%. Desse modo,
todo produto colhido com umidade superior à indicada para armazenamento deve sersubmetido à
secagem. Em lotes com mais de 16% de umidade, recomenda-se a secagem lenta para evitar danos
físicos no grão. A temperatura máxima na massa de grãos de trigo não deve ultrapassar 60ºC,
para manutenção da qualidade tecnológica do produto.

A secagem artificial de grãos caracteriza-se pela movimentação de grandes massas de ar aquecidas
até atingirem temperaturas na faixa de 40 a60ºC na massa de grãos, com o objetivo de
promover a secagem de grãos em reduzido período de tempo. O aquecimento de ar ambiente
requer uma alta potência térmica, obtida com a combustão controlada de combustíveis. A lenha é o
combustível mais usado na secagem de grãos. Recentemente, vem-se difundindo o uso de GLP (gás
liqüefeito de petróleo) em secadores cujas condições de queima são maiscontroladas, em relação ao
uso da lenha. As principais desvantagens do uso de lenha são: combustão descontínua e irregular,
formação de fumaça que se impregna no grão, alta demanda de mão-de-obra e de espaço próprio
para cultivo de espécies florestais.

Dependendo do tipo de secador, varia a temperatura de entrada de ar de secagem. Para atender às
necessidades, os secadores existentescontemplam inúmeras formas construtivas e operacionais,
destacandose quanto ao sistema de carga (intermitentes ou contínuos) e quanto ao fluxo de ar
(concorrente, contracorrente, cruzado ou misto).

7.3. Armazenamento

Os principais aspectos que devem ser cuidados no armazenamento de trigo, uma vez limpo e seco,
são as pragas que atacam os grãos, danificando-os e muitas vezes dificultando acomercialização; os
fungos que podem produzir micotoxinas nocivas ao homem e a animais e os fatores que influenciam a
qualidade tecnológica.

7.3.1. Pragas de trigo armazenado

Recomenda-se o uso do manejo integrado de pragas no armazenamento, que compreende várias
etapas, como:

Medidas preventivas

a) Armazenamento de trigo com teor de umidade máximo de 13%;
todo produto colhido com...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Pos-colheita
  • pos colheita
  • pos colheita
  • Pós colheita
  • Fisiologia pós colheita
  • fatores pré e pós colheita
  • pos colheita do cacau
  • Perdas pos colheita

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!