Punir Os Pobres Loïc Wacquant artigos e trabalhos de pesquisa

  • Resenha - punir os pobres

    Livro “Punir os pobres: A nova gestão da miséria nos estados unidos” Trabalho apresentado à UNESP, para aprovação no curso de Direito (área de concentração: Criminologia). Orientador(a): Profa. Michele Discente: Hugo Rezende Costantin FRANCA 2010 RESENHA WACQUANT, Loïe. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Co-edição: Instituto Carioca de Criminologia e Editora Revan, 2003. 1. Credenciais do Autor: Loïc Wacquant...

    3471  Palavras | 14  Páginas

  • Bourdieu E Wacquant Imperialismo Da R Hellip

    O IMPERIALISMO DA RAZÃO NEOLIBERAL Pierre Bourdieu Löic Wacquant [*] Em todos os países avançados, patrões, altos funcionários internacionais, intelectuais de projeção nos media e jornalistas do top, estão de acordo em falar uma estranha novilíngua [1] cujo vocabulário, aparentemente sem origem, circula por todas as bocas: “globalização”, “flexibilidade”, “governabilidade” e “em-pregabilidade”, “underclass” e “exclusão”, “nova economia” e “tolerância zero”, “comunitarismo” [2], “multiculturalismo”...

    2541  Palavras | 11  Páginas

  • Loic wacquant

    social - Entrevista com Loic Wacquant. Campina Grande 2011 Trabalho sobre a segurança criminal como espetáculo para ocultar a insegurança social - Entrevista com Loic Wacquant. Trabalho apresentado à Disciplina de Introdução á Sociologia do Curso de Administração, como exigência para obtenção da aprovação parcial da mesma. Campina Grande 2011 A SEGURANÇA CRIMINAL COMO ESPETÁCULO PARA OCULTAR A INSEGURANÇA SOCIAL. Entrevista com Loic Wacquant Wacquant descreve sua trajetória...

    899  Palavras | 4  Páginas

  • Loïc Wacquant – Os condenados da cidade

    Loïc Wacquant – Os condenados da cidade Loïc Wacquant analisa os extratos marginalizados da sociedade americana e francesa, inicialmente vistos como classes perigosas, e atribui aos estigmas dos mecanismos sociais os problemas urbanos dessa população. Ele acredita no urbanismo como importante ferramenta de regulação social, e atribui a interligação da desigualdade urbana e marginalização socioeconômica a disseminação de ideologias xenofóbicas – imigrantes vistos como trabalhadores temporários...

    767  Palavras | 4  Páginas

  • resenha ao artigo de Loic Wacquant "Três premissas perniciosas no estudo do gueto norte-americano

     Wacquant, Loic. In: “Três premissas perniciosas no estudo do gueto norte-americano”. Neste artigo, Wacquant tratará de desmistificar três pressupostos/visões que são recorrentes no debate sobre divisão racial e marginalidade urbana nas metrópoles americanas atualmente. Que, segundo este, distorcem e inibem uma compreensão das relações entre raça, classe e distribuição sócio-espaciais (local de moradia) que se encontram tão profundamente interligadas historicamente quando se trata de entender...

    765  Palavras | 4  Páginas

  • O Estado e o Direito de Punir

    Ciência Política – IPOL Programa de Mestrado em Ciência Política Alexandre Pereira da Rocha O Estado e o Direito de Punir: a superlotação no sistema penitenciário brasileiro. O caso do Distrito Federal Brasília - 2006 2 Universidade de Brasília – UNB Instituto de Ciência Política – IPOL Programa de Mestrado em Ciência Política O Estado e o Direito de Punir: a superlotação no sistema penitenciário brasileiro. O caso do Distrito Federal Alexandre Pereira da Rocha Dissertação...

    34220  Palavras | 137  Páginas

  • as prisoes

    O Autor Loïc Wacquant é professor de sociologia na Universidade de California-Berkeley e pesquisador no Centro de Sociologia Europeia do Collège de France. Foi professor visitante em Paris, Los Angeles, Rio de Janeiro e Nova Iorque. É um dos fundadores do grupo ativista “Raisons d´Agir” e colaborador do Monde Diplomatique. Ganhou o prêmio da Fundação MacArthur. Esteve no Brasil e estudando as desigualdades sociais, o sistema carcerário e judiciári. Dentre suas obras mais conhecidas estão: “As...

    695  Palavras | 3  Páginas

  • Resenha crítica do livro "as prisões da miséria"

    WACQUANT, Loïc. As Prisões da Miséria. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. 151 p. O livro As Prisões da Miséria, de Loïc Wacquant, trata sobre a expansão do Estado penal e policial na sociedade da década de 2000. Loïc Wacquant nasceu em 1960, em Montpellier, França. É um sociólogo especializado na sociologia urbana, pobreza urbana, desigualdade racial, teoria social e etnografia. Em “As prisões da Miséria”, Loïc Wacquant argumenta que a prisão é a resposta neoliberal...

    739  Palavras | 3  Páginas

  • RESENHA – PROCESSO PENAL II

     RESENHA – PROCESSO PENAL II “Punir os Pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos” (Loïc Wacquant) Goiânia – GO 2013 WACQUANT, Loïc. Punir os Pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos [A onda punitiva]. Tradução de Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2003, 3ª edição, revista e ampliada, agosto de 2007. 476 p. O autor francês nascido em Montpellier em 1960 é profundo estudioso da sociologia e pobreza...

    2827  Palavras | 12  Páginas

  • Loic Wacquant

    vigiar e punir 39 I lI. A prosperidade do Estado penal 3.0 "Grande Confinamento" do fim de século 55 4.0 "Big Government" carcerário e seus custos 79 IH. Alvos privilegiados 5.A nova "instituição peculiar" dos Estados Unidos: a prisão como substituto do gueto 107 6.Presas fáceis: a caça aos delinquentes sexuais 123 IV Epílogo "A prisão é uma instituição fora-da-lei" Bibliografia 147 159 L Prefácio o encontro com as idéias de Lo'ic Wacquant aconteceu...

    3184  Palavras | 13  Páginas

  • Loic Wacquant

    vigiar e punir 39 I lI. A prosperidade do Estado penal 3.0 "Grande Confinamento" do fim de século 55 4.0 "Big Government" carcerário e seus custos 79 IH. Alvos privilegiados 5.A nova "instituição peculiar" dos Estados Unidos: a prisão como substituto do gueto 107 6.Presas fáceis: a caça aos delinquentes sexuais 123 IV Epílogo "A prisão é uma instituição fora-da-lei" Bibliografia 147 159 L Prefácio o encontro com as idéias de Lo'ic Wacquant aconteceu...

    3184  Palavras | 13  Páginas

  • Criminologia

    criminalização da pobreza, a passagem do Estado de Bem-Estar Social ao Estado Penal. Os serviços sociais perdem a função assistencial para transformar-se em aparelhos de vigilância e controle das novas "classes perigosas". O trabalho de Wacquant desvela a nova missão histórica do preceito penal dirigida à "regulação da miséria e ao armazenamento dos refugos do mercado". Pelo meio do modelo americano, ele analisa a prisão como suplente do gueto, bem como a afinidade de simbiose entre as duas...

    1075  Palavras | 5  Páginas

  • As Prisões da Miséria

    RESENHA As Prisões da Miséria O livro As prisões da Miséria, de Loïc Wacquant, trata da expansão do Estado Penal nas sociedades, tomando como base os padrões adotados pelos governos europeus e dos EUA, onde o Estado de Bem Estar Social deixa de existir e dá lugar a um Estado de Punição que criminaliza a miséria e as classes operárias. O autor orienta que a prisão é a resposta neoliberal a pobreza, salientando que o Estado Punitivo seria conseqüência da transformação neoliberal das sociedades...

    1032  Palavras | 5  Páginas

  • Cortina de Fumaça

    combate as drogas se transformou numa política seletiva para grupos sociais específicos, demonstre como a seletividade penal é uma forma de punição para as classes marginais ao sistema (utilize as teses de seletividade e ordem punitiva de Loïc WacquantPunir os Pobres; Jock Young – A Sociedade Excludente). Justifique. As drogas sempre foram utilizadas e sempre serão, porém sua criminalização e proibição andam de mãos dadas com um histórico de interesses e preconceitos. Temos vários exemplos do proibicionismo...

    1162  Palavras | 5  Páginas

  • As duas faces do Gueto

    Análise Sociológica do Livro “As duas faces do gueto”, de Loic Wacquant. O livro de Loic Wacquant, “As duas faces do gueto”, elaborado após uma intensa pesquisa em guetos norte-americanos, analisa de forma sociológica as origens e as características dessas formações urbanas. O autor considera o gueto como um “mundo negro” dentro do “mundo branco”, e mostra como o Estado é negligente e relapso com essas populações. Diferentemente do que ocorre na França, por exemplo, onde as cités são formadas...

    1869  Palavras | 8  Páginas

  • ARTIGO REVISADO 3

    CONTEMPORÂNEO: Estado penal e a criminalização da pobreza Andrea Oliveira da Silva* RESUMO: O texto reflete sobre o processo de criminalização dos pobres e da pobreza desencadeado pelo capitalismo contemporâneo e sobre a ascensão do Estado Penal em detrimento do Estado Social. Discute a forma como o capitalismo pós-industrial opera junto aos segmentos pobres, “disfuncional” ao capital e conclui que o Estado penal e a criminalização da pobreza surgiram nos países que empreenderam no caminho neoliberal...

    2536  Palavras | 11  Páginas

  • A penalidade neoliberal em ação: Uma resposta aos meus críticos

    Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS Porto Alegre • Volume 5 – Número 2 – p. 265-273 – julho/dezembro 2013 A penalidade neoliberal em ação: Uma resposta aos meus críticos Neoliberal penality at work: A response to my spanish critics Loïc Wacquant Tradução de: Juliano Gomes de Carvalho Dossiê PENSAMENTO POLÍTICO E CRIMINOLÓGICO Editor-Chefe José Carlos Moreira da Silva Filho Organização de Ricardo Jacobsen Gloeckner José Carlos Moreira da Silva Filho Os conteúdos...

    6066  Palavras | 25  Páginas

  • Prisões da miséria resumo

    Parte I: Como o "bom senso" penal chega aos europeus Loïc Wacquant aborda profundamente as ações do Estado neoliberal, as quais são praticadas pelos Estados Unidos da América, que é levado como exemplo para o mundo. O autor expressa que o Estado neoliberal visa o livre mercado econômico, ignorando medidas assistencialistas que possam impedir o aumento da criminalidade. Com o predomínio do capital sobre o social, é necessário reforçar as atividades que procuram garantir a "segurança". O descuido...

    1610  Palavras | 7  Páginas

  • emergencia do rap como movimento de contestação

    principalmente noa anos clinton. me respaldando nas pesquisas de wacquan em "punir os pobres: a nova gestao da miseria nos estados unidos" e possivel considerarmos os anos clinton como um periodo de total abandono e repressao das classes mais pobres. o plano revisionario acabou por provocar uma mudanca drastica no cenario da miseria. a guerra contra a pobreza sofre uma completa inversao e acaba ressurgindo como a guerra contra os pobres, ja que o assistencialismo estatal funciona apenas como um mantenedor...

    2294  Palavras | 10  Páginas

  • tolerancia zero resenho de um livo woeis

    As Prisões da Miséria - Resenha O Autor Loïc Wacquant é professor de sociologia na Universidade de California-Berkeley e pesquisador no Centro de Sociologia Europeia do Collège de France. Foi professor visitante em Paris, Los Angeles, Rio de Janeiro e Nova Iorque. É um dos fundadores do grupo ativista “Raisons d´Agir” e colaborador do Monde Diplomatique. Ganhou o prêmio da Fundação MacArthur. Esteve no Brasil e estudando as desigualdades sociais, o sistema carcerário e judiciári. Dentre...

    3747  Palavras | 15  Páginas

  • Proibicionismo e a criminalização de adolescentes pobres por tráfico de drogas

    Proibicionismo e a criminalização de adolescentes pobres por tráfico de drogas* Prohibitionism and the criminalization of poor adolescents for drug traffic Andréa Pires Rocha** Resumo: O proibicionismo, a “guerra às drogas” e a criminalização da pobreza são elementos situados no âmbito político e ideológico, se materializam na luta de classes e são utilizados para o controle social. Mostramos a partir de alguns trechos de sentenças judiciais e manifestação do Ministério Público, o quanto os...

    8608  Palavras | 35  Páginas

  • 2923 11203 1 PB

    sistema processual penal que deverá prevalecer é aquele que guarda consonância com a Constituição Federal, que em uma visão moderna, busca salvaguardar os direitos fundamentais do acusado, demonstra-se que o processo deve ser o contrapeso do poder de punir do Estado. Nesse diapasão, se conclui que a função do direito processual penal hodiernamente é assegurar os direitos e garantias do acusado. El proceso penal de un Estado de Derecho no solamente debe lograr el equilibrio entre la búsqueda de la verdad...

    3493  Palavras | 14  Páginas

  • O desacretidado e o desacreditavel:considerações sobre o fazer técnico do assistente social no sistema prisional

    populista, onde prevaleciam as políticas compensatórias, e ao invés de se 3 organizar como um Estado de Direito, passa a reforça seu poder punitivo e controlador sobre os marginalizados. Com essa redefinição, começa a surgir o “Estado Punitivo” (WACQUANT, 1999), onde prevalece o interesse econômico para que o capitalismo satisfaça a sua necessidade de disciplina e domínio da população. Frente a esses interesses, o que repercutiu foi o agravamento das desigualdades sociais e o aumento da violência...

    3726  Palavras | 15  Páginas

  • O lugar da prisão na nova administração da pobreza

    O lugar da prisão na nova administração da pobreza do professor de sociologia da universidade da Califórnia Loic Wacquant traz um conjunto de ideias que submergem a ordem estabelecida acerca do papel das instituições carcerárias sobre uma profunda destes órgãos nos Estados Unidos e seus impactos sociais. A muito mais atrás das prisões do que a expressão já difundida do “crime e castigo”, não se trata de apenas uma imposição da lei ou uma forma de punição social através da restrição de liberdade...

    974  Palavras | 4  Páginas

  • Violência, um fenômeno social

    sensação de que se pisa cotidianamente em terrenos minados, levando os indivíduos em todo o planeta a conviver com as suas consquencias maléficas: os dejetos humanos excluídos da ordem produtiva (terroristas, refugiados, subempregados, desempregados, pobres). Mas são nos centros urbanos que o medo e a insegurança predominam. Nesses espaços desconfia-se de tudo, suspeita-se de todos e de suas mais puras intenções e o * Doutoranda em Sociologia pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal...

    5299  Palavras | 22  Páginas

  • O papel da "guerra as drogas" na criminalização da pobreza

    existe guerra contra as coisas, não existe guerra contra as drogas no mundo, guerras são feitas contra pessoas, essa guerra tem servido como instrumento de criminalização da pobreza. Todas a classes sociais traficam, usam drogas, mas apenas os pobres e negros são vitimas do encarceramento e da violência dessa guerra. A guerra as drogas é uma guerra fracassada, pois tenta impor a sociedade um tarefa impossível de se realizar que é o banimento dessas substancias. A proibição ao tentar impedir...

    3356  Palavras | 14  Páginas

  • AS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO DO DIREITO PENAL ATRAVÉS DOS DESDOBRAMENTOS SOCIAIS

    geral, o convívio coletivo saudável e a liberdade individual. Por consequência de sua importância, o Direito Penal vem tornando-se alvo de questionamentos acerca de sua legitimidade, de seus impactos nas sociedades e de sua perspectiva de futuro (WACQUANT, 2007; ZAFFARONI, 2010; ROXIN, 2006). Fala-se muito sobre a marginalização e o tratamento diferenciado dado às diferentes classes sociais, caracterizando um cenário onde tal órgão estatal tem sua finalidade desviada, sendo utilizado como parte...

    1861  Palavras | 8  Páginas

  • Artigo Sobre Segurança Pública

    momento histórico repleto de crueldade, atrocidades destinadas à sociedade, materializadas por meio das prisões e torturas realizadas pelo aparato estatal como fonte de manutenção da ordem social e ideológica. (PILETTI, 1996, p. 312). Wacquant (2001) faz boas problematizações em relação à emergência do Estado penal em relação ao desmonte do Estado de Bem-Estar Social. Esse autor analisa as políticas de segurança pública como uma estratégia de intensificação dos mecanismos de repressão...

    3263  Palavras | 14  Páginas

  • A MÍDIA SENSACIONALISTA E A PENALIDADE NEOLIBERAL: ASPECTOS TOLHEDORES DE DIREITOS

    referidos programas televisivos são eleitos para ocupar cadeiras nas Casas Legislativas. De todo o exposto, resta patente que as análises e opiniões enunciadas nos referidos programas são frutos de uma compreensão imposta pelo evolver do país. Loïc Wacquant, na nota aos leitores brasileiros da sua obra As Prisões da Miséria, faz uma percuciente análise crítica das vicissitudes sociais que marcaram, e ainda marcam, o pensamento da população. É quase mera subsunção a aplicação da análise do autor em...

    3881  Palavras | 16  Páginas

  • Remição de pena

    Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), sob a orientação de Ignácio Cano. percebida não apenas como punição, mas como fator de reeducação do transgressor. A partir do século XIX, além dos objetivos de punir o delinquente e defender a sociedade dele, isolando-o para evitar o contágio do mal e inspirando o temor ao seu destino, a meta de reabilitar passou a merecer ênfase especial. Ora sendo vista como semelhante à finalidade do hospital, ora como a da...

    10598  Palavras | 43  Páginas

  • Projeto de monografia

    CPI do Sistema Carcerário. Como se trata de um tema complexo o embasamento teórico levará em consideração a necessidade de se realizar uma leitura transdisciplinar do tema. Assim, do ponto de vista da criminologia serão consultados, dentre outros, Loic Wacqant, Vera Regina Pereira de Andrade, Salo de Carvalho, Ruth Gauer Chittó. Na perspectiva jurídica são autores que integram o suporte teórico: Nilo Batista, Raúl Zaffaroni, César Roberto Bitencourt, Alexandre Wuderlich etc. Importante ressaltar...

    1850  Palavras | 8  Páginas

  • Monografia

    ao invés de a prisão reintegrar o apenado ao contexto social fabrica cada vez mais criminoso condicionando a crise carcerária que hoje vivemos, o estado apavorante das prisões as faz parecerem mais com verdadeiros campos de concentração para os pobres, do que com instituições judiciárias servindo para alguma função declarada da pena pela teoria da prevenção especial positiva da pena o que se busca é a ressocialização do condenado. O indivíduo não poderá pagar pela dissídia do Estado e sendo ...

    17088  Palavras | 69  Páginas

  • Política Criminal e Guerra as Drogas

    urbana, que, por sua vez, estaria ligada à insegurança social, representa o cerceamento das políticas sociais à luz do paradigma da responsabilidade individual. Nesse sentido, observamos o surgimento dum “Estado Centauro”, na belíssima ilustração de Wacquant, no qual a cabeça seria a insegurança social promovida pelo avanço neoliberal e o corpo seria uma hipertrofia punitiva orientada a combater os efeitos da cabeça, estabelecendo-se assim a “gestão da situação”. Nesse processo, tanto no Brasil como...

    6100  Palavras | 25  Páginas

  • Putas, Escravos e Garanhões - BOXE - texto

    Mana 6(2):127-146, 2000 PUTAS, ESCRAVOS E GARANHÕES: LINGUAGENS DE EXPLORAÇÃO E DE ACOMODAÇÃO ENTRE BOXEADORES PROFISSIONAIS* Loïc Wacquant O boxe oferece um prisma singular por intermédio do qual é possível chegar a uma compreensão das possibilidades estruturadas, percepções culturais e trajetórias individuais no interior dos bairros pobres e decadentes dos Estados Unidos. A sua natureza como atividade em que o corpo é radicalmente instrumentalizado, as suas ligações com a economia informal...

    8528  Palavras | 35  Páginas

  • direito

    dignidade e merecedor da tutela do Estado. A partir desse raciocínio, surge a compreensão de que a pena não é um limitador incondicional dos direitos do preso sendo, portanto, necessário que o Estado respeite determinados limites quanto ao seu poder de punir. Dessa forma, a Lei de Execução Penal é um meio pelo qual o Estado pauta suas condutas, estabelecendo com o preso uma relação de direitos e deveres mútuos, com o intuito de alcançar um fim especifico, ou seja, a reintegração social do apenado. Contudo...

    4437  Palavras | 18  Páginas

  • Reflexões sobre o medo do crime e o recrudescimento da legislação penal

    Baseado em tal situação, o poder público promete a construção de mais presídios como forma de controle da criminalidade. A partir dos estudos de Rusche e Kirchheimer sobre a incongruência entre as taxas de criminalidade e de encarceramento, e de Loic Wacquant sobre a criminalização da pobreza, passamos a questionar a efetividade de tais medidas punitivas, buscando refletir para que servem e a quem beneficiam as políticas de “segurança” baseadas na premissa de que encarcerar diminui a criminalidade...

    4908  Palavras | 20  Páginas

  • CRESCIMENTO DO DIREITO PENAL, MÍDIA E SOCIEDADE: UMA RELAÇÃO CONFLITUOSA.

    Delitos e das Penas: São Paulo: Martin Claret, 2000. MASCARENHAS, Oacir Silva. A influência da mídia na produção legislativa penal brasileira. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 83, dez 2010. Disponível em: . Acesso em jun 2014. WACQUANT, Loïc. PUNIR OS POBRES: A nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 2ª ed. Col. Pensamento Criminológico. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003. ZAFFARONI, Eugenio Raul, 1927 – Em busca das penas perdidas: a parda da legitimidade do sistema penal/Eugenio Raul...

    1628  Palavras | 7  Páginas

  • Questoes LODF

    punição de qualquer conduta mesmo as mais leves, como a de pular por cima da catraca do ônibus para apresentar exemplos e sensação de autoridade[4]. -> WACQUANT, Löic. As prisões da miséria. p. 25. Percebemos que este movimento desabrochou devido classes mais favorecidas da sociedade clamarem por segurança, mas realidade se pretende a dizimação dos pobres das ruas das grandes cidades, colocando todos atrás das grades, longe da vista da sociedade para que o Estado os tranque e “jogue a chave fora”. Pois...

    1573  Palavras | 7  Páginas

  • Eeerrrrrrrr

    vêm tratando, restringindo o debate somente ao campo jurídico-penal. Portanto, o objetivo deste artigo é incitar a discussão para o campo social e histórico, uma vez que, também, é histórica a exploração, a marginalização e a exclusão das crianças pobres, não só no Brasil, mas em quase toda América Latina. Por isso, foi contextualizado o debate dentro da própria realidade social dos dias de hoje, enfatizando as condições das prisões brasileiras e as possíveis conseqüências do encarceramento de adolescentes...

    3600  Palavras | 15  Páginas

  • a questao penitenciaria 2741

    principalmente marxista e foucaultiana, que investigou, sobretudo a partir dos anos 1970, a relação entre economia e controle social, reconstruindo as coordenadas da relação que parece manter juntas determinadas formas de produzir e determinadas modalidades de punir (2006, p. 31). Georg Rusche e Otto Kirchheimer , em obra inaugural dessa perspectiva, partem da premissa de que “Todo sistema de produção tende a descobrir punições que correspondam às suas relações de produção” ([1939] 1999), p. 18) e promovem, assim...

    8101  Palavras | 33  Páginas

  • Reflex Es Sobre A Tutela Penal Da Propriedade

    tem mais que prestar contas à justiça penal. É a lei que diz onde está o crime; é a lei que cria o ‘criminoso’.” [grifos no original] Vinculadas e determinadas pelas características básicas da formação social onde se desenvolve o poder do Estado de punir, a seleção e a definição de bens jurídicos e de condutas deles afetadoras, que vão ser objeto do tratamento penal, não se pautam necessariamente pela consideração prioritária dos bens jurídicos de maior relevância para a sobrevivência digna dos componentes...

    7106  Palavras | 29  Páginas

  • Joaninhas

    reflete sobre a emergência do Estado Penal em detrimento do Estado Social e o processo de criminalização dos pobres, da pobreza e dos movimentos sociais desencadeado pela crise contemporânea de acumulação do capital. Discute as formas como o processo opera junto aos segmentos pobres e movimentos sociais na sociedade brasileira, sobre os desafios postos pelo processo de criminalização dos pobres e da pobreza aos assistentes sociais, profissionais que lidam cotidianamente com as expressões da questão...

    9004  Palavras | 37  Páginas

  • Origem Da Criminalidade

    Nesse caso, a pessoa, por seus traços psicológicos, sente-se culpada e envergonhada e procura o crime esperando ser punida, para satisfazer seu desejo de culpa. A maior parte da criminalidade gerada em meio à pobreza tem como vítimas os próprios pobres, que ainda vivem o drama de não ter a quem recorrer, visto que, em muitos bairros de baixa renda, a presença da polícia e de serviços de saúde é muito menor. Isso é verdadeiro especialmente em relação aos crimes violentos, enquanto os crimes contra...

    8822  Palavras | 36  Páginas

  • TEXTO ECA E Direito Penal Juvenil 2

    humana se movimenta pela ausência de escola, saúde, cultura, esporte, lazer, violência. E se faz uma grande dor, se torna uma grande chaga, que se chama abandono, violência, descaso, omissão, punição, responsabilização penal e controle sócio-penal. Wacquant (1999) e Batista (2001) expressam que o empreendimento neoliberal destruiu o Estado do Bem Estar (Providência), substituindo-o por um Estado penal (Penitência). Assuntos do cotidiano, como os desentendimentos conjugais, entre vizinhos e entre as...

    4453  Palavras | 18  Páginas

  • Gestantes Encarceradas

    da pena de prisão. Ao focalizar as questões sociais e criminógenas da contemporaneidade, estudos atuais não adentram sobre o fenômeno do crime de maneira isolada, mas inserido num amplo campo de contradições das estruturas sociais e econômicas. Wacquant revela o seguinte pensamento: A penalidade neoliberal apresenta o seguinte paradoxo: pretende remediar com um “mais Estado Policial e Penitenciário” o “menos Estado econômico e social” que é a própria causa da escalada generalizada da insegurança...

    6603  Palavras | 27  Páginas

  • Nilo Batista

    primeiro? Houve resistência à ordem judicial de desocupação? O debate sobre a tragédia fundiária brasileira, assim, cede lugar a áridas tertúlias jurídicas, incapazes de esclarecer e menos ainda de mobilizar. 7 Assiste razão a Loïc Wacquant: o estado previdenciário foi substituído por um Estado penal12. O grande encarceramento em curso, com seus números impressionantes, por si só confirmaria a tese. A contribuição das empresas de comunicação social – em geral, comprometidas...

    6060  Palavras | 25  Páginas

  • penalização da miséria no Brasil

    reconversão de ambos em instrumentos para vigiar os pobres. Três espécies de encarceramento e seu significado no projeto neoliberal Colocar o inesperado ressurgimento das prisões como peça central no horizonte institucional das sociedades avançadas, nas últimas duas décadas', é útil no sentido de nos lembrar que punir pessoas colocando-as atrás das grades é uma invenção histórica recente. Tal fato aparece como uma surpresa para muitos, já Loic Wacquant, As prisões da miséria (Rio de Janeiro, Jorge...

    13856  Palavras | 56  Páginas

  • O lugar da prisão na nova administração da pobreza - resenha

    RESENHA O lugar da prisão na nova administração da pobreza O autor: Loic Wacquant Professor de sociologia e pesquisador. Publicou recentemente no Brasil os livros O Mistério do ministério: Pierre Bourdieu e a política democrática (Revan, 2005) e Onda punitiva: o novo governo da insegurança social (Revan, 2007). Fichamento: WACQUANT, Loïc. O lugar da prisão na nova administração da pobreza. Novos estudos. – CEBRAP, n.80 pp. 9-19, 2008. O autor inicia seus estudos analisando a sociedade norte-americana...

    663  Palavras | 3  Páginas

  • A REDUÇÃO DA MAIORIDADE CRIMINAL ATRAVÉS DA ÓTICA TEÓRICA DO DIREITO PENAL

    BIBLIOGRAFIA LEVANTADA ALBRECHT, Peter Alexis. Criminologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010. FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2010. ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: A perda de legitimidade do sistema penal. Tradução: Vânia Romano Pedrosa e Amir Lopes da conceição. Rio de Janeiro: Revan, 2001. WACQUANT, Loïc. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos [A onda punitiva]. Tradução: Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2003. ...

    3013  Palavras | 13  Páginas

  • Trabaçho

    prejudicado pelo uso do ópio. Além dos interesses econômicos, a criminalização também foi relacionada com a necessidade de se criar estereótipos morais e de se associar o uso de drogas a “grupos perigosos”, marginalizando, assim, as classes sociais mais pobres e certos grupos étnicos. Segundo Batista[24]: Nos Estados Unidos, conflitos econômicos foram transformados em conflitos sociais que se expressaram em conflitos sobre determinadas drogas. A primeira lei federal contra a maconha tinha como carga ideológica...

    9835  Palavras | 40  Páginas

  • Loïc wacquant -"esclarecer o habitus" pierre bourdieu

    noção de habitus e, numa perspectiva de síntese, procura-se documentar algumas das suas principais propriedades teóricas. Efectua-se, igualmente, um pequeno retrato dos principais horizontes de mobilização sociológica de que a noção tem sido alvo. Loïc Wacquant∗ Habitus é uma noção filosófica antiga, originária no pensamento de Aristóteles e na Escolástica medieval, que foi recuperada e retrabalhada depois dos anos 1960 pelo sociólogo Pierre Bourdieu para forjar uma teoria disposicional da acção capaz...

    2423  Palavras | 10  Páginas

  • As parcerias público-privadas no sistema prisional como um reflexo do processo de constitucionalização simbólica.

    pena acaba por demonstrar “a própria natureza do Estado” (HIRECHE, 2004, p. 2-3). Destarte, em um Estado que se propõe Democrático de Direito, não há espaço para os abusos inerentes à vingança privada, transferindo-se a exclusividade do direito de punir ao ente soberano, impondo-lhe, ainda, como fundamento justificador de tal mister, os limites decorrentes da ordem jurídica vigente, consoante se extrai da lição trazida por Magalhães Noronha: Direito penal subjetivo é o jus puniendi...

    7077  Palavras | 29  Páginas

  • DANOS MORAIS

    OS CONDENADOS DA CIDADE: ESTUDO DA MARGINALIDADE AVANÇADA Michele Cunha Franco Conde* WACQUANT, Loïc. Os condenados da cidade: estudo da marginalidade avançada. Rio de Janeiro: Revan: Fase, 2001. Passados os traumas da Segunda Grande Guerra, a euforia vivida em décadas de crescimento nas ricas sociedades do ocidente capitalista fez com que a auto-imagem dessas sociedades pudesse ser definida em uma só palavra: civilizadas. Civilizadas porque coesas, pacíficas e igualitárias e porque seguiam um caminho...

    1182  Palavras | 5  Páginas

  • O fracasso da pena de prisão

    universalmente considerada como resposta penal básica ao delito. A prisão, para muitos, tem sentido no que tange à exclusão forçada do delinqüente do convívio social, de modo que a privação de sua liberdade se identifica como a forma mais eficaz e legítima de punir, não importando a realidade em que se encontra o ambiente carcerário (3). 2 A CRISE DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO A partir de uma análise crítica e realista dos presídios brasileiros, o que se percebe é a queda acintosa de um modelo estatal, cuja...

    7209  Palavras | 29  Páginas

  • As prisoes da miseria

    Júnior* RESUMO Gostaríamos de mostrar em nosso estudo uma visão sobre o papel que a prisão desempenha na sociedade, junto com suas funções e paradoxos, pois a prisão, segundo o que se pensa sobre sua “verdadeira” função, deveria “recuperar” ao punir, e ao não conseguir seu intento, as críticas mostram que ela tem sido então um “fracasso”. Nosso objetivo neste trabalho busca mostrar que as incongruências do sistema penal, ao se constituírem em um “fracasso” em seus processos recuperadores, continuam...

    9031  Palavras | 37  Páginas

  • 157788a assdware

    .......................................................13 SEÇÃO 1 Excursos sobre desigualdade e violência Ordenando a insegurança Polarização social e recrudescimento punitivo........................................................17 Loïc Wacquant Tradução: Cíntia França Ribeiro Polícia e segurança pública no Rio de Janeiro de hoje Uma tomada de posição.....................................................................................................35 Luiz Antônio Machado da Silva ...

    32199  Palavras | 129  Páginas

  • Percursos e Atividades do Grupo de Estudos sobre Violência Urbana da FLF

    no processo de distinção social é uma das consequências do fenômeno da violência urbana. Muitas cidades, a exemplo das brasileiras, caracterizam-se pela variedade de estigmas territoriais, que orientam os processos de marginalização das classes pobres e o caráter seletivo do Sistema de Justiça Criminal. Por esta razão, alguns bairros marcados pelos estigmas, são classificados como “violentos”, “perigosos”, “barra-pesadas”. Além do caráter instrumental – do emprego da força como meio adequado...

    3056  Palavras | 13  Páginas

  • As prisoes da miseria

    As Prisões da Miséria” Pequeno resumo e sintetização dos conceitos chave desta obra de Loïc Wacquant Para começo, e de modo a situar e classificar criticamente “As Prisões da Miséria”, beberiamos de Pierre Bourdieu a sua apreciação: "As prisões da miséria mostra com talento como a desregulamentação da economia e a destruição do Estado social acarretam e exigem por toda parte o súbito fortalecimento do Estado policial e penal. Um livro capital para diagnosticar - e conter - a revolução neoliberal...

    913  Palavras | 4  Páginas

  • Violência e direitos humanos

    e do favoritismo e assistencialismo. Michel Foucault no seu livro vigiar e punir,(1975) analisa as relações de poderes e define os mecanismos de sujeição do corpo como uma tecnologia que se estabelece sobre os indivíduos, e que o principal objetivo do poder disciplinar é tornar os indivíduos economicamente úteis e politicamente dóceis, traduzindo assim, tipos de violências que acontecem nos cárceres. Wacquant por sua vez, em As prisões da miséria,(1999) examina que a política pública não...

    1583  Palavras | 7  Páginas

  • Eu e Você

    verdade o inimigo público por excelência da sociedade. Conforme destaca Löic Wacquant, O encorajamento para que os serviços sociais, de saúde e educação do estado colaborem com a polícia e o sistema judicial torna-os extensões do aparelho penal, instituindo um panoptismo social que, sob a manta de promover o bemestar das populações despossuídas, submete-as a uma vigilância punitiva cada vez mais precisa e penetrante (WACQUANT, 2007, p. 56). Daqui deriva a ampliação dos coeficientes de desigualdade...

    8896  Palavras | 36  Páginas

tracking img