Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco

Páginas: 222 (55378 palavras) Publicado: 21 de novembro de 2013
Amor de Perdição
Camilo Castelo Branco

BD

Biblioteca
Digital
Colecção
CLÁSSICOS
DA LITERATURA
PORTUGUESA

Amor de Perdição Camilo Castelo Branco

pág.

2
de 147

Introdução

F

OLHEANDO os livros de antigos assentamentos no cartório
das cadeias da Relação do Porto, li, no das entradas dos presos
desde 1803 a 1805, a fl. 232, o seguinte:
Simão António Botelho, queassim disse chamar-se, ser solteiro
e estudante na Universidade de Coimbra, natural da cidade de Lisboa, e assistente na ocasião de sua prisão na cidade de Viseu, idade
de dezoito anos, filho de Domingos José Correia Botelho e de
D. Rita Preciosa Caldeirão Castelo Branco; estatura ordinária, cara
redonda, olhos castanhos, cabelo e barba preta, vestido com jaqueta
de baetão azul, colete de fustãopintado e calça de pano pedrês. E fiz
este assento, que assinei – Filipe Moreira Dias.
À margem esquerda deste assento está escrito:
Foi para a Índia em 17 de Março de 1807.
Não seria fiar demasiadamente na sensibilidade do leitor, se
cuido que o degredo de um moço de dezoito anos lhe há-de fazer dó.
Dezoito anos! O arrebol dourado e escarlate da manhã da vida!
As louçanias do coração queainda não sonha em frutos, e todo se
embalsama no perfume das flores! Dezoito anos! O amor daquela
idade! A passagem do seio da família, dos braços da mãe, dos beijos
das irmãs, para as carícias mais doces da virgem, que se lhe abre

© Porto Editora

Biblioteca Digital Colecção CLÁSSICOS DA LITERATURA PORTUGUESA

Amor de Perdição Camilo Castelo Branco
3

ao lado como flor da mesmasazão e dos mesmos aromas, e à
mesma hora da vida! Dezoito anos!... E degredado da pátria, do
amor e da família! Nunca mais o céu de Portugal, nem mãe, nem
reabilitação, nem dignidade, nem um amigo!... É triste!
O leitor decerto se compungia; e a leitora, se lhe dissessem em
menos de uma linha a história daqueles dezoito anos, choraria!
Amou, perdeu-se e morreu amando.
É a história. E históriaassim poderá ouvi-la a olhos enxutos a
mulher, a criatura mais bem formada das branduras da piedade, a
que por vezes traz consigo do Céu um reflexo da divina misericórdia?! Essa, a minha leitora, a carinhosa amiga de todos os infelizes,
não choraria se lhe dissessem que o pobre moço perdera a honra,
reabilitação, pátria, liberdade, irmãs, mãe, vida, tudo, por amor da
primeira mulher que odespertou do seu dormir de inocentes desejos?!
Chorava, chorava! Assim eu lhe soubesse dizer o doloroso
sobressalto que me causaram aquelas linhas, de propósito procuradas, e lidas com amargura e respeito e, ao mesmo tempo, ódio.
Ódio, sim... A tempo verão se é perdoável o ódio, ou se antes me não
fora melhor abrir mão desde já de uma história que me pode acarear enojos dos frios julgadores docoração e das sentenças que eu
aqui lavrar contra a falsa virtude de homens, feitos bárbaros, em
nome da sua honra.

© Porto Editora

Biblioteca Digital Colecção CLÁSSICOS DA LITERATURA PORTUGUESA

Amor de Perdição Camilo Castelo Branco

pág.

4
de 147

Capítulo I

D

OMINGOS José Correia Botelho de Mesquita e Meneses,
fidalgo de linhagem, e um dos mais antigos solarengos de VilaReal
de Trás-os-Montes, era, em 1779, juiz de fora de Cascais, e nesse
mesmo ano casara com uma dama do paço, D. Rita Teresa Margarida Preciosa da Veiga Caldeirão Castelo Branco, filha dum capitão
de cavalos, neta de outro, António de Azevedo Castelo Branco
Pereira da Silva, tão notável por sua jerarquia, como por um,
naquele tempo, precioso livro acerca da Arte da Guerra.
Dez anos deenamorado, mal sucedido, consumira em Lisboa o
bacharel provinciano. Para fazer-se amar da formosa dama de
D. Maria I minguavam-lhe dotes físicos: Domingos Botelho era
extremamente feio. Para se inculcar como partido conveniente a
uma filha segunda, faltavam-lhe bens de fortuna: os haveres dele
não excediam a trinta mil cruzados em propriedades no Douro. Os
dotes de espírito não o recomendavam...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Amor de perdição
  • Análise do livro: amor de perdição
  • livro amor de perdiçao de camilo castelo branco
  • Romantismo em portugal, camilo castelo branco, amor e perdição
  • Teresa e mariana: a dualidade romântica em "amor de perdição" de camilo castelo branco
  • Livro: Amor de Perdição-Camilo Castelo \brsnco
  • Análise da obra: amor de salvação de camilo castelo branco
  • A Figura Feminina Na Obra “Amor De Perdição” De Camilo Castelo Branco; Contrapondo As Personagens Teresa De...

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!