Memória E Identidade Social Michael Pollak artigos e trabalhos de pesquisa

  • Memória e identidade social.

    Fichamento POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol 5, n. 10, 1992, p200-212. Segundo Michael Pollak, o trabalho com a memória, é um elemento cognoscível bastante peculiar, uma vez que serve de objeto de estudo diverso e complexo. Pollak trabalha com a memória desenvolvida em torno das duas grandes guerras, estudando, inclusive, a disputa de memória ocorrente entre os dois casos. Nesse caso, é importante a análise psicanalítica da memória coletiva a...

    525  Palavras | 3  Páginas

  • Memoria e Identidade

    Introdução Neste trabalho abordaremos o tema Memoria e identidade social segundo Michael Pollak, começaremos por uma breve análise relativamente ao que entendemos serem a memória e a identidade social. Michael Pollak nasceu em Viena, Áustria residente na França, formou-se em sociologia e trabalhou como pesquisador do “Centre National de la Recherche Scientifique – CNRS”. Seu interesse académico, voltado de início para as relações entre política e ciências sociais, tema de sua tese de doutorado orientada...

    2889  Palavras | 12  Páginas

  • Mémória e identidade social

    | |Título do Texto |Memória e Identidade Social | |Autor (es) |Michael Pollak | Michael Pollak em seu texto sobre Memória e identidade social retrara bastante o conceito de memória e a importância do estudo da história,incluindo seus...

    563  Palavras | 3  Páginas

  • Memória e identidade social

    RESENHA POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 5, a. 10, 1002, p. 200-212. Tradução Monique Augras. O texto de Michael Pollak apresenta a ligação entre memória e identidade social, baseado nas histórias de vida. A memória parece ser um fenômeno individual, mas segundo HALBWACHS, a memória deve ser entendida como fenômeno coletivo e social. A memória possui marcos invariáveis e imutáveis, que vem e vão, nos relatos de uma história de vida, mesmo...

    522  Palavras | 3  Páginas

  • Memória e identidade social – Michael Pollak

    Memória e identidade socialMichael Pollak (Resumo) Este pequeno artigo tem como foco o problema entre memória e identidade social, no âmbito das histórias de vida e fatos históricos. Veremos que nem sempre a identidade social e a memória política andam sobre os mesmos trilhos. Veremos que a preocupação com os conceitos de identidade e da construção duradoura de uma identidade nacional é uma constante. Em relação a memória, há o exercício de absorver em seus vestígios o que se pode relacionar...

    928  Palavras | 4  Páginas

  • Memoria e Patrimônio

    Natal/RN - Cidade Alta Curso: Produção Cultural Docente: Andréa Costa Discente: Andréa Galvão Memoria e Patrimônio Cultural Atividade avaliativa da primeira unidade do sexto período do curso de Produção Cultural, na disciplina de Memória e Patrimônio Cultural. Este trabalho tem por objetivo relacionar o tema Memoria e identidade social, através da Teoria de Michael Pollak discutidos em sala de aula, com o filme "Cinema Paradiso". Portanto, o filme é relatado ao mesmo tempo em...

    775  Palavras | 4  Páginas

  • Maurice halbwachs e a questão da memória  

    Maurice Halbwachs e a questão da Memória   O crescente interesse que a memória vem suscitando hoje entre os historiadores decorre, segundo Patrick Hutton, da inspiração da historiografia francesa, especialmente da história das mentalidades que se propagou nos anos 1970. Para Hutton, a memória já se encontrava implícita naquele momento, principalmente porque os estudos voltados para a área em questão procuravam abordar aspectos da cultura popular, da vida em família, dos hábitos e costumes de uma...

    1811  Palavras | 8  Páginas

  • Memória em triunfo da vontade

    HISTÓRIA E MEMÓRIA EM NAZISMO: TRIUNFO DA VONTADE[1] Wirlanne Nádia Lima de Carvalho[2] RESUMO: Este artigo tem por objetivo analisar as representações de História e as diferentes perspectivas de Memória presentes na obra de Alcir Lenharo, Nazismo: Triunfo da vontade. A obra pontua a importância da imprensa, propaganda e das produções cinematográficas na construção da política e do ideal nazista para a solidificação de uma memória coletiva nacional como forma de organização de uma identidade. ...

    1388  Palavras | 6  Páginas

  • A transmissão ao vivo do carnaval fora de época de uruguaiana na formação da identidade da festa

    A transmissão ao vivo do Carnaval fora de época de Uruguaiana na formação da identidade da festa Marina Lopes Correa Professores: Paula Puhl, Cristina Ennes da Silva e Marinês Kunz Resumo: Tentar identificar como a informação passada nas transmissões do carnaval de rua fora de época de Uruguaiana contribuem para formação do imaginário da festa e identificação dos populares com a mesma é o principal objetivo deste artigo. Também pretende-se verificar se a transmissão tem alguma ligação, de forma...

    3748  Palavras | 15  Páginas

  • Memória e identidade social

    Pollak, Michael. Memória e identidade social. Rio de Janeiro: Estudos histórico, vol.5,n.10, 1992, p.200-212. Memória e identidade social No caso das diversas pesquisas de história oral, que utilizam entrevistas, sobretudo entrevistas de história de vida, é obvio que o que se recolhe são memórias individuais, ou, se for o caso de entrevistas de grupo, memorias mais coletivas, e o problema ai é saber como interpretar esse material (p. 200); A priori, a memoria parece ser um fenômeno individual...

    541  Palavras | 3  Páginas

  • Cultura, identidade e memória na comunidade quilombola santana dos pretos pinheiro - maranhão. (1)

    RESUMO EXPANDIDO CULTURA, IDENTIDADE E MEMÓRIA NA COMUNIDADE REMANESCENTE DE QUILOMBO “SANTANA DOS PRETOS” – PINHEIRO/MARANHÃO. Autor: André Luís Bezerra Ferreira1; Orientadora: MsC. Maria da Conceição Pinheiro de Almeida.2 Introdução O presente trabalho tem como objetivo conhecer e analisar, ainda que de forma exploratória, aspectos culturais e identitários da comunidade quilombola Santana dos Pretos no município de Pinheiro – MA, a partir de suas memórias. A referida comunidade resulta, de...

    2100  Palavras | 9  Páginas

  • Função social do arquivista

    1. Introdução: A arquivística é um campo de estudos voltado para o social e como tal tende a se adaptar à demanda da sociedade. As relações da sociedade vêm mudando ao longo do tempo, está em constante transformação, de tal maneira que a informação produzida e assimilada por ela tornou-se primordial. A informação encontra-se em todo o processo do conhecimento, que se configurou como um instrumento de grande valia e muitas vezes de supremacia, por parte de quem o detem. Sendo assim deve ser olhada...

    1416  Palavras | 6  Páginas

  • A relação entre história e memória a partir da obra O Trabalho da Memória: cotidiano e história no sertão do Piauí

    A relação entre história e memória a partir da obra O Trabalho da Memória: cotidiano e história no sertão do Piauí Simone Ferreira de Albuquerque Prof. da UFPI, Aluna esp. do Mestrado em História do Brasil pela UFPI simonefalbuquerque@hotmail.com.br RESUMO Este artigo aborda a relação entre história e memória a partir da história do campesinato do sertão do Piauí baseado no estudo antropológico realizado por Emília Pietrafesa de Godoi entre 1986 e 1989. O estudo foi realizado...

    4473  Palavras | 18  Páginas

  • memoria esquecimento ,silencio

    Memória, Esquecimento, Silencio• Michael Pollak* ======================================================================== Em sua análise da memória coletiva, Maurice Halbwachs enfatiza a força dos diferentes pontos de referência que estruturam nossa memória e que a inserem na memória da coletividade a que pertencemos.1 Entre eles incluem-se evidentemente os monumentos, esses lugares da memória analisados por Pierre Nora,2 o patrimônio arquitetônico e seu estilo, que nos acompanham por toda...

    7043  Palavras | 29  Páginas

  • Representação social

    O domínio da representação social na elaboração da identidade adolescente 1. Introdução Pela visão da Psicologia Social, a identidade se constrói pelo aspecto pessoal (características individuais do sujeito) e social, onde o sujeito faz parte de um grupo no qual se configura, valoriza e tem uma significância desta pertença. Segundo Vigotsky, a relação do homem com o mundo, não é direta, mas mediada por meio de ocorrências de outrem com o próprio sujeito. A representação inclui...

    3785  Palavras | 16  Páginas

  • Memórias de experiencias

    1 MEMÓRIAS DE EXPERIÊNCIAS Professor: Allan H. Gomes Acadêmica: Valdenice R. Andrade 1Esta pesquisa foi desenvolvida na disciplina de Atividades Integrativas II (Iniciação a Pesquisa.) MEMÓRIAS DE EXPERIÊNCIAS INTRODUÇÃO Este artigo apresenta análise de experiências do câncer de mama, suas implicações nos processos de enfrentamentos da enfermidade. Como cada sujeito lidou com suas perdas, suas marcas em questões subjetivas, emocionais, familiares e socioeconômicas na ressignificação...

    1653  Palavras | 7  Páginas

  • MONUMENTO E MEMÓRIA ESPERANCENSE: UMA IDENTIDADE CULTURAL

     MONUMENTO E MEMÓRIA ESPERANCENSE: UMA IDENTIDADE CULTURAL SOUZA, Laura Izabel Guimarães de Bacharel em Turismo – FACISA E-mail: laurinha_gui@hotmail.com CORDEIRO, Renata de Sousa Mestranda em Desenvolvimento Regional – UEPB/UFCG E-mail: renata.sousa12@yahoo.com.br ROSA, Samantha Rodrigues da Especialista em Geografia e Território– UEPB E-mail: rodrigues_darosa@hotmail.com Resumo ...

    2848  Palavras | 12  Páginas

  • Memória e identidade social

    1 MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL* Michael Pollak Michael Pollak nasceu em Viena, Áustria, em 1948, e morreu em Paris em 1992. Radicado na França, formou-se em sociologia e trabalhou como pesquisador do Centre National de la Recherche Scientifique -CNRS. Seu interesse acadêmico, voltado de início para as relações entre política e ciências sociais, tema de sua tese de doutorado orientada por Pierre Bourdieu e defendida na École Pratique des Hautes Études em 1975, estendeu-se a diversos outros campos...

    9113  Palavras | 37  Páginas

  • Museu Municipal de Carangola: em busca de uma identidade

    Museu Municipal de Carangola: em busca de uma identidade EduardoFrancisco Pimentel1 Luciane Monteiro Oliveira2 Para ser universal, aprenda primeiro a pintar sua aldeia. (Tolstoi) Introdução A memória é um motor fundamental da criatividade: esta afirmação se aplica tanto aos indivíduos quanto aos povos que encontram em seu patrimônio natural e cultural, material e imaterial os pontos de referência de sua identidade e as fontes de inspiração 3. Tudo e todos – lugares e pessoas – têm uma história...

    4311  Palavras | 18  Páginas

  • Identidade e representação social na construção de Goiânia e seus reflexos atuais

    Identidade e representação social na construção de Goiânia e seus reflexos atuais* Hélio Augusto de Magalhães** Introdução A presente exposição busca estabelecer uma reflexão sobre a cidade de Goiânia enquanto detentora ou não de identidade e representação social. Dentre os lugares e expressões que foram se manifestando com o passar dos tempos, pretende-se identificar quais elementos se aglutinam para a formação de identidade e representação social da cidade de Goiânia. No contexto histórico...

    3307  Palavras | 14  Páginas

  • Identidade Nacional

    IDENTIDADE NACIONAL . Identidade nacional é o conceito que sintetiza um conjunto de sentimentos, os quais fazem um indivíduo sentir-se parte integrante de uma sociedade ou nação. Esse conceito começa a ser definido somente a partir do século XVIII, e se consolida no século XIX, não havendo, antes disso, a concepção de nação propriamente dita. Ela é construída por meio de uma autodescrição da cultura patrimonial de uma sociedade, que se pode apresentar a partir de uma consciência de unidade...

    1308  Palavras | 6  Páginas

  • Ensino de história, memória e história local

    ENSINO DE HISTÓRIA, MEMÓRIA E HISTÓRIA LOCAL Carlos Henrique Farias de Barros* Resumo Este artigo dará continuidade ao projeto de produção científica sobre o ensino de história e sua valorização da memória para a compreensão da história local. A escolha desse tema está baseada em um trabalho sobre Memória e história local elaborado durante a disciplina “História Regional”. Para isso irá utilizar a contribuição de autores preocupados com uma maior compreensão sobre a importância do...

    7895  Palavras | 32  Páginas

  • A memória como construto de identidade cultural gurapiúna

    A MEMÓRIA COMO CONSTRUTO DE IDENTIDADE CULTURAL GRAPIÚNA Maria de Lourdes Netto Simões * Rita Lírio de Oliveira ** Resumo Este artigo tem por escopo analisar o processo de construção da identidade cultural grapiúna, por meio da memória, nos contos de Euclides Neto, reunidos no seu livro O tempo é chegado. Para tal, tomando por aporte teórico as noções de memória coletiva, propostas por Maurice Halbwachs, e de identidade cultural, propostas por Stuart Hall, o texto identifica elementos da memória...

    6158  Palavras | 25  Páginas

  • Memoria , Esquecimento Silêncio

    05/julho/2014 Memória, esquecimento, silêncio Michael Pollak Maurice Halbwachs fala de inicio sobre conceito referente à memória coletivo, onde enfatiza a força dos diferentes pontos que estrutura nossa memória e que introduz na memória coletiva que pertencemos .São os pontos de referencia...

    1575  Palavras | 7  Páginas

  • Memória, esquecimento e silencio

    POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Trad. Dora Rocha Flasksman. Rio de Janeiro: Estudos Históricos, 1989. Resumo elaborado por Lucas Cordeiro Lopes, acadêmico do 1º ano do curso de Publicidade e Propaganda nas Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS, como requisito avaliativo na disciplina de Oficina de texto I ministrada por Sandra Regina Nóia Mina. Ao elencar prismas cunhados por Maurice Halbwachs, por meio de seu tratado “Memória, Esquecimento, Silêncio”, Michael...

    791  Palavras | 4  Páginas

  • Resenha Michel Pollak

    Michel Polak No artigo de Michel Pollak (1948-1992) “Memória e Identidade Social” é grande expoente das Ciências Sociais na França e os documentos utilizados pelo autor vem tratar do problema que envolve a ligação entre memória e identidade social no âmbito das histórias de vida, através da oralidade. O autor neste texto vem abordar questões ora relacionadas aos problemas da memória, ora aos problemas da identidade na França, como elementos de construção social. O autor cita em suas pesquisas as...

    2208  Palavras | 9  Páginas

  • Resenha "Memória e Identidade Social" de Michael Pollak

    Pollak claramente enfatiza o que irá buscar no texto, um problema da ligação entre memória e identidade social, com destaque para a história oral (histórias de vida). Segundo o autor, a memória parece ser algo tratado intimamente, de cada um. Porém a memória também deve ser buscada como algo coletivo e social, algo construído coletivamente e propício à mudanças. E partindo dessa característica...

    904  Palavras | 4  Páginas

  • O nome da Rosa: uma análise cinematográfica, informacional e de memória

    Disciplina: Arquivo, Cinema, Informação e Memória 02/2010 O NOME DA ROSA Uma análise arquivística, cinematográfica, informacional e de memória. Dezembro de 2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1 BIOGRAFIA DO AUTOR 4 O FILME 4 Sinopse do Filme 5 Contexto histórico do filme 5 Título do Filme 5 ANÁLISE DO FILME 4 Arquivo 5 Cinema 5 Informação 5 Memória 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 4 REFERÊNCIAS 4 INTRODUÇÃO O trabalho em questão...

    3080  Palavras | 13  Páginas

  • Memória social

    1 A CONTRIBUIÇÃO DOS MONUMENTOS HISTÓRICOS PARA A CONSTITUIÇÃO DA MEMÓRIA SOCIAL Juliana Natal da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC juli-natal@hotmail.com Resumo Tendo como tema Arte e Memória Social, o presente artigo visa compreender a efetiva contribuição da arte, em especial dos monumentos históricos, como estímulo à imaginação no sentido de resgatar e valorizar a memória social, com vistas a responder ao seguinte questionamento: qual é a contribuição da arte...

    7264  Palavras | 30  Páginas

  • A identidade e sua construção

    A identidade e sua construção CASTELLS (1999) entende por identidade como “o processo de construção de significado com base em um atributo cultural, ou também algo inter-relacionado, o(s) qual(ais) prevalece(m) sobre outras fontes de significado”. A construção de identidades se dá através dos conceitos fornecidos pela história, geografia, biologia, instituições produtivas e reprodutivas, pela memória coletiva e por fantasias pessoais, pelos aparatos de poder e revelações de cunho religioso....

    4725  Palavras | 19  Páginas

  • A IDEIA DA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE NACIONAL ATRAVÉS DA CANÇÃO ÍNDIOS, DE LEGIÃO URBANA: UMA ANÁLISE

    CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE NACIONAL ATRAVÉS DA CANÇÃO ÍNDIOS, DE LEGIÃO URBANA: UMA ANÁLISE Ana Cecília Tiburtius Franco Universidade Federal de Pernambuco INTRODUÇÃO Este trabalho propõe-se a realizar um exame crítico do processo de tentativa de construção de uma identidade de caráter nacional através do Romantismo, assim como através das várias correntes artístico-intelectuais que contribuíram por meio de expressões culturais para o estabelecimento de um panorama político-social atual deste...

    5576  Palavras | 23  Páginas

  • articulação produção social da identidade e da diferença

    Existe uma relação intrínseca entre memória e a construção de identidades, posto que a memória faz parte da formação identitária pois é a imagem do passado que é compartilhada ou silenciada por seus integrantes que vai influenciar na imagem que o grupo tem sobre ele mesmo no presente. Michel Pollak inicia seu texto memória esquecimento silencio, pelo conceito de memória coletiva de Halbwach, enfatizando a memória nacional nesse caso Explorando como diferentes processos e atores intervêm na formalização...

    752  Palavras | 4  Páginas

  • Conexões entre cultura, identidade e memoria

    Conexões entre Cultura, Identidade e Memória. Erinete de Fátima Rosa Gomes Esse trabalho tem a finalidade de apresentar uma breve discussão acerca da conexão entre as seguintes categorias de analisecultura, identidad y memoria, así como la fecundidad heurística de estas categorí: Cultura, Identidade e memória. Cultura que do latim significa “cultivar o solo” e “cuidar”, trata-se de um conceito proposto inicialmente pelo antropólogo Edward Burnett Tylor de forma a referenciar todo conjunto...

    1606  Palavras | 7  Páginas

  • Memória e identidade social

    Resumo _ Memória e Identidade Social. Memória e Identidade Social: Michel Pollak, nascido em Viena em 1948, formouse em Sociologia, tornou- se pesquisador do Centre National de la Recherce Scientifique, CNRS. Seus principais intereses foram voltados para relações entre política e ciências sociais, e reflexão teórica sobre o problema da identidade social em situações limites. Morreu em 1992, Paris. O problema da Ligação entre Memória e Identidade Social no ambito das histórias de...

    514  Palavras | 3  Páginas

  • Relação entre memória e sociedade.

    Relação entre Memória e Sociedade Quando refletimos a cerca da relação que há entre memória, sua formação, e sociedade, como esta é também constituída por aquela, percorremos por um vasto campo de disciplina e conceitos em torno da pergunta “o que é memoria”, passamos pelo campo da História, da Filosofia, da Psicologia, paleontologia, ciências sociais e até biológicas, onde jamais constituirá um território unívoco, mas sim, polissêmico. A memória comporta diversos sentidos e conceitos conforme...

    502  Palavras | 3  Páginas

  • Cultura e identidade juvenil em tempos de globalização

    Cultura e identidade juvenil em tempos de globalização Introdução Em meio às constantes transformações vividas na cultura contemporânea, com a consolidação do processo da globalização, que trouxe consigo uma intensificação dos fluxos econômicos, de pessoas e de informação, a construção de um imaginário social é cada vez mais perpassada por elementos interculturais. Tendo esses pressupostos em mente, e partir das reflexões e estudos feitos em sala de aula, elaboramos uma pesquisa de campo...

    8108  Palavras | 33  Páginas

  • Análise do filme "uma cidade sem passado"

    ANÁLISE FÍLMICA – UMA CIDADE SEM PASSADO Apesar de ser um conjunto de ficção e verdade – como o próprio diretor e roteirista Michael Verhoeven coloca –, o filme Uma cidade sem passado é um excelente exemplo dos conceitos de memória (individual, coletiva, nacional, subterrânea), identidade e história oral trabalhados por Michael Pollak e Marcos da Silva. No filme, a estudante Sonja, motivada por um concurso de redação, resolve escrever sobre a sua cidade-natal (Pfilzing) na época do Nazismo. Antes...

    1021  Palavras | 5  Páginas

  • SIMONAL - NINGUÉM SABE O DURO QUE DEI” E A FORÇA DA MEMÓRIA COLETIVA

    (melhor documentário pelos júris popular e oficial) e menção honrosa no É Tudo Verdade (principal evento dedicado exclusivamente à cultura do documentário na América do Sul), Simonal – Ninguém sabe o duro que dei (2009) é uma produção rica em termos da memória e história de um dos maiores ícones musicais brasileiros dos anos de 1960-70. Os diretores Claudio Manoel (Casseta e Planeta), Micael Langer e Calvito Leal dão a oportunidade de grande parte do público com menos de 40 anos conhecer a trajetória de...

    1612  Palavras | 7  Páginas

  • NA TRILHA DA MEMÓRIA:As memórias dos moradores de Santa Izabel do Pará sobre o Baratismo (1930-1945)

    Sumário AGRADECIMENTOS RESUMO INTRODUÇÃO...........................................................................................................................09 Capítulo 1 13 A memória como arcabouço das lembranças passadas. 13 1.2 - Os revolucionários passaram por aqui: memórias da Revolução de 1930. 15 Capítulo 2 24 Lembranças do Baratismo: os diferentes olhares sobre o interventor. 24 Considerações Finais 33 Fontes e Referências Bibliográficas 35 1. Fontes: 35 1.1. Livros...

    14151  Palavras | 57  Páginas

  • Fichamento: A história cativa da memória?

    cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais. Ulpiano T. Bezerra de Meneses Para analisar a memória e sua “natureza de fenômeno social” Meneses discute em seu texto três questões: a reificação da memória, a construção desta no e em função do presente e a fisiologia do fenômeno. Para isso o texto é dividido em vários tópicos que abordam a questão da memória como fenômeno social e a relação da história e do historiador com o fenômeno. Meneses defende a memória como...

    1134  Palavras | 5  Páginas

  • O acervo a serviço da memporia

    O Acervo a serviço da memória Discente: Naor Franco de Carvalho Docente: Professor Doutor Marco Antônio Neves Soares (Universidade Estadual de Londrina- UEL- Centro de Letras e Ciências Humanas- Estagiário Bolsista do Centro de Documentação e Pesquisa Histórica- CDPH e do Projeto de Pesquisa A experiência Cultural Judaica em Rolândia-Pr (1938-1980.) Resumo: É comum confundir o conceito de memória com o de história, esta confusão vem do fato de esses dois conceitos estarem subjetivamente interligados...

    2412  Palavras | 10  Páginas

  • Labirintos da memória

    DE PELOTAS LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO ABORDAGEM DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO I PROFESSORES: ADRIANO MORAES, EDGAR GANDRA, ROSE MIRANDA. Fichamento do texto “Labirintos da Memória: Quem sou?”. SIMEI DA SILVEIRA TEIXEIRA SÃO JOSE DO NORTE 2011. SIMEI DA SILVEIRA TEIXEIRA Fichamento do texto “Labirintos da Memória: Quem sou?”. Trabalho de Fichamento de texto apresentado Universidade Federal de Pelotas, Licenciatura em Educação do Campo, para a disciplina de Abordagem de Pesquisa em Educação...

    2244  Palavras | 9  Páginas

  • Trabalhos

    Memória e seus paradigmas Patrícia Marques de Souza[1] Resumo: Este artigo aborda a problemática da utilização da memória como fonte histórica e suas disputas. Palavras-Chave: memória coletiva e individual, disputas, fontes históricas, relação memória/História. Considerações iniciais A idéia de memória, a maneira como ela é exercida e sua relação com a História, vêm sendo objeto de pesquisa e de debates teóricos de...

    4879  Palavras | 20  Páginas

  • A pregnância das memórias

                 A Pregnância das Memórias[1]   Ana Elisa Frazão[2] Giuliana Gallucci[3] Jessica Kumeda[4] Nathana Veronezi[5]  Orientador: Prof. Ms. Geraldo Coelho Lima Junior. Resumo: O tema Design de Moda e Artes Visuais foi desenvolvido a partir da escolha de um artista. Escolhemos o artista  contemporâneo Bill viola, que trabalha com o conceito da condição humana em seus vídeos-instalações. Focamos no conceito de memória, depois da analise e do estudo de sua obra mais recente ''Ocean...

    2833  Palavras | 12  Páginas

  • xukuru

    1 POVO XUKURU: HISTÓRIA E IDENTIDADE Edson Silva* O povo Xukuru habita a Serra do Ororubá, nos Município de Pesqueira e Poção, na Região Agreste, acerca de 215 km do Recife, em Pernambuco. Em um levantamento realizado no ano de 2006 a Fundação Nacional de Saúde contabilizou a população Xukuru em cerca de 9.021 indivíduos (FUNASA/SIASI) morando em 24 aldeias espalhadas pela Serra. Além disso, mais de 200 famílias habitam no Bairro “Xukurus” e em outros bairros da cidade de Pesqueira. (Almeida...

    1960  Palavras | 8  Páginas

  • Ines02

    UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE LETRAS LITERATURA PORTUGUESA I MARIA CLARA DE SOUZA MARIA CLARA DEFANTI PAULO SÉRGIO RICARDO PEREIRA VICTOR SOARES RODRIGUES PEREIRA A QUESTÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE NACIONAL PORTUGUESA À LUZ DO RELATO DE VASCO DA GAMA SOBRE INÊS DE CASTRO N`OS LUSÍADAS NITERÓI 2014.02 O mytho é o nada que é tudo. O mesmo sol que abre os céus É um mytho brilhante e mudo —- O corpo morto de Deus, Vivo e desnudo...

    833  Palavras | 4  Páginas

  • Identidade paranaense

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ APARECIDA VAZ DA SILVA BAHLS A BUSCA DE VALORES IDENTITÁRIOS: A MEMÓRIA HISTÓRICA PARANAENSE CURITIBA 2007 APARECIDA VAZ DA SILVA BAHLS A BUSCA DE VALORES IDENTITÁRIOS: A MEMÓRIA HISTÓRICA PARANAENSE Tese apresentada ao curso de Pós-Graduação em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em História. Orientadora: Prof.a Dr.a Helenice Rodrigues da Silva ...

    74626  Palavras | 299  Páginas

  • Pr Tica IEduca O Patrimonial

    Sobral- CE Abril de 2014 Fazendo uma relação do texto Memórias e Identidade Social do autor Michael Pollak com o filme narradores de Javé, o texto fala sobre a história oral, segundo o autor do texto “Memória deve ser entendida também, ou, sobretudo, como um fenômeno coletivo e social, ou Seja, como um fenômeno construído coletivamente e submetido a flutuações, transformações, mudanças constantes.”, no filme Narradores...

    738  Palavras | 3  Páginas

  • Historiador

    os chamados tempos históricos, quanto no que se refere às suas discussões acerca do tempo presente (Nicolazzi, 2010. p.231; Rodrigues & Nicolazzi, 2012. p.352). Nascido em 1946, François Hartog é professor da École des Hautes Études en Sciences Sociales em Paris desde a década de 1980, onde ministra seminários de historiografia antiga e moderna (Rodrigues & Nicolazzi, 2012. p.352). A produção acadêmica do autor[2], em boa medida, encontra-se articulada sob o intuito de evidenciar a dimensão temporal...

    2398  Palavras | 10  Páginas

  • capoeira resenha

    Capoeira: a memória social construída por meio do corpo Igor Márcio Corrêa Fernandes da Cunha* Luiz Renato Vieira** Luiz Carlos Vieira Tavares*** Tânia Mara Vieira Sampaio**** Resumo: O objetivo desta pesquisa foi compreender, por meio de uma análise de elementos da história da capoeira, alguns mecanismos de busca por legitimação no seu universo, bem como suas diferentes formas de organização e manifestação preservadas na memória e cultura brasileira. Utilizamos a memória social como instrumento...

    6667  Palavras | 27  Páginas

  • Caminhos da história e da memória: a Universidade Aberta da Terceira Idade da UERJ

    Janeiro 2008 Caminhos da história e da memória: a Universidade Aberta da Terceira Idade da UERJ Sandra Regina Sahb Furtado a b Neusa Cardim da Silva RESUMO Apresenta o Projeto Memória da Universidade Aberta da Terceira Idade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UnATI/UERJ), que está sendo desenvolvido pelo Centro de Referência e Documentação sobre Envelhecimento (CRDE). O Projeto tem como principal objetivo organizar e preservar a Memória da UnATI, e como objetivos específicos...

    5265  Palavras | 22  Páginas

  • A Ridicularização do Catingueiro

    Resumo Historicamente, as sociedades sempre estabeleceram padrões linguísticos aceitáveis, a norma culta ou norma-padrão representa prestígio social, embora se saiba que a língua deve servir como fator de aglutinação social e não de diferenciação ou discriminação. A norma culta pode-se afirmar como a variedade linguística usada pelas classes sociais privilegiadas de uma determinada comunidade. Essas variantes são marcas do linguajar do interior, caracterizando a variação linguística regional e...

    4137  Palavras | 17  Páginas

  • Ciências Sociais e diversidade de sotaques

    As Ciências Sociais e a diversidade dos sotaques Renato Ortiz Existe atualmente um mal-estar do universalismo. A revolução digital, os meios de comunicação, as finanças, as viagens, o imaginário coletivo do consumo, nos levam a sublinhar os traços compartilhados desses tempos de globalização. A própria noção de espaço se transformou, os símbolos e signos culturais adquirem uma feição desterritorializada, descolados de suas cores nacionais ou regionais, redefinindo-se no âmbito da modernidade-mundo...

    11728  Palavras | 47  Páginas

  • Análise das canções de chico buarque

    construindo identidade: análise das canções de Chico Buarque Carolina Gomes Paulse Produção Cultural – UFF Por meio das análises das canções do Chico Buarque da década de 1970, este trabalho verifica como a produção musical do artista nesse período expressou e registrou as características de uma identidade subterrânea (expressão usada por Pollak, 1989) que resistia à ditadura no Brasil. As músicas mostram o desespero, a esperança e o sofrimento de todos que faziam parte dessa identidade, essas também...

    6434  Palavras | 26  Páginas

  • MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural

    MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural Aimée Aguiar Bezerra1 RESUMO: O presente artigo visa promover relações entre a História e cultura imaterial , utilizando a oralidade como ferramentas de construção de identidade. A discussão ocorre em torno da perpetuação de elementos culturais pela história oral, construindo a patrimonialização...

    2697  Palavras | 11  Páginas

  • A grade de ferro

    coloca em discussão o sistema carcerário brasileiro a partir de depoimentos de presos e tem como cenário a Casa de Detenção do Carandiru, um ano antes de sua desativação. Palavras-chave: Comunicação e cidadania, documentário, prisão, Carandiru, memória Introdução O objetivo deste artigo é refletir a respeito da comunicação voltada para os setores excluídos da sociedade. Para isso, é feita a análise do documentário O Prisioneiro da Grade de Ferro(autoretratos). A partir de relatos de presos, o...

    4985  Palavras | 20  Páginas

  • leitura

    Memória coletiva é a memória de um grupo de pessoas, tipicamente passadas de uma geração para a seguinte,1 ou ainda a memória compartilhada de um grupo, família, grupo religioso, étnico, classe social ou nação.2 Pierre Nora definiu como "a memória, ou o conjunto de memórias, mais ou menos conscientes de uma experiência vivida ou mitificada por uma comunidade, cuja identidade é parte integrante do sentimento do passado".3 Origem[editar | editar código-fonte] Quando o sociologista francês Maurice...

    4589  Palavras | 19  Páginas

  • Memória e identidade cultural quilombola

    MEMORIA E IDENTIDADE QUILOMBOLA, EM TEMPOS DE MODERNIDADE O CASO DA COMUNIDADE KALUNGA, NO ESTADO DE GOIÁS. Maria Custódia Wolney de Oliveira Autora dos livros: O preço de um sonho; Kalunga e Sombras da Revolta. Blog: aromancista.com.br / e-mail: mcwolney@yahoo.com.br RESUMO O objetivo deste Artigo é voltar o olhar para a memória e identidade quilombola a partir da interferência e convívio com a sociedade. Para tanto recorro a conceituados autores, historiadores e sociólogos que em seus estudos...

    3749  Palavras | 15  Páginas

  • alfabetização anos 50

    de momentos e conversas prazerosos que nos proporcionaram informações relevantes para nosso trabalho, e, principalmente, experiências inesquecíveis que enriquecerão nossa trajetória de acadêmicas e futuras docentes. Ao ser indagado sobre suas memórias de alfabetização o entrevistado, que nos contagiou com sua simpatia e de sua esposa, disse que seria bastante difícil lembrar-se de algumas coisas, mas inicia contando-nos suas travessuras, que provavelmente são suas melhores lembranças. Notamos...

    1890  Palavras | 8  Páginas

  • O MICRO E MACRO - NAS ENTRELINHAS DA MEMÓRIA

    O MICRO E MACRO - NAS ENTRELINHAS DA MEMÓRIA LANA MARA DE CASTRO SIMAN1 KELLY AMARAL DE FREITAS2 KARLA LOBATO3 1. INTRODUÇÃO Este ensaio propõe analisar a entrevista semiestruturada com a guardiã de memória Dona Lúcia César, gravada em 2013, no Distrito de Venda Nova regional administrativa de Belo Horizonte, Minas Gerais / Brasil, pela equipe do projeto pesquisa e extensão universitária Educar pela cidade: Patrimônio Cultural e Ambiental4, proposto pelo programa de Pós-graduação da Universidade...

    3998  Palavras | 16  Páginas

tracking img