Lei Da Queda Tendencial Da Taxa De Lucro artigos e trabalhos de pesquisa

  • Mais-Valia, lucro e queda da taxa de lucro

    MAIS-VALIA, LUCRO E QUEDA DA TAXA DE LUCRO É função do lucro que age o capitalista como representante do capital. MAIS-VALIA, LUCRO E QUEDA DA TAXA DE LUCRO Como todos os capitalistas – industriais, banqueiros ou comerciantes - têm no lucro o objetivo da sua ação, é fácil compreender por que entre eles reina uma intensa concorrência: não apenas esses três grupos (com industriais, banqueiros e comerciantes competindo pela maior parcela da mais-valia produzida pelos trabalhadores)...

    592  Palavras | 3  Páginas

  • O enigma do capital e as crises do capitalismo

    superacumulacionista Marxistas nãomarxianos ou mesmo Marxistas keynesianos Lei tendencial da queda da taxa de lucro Marxistas marxianos Explicação subconsumista Explicação superacumulacionista Justificativa da divisória • Marx, no capítulo A lei tendencial da queda da taxa de juros, afirma: “(...) tampouco toda a Economia até hoje (...) conseguiu descobri-la. (...) Dada, porém, a grande importância que essa lei tem para a produção capitalista, pode-se dizer que constitui o mistério em...

    2069  Palavras | 9  Páginas

  • rotaçao do capital

    Capitalismo e Socialismo, Sub-Área Teoria do Valor A ROTAÇÃO DO CAPITAL: uma contra-tendência à queda da taxa de lucro Resumo O presente trabalho constitui uma investigação acerca da relação entre a velocidade de rotação do capital e a taxa de lucro. Ele tem por objetivo verificar se o aumento da velocidade de rotação do capital constitui uma contra-tendência a Lei da Queda Tendencial da Taxa de Lucro. Esta verificação, por sua vez, foi feita através da leitura crítica de bibliografia selecionada...

    6752  Palavras | 28  Páginas

  • 377293390108

    Painel Geral 51 Lei da queda da taxa de lucro No capítulo 26 de sua famosa obra Rosdolsky nos diz: que os textos de Marx trazem soluções para vários dos problemas da ciência econômica, inclusive o da queda tendencial da taxa de lucro. O filosofo e economista alemão pode nos ajudar nessa importante questão a partir da análise crítica da teoria de Ricardo. Como todos os clássicos, Ricardo alerta que “a tendência natural do lucro é cair” na medida que o capital se acumula (Rosdolsky: 2001, 315)...

    841  Palavras | 4  Páginas

  • Lei de tendencia a queda da taxa de lucro

    Marx para a queda da taxa de lucro, ao tentar inverter a proposição de Ricardo, acabe inadvertidamente por generaliza-la: de fato (...) sendo a produtividade do trabalho em geral crescente no capitalismo, e não o contrário, a taxa de lucro só tenderá a cair se ocorrerem rendimentos decrescentes na utilização dos meios de produção (...) de forma significativa e sistemática” (Possas, 1984, pp.46-47). Explique detalhadamente as razões pelas quais a “lei da tendência à queda da taxa de lucro” em Marx...

    3164  Palavras | 13  Páginas

  • O BRASIL APÓS A GRANDE DEPRESSÃO E AS CARACTERISTICAS DA POLITICA SOCIAL.

    para menores, mas isso só se concretiza com a promulgação do estatuto da criança e do adolescente em 1990. *Com a constituição de 1937 houve a necessidade de reconhecimento das categorias trabalhadoras pelo estado, e finalmente a consolidação das leis trabalhistas, (a CLT) promulgadas em 1943 que sela o modelo corporativista e fragmentado do reconhecimento dos direitos no Brasil. Que ficou caracterizado com:” cidadania regulada’’. *Em 1945 no poder a 15 anos Vargas caiu e abra portas para um novo...

    3129  Palavras | 13  Páginas

  • superprodução

    reflexão da atualidade da teoria marxista, assim como mostrar que os conceitos apresentados pelos dois professores nos trazem dois prognósticos antagônicos; 1- de que as crises fazem parte do modo de produção capitalista, e que, portanto, de forma tendencial elas vão continuar surgindo de forma cíclica e, 2 - existem entendimento das questões e categorias que explicam o movimento cíclico das crises, e que, portanto, há possibilidades de superação deste ciclo inerente ao modo de produção contemporâneo...

    2747  Palavras | 11  Páginas

  • PIM III

    Lucro, Acumulação de Capital e Distribuição no Brasil: uma análise dos determinantes de longo prazo dos regimes de crescimento Miguel Bruno (IPEA e FCE/UERJ) Abstract This paper proposes a preliminary analysis of the main tendencies of the Brazilian economic growth, being considered their determinants of long-term. In the post-liberalization period, new opportunities appeared to the country to meet again a new development path. But in spite of the price stabilization and of the favorable conditions...

    10655  Palavras | 43  Páginas

  • CRISES CAPITALISTAS

    ACUMULAÇÃO DE CAPITAL E CRISES CAPITALISTAS DA LEI DA QUEDA TENDENCIAL DA TAXA DE LUCRO ÁS CRISES MONETÁRIAS 1 CRISE 2007/9: O ETERNO RETORNO A CADA NOVO CICLO EXPANSIVO DO CAPITALISMO VOLTA-SE A FALAR NO FIM DOS CICLOS  CRISES NO SÉCULO XIX: 1810, 1818, 1825, 1837, 1847, 1857, 1866, 1873, 1882 E 1890  1873/1896 PRIMEIRA GRANDE DEPRESSÃO 2 CRISES ECONÔMICAS NO SÉCULO XX     3 CRISE DE 1900, 1907, 1911, 1913, 1920, 1929 (SEGUNDA GRANDE DEPRESSÃO), 1937, 1948, 1954, 1958, 1960 CRISES...

    1203  Palavras | 5  Páginas

  • A superexploração do trabalho em economias periféricas dependentes

    força de trabalho, apontada por Marini (1991, p. 2000) como sendo a característica estrutural demarcadora da condição dependente vivida pelos países da periferia em relação aos países do centro do capitalismo mundial, guarda relação evidente com a lei geral da acumulação capitalista2 de Marx, especialmente quando são tratadas a funcionalidade do exército industrial de reserva para a acumulação capitalista e, ao contrário e muito mais importante, sua “disfuncionalidade” no que diz respeito aos impactos...

    7638  Palavras | 31  Páginas

  • Conceitos de fordismo

    da própria forma mercadoria, uma vez que ele só pode ser concebido dentro da forma mercadoria. Assim, o Estado Capitalista é o que sustenta o capitalismo e vice-versa. Conseqüentemente, o capitalismo se desenvolveu nos países centrais com fortes taxas de crescimento econômico e com melhorias das condições de vida da classe trabalhadora. A aliança do fordismo com o keynesianismo se expandiu mundialmente, e o capitalismo se dedicou a um surto de expansões internacionalistas de alcance mundial. E...

    2445  Palavras | 10  Páginas

  • eletrotecnica basica

    seu limite imposto por suas próprias contradições. E essas contradições, como veremos adiante, são as responsáveis pelas crises do capitalismo. A acumulação do capital, sua razão de ser, encontra-se determinado pela teoria do valor-trabalho. É esta lei que explica as características essenciais do modo de produção capitalista. Tendo sido elaborado pela economia política clássica, por Smith e por Ricardo, foi somente com Marx que esta teoria alcançou sua plenitude teórica e prática. Foi a partir da...

    3049  Palavras | 13  Páginas

  • A controvérsia do capital

    marginalistas, é necessário ter conhecimento sobre a teoria da distribuição de renda. A teoria da distribuição de renda explica porque os trabalhadores recebem determinada quantidade de salário, os capitalistas recebem justamente aquela determinada taxa média de lucro sobre o capital que empregam e os proprietários de recursos naturais recebem determinada renda. Segundo a formulação marginalista estas três formas fundamentais de renda são vistas como resultado dos respectivos fatores produtivos (trabalho...

    3525  Palavras | 15  Páginas

  • resumo dos capítulo 5 6 e7 do livro economia poli´tica

    o texto: "o desemprego em massa não resulta do desenvolvimento das forças produtivas, mas sim do desenvolvimento das forças produtivas sob as relações sociais de produção capitalistas". A acumulação capitalista tem relação com a questão social. A lei geral da acumulação capitalista, enunciada por Marx demonstra isso: "Quanto maiores a riqueza social, o capital em funcionamento, o volume e a energia de seu crescimento, portanto também a grandeza absoluta do proletariado e a força produtiva do seu...

    1753  Palavras | 8  Páginas

  • mais-valia/queda da txa decde lucro/ e o capitalismo contemporâneo

    MAIS-VALIA/LUCRO/QUEDA DA TAXA DE LUCRO/ E O CAPITALISMO CONTEMPÂNEO *MAIS – VALIA:_ O capitalista visa, com a produção de mercadorias, à mais-valia e seu objetivo permanente é obtê-la em proporções cada vez maiores; compreende-se, pois, que o motor da reprodução seja precisamente a necessidade do capitalista em se apropriar de um quantum progressivamente maior de mais-valia – vê-se, então como a produção condiciona a reprodução que, sendo nitidamente capitalista, é ampliada, ou seja, é acumulação...

    1316  Palavras | 6  Páginas

  • Sociologia

    espaço (instância) específico e invariante do político, materializado no Estado, que possa ser compreendido de maneira autônoma de um espaço também específico e invariante do econômico, travando entre si relações de exterioridade segundo suas próprias leis de funcionamento interno. Muito pelo contrário, para Poulantzas, o político-Estado, o que também é válido para a ideologia, embora sob formas diferentes, sempre esteve constitutivamente presente nas relações de produção da existência e, assim, na...

    5080  Palavras | 21  Páginas

  • As crises do capitalismo

    capitalista A vê cair a sua taxa de lucro, ele pode inicialmente dispensar trabalhadores e aumentar a intensidade do trabalho, esperando assim diminuir os custos e reencontrar suas margens de ganho. Mas, se muitos capitalistas fizerem o mesmo – e o capitalista A não pode impedi-los de fazê-lo -, a meta buscada não é alcançada. Longe de se estabelecer, a taxa de lucro cai e a crise se generaliza. O capitalista A obtém o inverso do que busca, precisamente porque não domina as leis do mercado e essas se voltam...

    3473  Palavras | 14  Páginas

  • Rsumo

    dinâmica do capital, mostra que se faz necessário o reconhecimento do significado histórico das Crises e o seu desenvolvimento. No livro de Marx, ele certa que o capital que explana a explicação das crises está relacionada com a lei tendencial de queda das taxas de lucro, sendo assim uma crise econômica. Dessa forma as crises expressam um desequilíbrio entre produção e o consumo. Visto que quando são produzidas mais mercadorias do que a população pode comprar o processo de acumulação, gerando assim...

    2191  Palavras | 9  Páginas

  • LEI SAY Acumula O De Capital E Demanda Efetiva

    EFETIVA Capítulo 1 – A longa Vida da Lei de Say A Lei de Say não passava de uma concepção pretensiosa do economista francês Jean Baptiste Say passada adiante dentro do corpo da Economia Política Clássica por David Ricardo, que não apenas aceitou como procurou aplicá-la coerentemente nos estudos de certos problemas que a envolvia. E pela ajuda considerável de John Stuart Mill que a incorporou à economia neoclássica. Nem mesmo o nome de Say parece aplicável a tal lei, pois 1), segundo Marx, a idéia original...

    6248  Palavras | 25  Páginas

  • Politica econômica

    marxistas, relacionando-as à sua analise sobre a "lei de movimento" do capitalismo: a) Valor = c + v + s A lei de tendência à queda da taxa de lucro ética por Marx e seus seguidores como a principal lei econômica tendencial do movimento do capital. Conceito de tendência: operação de forças subjacentes ao processo econômico real que se impõe de forma persistente e dominante Marx sempre assinala, na configuração de uma tendência que opera como lei, a contraposição de forças opostas à dominantes as...

    1385  Palavras | 6  Páginas

  • SOCIAL

    outras reflexões, de maneira a aumentar o entendimento de alguns processos que se tornaram mais claros e visíveis nesse último período. O esforço teórico e político, em seu O capitalismo tardio (1982), foi o de apreender como as variáveis que compõem a lei do valor, e que se comportam de forma parcialmente independente entre si, manifestaram-se ao longo da história do capitalismo, em especial em sua fase tardia ou madura, aberta após 1945. É uma referência ao desenvolvimento pleno das possibilidades do...

    5970  Palavras | 24  Páginas

  • Proupe

    deve trabalhar. O despotismo na fábrica decorre de uma necessidade do capital: a divisão do trabalho que, através dos avanços técnicos e dos graus de especialização do trabalho, faz aumentar a produtividade, acumulando mais capital. Acumulação e Taxa de Lucro Para Marx, um dos aspectos essenciais do capital é que ele tem que ser acumulado, independentemente das preferências subjetivas dos capitalistas. O capitalista não tem necessariamente consciência do que faz, ele segue as determinações do capital...

    31165  Palavras | 125  Páginas

  • Fichamento de artigo

    reprodução do capital, mas para manter o capitalismo, nessa época, foi necessário incorporar as massas, ou seja, oferecer aos trabalhadores estabilidade no emprego, direitos previdenciários, saúde, educação etc. O compromisso fordista e a queda da taxa de lucro “esse compromisso foi “imposto” a cada um dos protagonistas pela própria dinâmica anterior do capitalismo, ou seja, pelas lutas de classes que foram marcadas o século XIX entre burguesia e proletariado. Em segundo lugar, onde foi declarado...

    1423  Palavras | 6  Páginas

  • Taxa SELIC E Infla O Victor Leal Da Veiga ARQ 15

    Taxa SELIC e Inflação: desempenho e influência no mercado imobiliário Victor Leal da Veiga Eng. Jean Heitich da Silva Grupo UNIASSELVI/ASSEVIM Arquitetura e Urbanismo (ARQ 15) Engenharia Econômica e Finanças Maio de 2014 Resumo: Esse artigo busca compreender a forma com que dois dos fatores mais relevantes da economia brasileira podem influenciar todo o comportamento do mercado e dos fundos imobiliários no país. O foco do trabalho é o desempenho da inflação, que é velha conhecida da população brasileira...

    2954  Palavras | 12  Páginas

  • Resenha de "ensaio acerca da influência do baixo preço do cereal nos lucros do capital" de david ricardo

    argumentar em defesa do fim das leis do trigo existentes na Inglaterra. Ricardo fundamenta sua tese utilizando alguns conceitos apresentados antes por Malthus e apresenta seus contra-argumentos. Ricardo afirma que, quando a taxa usual e comum dos lucros do capital agrícola e as despesas correspondentes ao cultivo da terra são, somadas, iguais ao produto total, não se pode existir renda da terra. Já quando as despesas do cultivo são iguais ao produto, não há nem renda nem lucro. Também sobre a renda da...

    514  Palavras | 3  Páginas

  • Taxa de câmbio

    Taxa de câmbio Taxa de câmbio é o preço de uma unidade monetária de uma moeda em unidades monetárias de outra moeda. A taxa de câmbio está definida em termos diretos quando representa o preço de uma unidade monetária estrangeira em unidades monetárias de moeda nacional. Ela reflete na economia, principalmente no que diz respeito ao comercio internacional. Para negociarmos entre países é definida a taxa de cambio entre eles, assim pode-se determinar a unidade de moeda de um país necessária para...

    1842  Palavras | 8  Páginas

  • Os fundamentos da crise atual do capitalismo

    uma parafernália de mercadorias estocados na indústria (e também o setor de serviços) que precisavam ser desovados para que a indústria pudesse continuar a produzir e, assim, proporcionar ao capitalista a sua meta precípua, ou seja, a obtenção do lucro através da extração de mais-valia da força de trabalho. Vejamos, por exemplo, a crise que está em curso, sobre a qual tem sido atribuída aos bancos a irresponsabilidade de haverem criado derivativos de papéis hipotecários, decuplicando virtualmente...

    2195  Palavras | 9  Páginas

  • Fichamento de ana elizabete mota - crise contemporânea e as transformações na sociedade capitalista

    Mota mostra que se faz necessário o reconhecimento do significado histórico das crises no seu desenvolvimento. Desse modo a autora cita Marx, que em seu Livro III de O Capital, explana a explicação das crises está relacionada com a lei tendencial de queda das taxas de lucro, sendo assim uma crise econômica. Dessa forma as crises expressam um desequilíbrio ente produção e o consumo, destaca Mota, visto que quando são produzidas mais mercadorias do que a população pode comprar, o processo de acumulação...

    712  Palavras | 3  Páginas

  • historia do pensamento economico

    Para os autores mercantilistas o lucro tinha origem nas trocas ou na produção? Como explicar esta visão? 9. Por que um saldo positivo da balança comercial poderia enriquecer um país, segundo as idéias mercantilistas? 10. Por que o comércio externo poderia enriquecer os reinos e o comércio interno não, para os mercantilistas? 11. Para os mercantilistas a moeda é neutra ou tem um papel ativo no desenvolvimento econômico? Qual a relação da oferta de moeda com a taxa de juros, segundo as idéias mercantilistas...

    2835  Palavras | 12  Páginas

  • Politica social

    inerente ao mundo do capital seu desenvolvimento desigual e combinado [...] pág. 113 A combinação de extração de surlucros é a base para os movimentos de aceleração e desaceleração sucessivos no capitalismo: renovadas estratégias de extração de super lucros, o aumento permanente da composição orgânica do capital. Condições políticas especiais que viabilizaram a experiência do Welfare State: o Plano Marshall, de reconstrução da Europa; crise das proporções de 1992-1932, estratégicas anticílicas Keynesianas...

    1446  Palavras | 6  Páginas

  • Roteiro de Estudo Mercantilismo

    Para os autores mercantilistas o lucro tinha origem nas trocas ou na produção? Como explicar esta visão? 9. Por que um saldo positivo da balança comercial poderia enriquecer um país, segundo as idéias mercantilistas? 10. Por que o comércio externo poderia enriquecer os reinos e o comércio interno não, para os mercantilistas? 11. Para os mercantilistas a moeda é neutra ou tem um papel ativo no desenvolvimento econômico? Qual a relação da oferta de moeda com a taxa de juros, segundo as idéias mercantilistas...

    2733  Palavras | 11  Páginas

  • Taxa selic

    valor emprestado (taxa de juro) e pode ser calculado de duas formas como juros simples ou juros compostos. O juro pode ser compreendido como uma espécie de aluguel sobre o dinheiro; A taxa seria uma compensação paga pelo tomador do empréstimo para ter o direito de usar o dinheiro até o dia do pagamento; contudo a taxa básica de juros corresponde à menor taxa de juros vigente em uma economia, funcionando como taxa de referência para todos os contratos. No Brasil, a taxa de juros básica...

    5073  Palavras | 21  Páginas

  • Lucros Cessantes

     LUCROS CESSANTES Base Técnica Unidade I - Introdução 1- Comentários Iniciais: Após a revolução industrial, com o incremento da atividade das indústrias e, consequentemente, das atividades comerciais, a demanda por seguros de incêndio aumentou consideravelmente, haja vista a necessidade de proteção do patrimônio dessas empresas. Com o passar dos tempos, e após analisarem vários sinistros ocorridos que estavam garantidos pelo seguro incêndio, constatou-se que havia perdas que...

    11984  Palavras | 48  Páginas

  • A crise economica mundial e a teoria marxista sobre a crise.

    desconfiança de inadimplência generalizada, os bancos deixaram de fazer empréstimos, preferindo a segurança do dinheiro vivo e a busca de proteção na compra de títulos de Tesouro dos EUA fez baixar a taxa de juros para uma fração de 1%, tornando-a inútil como instrumento de regulação financeira. A taxa nominal quase igual a zero é a expressão da “armadilha da liquidez”. Para evitar o colapso de todo o sistema econômico e, portanto, uma depressão nos moldes daquela desencadeada pela crise de 1929, exigiu...

    8153  Palavras | 33  Páginas

  • Trabalho do Brum Lei Smoot Hawley

    Crise de 29, e que teve duração pela década de 30, tendo seu fim apenas com a Segunda Guerra Mundial, onde os Estados Unidos se recuperou, tendo com a Europa o seu grande comprador. O período da depressão causou altíssimas taxas de desemprego, como também a queda do PIB americano, queda na produção industrial, no preço das ações, e etc. A Crise se iniciou em Julho de 1929 quando a produção industrial americana começou a despencar, mas com em 24 de Outubro do mesmo ano que a bolsa de Nova York realmente...

    892  Palavras | 4  Páginas

  • sociologia-trabalho, valor e lucro

    Erica Flaviana Everline Viana Mariana Lopes Maria Lucineia Simone Silva KARL MARX – TRABALHO ,VALOR E LUCRO A MAIS VALIA Gravatá – PE 2014 Karl Marx – Trabalho , valor e lucro e Mais Valia Em relação a economia política, Marx se dedicou ao assunto onde escreveu várias obras. Ele foi desenvolvendo seus pontos de vista sobre as leis econômicas fundamentais do capitalismo. O capitalismo vê a força de trabalho como mercadoria, porém não se trata de uma mercadoria...

    1950  Palavras | 8  Páginas

  • Depreciação da taxa de cambio

    Matriz de atividade individual* |Módulo: Sistema Monetário |Atividade: Taxas de Cambio | |Título: Depreciação da taxa de câmbio | |Aluno: | |Disciplina: Introdução à Economia |Turma:...

    1774  Palavras | 8  Páginas

  • Taxa selic

    A taxa SELIC Volta e meia ouvimos falar sobre a taxa SELIC pelos vários meios de comunicação (radio, televisão, jornais, revistas, etc.), mas poucos sabem o que é e como o seu aumento ou queda influencia as nossas vidas. Pensando nisso, hoje eu quero ajudar você a entender essas e outras questões. Vamos lá? O que é SELIC? Antes de sabermos o que é a taxa SELIC, precisamos saber o que é SELIC. O SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é um sistema informatizado que foi criado para...

    1047  Palavras | 5  Páginas

  • Lucro

    Lucro, egoísmo e harmonia na sociedade Fresco prossegue citando que a sociedade é baseada no lucro e no consumo e por isto tornara-se materialista, culminando em valores equivocados. Primeiramente, dissertarei sobre o lucro e sua função social. O lucro é essencial para uma economia e responsável por alocar os recursos de forma eficiente, logo pode ser compreendido como uma virtude. Lucros funcionam como sinais que indicam se uma empresa é eficaz em seus investimentos, quando a situação onde a receita...

    6141  Palavras | 25  Páginas

  • Marx - lei geral da acumulação capitalista

    XXIII- Lei geral da acumulação capitalista 1- Não se alterando a composição do capital, a procura pela força de trabalho aumenta com a acumulação "A composição do capital tem de ser apreciada sob dois aspectos". Primeiro, na composição segundo o valor, determina-se pela proporção entre capital constante e variável. Segundo, a composição técnica, o capital é dividido entre meios de produção e força de trabalho. Ambas as composições tem estreita relação. "Para expressá-la, chamo a composição do capital...

    3921  Palavras | 16  Páginas

  • A Lei Geral da Acumulação Capitalista

    A Lei Geral da Acumulação Capitalista No volume II do Livro I de “O Capital”, capítulo XXIII, Marx trata da Lei Geral da Acumulação Capitalista. Esta Lei do modo capitalista de produção, assim denominada por Marx, consiste no fato de quanto maiores o produto social, a capacidade de gerar riqueza e a produtividade do trabalho, de um lado, maiores serão os índices de miséria, pobreza e desemprego, do outro lado. Isto ocorre por que, no capitalismo, o objetivo da produção não consiste na satisfação...

    830  Palavras | 4  Páginas

  • Estudo Taxa de emprego na França

     ESTUDO DA REALIDADE ECONÔMICA DA FRANÇA Campinas – SP 2014 1. Definição do Problema Qual o comportamento da taxa de emprego na França? 1.1 Justificativas O desemprego que vem se acentuando na Europa e em todo o mundo é proveniente de vários fatores, dentre eles o acelerado processo de globalização. Esse processo está extremamente ligado às novas tecnologias, as empresas nativas da Europa inseriram em seu sistema produtivo a informática e a...

    1961  Palavras | 8  Páginas

  • Introdu O Teoria Econ Mica Marxista Salvo

    Marxista Módulo - 01 Setembro – 2005 Sumário Apresentação 03 Iniciação à Teoria Econômica Marxista, por Ernest Mandel 05 Capítulo I – A Teoria do Valor e da Mais-valia 1. O sobreproduto social 2. Mercadorias, valor de uso e valor de troca 3. A lei do valor 4. Determinação do valor de troca 5. O que é trabalho socialmente necessário 6. Origem e natureza da mais-valia 7. Validade da teoria do valor trabalho 05 05 07 09 13 16 19 21 Capítulo II – Capital e Capitalismo 1. O capital na sociedade...

    22346  Palavras | 90  Páginas

  • A crise do capitalismo contemporaneo

    Para entendermos esta Crise do Capitalismo Contemporâneo, é necessário recapitularmos o significado da palavra capitalismo, que para nós é um sistema econômico e social baseado na propriedade privada dos meios de produção, que tem em vista o lucro no qual os trabalhadores não participam; estes recebem um salário em troca de sua força de trabalho. Este sistema está ligado ao processo de transição dos camponeses, tendo um grande envolvimento com a expansão do trabalho assalariado, que se...

    938  Palavras | 4  Páginas

  • crise do capitalismo

    o capital não precisaria mais sujar as mãos na produção para se realizar como ser capaz de, por si mesmo, gerar lucros, lucros elevados. E, de fato, o capital “financeiro”, de certa maneira, foi capaz dessa proeza. Do final da década de 1970 para cá, não só dominou o cenário capitalista, como superou os investimentos produtivos no que se refere à capacidade de apropriação de lucros. O capital se lançou freneticamente na especulação e encontrou aí o remédio para a baixa rentabilidade que foi...

    3294  Palavras | 14  Páginas

  • Oferta x taxa de cambio

    Título: Efeitos de choques de oferta a partir da depreciação da taxa de câmbio Aluno: Bruno Luiz Cirino Disciplina: Economia Online Turma: 83 Introdução A taxa de cambio é uma das variáveis mais importantes na economia brasileira. Isso se deve principalmente por ter uma economia emergente, exportadora de produtos baseados em recursos naturais, importadora de bens de capital e insumos industriais. Os movimentos de desvalorizações na taxa de câmbio estão sempre associados com ganhos de saldo comercial...

    1225  Palavras | 5  Páginas

  • Desempenho empresarial

    atender as necessidades que vieram surgindo ao longo destes anos. Com o objetivo de criar regras que pudessem nortear as sociedades, a legislação criou leis a fim de dirimir a conduta das empresas. A lei 6.404/1976 dispõe sobre as Sociedades por Ações. As leis 11.638/2007 e 11.941/2009 Alteraram e revogaram dispositivos da Lei no 6.404, e da Lei no 6.385/1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. São várias as obrigações...

    3419  Palavras | 14  Páginas

  • RESERVAS DE LUCROS NAS PME

    4 1. INTRODUÇÃO Segundo dados do SEBRAE, estudos publicados no ano de 2007, indicam que grande parte das pequenas empresas são extintas em menos de dois anos e que um dos principais fatores condicionantes para a alta taxa de mortalidade dos pequenos empreendimentos é a falta de preparo de seus dirigentes. A contabilidade tem passado por um grande processo de mudança com a adequação aos padrões do IFRS e com o intuito da adoção de uma única linguagem contábil o CPC (Comitê de Pronunciamentos...

    2544  Palavras | 11  Páginas

  • A lei de say

    descobertas e invenções que são muitas vezes frutos do acaso. Na Ciência Econômica, para não fugir à regra, tem-se o caso da Lei de Say, um dos princípios fundamentais da análise econômica. Com efeito, ponto de convergência de diversas escolas de pensamento econômico, unindo autores tão díspares quanto Marx e Keynes na sua refutação, a aceitação ou não da Lei de Say (ou Lei dos Mercados) configura uma tomada de posição crucial na escolha de temas e enfoques em Economia. Sendo, portanto, uma concepção...

    6090  Palavras | 25  Páginas

  • A lei de say

    j:105-120, 1985, A LEI DE SAY* Flávio Soares Damico * 1 — Introdução Diz-se, normalmente, das grandes descobertas e invenções que são muitas vezes frutos do acaso. Na Ciência Econômica, para não fugir à regra, tem-se o caso da Lei de Say, um dos princípios fundamentais da análise econômica. Com efeito, ponto de convergência de diversas escolas de pensamento econômico, unindo autores tão díspares quanto Marx e Keynes na sua refutação, a aceitação ou não da Lei de Say (ou Lei dos Mercados) configura...

    6158  Palavras | 25  Páginas

  • Historia Economica Geral

    pequenas comunidades; b) Troca de excedente entre comunidades fortuitas; c) Produção usando a troca; d) Comércio mundial e uso, disseminação do dinheiro; e) Ação do comércio a longa distância sobre as comunidades, dando origem à produção visando o lucro: capitalismo. 1.1.2. Teoria da Luta de Classes (Manifesto Comunista): a luta de classes seria o motor da história. 1.1.3. Materialismo histórico: conjunto de generalizações macrossociológicas sobre as causas da estabilidade e da mudança nas sociedades...

    8824  Palavras | 36  Páginas

  • Projeto

    Metodologia Hipóteses do estudo Perspectiva de análise Sobre o modelo de desenvolvimento econômico Dados estatísticos e informações disponíveis O cenário tendencial O cenário socioeconômico O Ano Base 2004 O consumo de eletricidade A oferta de eletricidade As projeções do cenário Tendencial: resultados A demanda de eletricidade do cenário Tendencial A oferta de eletricidade no cenárioTendencial O cenário Elétrico Sustentável Introdução: o papel da eficiência energética e das novas fontes renováveis...

    31698  Palavras | 127  Páginas

  • A queda da bolsa de nova york

    Daymara Nascimento Passos Ingrid Novais Jiuliete Santos Amorim 2012 A CRISE DE 1929 A QUEDA DA BOLSA DE NOVA YORK, 1929 Contexto histórico A crise de 1929, também conhecida como queda da bolsa de Nova York, foi uma das maiores crises do capitalismo norte-americano. As conseqüências dessa crise tiveram reflexos no mundo todo. Após a Primeira Guerra Mundial terminou, os EUA se tornaram...

    1257  Palavras | 6  Páginas

  • Marx e a crise - Socioantropologia

    articular de maneira eficiente os valores do indivíduo, da liberdade, da propriedade e da igualdade. O capitalista busca lucro, mas para obtê-lo produz mercadorias e para tanto gera emprego. O trabalhador quer pagar suas contas e viver e por isso vende sua força de trabalho. Com seu salário compra as mercadorias oferecidas pelos capitalistas e assim se fecha o ciclo. O burguês tem seu lucro, o trabalhador seu salário e a sociedade cada vez mais mercadorias com que satisfazer suas necessidades. O sistema...

    3981  Palavras | 16  Páginas

  • Resumo Marx Salário, preço e lucro

    salários 1) O volume da produção nacional é algo de fixo, uma quantidade ou grandeza constante. Falso: O volume da produção aumenta de tempos em tempos Mesmo que o volume da produção nacional seja constante, seu componentes como, salário e lucro, poderiam variar. 2) O montante dos salários reais, isto é, dos salários medidos pelo volume de mercadorias que permitem adquirir, é também uma soma fixa, uma grandeza constante. Falso: Se o volume dos salários representa uma quantidade constante...

    5879  Palavras | 24  Páginas

  • 24846 24848 1 PB 1

    moldes de uma sociedade onde o ser humano seja mais livre e menos explorado PRIMEIRA PARTE SOCIALISMO UTÓPICO CONCEITO É aquele que precede o socialismo científico Não recebe a denominação de científico por não se apoiar no conhecimento das leis do desenvolvimento social Mas mesmo assim possui alguns elementos válidos que foram examinados criticamente e posteriormente utilizados pelos fundadores da teoria científica HISTÓRICO Com a substituição do feudalismo pelo capitalismo (sec XI -...

    1999  Palavras | 8  Páginas

  • Lei dos redimentos

    1 - LEI DOS RENDIMENTOS DECRESCENTES (LRD) (e Lei dos Custos Relativos Crescentes): À medida que se aumenta o emprego de um insumo, como o trabalho (deixando os demais fixos, como K, Terra e Capacidade empresarial), o produto suplementar expande-se sucessivamente em quantidades cada vez menores. O Produto total atinge um máximo e depois declina, tornando anti-econômico o emprego de trabalho adicional, com os demais fatores fixos. Quanto mais de um bem é produzido, seu custo de oportunidade...

    16195  Palavras | 65  Páginas

  • Lei Rosinha

    REDUÇÃO FISCAL DA CHAMADA LEI ROSINHA INCLUI MAIS 11 CIDADES Entraram em vigor no dia sete de outubro de dois mil e dez as novas regras do regime especial tributário para estimular a atividade econômica em alguns municípios do estado do Rio. O texto reescreve a chamada Lei Rosinha, mantendo a redução de 19% para 2% na base de cálculo da alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), mas ampliando o seu alcance. A Lei 5.636/10, cuja sanção...

    2285  Palavras | 10  Páginas

  • Resenha O Negativo Do Capital Grespan

    uma grande bobagem, porque não podem coexistir, numa mesma relação, duas coisas contraditórias. No curso das coisas, algo é ou não é: cadeira é cadeira, mesa é mesa, capital é capital, trabalho é trabalho. Isto, diz Aristóteles, também vale para as leis que regem a articulação do discurso lógico, que fala dessas coisas”. Ao que parece, este é pano de fundo sobre o qual se desenrola a crítica de Giannotti. Apoiando-se no princípio da não-contradição, segundo o qual não se pode afirmar uma coisa e,...

    3839  Palavras | 16  Páginas

  • Contabilidade Nacional

    no âmbito da aprendizagem do tema “Contabilidade Nacional”. Este trabalho vai permitir que nós façamos uma síntese da matéria que foi dada conjugando com a análise de casos práticos da economia real, como análise da evolução do PIB, das Taxas de Inflação e das Taxas de Juro. Com este trabalho pretendemos ficar com uma visão real do estado da economia nacional. No trabalho vamos incluir um enquadramento teórico seguindo-se de uma análise dos conteúdos teóricos. Esperamos que aprecie o nosso trabalho...

    7982  Palavras | 32  Páginas

tracking img