Academiaa

Páginas: 13 (3101 palavras) Publicado: 13 de novembro de 2014
| Central de Cases
7
o nome para a academia e fizeram um
brainstorm(3
) até as quatro horas da manhã.
Dentre os vários nomes, a escolha foi unânime: ViaForma. A partir dessa palavra come
-
çou a se pensar no logotipo. O Marcelo, irmão do Luciano, desenhou algumas opções
e optaram pela letra “O” estilizada, pensando para no futuro utilizarem como um sím
-
bolo único. Após isso,formataram uma grade de horários, pensando em quais as aulas
que mais interessavam ao público. Olharam também alguns produtos da Body System
(jump, pump), “mas o quê mais chamava a atenção era a bike indoor”, conta Ronaldo.
Além disso, foi utilizado o preço de mercado como método para estabelecer o preço
da mensalidade que seria praticado na academia. Começaram as atividades cobrando
em torno de R$120,00, um valor um pouco abaixo dos seus concorrentes diretos, nos
bairros mais próximos, como Auxiliadora e Mont Serrat, além do seu próprio bairro,
Bela Vista.
A caminhada da ViaForma
Em 13 de outubro de 2003 a porta da academia se abre ao público, com uma sala
de musculação, uma sala de ginástica com aulas de dança, alongamento e
yoga,
uma sala para aula de bike indoor e um bistrot. Aequipe era composta pelo irmão
de Ronaldo como coordenador geral, 4 pessoas na limpeza, mais 4 pessoas na re
-
cepção, vários estagiários, um manobrista e um segurança. Olhando para trás,
Ronaldo exclama: “Bah, a folha de pagamento era uma coisa absurda para o iní
-
cio!” e “A nossa academia era praticamente mais uma, só que menorzinha
e bonitinha”.
Tudo isso distribuído em 350 m2 com umacapa
-
cidade máxima de 400 alunos (com base no cál
-
culo de 1 a 2 alunos por metro quadrado, realiza
-
do pelos arquitetos).
Nesse início, Ronaldo conta que fizeram pou
-
ca divulgação, apelando essencialmente para
o boca-a-boca e folhetos e também veicularam por
um ano um anúncio de página na Revista Versa
-
tille(3). Ofertaram ao público 15 dias gratuito para
que as pessoasconhecessem a infra-estrutura.
O negócio pareceu promissor, pois no primei
-
ro mês de funcionamento tiveram a circulação
de cerca de 150 alunos e em novembro 200 alu
-
nos, que era o ponto de equilíbrio para suprir
as dívidas. Porém notaram que várias pessoas que
estiveram por lá, já tinham pago planos trimestrais em outras academias e iam esperar
o término de seus planos. E os meses dedezembro, janeiro e fevereiro foram péssi
-
mos. “Nós estávamos com a ideia de que teríamos que colocar dinheiro nos quatro
primeiros meses da abertura da academia. Mas a gente não esperava que fosse tan
-
to dinheiro assim”, lamenta Ronaldo. Então surgiu o segundo problema: discussões
entre os sócios.
Em 2004, a partir de março, as coisas começaram a melhorar. Mas na metade
do ano, o Márciorecebeu uma proposta da TV Bandeirante para aumentar o número
de gravações dos programas. Então ele ficou no dilema: ou investia na academia
ou vendia sua parte do negócio para investir no estúdio. E a sua opção foi a mais
óbvia: ele tinha mais know-how no ramo de estúdio. Então ofereceu sua participação
Material gráfico em 2003
Fonte:
Arquivo da
empresa
.
(3)Publicação
mensal da
editoraGiornale
Comunicação
Empresarial, hoje,
com tiragem de
12 mil exemplares
(nota da autora).
Material gráfico
em 2003.
Fonte: Arquivo da
empresa
(3)Segundo
Sampaio (1997, p.
228) brainstorm
significa
“Tempestade
cerebral, em inglês.
Técnica utilizada
para gerar ideias
publicitárias.
Consiste em
propor e relacionar
todo tipo de
associações que
vierem à cabeça,
sem nenhumaanálise sobre
sua pertinência,
para avaliação
posterior”.
| Central de Cases
8
para os outros sócios e Ronaldo acabou assumindo mais 33,3%, ficando como
sócio majoritário.
O verão de 2005 também não foi positivo, terminou com prejuízo, mas já foi
melhor do que o verão anterior. Ronaldo conta: “A gente não acumulou nada de lucro
em 2004. Tivemos que amargar mais um prejuízo e os ânimos se...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!