• HANS JONAS
    global, especialmente a do futuro, que se torna ponto de referencia e norma. As gerações futuras nada farão a favor do homem presente. Disso emerge o elemento característico do imperativo: a não-reciprocidade. A obrigação de um (presente) não é a imagem inversa do dever do outro (futuro). Exemplo...
    4625 Palavras 19 Páginas
  • Ética socialista
    , grandes responsáveis e contribuintes para regrar e orientar da ação humana, uma ética atual que se preocupa com o futuro, que pretende proteger os nossos descendentes das consequências das nossas ações presentes. O homem define-se pela responsabilidade que assume em prol das gerações futuras. Os...
    1845 Palavras 8 Páginas
  • ETICA
    essência do homem e desfigurá-la mediante diversas manipulações. Tudo isto representa uma mutação tal no campo da ação humana que nenhuma ética anterior se encontra à altura dos desafios do presente. Torna-se necessária uma nova ética: uma ética orientada para o futuro. Tal não significa que seja...
    1695 Palavras 7 Páginas
  • O Mundo acabou
    É o homem que ainda guarda o olho de vidro do avô, mas é o menino que percorre com o leitor os caminhos de Bom Destino, cidade pequena e plana, cansada de tanta paz, em que o tempo parece escorrer mansamente. O avô reina misterioso - com o olho direito, via o sol, a luz, o futuro, o meio-dia, e...
    1067 Palavras 5 Páginas
  • O PRINCÍPIO RESPONSABILIDADE - HANS JONAS
    "; ou, em um uso novamente positivo: "Inclua na tua escolha presente a futura integridade do homem como um dos objetos do teu querer." 3. É fácil perceber que a infração desse tipo de imperativo não conduz a nenhuma contradição. Eu posso querer o bem presente ao preço do sacrifício do bem futuro...
    29053 Palavras 117 Páginas
  • A arte do direito francesco carnelutti
    é um fotógrafo ou um cronista, não Arte do Direito 31 um poeta ou um pintor. O artista, na verdade, conta o que seus olhos e não os olhos da multidão alcançaram vendo o fundo da realidade, onde unem-se o passado e o futuro. Arte, portanto, também dos homens que buscam representar as leis...
    21227 Palavras 85 Páginas
  • teoria do conhecimento
    de uma tal vida. As gerações presentes não têm o direito de não escolher pela não existência das gerações futuras. Não se deve querer bem o presente ao preço do sacrifício do bem do futuro. Esse imperativo diz que podemos arriscar a nossa própria vida, mas não a da humanidade. O princípio não é...
    3580 Palavras 15 Páginas
  • Consciência Histórica
    presente, que clama por justiça e não por objetividade, que o historiador tem o direito de interpretar o passado. É somente na intesa tensão do presente que se pode ver o que há no passado para se conhecido e conservado.”(p.175-176) “Apens aquele que contrói o futuro tem o direito de julgar o passado...
    2604 Palavras 11 Páginas
  • Rui Barbosa
    discurso pode obter vários significados. Este caso, que é o estudo do presente trabalho, requer atenção exclusiva, pois define o futuro dos que escolhem a magia e complexidade da vida do Direito, do amor às práticas da justiça, da lei e da força, a fim de estruturar uma convivência mais harmônica na...
    2522 Palavras 11 Páginas
  • A arte do direito
    jurídica, mais do que ser limitada ao anúncio da lei moral, e assim da consequência futura do mal passado, estende-se para antecipá-la, quer dizer a converter o mal futuro no mal presente; e converter em presente o futuro, o mesmo que o passado; não é representar? (p. 31/32)Uma diferença, pois...
    1490 Palavras 6 Páginas
  • Antigona
    abstrai como o homem, não pode viver nem prever até qualquer futuro abstrato, invisível, inaudível, inolfatável, insaboriável, como o futuro – amanhã, o futuro próximo – ano, o futuro daqui a cinco ou vinte anos, a trinta. (...). Concebido como feito de pontos – finitos, e não como linha, o presente...
    3931 Palavras 16 Páginas
  • HANS JONAS E A ÉTICA DA RESPONSABILIDADE
    presentes não têm o direito de não escolher pela não existência das gerações futuras. Não se deve querer bem o presente ao preço do sacrifício do bem do futuro. Esse imperativo diz que podemos arriscar a nossa própria vida, mas não a da humanidade. O princípio não é aquele da responsabilidade objetiva, e...
    3776 Palavras 16 Páginas
  • Direito mútuo ao aborto
    uma opção cruel a ser permitida ao homem em relação ao presente e futuro do seu filho, mas seria o aborto real, por decisão da mãe, menos cruel? São tantas as histórias que ouço de irresponsabilidades ou intencionalidade desonesta de ambos - homem ou mulher - que hoje se tenta remediar negando a vida a um inocente, que seria justo conceder o direito ao aborto também aos homens. Será que as feministas vão topar?...
    1123 Palavras 5 Páginas
  • positivismo juridico
    , ou seja o processo de auto definição, a subjetividade constrói-se por escolhas de liberdade, para se tornar um produto do futuro. Então o homem no princípio não é nada, mas passa a ser conforme existe, vivencia e determina a partir de seu presente o seu futuro. O erro é essencial à verdade. O...
    1015 Palavras 5 Páginas
  • Análise Livro A Era dos Direitos
    diretos do homem no presente e no futuro e a era dos direitos. Além disso, buscamos discorrer também a respeito da teoria do ordenamento jurídico de Bobbio e os direitos humanos hoje. Palavras-chave: Direitos Humanos. Teoria do Ordenamento Jurídico. Hermenêutica. Democracia. SUMÁRIO 1...
    5762 Palavras 24 Páginas
  • leviata
    direito consiste na liberdade de fazer ou omitir, ao passo que a lei determina ou obriga a uma dessas duas coisas. (p. 101). - em tal condição (guerra) todo o homem tem direito a todas as coisas, incluindo os corpos dos outros. Ora, enquanto perdurar esse direito de cada homem a todas as coisas, não...
    2390 Palavras 10 Páginas
  • leviata resumo
    expressos de contrato - Sinais de contrato por referência - A doação feita através de palavras do presente ou do passado - Os sinais do contrato são palavras tanto do passado e do presente como do futuro - 0 que é o mérito - Os pactos de confiança mútua: quando são inválidos - 0 direito aos fins...
    1167 Palavras 5 Páginas
  • DIREITO AMBIENTAL
    sociedades, da industrial à pós-industrial, e todas as suas conseqüências. Num segundo momento, procura-se esclarecer o conceito de dano ambiental dentro da nova sociedade, a sociedade de risco, trazendo uma nova visão do direito ambiental, de como ele pode responsabilizar os agentes de futuros...
    15890 Palavras 64 Páginas
  • “Maquiavelismo, hobbesianismo e kantismo nas relações internacionais”1 (Versão para debate) Rafael Salatini (mestrando do DCP-FFLCH-USP)
    estados, todos os domínios que tiveram e têm poder sobre os homens foram e são ou repúblicas ou principados” (I), até, digamos, Kelsen, que escreveu um livro intitulado Teoria geral do direito e do Estado (1944), passando por Kant, que entendia o Estado – em seu A metafísica dos costumes (1797) – como...
    10797 Palavras 44 Páginas
  • O contratualismo de hobbes - leviatã / rousseau do contrato social
    maneira de falar indica um ato presente, e na segunda indica um ato de vontade futura. Assim, a primeira frase estando no presente transfere um direito futuro, e a segunda que é do futuro, não transfere nada. Mas além das palavras, existe também os sinais da vontade de transferir um direito, mesmo...
    4319 Palavras 18 Páginas