O Que É Registro Oral E O Que É Registro Escrito artigos e trabalhos de pesquisa

  • Resenha do texto “O oral e o escrito: Uma reconsideração” de Eric A. Havelock

    e Havelock acaba concordando quando faz referencia a Homero e Eurípides destacando toda a importância cultural das obras orais desses autores para toda a história, afirmando o quanto foram utilizadas para impressos e estudos nos dias de hoje. Havelock explicita que a utilização da linguagem oral não era considerada como um discurso simplista e sim como poesia, as obras orais dos mestres gregos eram consideradas linguagens artísticas, o que era o mesmo falar que esses mestres eram letrados, e não...

    993  Palavras | 4  Páginas

  • Registros

    Leia a classificação de Bowen e depois vá a ATD2 e responda o que foi solicitado. “Para Halliday, McIntosh e Strevens (1974) , as variações de registro são classificadas como de três tipos diferentes: grau de formalismo, modo e sintonia.O grau de formalismo representa uma escala de formalidade, entendida como um maior cuidado e apuro (no sentido normativo e estético) no uso dos recursos da língua (recursos do nível fonológico, morfológico, sintático ou das construções, do léxico, usos estilísticos...

    1772  Palavras | 8  Páginas

  • MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural

    E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural Aimée Aguiar Bezerra1 RESUMO: O presente artigo visa promover relações entre a História e cultura imaterial , utilizando a oralidade como ferramentas de construção de identidade. A discussão ocorre em torno da perpetuação de elementos culturais pela história oral, construindo a patrimonialização...

    2697  Palavras | 11  Páginas

  • Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Capítulo 5 – pag135 - 166.

    (et al).: Inês Signorini(org.).– Campinas, SP: Mercado de Letras 2001. Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Capítulo 5 – pag135 - 166. Neste capítulo o autor analisa a relação entre o oral e o escrito na produção de textos. Para o autor é fundamental entender que a heterogeneidade, ou seja, as variações internas do texto, é própria da escrita e não uma simples “presença do oral na escrita”. Com isto, ele desmistifica essa ideia de que a fala está no meio da escrita quando...

    771  Palavras | 4  Páginas

  • Os modos orais de comunicação e a sua trajetória cultural.

    Os modos orais de comunicação e a sua trajetória cultural. 3.1 – A organização da fala, da escrita e da atividade conversacional. Dedo com Fávero (2005), alguns fatores compõe a atividade de conversação, dentre os quais estão os elementos pragmáticos, que são eficientes na atividade conversacional. A língua falada tem aí sua importância, pois possibilita a compreensão sobre como a conversação se estabelece, considerando que a conversa é a interação entre os interlocutores. O texto que surge...

    737  Palavras | 3  Páginas

  • Reflexão do filme ''narradores de javé'' o papel das fontes orais para o estudo da história

    Reflexão do filme Narradores de Javé O papel das fontes orais para o estudo da História “O espetáculo das atividades humanas, objeto particular da história, seduz a imaginação dos homens, principalmente quando o seu desenrolar se enfeita com as sutis seduções do que é estranho." (Antônio Vicente Marafioti Garnica) Nome: Larissa Lencina Campos Santos Nº: 26 Série: 1º B 1. Introdução “[...] O texto é um objeto moral, é o escrito enquanto parte do contrato social, exige que o observem...

    1493  Palavras | 6  Páginas

  • O Registro E A Reflex O Do Educador Madalena Freire 1

    2. O registro e a reflexão do educador 2.1 Sobre o ato de escrever Madalena Freire Welfort “De tudo que está escrito, eu amo somente aquilo que o homem escrever com o seu próprio sangue”. Nietzsche Escrever com sangue, dor e prazer é falar do que corre em nossas veias. Falar de amor, ódio, sonho. Ousar colocar, socializar para o outro, o que pensamos, somos, dói, “a dor é prova de existência”. “A dor retrata diferença”41 Não nos cabe fugir dela, e sim enfrentá-la “para a construção do prazer...

    1490  Palavras | 6  Páginas

  • Pr tica Linguagem Oral e Escrita

    Linguagem Oral e Escrita Cleuza Luiz da Silva Daiane Aparecida da Silva Luzia Miranda Professor Daniele Cristiane Amaral Silva Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Pedagogia (PED 0893) 19/05/2015 RESUMO A linguagem oral e escrita cada uma com suas propriedades se completam, a linguagem falada tem mais liberdade, não necessitam ter um planejamento sendo necessário somente o uso de timbre, entonação e pausas de acordo com a oratória, representadas por pontuação, nessa linguagem...

    2561  Palavras | 11  Páginas

  • Variação Regional, Variação social e registros de uso

     Variação regional, variação social e registros de usos Interlocutores: são as pessoas que participam do processo de interação por meio da linguagem. Código: é um conjunto de sinais convencionados socialmente para a construção e transmissão de mensagens. Exemplo: a língua portuguesa. A língua portuguesa é um código verbal. Língua: é um conjunto formado por signos (palavras) e leis combinatórias por meio do qual as pessoas se comunicam e interagem entre si.  Aumento segunda-feira na...

    528  Palavras | 3  Páginas

  • Tradução - III La vocacion de escribir (in Lo legado escrito de los mayas. De la Garza, Mercedes.

    III. A VOCAÇÃO DE ESCREVER Entre os vestigios materiais extraordinários que são conservados dos Mayas pré-hispânico , há um grande número de textos escritos em caracteres hieróglifos. Estes textos talhados em monumentos de pedra , como os monólitos denominados estelas, em placas, paredes, altares, tronos ; também escreveram obras em estuque modelado , vigas de madeira , cerâmica, peças ornamentais de jade , ossos e conchas ; e também em papel amate ( amatl em Nahuatl ) . Todos estes textos constituem...

    2541  Palavras | 11  Páginas

  • Avaliação a definição de metas, a observação e o registro no processo de ensino e aprendizagem

    Avaliação a definição de metas, a observação e o registro no processo de ensino e aprendizagem Silva (2003, p.11) chama a atenção para ao fato de que a avaliação, numa perspectiva formativa reguladora, deve reconhecer as diferentes trajetórias de vida dos estudantes, e, para isso, é preciso, flexibilizar os objetivos, os conteúdos, as formas de ensinar e de avaliar. É necessário dominar o que se ensina e saber qual a relevância social e cognitiva do ensinado para definir o que vai se tornar material...

    626  Palavras | 3  Páginas

  • História oral

    A VOZ DO PASSADO HISTORIA ORAL PAUL THOMPSON O HISTORIADOR E A HISTORIA ORAL: A Voz do Passado—história oral de Paul Thompson surgiu em 1978 e já e’ considerado hoje um clássico, por sua importante contribuição ao método e a teoria da historia oral. A primeira experiência da historia oral como atividade organizada e’ de 1948, quando o professor Allan Nevis lançou o The Oral History Project da Universidade de Columbia. Hoje essa mesma universidade possui uma coleção de mais de 6 mil fitas gravadas...

    909  Palavras | 4  Páginas

  • O trabalho com os gêneros orais: um caminho de efetivação da linguagem

    FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE AFOGADOS DA INGAZEIRA – FAFOPAI CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS O TRABALHO COM OS GÊNEROS ORAIS: UM CAMINHO DE EFETIVAÇÃO DA LINGUAGEM Aderlan de Siqueira Campos AFOGADOS DA INGAZEIRA – PE 2012.2 ADERLAN DE SIQUEIRA CAMPOS O TRABALHO COM OS GÊNEROS ORAIS: UM CAMINHO DE EFETIVAÇÃO DA LINGUAGEM AFOGADOS DA INGAZEIRA – PE 2012.2 AUTARQUIA EDUCACIONAL DE AFOGADOS DA INGAZEIRA ...

    10271  Palavras | 42  Páginas

  • SUPLEMENTAÇÃO ORAL, NUTRIÇÃO ENTERAL E PARENTERAL

    SUMÁRIO 1 SUPLEMENTAÇÃO ORAL, NUTRIÇÃO ENTERAL E PARENTERAL ................. 05 1.1 SUPLEMENTAÇÃO ORAL ............................................................................................. 05 1.2 NUTRIÇÃO ENTERAL (NE) ........................................................................................... 05 1.3 TERAPIA DE NUTRIÇÃO PARENTERAL (TNP) ......................................................... 05 2 DEFINIÇÃO E DIFERENÇAS ENTRE SUPLEMENTOS ORAIS E DIETAS ENTERAIS ARTESANAIS...

    4792  Palavras | 20  Páginas

  • Fontes Orais Fichamento

    FEIRA DE SANTANA 2014 FICHAMENTO TEXTUAL Assunto (TEMA): Fontes Orais Alberti, Verena. “Fontes orais: histórias dentro da história” Pinsky, Carla Bassanezi (org.) Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005 pp. 155-189. Síntese: A história oral é uma metodologia de pesquisa que consiste em realizar entrevistas gravadas com pessoas que podem testemunhar sobre acontecimentos, conjunturas, instituições...

    1354  Palavras | 6  Páginas

  • Dialetos e Registros

    DIALETOS E REGISTROS Há dois tipos básicos de variação lingüística: os dialetos e os registros. Os dialetos são variedades originadas das diferenças de região ou território, de idade, de sexo, de classes ou grupos sociais, e da própria evolução histórica da língua.  As variações de formalismo ocorrem de acordo como grau de formalismo existente na situação; com o modo de expressão, isto é, se se trata de um registro oral ou escrito; com a sintonia entre os interlocutores, que envolve aspectos...

    873  Palavras | 4  Páginas

  • Historia oral

    Historia Oral - FERREIRA, Elenice Silva. Memorias e Silenciamentos: relações de poder em uma escola pública durante o período de ditadura civil-militar no Brasil através das memorias de professores. São Paulo: Revista eletrônica do Arquivo do Estado de São Paulo, n° 54, jun. 2012. Disponível em: <http:www.historia.arquivo do estado.SP.gov/matérias/.../texto 05.pdf. Tema: Observar as relações de poder em uma escola publica durante o período de ditadura civil-militar no Brasil através das...

    592  Palavras | 3  Páginas

  • Individuo E Biografia Na Historia Oral

    ALBERTI, Verena. Indivíduo e biografia na história oral. Rio de Janeiro: CPDOC, 2000. [5]f. Indivíduo e biografia na história oral* Verena Alberti** 1. O que é história oral? A história oral é uma metodologia de pesquisa e de constituição de fontes para o estudo da história contemporânea surgida em meados do século XX, após a invenção do gravador a fita. Ela consiste na realização de entrevistas gravadas com atores e testemunhas do passado. Inicialmente sua aplicação se dava principalmente nos campos...

    1980  Palavras | 8  Páginas

  • a importancia da linguagem oral e escrita na educação infantil

    CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI PEDAGOGIA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ÉDINA DA SILVA ANDRADE Capivari, SP 2012 PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pedagogia da FACECAP/CNEC Capivari para obtenção do título...

    8810  Palavras | 36  Páginas

  • Comunicação Oral

    Centro Universitário Univates Comunicação Oral Professor Wanderlei de Brito 2013 Comunicação Oral – Prof. Wanderlei de Brito (2013) 2 Introdução A língua falada possui uma prioridade histórica sobre a língua escrita. O ser humano criou a língua falada, e só depois, há cerca de cinco mil anos, a língua escrita deu materialidade à comunicação. A escrita surge para fins administrativos, para a preservação de informações, para o registro de documentos religiosos e comerciais. A ...

    2200  Palavras | 9  Páginas

  • Creches: Espaço do desenvolvimento do universo discursivo, através da linguagem oral

    Creches: Espaço do desenvolvimento do universo discursivo, através da linguagem oral Débora Pereira de Oliveira Santos BANANEIRAS-PB UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS CURSO DE PEDAGIGIA Projeto de intervenção pedagógica apresentado à disciplina Estágio supervisionado em educação infantil, como registro de avaliação Orientadora: Maria Aparecisa Valentin Afonso ...

    1240  Palavras | 5  Páginas

  • Linguagem oral e escrita

    Linguagem Oral e escrita Presença da linguagem na educação infantil O trabalho com a linguagem se constitui um dos eixos básicos na educação infantil. Quando a instituição de educação infantil torna-se um espaço de ampliação das capacidades de comunicação e expressão e de acesso ao mundo letrado pelas crianças, essa ampliação está relacionada ao desenvolvimento gradativo das competências linguísticas básicas: Entender e aprender a linguagem não é apenas decorar...

    3044  Palavras | 13  Páginas

  • Webcamera na educação de surdos: uma alternativa para o registro da língua de sinais

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso de Especialização em Informática Educativa WEBCAMERA NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA ALTERNATIVA PARA O REGISTRO DA LÍNGUA DE SINAIS José Eldimar de Oliveira Sá Fortaleza - CE Maio – 2002WEBCAMERA NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA ALTERNATIVA PARA O REGISTRO DA LÍNGUA DE SINAIS José Eldimar de Oliveira Sá Monografia apresentada como requisito para obtenção do Título de Especialista em Informática Educativa da Universidade Federal...

    12117  Palavras | 49  Páginas

  • Microsoft Word AS MARCAS DA ORALIDADE NO TEXTO ESCRITO

    AS MARCAS DA ORALIDADE NO TEXTO ESCRITO (Uma análise da crônica “Minhas Férias” de Luis Fernando Veríssimo) Autora: Genilma Dantas Andrade* Coautor: Luis Eduardo Pina Lima Resumo Pretende-se mostrar a relação entre o texto escrito e os desvios da oralidade, ou seja, identificar os elementos constitutivos da modalidade falada da língua contidos na narrativa literária e suas características. Neste sentido, a oralidade segue outro tipo de norma e forma que vai influenciar na escrita que naturalmente...

    3130  Palavras | 13  Páginas

  • HISTÓRIA ORAL: POSSIBILIDADES E LIMITES

    HISTÓRIA ORAL: possibilidades e limites1 A utilização de fontes orais não é um de fenômeno recente. Na verdade, os procedimentos de pesquisa baseados na história oral - no caso, entrevistas, são bastante antigos. Heródoto, já no século V a.C., escreveu: “Desejoso de saber, interrogo”. Há registros de que as fontes orais foram utilizadas no século XVI, por Bernardino de Sahagún, que, querendo compreender os povos colonizados pelos espanhóis, os entrevistou. Jules Michelet (1798-1874), no século...

    5340  Palavras | 22  Páginas

  • A NATUREZA DAS MODALIDADES ORAL E ESCRITA

    A NATUREZA DAS MODALIDADES ORAL E ESCRITA INTRODUÇÃO Que a linguagem escrita e a linguagem oral não constituem modalidades estanques, apesar de apresentarem diferenças devido à condição de produção, é um fato incontestável. Contudo, há particularidades de outras ordens que as tornam modalidades específicas da língua. Tais particularidades são, de fato, elementos exclusivos de cada uma delas, como a gesticulação, por exemplo, na linguagem oral, e a reedição de texto, com apagamento do texto anterior...

    1839  Palavras | 8  Páginas

  • Expressão oral no ensino fundamental ii

    EXPRESSÃO ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL II[1] Elisângela de Matos Melo Nunes[2] Dra. Maria de Nazaré da Rocha Penna3 RESUMO: A escola tem o papel de mostrar aos alunos a existência de inúmeras variações lingüísticas, proporcionando-os caminhos para o desenvolvimento da produção oral e escrita. O trabalho com linguagem oral em sala de aula deve ser desenvolvido com a utilização de diferentes gêneros discursivos, escolhendo-se aqueles mais recorrentes nos meios sociais dos alunos. Cabe também...

    5387  Palavras | 22  Páginas

  • : Psicogênese da linguagem oral e escrita

    Módulo Comum II: ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM Profª Antonia Maria Nakayama – Unidade 1: Psicogênese da Linguagem Oral e Escrita Objetivos desta Unidade: 1) Compreender a Psicogênese da Língua Escrita e suas implicações na construção do conhecimento humano como estratégia de leitura do mundo; 2) Construir conceitos sobre alfabetização no espaço escolar, confrontando-os no contexto histórico, para entender as mudanças em relação a escrita e leitura, emergentes das abordagens construtivista...

    10816  Palavras | 44  Páginas

  • Atuaçã da anvisa no registro de medicamentos novos, pesquisa e ensaios clínicos

    Instituto Brasileiro de Pós-Graduação e Extensão ATUAÇÃ DA ANVISA NO REGISTRO DE MEDICAMENTOS NOVOS, PESQUISA E ENSAIOS CLÍNICOS                                      Luciana Machado da Silva Serejo            Brasília - DF 2012       ATUAÇÃ DA ANVISA NO REGISTRO DE MEDICAMENTOS NOVOS, PESQUISA E ENSAIOS CLÍNICOS    Luciana Machado da Silva Serejo   Artigo científico apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Especialista em Vigilância Sanitária...

    5941  Palavras | 24  Páginas

  • A luz do eixo Linguagem Oral e Escrita, do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI):

    A luz do eixo Linguagem Oral e Escrita, do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI): 1. Reflita sobre a importância do trabalho com a linguagem na Educação Infantil. 2. Comente sobre as práticas envolvendo o trabalho com a linguagem oral nas instituições de Educação Infantil. 3. Diferencie as concepções em relação ao aprendizado da língua escrita. 4. Qual a importância de considerar as crianças como sujeitos ativos na construção de conhecimentos? O que muda em relação...

    2835  Palavras | 12  Páginas

  • Entrevista registro de mem ria pessoal

    particular, está repleta das memórias e das experiências dos grupos a que pertencemos reflete a história de um tempo. Por isso, a história de vida de toda pessoa é valiosa e merece ser preservada e socializada. O registro da história é o primeiro passo para isso e pode ser feito em um depoimento escrito, em uma gravação de áudio ou vídeo, por meio de uma entrevista, ou ainda um relato coletivo produzido numa roda de histórias. Vamos aqui, propor situações para que a memória de cada um possa emergir, ser...

    3728  Palavras | 15  Páginas

  • fonte oral

    DO CURSO DE PEDAGOGIA CURSO DE PEDAGOGIA Bolsista: Estéfane Costa da Silva Orientadora: Maria Aparecida Corrêa Custódio Fontes orais Fontes primárias em História da Educação Sul Maranhense: a Escola Santa Terezinha (Imperatriz-MA) São Luís 2014 Bolsista: Estéfane Costa da Silva Orientadora: Maria Aparecida Corrêa Custódio Fontes orais Fontes primárias em História da Educação Sul Maranhense: a Escola Santa Terezinha (Imperatriz-MA) Relatório final 2014 apresentado ao...

    5428  Palavras | 22  Páginas

  • A Importancia Da Comunica O Oral E Escrita E As Barreiras Que Existem Nelas

    comunicação oral e escrita e as barreiras que existem nelas. MARCOS, LARISSA, LUANA, RODRIGO, DANILO, BILL. CAMPO MOURAO – PR 2015 O surgimento da comunicação oral e da escrita. O surgimento da comunicação oral partiu de uma necessidade que os homens das cavernas encontraram para pode se expressar e assim mostrar o que desejavam, os cientistas não conseguiram descobrir a data certa que isso ocorreu, como naquela na época não eram necessário para eles guardar registros, os fósseis...

    2683  Palavras | 11  Páginas

  • A ORALIDADE DA ESCRITA EM ANGELA LAGO A REPRESENTA O DA PERFORMANCE ORAL EM SUA ALTEZA A DIVINHA

    A ORALIDADE DA ESCRITA DE ANGELA LAGO: A REPRESENTAÇÃO DA PERFORMANCE ORAL EM “SUA ALTEZA, A DIVINHA” THE ORALITY WRITING OF ANGELA LAGO: THE REPRESENTATION OF ORAL PERFORMANCE IN “SUA ALTEZA, A DIVINHA” Celso Sisto Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Professor Adjunto da Faculdade de Letras e da Faculdade de Educação Doutor em Teoria da Literatura Rua Coronel Fernando Machado, 717, apartamento 303, Centro Cep:90010321 – Porto Alegre / RS E-mail: celsosisto@gmail.com ...

    7598  Palavras | 31  Páginas

  • O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O TEXTO E A PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS NA ESCOLA

    ELISANA DE MORAES DA SILVA RA 117741 O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O TEXTO E A PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS NA ESCOLA CORDEIRÓPOLIS - SP 2009 ELISANA DE MORAES DA SILVA RA 117741 O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O TEXTO E A PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS NA ESCOLA Monografia apresentada como exigência para a conclusão do Curso de Licenciatura em Letras, oferecido pela...

    9331  Palavras | 38  Páginas

  • REGISTRO DE PRODUTOS hemoterápicos

    REGISTRO DE PRODUTOS BIOLÓGICOS E HEMOTERÁPICOS BASES LEGAIS – COLETÂNEA BRASÍLIA/2010 COORDENAÇÃO DE PRODUTOS BIOLÓGICOS E HEMOTERÁPICOS/CPBIH 1 Índice: RDC Nº. 315, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.................................................pag. 03 RDC Nº. 233, DE 17 DE AGOSTO DE 2005.....................................................pag. 29 RDC nº 323, de 10 de novembro de 2003.....................................................pag. 56 RDC Nº 46, DE 18 DE MAIO DE 2000.........

    63541  Palavras | 255  Páginas

  • Roteiro de observação e análise de material escrito

    Roteiro de observação e análise de material escrito Ana Maria Falcão de Aragão Sadalla, Isabel Cristina Dib Bariani e Maria Silvia Pinto de Moura Librandi da Rocha1 - "Olha só este caderno... O que você acha?" Esta pergunta tem sido feita por professores de diferentes séries a psicólogos que atuam no contexto educativo. E o que se tem verificado de forma assistemática é que a grande maioria não sabe o que dizer aos docentes argüi dores. Muitos devolvem com uma resposta do tipo: - "Muito interessante...

    1507  Palavras | 7  Páginas

  • Historiografia Africana e Tradição Oral

    dos séculos XIX e XX, principalmente nas décadas de 50 e 60 deste, e os esforços empreendidos em provar a existência de uma História tipicamente africana, estão na base da discussão do uso de fontes orais na escrita histórica. A historiografia africana jamais existiria sem a aceitação da tradição oral de seus povos como documento histórico crível. O estudo de uma História da África acadêmica tem suas primeiras mostras a fins do século XIX e início do XX, todavia, com uma visão europeizada e excludente...

    2469  Palavras | 10  Páginas

  • Fichamento - CALVET - tradição oral e tradição escrita

    CALVET, L.J. Tradição oral e tradição escrita. Trad.: Waldemar Ferreira Netto, Maressa de Freitas Vieira. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. As noções de analfabeto ou de iletrado [...] são, em nossas sociedades, noções negativas, privativas, elas situam, de um lado, o manejo de um saber (o manejo da escrita e da leitura) e, de outro, a das pessoas que não têm esse saber. (p. 8). Esses dois termos [analfabeto e iletrado] nos fornecem informações, se considerarmos que: (1) Longe de significar...

    3350  Palavras | 14  Páginas

  • Literatura oral e cordel

    LITERATURA ORAL E CORDEL Michelli de Aguiar Gomes Carvalho [1] “Mas a história-estória o povo não escreve: faz, conta, Faz e conta, faz-de-conta, faz e canta.” Marcus Accioly, poeta pernambucano. A literatura de cordel é singular em suas características. Rico representante da cultura popular, o cordel está bem vivo, em especial, na tradição artística do Nordeste do Brasil. Buscando semelhanças num passado não muito remoto, o cordel tem suas raízes na poesia dos trovadores, na Idade Média...

    3516  Palavras | 15  Páginas

  • A História Oral: na perspectiva da Revista Mundo Jovem na contextualização de Gênero no discurso dos educadores

    Carlos Jos Borges Silveira A Histria Oral na perspectiva da Revista Mundo Jovem na contextualizao de Gnero no discurso dos educadores Resumo Este projeto piloto tem como objetivo identificar assuntos relacionados sobre gnero nos artigos publicado na Revista Mundo Jovem PUC, no perodo de 2001 a 2013. O jornal Mundo Jovem, alm de promover o debate sobre o contexto e as perspectivas...

    4471  Palavras | 18  Páginas

  • O ensino da modalidade oral da linguagem

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ANTONIO SANTOS DA COSTA O ENSINO Da modalidade ORAL da linguagem NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Abaetetuba – PA 2013 ANTONIO SANTOS DA COSTA O ENSINO Da modalidade ORAL da linguagem NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Graduação em Letras, Parfor Letras Língua Portuguesa, Faculdade de Ciências da Linguagem...

    9548  Palavras | 39  Páginas

  • As consequências da gratuidade dos registros públicos no espírito santo

    CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA – UVV CURSO DE DIREITO WAGNER GAMA AS CONSEQÜÊNCIAS DA GRATUIDADE DOS REGISTROS PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO VILA VELHA – ES 2003 WAGNER GAMA AS CONSEQÜÊNCIAS DA GRATUIDADE DOS REGISTROS PÚBLICOS NO ESTADO DO ESPIRITO SANTO Monografia apresentada ao Núcleo de Pesquisa e Monografia Jurídica do Centro Universitário Vila Velha, como requisito parcial...

    8314  Palavras | 34  Páginas

  • ensino da linguagem oral na educacao infantil o lugar dos generos textuais formais 1

    TÍTULO: Ensino da linguagem oral na educação infantil: o lugar dos gêneros textuais formais AUTORIA: Glaís Sales Cordeiro (doutora, Universidade de Genebra, Glais.Cordeiro@unige.ch) RESUMO Esta contribuição visa realizar uma discussão sobre o lugar dos gêneros textuais formais no ensino da linguagem oral no ciclo da educação infantil, onde a noção de gênero é ainda pouco presente na prática do educador e do professor. Será apresentada a análise de produções do gênero oral “receita de cozinha”, realizadas...

    8263  Palavras | 34  Páginas

  • Notas sobre registro público

    Notas sobre registros públicos Prof. Natanael Sarmento, Dr. titular da UNICAP. Resumo: Faz breve introdução de natureza meta jurídica sobre a atividade de registro público; esboça breve histórico da evolução do sistema do serviço de registro público e da forma de acesso ao cargo de oficial; analisa os aspectos jurídicos dos registros e das averbações públicas concernentes às pessoas naturais. Tem por ponto de partida a lei de registros públicos lei n.◦ 6.015/73 e lei a n.◦ 8.935/94, que...

    11067  Palavras | 45  Páginas

  • As práticas orais na escola

    CLÁUDIA GOULART AS PRÁTICAS ORAIS NA ESCOLA: O SEMINÁRIO COMO OBJETO DE ENSINO UNICAMP Instituto de Estudos da Linguagem 2005 CLÁUDIA GOULART AS PRÁTICAS ORAIS NA ESCOLA: O SEMINÁRIO COMO OBJETO DE ENSINO Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Lingüística. Área de concentração: Sociolingüística Orientadora: Profª Drª Anna Christina...

    64364  Palavras | 258  Páginas

  • Registro de Imóveis

    Sistema Notarial no Brasil 10 2.3 - Outras Classificações 10 3 - Sistema de Registro da Propriedade Imóvel      10 11 3.1 - Sistema de Registros Pessoais e de Registros Reais 11 11 3.2 - Registros de transcrição ou de inscrição 11 3.3 - Registros declarativos e constitutivos 11 3.4 - Registros que convalidam ou não o título 12 3.5 - Registro de Imóveis na Argentina 12 3.6 - Registro Imobiliário no Brasil 12 3.7 - Outras classificações 14 4 - Transferência da propriedade...

    27074  Palavras | 109  Páginas

  • fontes orais

    DOSSIÊ Fontes orais e história do Rio Grande do Sul: Novas perspectivas ou falsos avanços? Rejanne Silva Penna* 1. Introdução A FORMULAÇÃO DE UM “PROBLEMA HISTÓRICO” é fundamental ao trabalho do historiador, constituindo o verdadeiro centro da investigação. É isso o que proponho: pensar como o debate sobre as fontes orais se constrói como problema metodológico. O tema que abordo, uma reflexão sobre metodologia, encontra-se inserido em determinada realidade, buscando a própria historicidade...

    6495  Palavras | 26  Páginas

  • Afranio De Carvalho Registro De Imoveis Completo

    Afrânio de Carvalho Professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro Registro de Imóveis Comentários ao sistema de registro em face da Lei 6.015, de 1973, com as alterações da Lei n. 6.216, de 1975 Forense – Rio de Janeiro Conteúdo CAPÍTULO 1 ............................................................................................................................................... 7 HISTÓRICO DO REGISTRO .....................................................................................

    209443  Palavras | 838  Páginas

  • Teoria Geral Dos Registros P Blicos

    Teoria geral dos registros públicos – Professora Daniela Rosário Bibliografia: - Lei dos notários e registradores comentada – Walter Ceneviva (cuidado com a Lei 6.015 comentada) - 11/08/10 Panorama constitucional: Encontram efetivo amparo no texto constituição. O artigo 236 regulamenta uma parte da atividade notarial e registral. O serviço notarial e registral é serviço público. O efetivo titular da atividade notarial e registral é o Estado que delega o efetivo exercício da atividade ao particular...

    49318  Palavras | 198  Páginas

  • NOGUEIRA, M. A. e CATANI, D. (Orgs.) Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

    oralidade para se comunicarem. Porém, no Brasil, a partir de 1857, no governo de D. Pedro II é fundado o instituto dos Surdos-mudos, atual Instituto Nacional de Educação de Surdos - INES, pelo diretor e professor surdo francês Eduard Huet que usou o método oral e gestual, dando o primeiro passo para a educação dos surdos. O antigo Instituto no Brasil ficou como um centro de integração para o fortalecimento do desenvolvimento da LIBRAS. O fato de não escutar não impossibilita a comunicação das pessoas surdas...

    4302  Palavras | 18  Páginas

  • historia oral

    Uma das primeiras experiências com História Oral no Brasil ocorreu no Museu da Imagem e do Som - MIS/SP (1971), que tem se dedicado à preservação da memória cultural brasileira. Hoje em dia O acervo MIS conta com mais de 200 mil itens. São fotografias, filmes, vídeos, cartazes, discos de vinil e registros sonoros. Entre os destaques estão depoimentos de Tarsila do Amaral, Tom Jobim, registros em áudio sobre a Companhia cinematográfica Vera Cruz, Memória do Rádio e Memória Paulo Emílio Salles Gomes...

    502  Palavras | 3  Páginas

  • lingua oral e escrita

    6 Tema 02: Os Campos da Linguística  24 Tema 03: Influência dos aspectos fonológicos no aprendizado da escrita  40 Tema 04: Variação Linguística  56 Tema 05: Preconceito Linguístico  72 Tema 06: Compreensão e produção Oral  86 Tema 07: Compreensão e produção Escrita: a habilidade de ler  102 Tema 08: Compreensão e produção Escrita: a habilidade de escrever  118 Tema 09: O tratamento da oralidade e da escrita  136 Tema 10: Leitura, escrita...

    30316  Palavras | 122  Páginas

  • Trabalho Escrito Do Adelsom

    (Marcelo Coelho) Análise para entendermos melhor a Polifonia Usaremos personagens como figuras ilustrativas: O Leitor é quem (também poderíamos chamar de alocutário) ou seja a pessoa a quem o locutor dirige um ato de fala numa situação de comunicação oral. Será a nossa dona Florinda O Locutor- que é quele que enuncia como autor empírico É quando o autor se guia, se fundamenta apenas na experiência; seus resultados são dados pela experiência, excluindo qualquer teoria própria para ligar os resultados...

    2424  Palavras | 10  Páginas

  • A EFICÁCIA DO PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA REALIDADE FRENTE ÀS PROVAS DE REGISTRO DOCUMENTAIS

    RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO MARIANE TRUCOLO RODRIGUES A EFICÁCIA DO PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA REALIDADE FRENTE ÀS PROVAS DE REGISTRO DOCUMENTAIS Porto Alegre 2013 MARIANE TRUCOLO RODRIGUES A EFICÁCIA DO PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA REALIDADE FRENTE ÀS PROVAS DE REGISTROS DOCUMENTAIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para obtenção de grau de Bacharel pelo programa de graduação da Faculdade de Ciências...

    20886  Palavras | 84  Páginas

  • RETIFICAÇÃO DE REGISTROS PUBLICOS

    direito a seguir aduzidos. I - DOS FATOS A requerente é viúva do extinto agricultor xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx falecido em 06/01/2014, em xxxxxxx conforme faz prova a certidão de óbito do Ofício do registro civil das pessoas naturais do segundo oficio de notas, Subdistrito xxxxxxxx, Termo 22313, do Livro Nº 088, folha Nº 218. Ocorreu que naquele assento a profissão do falecido anteriormente ao óbito era de AGRICULTOR como consta...

    1011  Palavras | 5  Páginas

  • A IMPORTÂNCIA DO ADEQUADO REGISTRO DA PESSOA JURÍDICA

    HORIZONTE A IMPORTÂNCIA DO ADEQUADO REGISTRO DA PESSOA JURÍDICA1 Antônio dos Santos Leal Junior Cláudio Henrique Alvarenga Joanes Flávio Antônio Vale da Silva Jeferson Pereira Silva Luís Phillype Nascimento Otávio Aparecido Campos2 RESUMO O presente trabalho apresenta a importância do adequado registro da pessoa jurídica, evidenciando todos os processos para este. O registro de empresas segue as normas de acordo com a Lei n° 8934/94, que dispõe do registro de empresas mercantis e atividades...

    6400  Palavras | 26  Páginas

  • Comunicação oral e escrita

    EAD ENSINO DE APRENDIZAGEM À DISTÂNCIA APRENDIZAGEM COMERCIAL Nome: Bruno Augusto de Freitas Tomaz Turma: 070 Data de aplicação: __/__/__ Comunicação oral e escrita O nosso século é tanto o do átomo e o do cosmos como o da linguagem. Rádio, televisão, cinema, jornais diários com tiragens de milhões de exemplares, livros de bolso e de biblioteca, relatórios econômicos, políticos e sociais, documentos internacionais, conferências – os verbos falar, ler e escrever...

    629  Palavras | 3  Páginas

  • 2015 1 ORIENTACOES CHAMADA ORAL 2a CHAMADA

    DIAMANTINA – MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Diretoria de Registro e Controle Acadêmico - DRCA www.ufvjm.edu.br drca@ufvjm.edu.br Divisão de Matrícula e Acompanhamento Acadêmico- DMAA/DRCA Instruções para os candidatos classificados e excedentes na Lista de Espera do SiSU convocados para chamada oral/presencial (2ª chamada) CONFORME EDITAL Nº 01/2015 COPESE/UFVJM: 7.2.1 Os estudantes convocados deverão comparecer à chamada oral no dia, horário e local de cada curso a ser indicado pela Divisão...

    2790  Palavras | 12  Páginas

  • REGISTRO REFLEXIVO

    REGISTRO REFLEXIVO REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL lll Os estudos realizados durante a disciplina Seminário Temático de Estagio ll do curso de Pedagogia nos fez refletir sobre a importância dos eixos na educação infantil: movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, natureza e sociedade e matemática. A exploração de seu corpo e movimentos ,assim como o contato como corpo do outro, é fundamental para o primeiro nível de diferenciação do eu. Entre o bebe...

    1804  Palavras | 8  Páginas

tracking img