Carta 1824

Páginas: 5 (1020 palavras) Publicado: 8 de abril de 2014
 O caso Doca Street e Ângela Diniz

Praia dos Ossos, Búzios, às vinte horas do dia 30 de dezembro de 1976, depois de uma discussão feroz, Ângela Diniz foi assassinada, com três tiros, por seu companheiro Raul Fernandes do Amaral Street, conhecido popularmente como Doca Street, fugindo do local logo em seguida, deixando a arma ao lado do corpo.Naquele dia seus amigos relataram que eles discutiram na praia, pois Doca tinha ciúmes de sua companheira.
À tarde, Ângela havia bebido e a noite após nova discussão, ela expulsou Doca de sua residência.
Doca estava fora de si, pois havia perdido toda a mordomia por ter se separado de sua mulher, Adelita Scarpa, rica e de família tradicional, para viver com Ângela. Antes de casar-se com Adelita,falava-se que ele era acompanhante de americanas em Miami e salva-vidas.
Na noite do crime a empregada ouviu-o dizer “Você não deveria ter feito isso comigo”. Saiu de casa, voltando em seguida, para assassina-la, com quatro tiros- três no rosto e um na nuca- deixando-a transfigurada.
Ângela tivera uma vida agitada e cheia de incidentes, conhecida como a “Pantera de Minas”, foi acusada de terassassinado o vigia, Zé Preto, de sua residência, em Belo Horizonte. No entanto, logo após sua confissão, seu companheiro na época, o milionário Artur Vale Mendes, assumiu o crime, alegando legítima defesa, sendo julgado e absolvido. Depois disso separou-se de Ângela. O povo dizia que o crime ocorreu por ele ter surpreendido o vigia saindo do quarto da mulher.
Passou a residir no Rio de Janeiro e teveum romance com o colunista Ibrahim Sued, após o desquite do arquiteto Milton Vilas Boas, onde perdeu a guarda de seus três filhos e trazendo-os ilegalmente para o Rio, sendo acusada de sequestro e condenada a seis anos de prisão. Recorreu e aguardava o julgamento.
Em setembro de 1975, foi presa pela policia acusada de esconder caixas de psicotrópicos e mais de cem gramas de maconha, admitindo serviciada em drogas logo após a morte do vigia.
Em 1976, Ângela conheceu e foi viver com Doca, após ele deixar a família.
A empregada presenciava várias brigas e disse que ele explorava a vítima, obrigando-a a assinar cheques que utilizava na compra de roupas caras. Mantendo também a amante em reclusão doméstica, impedindo-a de se comunicar com amigos e com um temperamento violento.
Na suaversão do assassinato, Doca alegou ciúmes de Ângela com uma mulher, a alemã Gabrielle Dayer, artesã no litoral, no entanto diziam que ela era traficante, sendo dada como morta logo após o homicídio de Ângela. Seu corpo jamais foi encontrado.
Street foi defendido por Evandro Lins e Silva em seu primeiro julgamento e acabou condenado a uma pena diminuta, dois anos. Era praticamente a absolvição. Usando atese da legítima defesa da honra, com excesso culposo, um sucesso total para a defesa, mesmo tendo a impopularidade e enfrentando os movimentos feministas da época.
O advogado Heleno Fragoso, em entrevista para imprensa no local do Júri, declarou “O que está acontecendo em Cabo Frio é uma demonstração de desigualdade de nosso sistema judiciário, que é seletivo, opressivo e substancialmenteinjusto. Há todo um clima de festividade, um circo armado e programado para mostrar algo que merece ser condenado. Toda uma promoção que não atinge a milhares de crimes iguais. A defesa é facilitada pela vida pregressa da vítima, mas, por outro lado, a prova técnica é muito forte, sempre favorável à acusação”.
O promotor de justiça Sebastião Fador e o assistente de acusação Evaristo de Morais Filho,que não se conformaram com o resultado do Júri, recorreram, após os grandes protestos dos movimentos feministas e Doca foi levado a novo julgamento, em novembro de 1981. Desta vez seu advogado era Humberto Telles. Sendo condenado por homicídio qualificado, a quinze anos de reclusão.
Desta vez, em vez de ser aclamado, como foi no primeiro julgamento, com faixas de “Doca, Cabo Frio está com...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • carta imperial 1824
  • 1824
  • Constituição 1824
  • Constitui O De 1824
  • Constituição de 1824
  • Constituiçao de 1824
  • Constituição de 1824
  • Constiuição 1824

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!