• A formação do leitor e do escritor: concepções teóricas e práticas
    , Emília. Os Limites Entre as Palavras Gráficas. São Paulo, Ática, 1996. FREIRE, P. A Importância do Ato de Ler- em três artigos que se complementam. 36ª ed. São Paulo: Cortez-1998. KATO, Mary. No Mundo da Escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo, Ática, 1997 KLEIMAN, A. Texto e...
    5176 Palavras 21 Páginas
  • Produção de textos
    , Mediação. FERREIRO, Emília; Tradução Horácio Gonzáles et al. (2001). Reflexões sobre alfabetização. 24.ed. São Paulo, Cortez. HOFFMAN, Jussara. (2005). Avaliação: mito e desafio: uma perspectiva construtivista. 35. ed. São Paulo, Cortez. KATO, Mary A. (1998). No mundo da escrita: uma...
    1848 Palavras 8 Páginas
  • Letramento
    também a palavra iletrado que significa não ter conhecimentos literários. A palavra letramento é nova em nossa língua e surgiu com a autora Mary Kato em 1986 em seu livro “No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística”, sendo em seguida usada em diversos livros, muitos de educação. O termo...
    4450 Palavras 18 Páginas
  • Resenha alfabetização eletramento
    lingüistas e estudiosos da língua portuguesa.No Brasil, o termo foi usado pela primeira vez por Mary Kato, em 1986, na obra "No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística". Dois anos depois, passou a representar um referencial no discurso da educação, ao ser definido por Tfouni em "Adultos...
    1994 Palavras 8 Páginas
  • Fichamento de Resumo
    formação ideológica corresponde uma formação discursiva, que é um conjunto de temas e de figuras que materializam uma dada visão de mundo”; Mary Kato afirmou em O aprendizado da leitura que existem três tipos de leitores: o que privilegia o processamento descendente, ascendente e o leitor maduro...
    397 Palavras 2 Páginas
  • Trabalho
    , Emília. Reflexões sobre alfabetização. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1987. KATO, Mary A. No mundo da escrita. Uma perspectiva psicolingüística. São Paulo: Ática, 1986. ROHDE, Luís Augusto. As diferenças e a Escola. 3ed. Petrópolis: Vozes, 2003. WEISZ, Telma. Como se aprende a ler e escrever ou prontidão, um problema mal colocado. In Ciclo Básico. São Paulo, 1985. www.acessepiaui.com.br...
    4749 Palavras 19 Páginas
  • serviço social
    . 1991. GOODMAN, Kenneth; GOODMAN, Yetta. Reading and writing relationships: pragmatic functions. Language Arts, Urbana, National Council of Teachers of English, v.60, n. 5, p. 590-599, may. 1983. KATO, Mary A. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística. 5.ed., São Paulo: Ática, 1995...
    4836 Palavras 20 Páginas
  • FUNDAMENTOS PSICOLÓGICOS DO ATO DE LER
    identifica as palavras por ser parte do seu léxico visual, seu tamanho, as letras atuando como pistas. Goodman considera o ato de ler “jogo psicolinguístico de adivinhação”. Mary Kato exemplifica ainda da seguinte forma: “Meu pai é um músico nato. Ele toca bem piano, violão e viola.”. Podemos...
    2402 Palavras 10 Páginas
  • letramento
    portuguesa, tanto que quase podemos datar com precisão sua entrada na nossa língua, identificar quando e onde essa palavra foi usada pela primeira vez. Parece que a palavra letramento apareceu pela primeira vez no livro de Mary Kato: No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística, de 1986...
    1297 Palavras 6 Páginas
  • letramento
    referências na educação em vários países dando continuidade e ampliando nosso percurso tão rico e necessário. 6 REFERÊNCIAS FREIRE, Paulo; DONALDO, Macedo. Alfabetização: leitura da palavra leitura do mundo. Rio de Janeiro: P az e Terra, 1990. KATO, Mary A. No mundo da...
    3722 Palavras 15 Páginas
  • Letramento e alfabetização na educação infantil
    apareceu pela primeira vez no livro de Mary Kato: No mundo da escrita: Uma perspectiva psicolinguística, de 1986. “A autora diz o seguinte:” Acredito ainda que a chamada norma-padrão, ou língua falada oculta, é consequência do letramento, motivo porque, indiretamente, é função da escola desenvolver no...
    2253 Palavras 10 Páginas
  • Pedagogia
    , buscando argumentos e orientações nas teorias de Paulo Freire, Mary Kato, Regina Zibermam e outros autores que dedicam obras literárias ao referido assunto. Partindo da consciência de que um trabalho com leitura e escrita, precisa abordar tipos diversificados de materiais textuais que ofereçam...
    5231 Palavras 21 Páginas
  • O papel social da litura e da escrita
    autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. KATO, Mary. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística. São Paulo: Ática, 1986. (Série Fundamentos) KLEIMAN, Ângela B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da...
    3262 Palavras 14 Páginas
  • Letramento
    portuguesa, tanto que quase podemos datar com precisão sua entrada na nossa língua, identificar quando e onde essa palavra foi usada pela primeira vez. Parece que a palavra letramento apareceu pela primeira vez no livro de Mary Kato: No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística, de 1986...
    1557 Palavras 7 Páginas
  • Alfabetização e letramento
    introduzida muito recentemente na língua portuguesa, Parece que a palavra letramento apareceu pela primeira vez no livro de Mary Kato: No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística, de 1986, depois aparece em 1988, no livro, Adultos não alfabetizados – o avesso do avesso, de Leda Verdiani...
    1538 Palavras 7 Páginas
  • Novo acordo ortografico
    . Vale afirmar que de acordo com Mary Kato (1986) à longo prazo, as formas do oral venham a afetar as formas escritas. Em 1987, Paulo Freie propõe um trabalho de alfabetização: aboliu o formato convencional das salas de aula e mostrava uma nova forma de ensino através de conversas, grupos de estudos...
    454 Palavras 2 Páginas
  • Produção textual acadêmica
    objetivo promover a superação da consciência ingênua – também conhecida como consciência mágica – para a consciência crítica. Em se tratando da introdução do conceito de letramento, no âmbito da Linguística, o termo foi usado pela primeira vez por Kato (1986), na obra No mundo da escrita: uma...
    39527 Palavras 159 Páginas
  • Intordução a metodologia
    , Brasília, V.1, n.1, pág. 269-285, set.1985. FERREIRO, Emília, TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986. KATO, Mary. No mundo da escrita: Uma perspectiva psicolingüística. São Paulo: Ática, 1986. LEMLE, Miriam. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo...
    1029 Palavras 5 Páginas
  • ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: DIVERGÊNCIAS CONCEITUAIS
    depende basicamente da relação que a criança tem desde pequena com a cultura escrita. O letramento, termo mais recente, surgiu pela primeira vez com Mary Kato em 1986 com a publicação "No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística." Logo de acordo com as leituras propostas o termo...
    681 Palavras 3 Páginas
  • A LEITURA EM SALA DE AULA
    REFERENCIAS Falar, ler e escrever em sala de aula — do período pós-alfabetização ao 5º ano Stella Maris Bortoni-Ricardo e Maria Alice Fernandes de Sousa  DELMANTO, Dileta. A leitura em sala de aula. Construir Notícias, Recife, ano 08, n. 45, p. 24-26, mar./abril. 2009. KATO, Mary. No mundo da...
    1185 Palavras 5 Páginas