• Fichamento da introdução e capítulo um do livro as origens do português brasileiro
    uma língua pidgim ou crioula de base lexical portuguesa associada predominantemente com a etnia afro-brasileira ou ameríndia”(p.31) “Mas não podemos deixar de suspeitar que a pidginização em si, quase endêmica no Brasil desde o início da Colônia ( e antes, tanto no caso da ‘língua de preto’ da...
    1762 Palavras 8 Páginas
  • Introdução ao estudos dos pidgins e crioulo
    COUTO, Hildo Honório. Introdução ao estudo das línguas crioulas e pidgins. Ed: Universidade de Brasília. Brasília, 1996. Resumo elaborado pela acadêmica Ludmilla Vanessa de Castro, 8º semestre de letras, UFMS/CPTL. Segundo o autor, o livro “Introdução ao estudo das línguas crioulas e pidgins...
    991 Palavras 4 Páginas
  • Elementos do discurso persuasivo
    situação de contato. Historicamente, a maioria das línguas pidgins e crioulas atualmente conhecidas se formaram, entre os séculos XVI e XIX, com a expansão colonial europeia e com o sequestro de populações africanas para trabalharem como escravos no continente americano. Assim, o cenário...
    12713 Palavras 51 Páginas
  • 1363445648
    importação de escravos de regiões africanas onde comprovadamente já se falava crioulo, como no arquipélago de S. Tomé. Sendo, ao contrário dos pidgins, línguas maternas de uma comunidade, os crioulos, uma vez formados, passaram a constituir símbolos de identidade de grupo o que explica, em grande...
    1565 Palavras 7 Páginas
  • Sociolinguistica
    Brasil. Sobre línguas pidgins e crioulas: * Qual a o cenário dos pidgins e crioulos na América (aspectos social, econômicos) e qual o seu reflexo? * Ilusão da ideia de transplante de cultura europeia para o Novo Mundo. * O que teria motivado o resgate da história e processo de contato...
    1387 Palavras 6 Páginas
  • Revisão de Portugues
    uma ciência capaz de fazer previsões e articular-se com outras, como psicologia, biologia, computação. Chomsky mostra que a capacidade para a linguagem é inata. É só lançar uma criança no meio de uma comunidade que ela absorve o idioma local. O fenômeno das línguas crioulas revela que grupos...
    2410 Palavras 10 Páginas
  • O Portugues Afro-Brasilero
    -brasileiro Caracterização sociolinguística do português afro-brasileiro Palavras finais 523 535 543 Referências 547 Português Afro-Brasileiro.pmd 14 24/8/2009, 15:36 Apresentação Este livro se originou em uma disciplina sobre línguas pidgins e crioulas ministrada por Alan Baxter...
    236571 Palavras 947 Páginas
  • O Português Afro-Brasileiro
    Português Afro-Brasileiro.pmd 14 24/8/2009, 15:36 Apresentação Este livro se originou em uma disciplina sobre línguas pidgins e crioulas ministrada por Alan Baxter (na época, Professor Associado da Universidade La Trobe, na Austrália), como professor convidado do Mestrado de Linguística...
    236667 Palavras 947 Páginas
  • geolinguistica
    diastrática). Dialeto é uma variante linguística constituída por características fonológicas, sintáticas, semânticas e morfológicas próprias. PATOÁ (do francês patois) é qualquer língua não padronizada. Apesar de o termo não ser formalmente definido em linguística, pode referir-se à: Pidgins...
    1216 Palavras 5 Páginas
  • sociolinguística
    línguas que são faladas como primeira língua e que nascem em comunidades que usam pidgin como uma língua franca chamamse línguas crioulas. E são sempre mais regulares e mais gramaticais do que os pidgins. Como as línguas crioulas têm falantes nativos, elas são línguas naturais, como qualquer outra...
    25655 Palavras 103 Páginas
  • Vertentes
    Brasil é quase um truísmo e é admitida por todos os grandes estudiosos que se dedicaram ao tema, tanto os que defenderam, quanto os que negaram “as origens crioulas da língua no Brasil”. É o que se pode ver na referência de Jacques Raimundo (1933: 75) “à língua dos escravos no Brasil, uma...
    12423 Palavras 50 Páginas
  • Componentes de markiting
    trabalhadores e não aprendida de forma nativa. Os pidgins podem se desenvolver e se tornarem línguas crioulas quando começam a ser aprendidas de forma nativa por crianças, que passam a generalizar as características de um pidgin para uma gramática completa e estabilizada (SCHUMANN, 1976 e MITCHELL; MYLES...
    7811 Palavras 32 Páginas
  • Divercidade linguistica
    origem a pidgins e crioulos ou a novas variantes da Figura 3 O Português nos quatro cantos do mundo 260 Maria Filomena Capucho língua, num movimento marcado por fenómenos de cruzamentos multiculturais; • o período da (re)integração, que situarei a partir de 1974 até aos dias de hoje, onde...
    14094 Palavras 57 Páginas
  • trabalhos
    português pelos africanos pudesse ter gerado uma língua crioula ou semicrioula em suas origens. Hoje, passadas algumas décadas dos primeiros estudos dialetológicos e da consolidação de diversos projetos acadêmicos que buscaram e ainda buscam descrever as normas em prática no Brasil, podemos falar de uma...
    7478 Palavras 30 Páginas
  • Contabilidade
    a Argélia e a República Democrática do Congo, somente foi alcançada após desgastantes conflitos que se estenderam por até anos de guerra. Introdução O presente trabalho tem o objetivo de apresentar a língua portuguesa nos países africanos de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São...
    855 Palavras 4 Páginas
  • Perspectiva social
    AQUISIÇÃO DE SEGUNDA LÍNGUA De uma perspectiva linguística a uma perspectiva social AQUISIÇÃO DE SEGUNDA LÍNGUA: De uma perspectiva linguística a uma perspectiva social INTRODUÇÃO O artigo apresenta a necessidade de compreendermos o...
    922 Palavras 4 Páginas
  • O FALAR DO NORDESTE GOIANO: Marcas de Resistência Sociocultural
    . COUTO, Hildo Honório do. Introdução ao estudo das línguas crioulas e pidgins. Brasília: UNB, 1996. ________________. Fonologia & Fonologia do Portugues. Brasília: Thesaurus, 1997. ERICKSON, F.Ethnographic description. In: U. Ammon, N. Dittmar and K. Matthier(eds). An international handbook of...
    10425 Palavras 42 Páginas
  • a hora e a vez de ataliba de castilho
    importância do desenvolvimento das línguas gerais*, que não são pidgins ou crioulos, “mas continuações de línguas indígenas que passaram a ser faladas pelos mestiços de homens europeus e mulheres índias”. Duas línguas gerais se desenvolveram no Brasil: a Língua Geral Paulista e a Língua Geral...
    15717 Palavras 63 Páginas
  • Variedades do português
    Trabalho em Grupo de Língua Portuguesa TEMA: Variedades do português Índice Pág. I – INTRODUÇÃO ………………………………………………………………… 4 II – DESENVOLVIMENTO ………………………………………………………. 5 2.1 – A...
    1330 Palavras 6 Páginas
  • STP T
    : a primeira colonização, que abrange o povoamento e o ciclo de açúcar, no século XVI, e a segunda colonização, que está intimamente ligada aos ciclos de café e de cacau nos séculos XIX e XX.3 Actualmente, são faladas, nas duas ilhas, o português, três línguas crioulas autóctones que resultam da...
    6330 Palavras 26 Páginas