Chaves para ler as Memórias inventadas, de Manoel de Barros

6296 palavras 26 páginas
Chaves para ler as Memórias inventadas

Chaves para ler as Memórias inventadas, de Manoel de Barros
Raquel R. Souza1

Já faz algum tempo, propus uma arquitetura essencial, que a meu ver está contida em toda a palavra autobiográfica, mesmo aquela que se mostra avessa às “etiquetas” ou às classificações teoréticas como “autobiografia” (Souza, 2002). Na ocasião, trabalhava com a poesia de Drummond, especialmente a série Boitempo, constituída de três volumes nos quais o poeta mineiro “narra” sua própria vida. Defendi a ideia de que a organização da palavra autobiográfica é feita na construção de um triângulo cujas paredes são formadas pelo Tempo, pela História e pela Memória.
Os lados desse triângulo não estão em subserviência entre si; estão, sim, imbricados uns com os outros, mas, por necessidade de sistematização, trabalhei em separado cada uma dessas categorias. Refiro esse trabalho porque é a partir dessa arquitetura triangular que retomo meu olhar sobre a memória. No entanto, preciso isolá-la relativamente dos outros componentes da figura.
Por outro lado, como estou pinçando o tema da memória a partir de uma visada teórica sobre as escritas autobiográficas – e hoje já é consenso vislumbrá-las como construções ficcionais de si mesmo –, de minha parte, independente de o autor buscar um jogo de ficcionalidades para aquilo que narra como autobiografia e congêneres, julgo que essas estratégias narrativas nada mais são do que jogos divertidamente sérios. Reafirmo que o alicerce para esse tipo de narrativa (o gênero autobiográfico) é o mesmo: a história, o tempo, a memória. O jogo, a brincadeira, as dissimulações, os pactos de leitura são as possibilidades de estratégias narrativas que são reinventadas caso a caso. À primeira vista, são esses jogos que chamam a atenção do leitor e do crítico para a construção autobiográfica de Manoel de Barros, de cuja obra elejo Memórias inventadas: a infância2, que, ao lado de mais dois volumes, compõe sua autobiografia.

Relacionados

  • Prosa Pdf
    30499 palavras | 122 páginas
  • Rede eletrônica e efeitos de sentidos: sobre as “memórias da literatura infantil e juvenil”
    6108 palavras | 25 páginas
  • A massai branca
    4804 palavras | 20 páginas
  • ECOS DA REPÚBLICA EM CAMINHO DE CANOA PEQUENA: A CONSTRUÇÃO DO PODER SIMBÓLICO DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE IGARAPÉ-MIRI/PA (1886-1914)
    17801 palavras | 72 páginas
  • Educação Infantil e currículo: na continuidade do debate
    6275 palavras | 26 páginas
  • literatura de cordel
    4514 palavras | 19 páginas
  • Cotidiano da Educação Física
    27966 palavras | 112 páginas
  • 42669 Roteiro De Leitura P Blica
    6184 palavras | 25 páginas
  • Guimarães Rosa - O Ideal do Homem Harmonioso
    15592 palavras | 63 páginas
  • resumo obras literarias ufu
    49015 palavras | 197 páginas