Feyerabend artigos e trabalhos de pesquisa

  • A teoria anarquista de Feyerabend

    A teoria anarquista de FEYERABEND: -Vale-tudo Defende a ideia de que nenhuma das metodologias da ciência apresentadas até agora foram bem sucedidas. Ele argumenta que as metodologias fracassaram em fornecer regras adequadas para orientar as atividades dos cientistas. Essa ideia de ser ou não governamentada em regras, é simultaneamente não-realista (supõe uma visão por demais simples dos talentos do homem e das circunstâncias que encorajam ou causam seu desenvolvimento) e perniciosa (pois a...

    1331  Palavras | 6  Páginas

  • PAUL FEYERABEND

    PAUL FEYERABEND - CONTRA O MÉTODO INTRODUÇÃO Para Paul Feyerabend, a ciência não é uma atividade racional. Menos ainda necessita de um método próprio para se efetivar. Qualquer regra pode e deve ser quebrada, inclusive as regras da lógica, para haver um progresso no conhecimento. Com essas idéias, ele acaba por adotar uma posição clara e assumidamente não racionalista e relativista, e se autodenomina um “anarquista metodológico”. CAPÍTULO I Não existe uma só regra que, embora tenha princípios...

    1027  Palavras | 5  Páginas

  • EVOLUÇÃO DA CIÊNCIA SEGUNDO FEYERABEND

    Soares Nathália Grazziotin Roan Roberto Brolese Samanta Cristiane Sander EVOLUÇÃO DA CIÊNCIA SEGUNDO FEYERABEND Caxias do Sul 01 de Outubro de 2010 Andréia Camargo dos Santos Gustavo Henrique Soares Nathália Grazziotin Roan Roberto Brolese Samanta Cristiane Sander EVOLUÇÃO DA CIÊNCIA SEGUNDO FEYERABEND Estudo apresentado como requisito parcial da disciplina de Epistemologia. Cursos de Engenharia de Controle...

    2805  Palavras | 12  Páginas

  • Paul Feyerabend

    Centro Estadual de Educação Profissional CEEP 3NAM2 – Eletrônica Filosofia - Clovis Paul Feyerabend Contra o método Curitiba, 01 de Setembro de 2014. Quem foi? Paul Feyerabend foi um filósofo e epistemólogo austríaco, nascido em 1924 e falecido em 1994, frequentou a Universidade de Viena, onde conheceu Karl Popper. A obra deste "filósofo da ciência" é polémica: critica a racionalidade ocidental e pretensão da ciência à objetividade. Considera que é na retórica...

    758  Palavras | 4  Páginas

  • Paul karl feyerabend

    Paul Karl Feyerabend nasceu em 1924, em uma família de classe média de origem Alemã na cidade de Viena Áustria. Quando criança, Feyerabend era isolado de sua vizinhança, não possuía amigos e nenhum contato com seus vizinhos, sendo a sua família seu único circulo social, ele era considerado uma criança doente. Aos seis anos de idade entrou na escola, onde demorou em se adaptar a viver com outras pessoas já que ele não fazia a mínima ideia de como as pessoas conviviam e “o que fazer com elas”. Com...

    913  Palavras | 4  Páginas

  • Feyerabend

    científica nunca se prova. Diferentemente de todos os teóricos já citado o alemão Paul Feyerabend surge em nossa discussão não como um pensador que vem acrecentar as ideias já propostas, mas sim criticar e ir de contra ao método. As idéias de Feyerabend, conforme organizadas por A. F. Chalmers em sua obra "O que é ciência Afinal?", podem ser agrupadas em quatro pilares estruturais. Primeiro, o vale-tudo. Segundo Feyerabend, não existe um método científico universal, isto é, cada ramo da ciência e cada...

    1292  Palavras | 6  Páginas

  • Metodologia da economia: popper, kuhn, lakatos e feyerabend

    de cientificidade e na escolha entre teorias é característica do instrumentalismo metodológico sustentado por Milton Friedman, que resgata idéias positivistas para argumentar a favor de uma neutralidade axiológica da ciência econômica. 4.3.Paul Feyerabend e o Anarquismo Metodológico Nenhuma das ideias que subjazem à minha argumentação é nova. Minha interpretação do conhecimento científico, por exemplo, era uma trivialidade para físicos como Mach, Boltzmann, Einstein e Bohr. No entanto, as idéias...

    7289  Palavras | 30  Páginas

  • Feyerabend e Ricouer

     UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ANA CONCEIÇÃO BARBUDA FERREIRA Metodologia da pesquisa em direito Fichamento 9: FEYERABEND, Paul K. Contra o método. Cezar Augusto Mortari (Trad.). São Paulo: UNESP, 2007. RICOEUR, Paul. O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Trad.: M. F. Sá Correia. Porto: Rés, 1989. SALVADOR ATIVIDADES Cumpre-nos registrar...

    6452  Palavras | 26  Páginas

  • Feyerabend

    Afirmação: Para Feyerabend, o problema da demarcação entre ciência e não-ciência/pseudo ciência tem como solução um critério lógico. É falsa porque, segundo Feyerabend, não há uma necessidade de separar a ciência da não ciência. Mas, principalmente, ele refuta qualquer ideia de demarcação de ciência porque, segundo ele, isso vai contra a própria ciência sem que a ciência pode ou deva operar de acordo com regras fixas e universais. Isso é irrealista e perniciosa. Sendo um “vale tudo”, todos os...

    5183  Palavras | 21  Páginas

  • feyrabend

     Seminário Feyerabend 1) Contexto histórico durante a publicação do livro O seu livro “Contra o Método”, em inglês “Against Method” foi finalmente publicado em 1975. Neste ano, em linhas gerais, ocorreram os seguintes eventos. Guerra do Vietnã chega ao fim, com a vitória do regime comunista do norte. Independência de vários países como Moçambique, Cabo Verde, Angola, Suriname, Timor - Leste... Porem acredita-se que nenhum destes acontecimentos tenha refletido diretamente nas idéias “anarquistas”...

    915  Palavras | 4  Páginas

  • Contra o Método

    ARTIGO SOBRE A OBRA “CONTRA O MÉTODO” DE PAUL FEYERABEND PALMAS, NOVEMBRO DE 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS – UFT GRADUAÇÃO EM ARTES HELDA SOARES DE ASSIS ALVES ARAÚJO ARTIGO SOBRE A OBRA “CONTRA O MÉTODO” DE PAUL FEYERABEND PALMAS, NOVEMBRO DE 2012 ARTIGO SOBRE A OBRA “CONTRA O MÉTODO” DE PAUL FEYERABEND A obra “Contra o Método”, de Paul Feyerabend se baseia na tese que a ciência não tem uma...

    1055  Palavras | 5  Páginas

  • Lakatos

    e parcimoniosa dos dados, do observado e a previsão de novas observações.Qualquer tentativa de ultrapassar o observado é destituída de sentido. FEYERABEND E O PLURALISMO METODOLÓGICO A posição de Feyerabend é geralmente vista como radical (pela "ordem vigente") na filosofia da ciência, pois implica que a filosofia não consegue prover uma descrição geral da ciência, nem possibilita descobrir um método de diferenciação entre...

    1469  Palavras | 6  Páginas

  • A FILOSOFIA DA CIÊNCIA DE KARL POPPER: O RACIONALISMO CRÍTICO

    programa por outro. Implicações da epistemologia de Lakatos e Popper - ambos racionalistas críticos - para o ensino de ciências são discutidas. ->Texto 4 FEYERABEND E O PLURALISMO METODOLÓGICO* Autora : Anna Carolina Krebs Pereira Regner Departamento de Filosofia - UFRGS Porto Alegre RS Resumo Na epistemologia contemporânea, Paul Karl Feyerabend, pensador austríaco(1924-1994),cientista(doutor em Física),filósofo, especialista em teatro e doutor honoris causa em Letras e Humanidades, é um dos mais...

    771  Palavras | 4  Páginas

  • Epistemologia e ciência

    significado e condições empíricas de verdade, excluiu a filosofia do domínio do conhecimento do real. Mas os grandes críticos da ciência contemporânea são os filósofos Gaston Bachelard (1884-1962), Karl Popper (1902-1994), Thomas Kuhn (1922-1996), Feyerabend (1924-1994) e Lakatos (1922-1974). A obra bachelardiana pode ser dividida, ainda que de forma didática, em duas: a obra diurna e a obra noturna, como o próprio autor expressa no seguinte trecho da obra Poética do Espaço: "Demasiadamente tarde,...

    6026  Palavras | 25  Páginas

  • Exercícios de Física resovidos

    Cad.Cat.Ens.Fis., v.13,n3: p.182-183, dez.1996. 182 cientifico, com o qual se descobre a realidade dos fenômenos a partir única e exclusivamente deles próprios. É nesta perspectiva anti-empirista que Thomas Kuhn, Karl Popper, Imre Lakatos, Paul Feyerabend e Gaston Bachelard propõem, através de seus respectivos modelos interpretativos para o ato gnosiológico, uma compreensão epistemológica da Ciência que algumas vezes tem sido denominada de construtivista. Negando a supremacia do objeto do conhecimento...

    36414  Palavras | 146  Páginas

  • resumo de à paz perpetua de immanuel kant

    anarquismo epistemológico de Paul Feyerabend e a “Estrutura das Revoluções Científicas” de Thomas S. Kuhn. Paul Feyerabend, contestando o caráter normativo dado a construção do conhecimento científico, assim como a condição de superioridade da ciência face a outras formas de conhecimento lança, em sua obra “Contra o Método: Delineamento de Uma Teoria Anarquista do Conhecimento”, as bases do que seria chamado de anarquismo epistemológico. Segundo Epstein (1990) ,“Feyerabend baseou-se em evidências historiográficas...

    1279  Palavras | 6  Páginas

  • benefícios e malefícios da ciência

    seus arredores, a ciência procura explicar os conceitos que estão envolvidos com a vida diária.Paul Feyerabend argumentou que nenhuma descrição de método científico pode ser abrangente o bastante para incorporar todos os conceitos e métodos usados pelos cientistas. Feyerabend objetou ao método científico prescritivo nos campos que tal método poderia sufocar e barrar o progresso científico. Feyerabend afirmou: "o único princípio que não inibe o progresso é: tudo vale (anything goes)".Uma questão crítica...

    562  Palavras | 3  Páginas

  • Trilhas interpretativas como recurso pedagógico no ensino de geografia

    infinidades de ciências. As Trilhas Interpretativas são realizadas com princípios metodológicos de estudo do meio e princípios anarquistas ou Anarquismo Epistemológico baseado no livro Contra o Método de Paul Feyerabend que se mostrava contrário a toda epistemologia. Para TOLEDO, 2005 Feyerabend se mostra contrário a toda epistemologia que tente tanto descrever como também prescrever uma única metodologia para a ciência. A razão para isso é bem simples. Em primeiro lugar, a história da ciência está...

    3618  Palavras | 15  Páginas

  • BAC 001 Resenha A crise epistemol gica da ci ncia

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ nome A EPISTEMOLOGIA NO SÉCULO XX: a visão de Popper, Kuhn, Lakatos, Feyerabend e Bachelard itaJUBÁ 2014 A EPISTEMOLOGIA NO SÉCULO XX: a visão de Popper, Kuhn, Lakatos, Feyerabend e Bachelard GERMANO, M, G. A crise epistemológica: os primeiros recuos. In: Uma nova ciência para um novo senso comum. Campina Grande: EDUEPB, 2011, p. 147-161. Neste trecho estudado, Germano fala sobre os pensamentos de filósofos do século...

    720  Palavras | 3  Páginas

  • A epistemologia pós-popperiana

    ênfase à evolução ou historia da ciência. Cada um interpretava e analisava esta história adotando termos designativos singulares no que se refere aos rumos que a ciência tomava. Entre esses epistemólogos estavam Thomas S. Kuhn, Inre Lakatos, Paul K. Feyerabend e Larry Laudan. Kuhn afirmava que “a comunidade cientifica s constitui através da aceitação de paradigmas( conquistas cientificas universalmente reconhecidas, que por certo período fornecem um modelo de problemas e soluções aceitáveis...

    1860  Palavras | 8  Páginas

  • Resumo sobre feyerabent e o anarquismo

    no horizonte conceitual do epistemólogo perguntas sobre a possibilidade de um real “fora” do sujeito cognoscente, quanto sobre as relações entre o discurso do real. Este artigo busca a problematização destas formulações. I. Feyerabend e o anarquismo Feyerabend define-se como um anarquista epistemológico, não renunciando a toda e qualquer forma de procedimento metodológico, mas subscreve-se uma iniciativa contra as diferentes tentativas de se determinar um conjunto de normas que se pretenda...

    961  Palavras | 4  Páginas

  • A crise da ciência moderna

    passou a ser usado para designar o estudo do conhecimento científico do ponto de vista crítico, isto é, do seu valor. 3.1. Feyerabend: contra o método Enquanto Popper afirma que a ciência é racional, na medida em que atende ao ideal de refutabilidade, Feyerabend, por sua vez, radicaliza e questiona a própria racionalidade científica. O filósofo Paul K. Feyerabend (1924-1994) abandonou cedo o empirismo, classificando-se como "anarquista epistemológico". Critica as posições positivistas por...

    1076  Palavras | 5  Páginas

  • Kahl popper

    verdade objetiva, como se sempre estivessem perto da verdade. Filósofos como Thomas Kuhn e Paul Feyerabend procuravam uma verdade relativa, ou seja, cada ponto de vista tem uma concepção para a ciência, depende de oque o cientista acredita. Kuhn com seus paradigmas via a ciência desenvolver – se através de revoluções científicas, quando seus paradigmas não conseguiam mais resolver tais problemas. Feyerabend diz que os cientistas escolhem o que lhes parecem melhor, ignorando a razão. Por ser anarquista...

    512  Palavras | 3  Páginas

  • Psicanálise e ciência

    ciências naturais, é muito limitado à observação direta e à experimentação. Segundo Coelho (2010) a visão de Feyerabend é libertadora daquela ciência onde somente a lógica e a matemática guiam as premissas de todo conhecimento. Antes de tudo, a ciência está calcada sob ideologias, o que já de antemão sugere uma contradição de regramento epistemológico às ciências. Partindo deste princípio, Feyerabend afirma que tudo vale dentro do escopo científico, justamente por este último não ser uma entidade delimitável...

    949  Palavras | 4  Páginas

  • RESUMO: A HISTÓRIA EPISTEMOLÓGICA - ELEMENTOS DA TEORIA DO CONHECIMENTO

    Jesus de Nazaré Cardoso Brabo, cita as ideias críticas de Paul Feyerabend ao racionalismo epistemológico e a metateoria alternativa de Imre Lakatos. Ambos contribuíram na tentativa de aperfeiçoar o modelo de desenvolvimento científico. Feyerabend radicalizou e argumentou que a filosofia da ciência não descreve de um modo geral a ciência e nem tem como possibilitar uma forma de diferenciar os produtos da ciência e da não-ciência. Feyerabend se autodenominou "anarquista epistemológico" quando pregou na...

    1474  Palavras | 6  Páginas

  • Os grandes debates da ciência contemporânea

    reformulada). Contrariando tudo, o filosofo austríaco Paul Feyerabend desenvolveu o anarquismo metodológico, pois para Feyerabend, não existem critérios para a avaliação de teorias científicas, já que para ele eram os fatos subjetivos que determinariam o sucesso ou o fracasso de uma teoria. Além disso, ele desenvolveu o princípio da tenacidade, ou seja, uma idéia deveria ser lançada e testada, mesmo se tudo em princípio a desacreditasse. Também Feyerabend afirmava que a ciência avançaria somente quando questionasse...

    591  Palavras | 3  Páginas

  • Resumo do livro Filosofia da Ciência

    de uma hipótese, o método a ser utilizado para testar a hipótese e assim sucessivamente, a fim de realizar uma pesquisa com “possibilidade” para alcançar o sucesso, porque nada na ciência é certeza absoluta. Em confronto a essa ideia Feyerabend em seu livro a ciência e a sociedade livre questiona a imposição de regras na ciência, e afirma que é necessário violar esses padrões estabelecidos pelos cientistas, para enfim obter o sucesso. Rubem Alves concorda com a ideia de que a ciência está...

    701  Palavras | 3  Páginas

  • Trabalho O Que Ci Ncia

    Por outro lado, eles também sonham em encontrar a falha que poderia levar a uma nova teoria. Paul Feyerabend (1924 - 1994) Nos anos de 1960, quando era professor em Berkeley (Estados Unidos), Paul Feyerabend costumava convidar bruxas, criacionistas, darwinistas e adivinhos para explicar sua “ciência” e debater a verdade com os alunos. Para Feyerabend: “Tudo vale”. Segundo Feyerabend, os fins justificam os meios no mundo da ciência. Se os cientistas conseguem argumentos por meio...

    1816  Palavras | 8  Páginas

  • METODOLOGIA DA CIÊNCIA: RESUMO CAP 1 ~ CAP 3

    Auguste Comte – Círculo de Viena (grupo de filósofos e cientistas; doutrina do “empirismo lógico” e do princípio da verificabilidade); real / útil / certo / preciso. Contemporaneidade (1900+) - Karl Popper – Thomas S, Kuhn – Imre Lakatos – Paul Feyerabend – Larry Laudan Racionalismo: Teve início com Tales de Mileto que buscava conhecimentos a partir de estudos embasados na matemática (para todas as coisas). Estendeu-se até René Descartes que dizia que o conhecimento devia se estabelecer sobre...

    1463  Palavras | 6  Páginas

  • Experiencia quimica

    variabilidade da mente humana. Como resultado, o século XX vislumbrou uma grande mudança no método científico e que foi a motivadora de estudos de vários filósofos científicos, dentre os quais se destacam os trabalhos de Karl Popper, Thomas Kuhn e Paul Feyerabend, este último também conhecido como “Anarquista Científico”. O principal foco do estudo de Popper foi o estabelecimento do conceito de que a ciência não é infalível, levando-o a questionar a própria definição de ciência. Desta maneira Popper procurou...

    1671  Palavras | 7  Páginas

  • Galileu - um cientista e várias versões

    Koyré(17). V. O manipulador de idéias Em sua obra mais conhecida, “Contra o método”, o filósofo da ciência Paul Feyerabend defende a idéia de que em ciência não existem regras absolutamente válidas, e que importantes desenvolvimentos só ocorreram porque alguns pensadores deixaram de obedecer a princípios metodológicos tidos como obviamente corretos e indiscutíveis(18). Para Feyerabend, não existe uma só regra de boa conduta em pesquisa, por mais plausível e fundamentada epistemologicamente que...

    5184  Palavras | 21  Páginas

  • Matias pereira

    que a ciência é o conhecimento das coisas por suas causas, ou seja, a investigação da realidade com a finalidade de indentificar a essência das coisas e fenômenos e as leis que os regem em benefício do homem. Na linha de renovação metodológica, Feyerabend (1988a) afirma que em ciência “tudo vale”. Para ele, na verdade não existe uma entidade monolítica chamada “ciência”, sendo impossível uma “teoria da ciência” ou mesmo um “método ceintífico”. O único princípio que não inibe o progesso é: tudo bale...

    3723  Palavras | 15  Páginas

  • Teorias da ciência - epistemologia da geografia

    , mesmo não sendo mais utilizada , ainda existem problemáticas construtivas sobre esta corrente , como tratam muito bem os autores que veremos a seguir. 4.1 PAUL FEYERABEND O filósofo austríaco é um importante nome a ser lembrado da presença anarquista na filosofia da ciência. Por ter residido em diversos países, Feyerabend tornou-se conhecido também por sua visão de que a ciência se tornou uma ideologia repressiva, condicionante de ações como o elitismo e o racismo. Defensor de uma atitude...

    3349  Palavras | 14  Páginas

  • pesquisa

    dessas teorias é o “dadaísmo metodológico” de Paul Feyerabend, que nega a existência de método na ciência, o que traz um contra argumento em relação a Francis Bacon que tem como princípio o método científico. Em resumo aos argumentos citados pode-se perceber que parece não haver exemplos de cientistas que se empenhanram na refutação de suas teorias, ou daquelas que se simpatizem. Os autores utilizados neste capítulo foram Lakatos, Paul Feyerabend, Copérnico, Prout e Chalmers. Por fim Chibeni chega...

    640  Palavras | 3  Páginas

  • O que é ciencia afinal?

    foi apresentado e defendido por Paul Feyerabend: nenhuma avaliação da natureza e do status da ciência estaria completa sem alguma tentativa de entrar em acordo com ele. Outro aspecto importante do ponto de vista de Feyerabend sobre a ciência tem a ver com a relação entre a ciência e outras formas de conhecimento . Ele mostra que muitas metodologias tomam como pressuposto, sem argumento, que a ciência constitui o paradigma da racionalidade. Feyerabend também defende aquilo a que ele se refere...

    1645  Palavras | 7  Páginas

  • Filosofia dentro da Ciencia

    um membro do gênero Cygnus, mas de algum outro, ou talvez algum novo. Críticas da ciência Paul Feyerabend argumentou que nenhuma descrição de método científico pode ser abrangente o bastante para incorporar todos os conceitos e métodos usados pelos cientistas. Feyerabend objetou ao método científico prescritivo nos campos que tal método poderia sufocar e barrar o progresso científico. Feyerabend afirmou: "o único princípio que não inibe o progresso é: tudo vale (anything goes)". ...

    1529  Palavras | 7  Páginas

  • Resumo Profanando a Ciência

    pretende descrever a ordem discursiva vigente que constituiu a Época Clássica, situada aqui, desde Platão até a Idade Média e a Modernidade, com Bacon, Descartes e Galileu na constituição da Ciência, dando continuidade por autores como Kuhn e Feyerabend que rompem com a ordem instaurada do Método Científico. Na Pré-modernidade, configurando-se a Filosofia, os Mitos e as Religiões produzem-se saberes em que o homem posiciona-se como um ser contemplativo. Dando as costas a todo um saber filosófico...

    13775  Palavras | 56  Páginas

  • pooper

    Popper fundada em 1946, o Departamento de Filosofia, Lógica e Método Científico na London School of Economics e há palestras e influenciou tanto Imre Lakatos e Paul Feyerabend , dois dos mais importantes filósofos da ciência na próxima geração da filosofia da ciência. (Lakatos modificou significativamente a posição de Popper, Feyerabend e repudiou totalmente, mas o trabalho de ambos é profundamente influenciado por Popper e engajados com muitos dos problemas que Popper set.) Embora haja alguma controvérsia...

    593  Palavras | 3  Páginas

  • RESENHA DO CAPÍTULO 3 – A META DA CIÊNCIA. DO LIVRO A FABRICAÇÃO DA CIÊNCIA DE ALAN CHALMERS

    ciência, ele continua o exame das posições de autores como Popper, Kuhn, Lakatos e Feyerabend, mas pretende principalmente expor seu próprio ponto de vista. Chalmers considera uma aquisição da filosofia da ciência o reconhecimento da inutilidade da busca de um método científico universal e a-histórico, o qual permitiria distinguir ciência de outras formas de conhecimento, mas evita a conclusão, sugerida por Feyerabend, de que esta inutilidade deveria nos levar a abandonar a busca de qualquer método...

    1278  Palavras | 6  Páginas

  • conceito da palavra ciencia

    Higgs, uma partícula elementar prevista pelo Modelo Padrão da Física. 1.3 Paul Feyerabend (1924–1994) Agora um leve toque de anarquia. Nos anos 1960, quando era professor em Berkeley (Estados Unidos), Se os cientistas conseguem argumentos por meio das mesmas ferramentas que todo mundo, a verdade científica não é mais sólida do que a verdade do astrólogo, do leitor de mãos ou do místico. Assim, Feyerabend disse que todas essas abordagens são igualmente válidas – ciência, sobretudo a ...

    725  Palavras | 3  Páginas

  • O que significa cartase?

    sobre as demais e na qual haveria, sem embargo, uma idéia comum que vai cristalizando. Um esquema mais ou menos artificial ocuparia então o lugar da descrição de uma interação dinâmica vital” (FLECK, 1986, p. 62) Pensamento científico de Feyerabend Feyerabend (1988a), na linha de renovação metodológica, afirma que em ciência "tudo vale". Para ele, na verdade, não existe uma entidade monolítica chamada a "ciência", sendo impossível uma "teoria da ciência" ou mesmo um "método científico". "O...

    1922  Palavras | 8  Páginas

  • Questões básicas sobre os fundamentos filosóficos de pesquisa

    etapas de apreensão desse sentido de maneira que todos os fatores possam ser contemplados. 4) Descreva o 'enfoque crítico' em ciências humanas: O enfoque crítico nas ciências humanas tem como representante maior o Anarquismo Metodológico de Paul Feyerabend, seguido de Thomas Kühn e Michel Foucault. Teóricos que não só estão preocupados com a validade ou validação das teorias ou estudos científicos, mas como também sobre os impactos ou consequências da institucionalização da ciência no mundo social...

    2044  Palavras | 9  Páginas

  • Epistemologia Positivista

    subvertido a um papel secundário as áreas que, por diversos motivos, adotam uma abordagem metodológica de fundamento epistemológico relativista. Nas suas críticas mais contundentes, autores como Gonzáles Rey (1999a, 1999b e 1997), Koch (1981) e Feyerabend (1985) têm rotulado esse modelo dominante de positivismo, devido à presença de alguns traços comuns. Essa é uma posição delicada, pois tende a atribuir semelhanças a áreas cuja interseção, no campo epistemológico-metodológico, é mínima. De ...

    6965  Palavras | 28  Páginas

  • Resenha

    ....... 165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ........................... 169 4. Alguns comentários de advertência........................................................ 172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend......................... 174 1. Vale-tudo................................................................................................ 174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    79789  Palavras | 320  Páginas

  • Inovação na aprendizagem da língua portuguesa:

    de desenvolver tarefas especiais” (FEYERABEND, 2010, p.130), os Wikis, com as páginas sujeitas à variações, permitem que o aluno produza; é o espaço onde pode familiarizar-se com a participação do outro; e pode, também, trocar informações. Essa dinamicidade exige que o discente envolva-se no processo e a aprendizagem aconteça. Palavras-chave: Inovação; Língua Portuguesa; Aprendizagem; Pesquisa Etnográfica, Wikis. Referencia Bibliográfica FEYERABEND, P. K. Adeus à Razão. São Paulo: Editora...

    516  Palavras | 3  Páginas

  • Resenha - Reinventando as Humanidades

    uma nova história, o passado tem que está sincronizado com o presente para que haja a restauração das humanidades. Segundo Feyerabend: “A História, de modo geral, e a história das revoluções, em particular, é sempre de conteúdo mais rico, mais variada, mais multiforme, mais viva e sutil do que o melhor historiador e o melhor metodologista poderiam imaginar.” (FEYERABEND, 1977, p.19). No quarto tópico sobre a “Filosofia”, o tradutor diz que a mesma é a disciplina mais carregada de história. Mostra...

    1499  Palavras | 6  Páginas

  • Filosofia da tecnologia

    neoludditas não é de uma eliminação da tecnologia, mas que esta tenha um papel positivo no aspecto do bem-estar humano. 4.2. A Ciência em uma Sociedade Livre Paul Feyerabend (1924-1994), austríaco e filósofo da ciência, como resposta às reações do polêmico Contra o Método lança, em 1978 A Ciência em uma Sociedade Livre, neste livro, Feyerabend critica a hegemonia da ciência como única portadora da verdade absoluta e questiona a supervalorização dos argumentos científicos. Para ele, em uma sociedade livre...

    9884  Palavras | 40  Páginas

  • oque é ciencias afinal

    ....... 165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ........................... 169 4. Alguns comentários de advertência........................................................ 172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend......................... 174 1. Vale-tudo................................................................................................ 174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    79789  Palavras | 320  Páginas

  • FuckBitchShit

    .......165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ............................169 4. Alguns comentários de advertência .........................................................172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend..........................174 1. Vale-tudo ..................................................................................................174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    79623  Palavras | 319  Páginas

  • o que é ciencia afinal

    científicas, a qual o autor cita ter limites e sugere mesmo uma fraqueza nessa teoria. Cap. XII – A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend A maneira principal, embora não a única, em que sustenta essa afirmação é demonstrar de que forma aquelas mitologias são incompatíveis com a histeria da física. Por se aproximar dos ideais de Kuhn, o autor com nome de Feyerabend conceitua a incomensurabilidade como componente relevante na análise da ciência. Isso acontece quando duas teorias rivais não compartilham...

    3853  Palavras | 16  Páginas

  • O que é ciência afinal - Chalmers

    ....... 165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ........................... 169 4. Alguns comentários de advertência........................................................ 172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend......................... 174 1. Vale-tudo................................................................................................ 174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    79789  Palavras | 320  Páginas

  • Livro Chalmers download

    ....... 165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ........................... 169 4. Alguns comentários de advertência........................................................ 172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend......................... 174 1. Vale-tudo................................................................................................ 174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    73599  Palavras | 295  Páginas

  • O que é ciencia afinal? Livro COMPLETO

    ....... 165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ........................... 169 4. Alguns comentários de advertência........................................................ 172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend......................... 174 1. Vale-tudo................................................................................................ 174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    73599  Palavras | 295  Páginas

  • O que é ciência afinal?

    ....... 165 3. Um relato objetivista das mudanças teóricas na física ........................... 169 4. Alguns comentários de advertência........................................................ 172 XII. A teoria anarquista do conhecimento de Feyerabend......................... 174 1. Vale-tudo................................................................................................ 174 ____________________________________ Alan F. Chalmers – O que é Ciência afinal? 6 2.Incomensurabilidade...

    73599  Palavras | 295  Páginas

  • Thomas Kuhn e as Ciências Sociais

    — tão clara como comunicar-se completamente passou despercebida de seus críticos. E não apenas de críticos contemporâneos à publicação da ERG. Laudan (1990:122) usa esta mesma passagem para justificar que "nos primeiros escritos de Kuhn e Feyerabend pode-se encontrar a defesa de que nenhuma afirmação dentro de um paradigma faz sentido em outro". Para resumir. O modelo de Kuhn de desenvolvimento das ciências naturais afirma: — a maior parte do trabalho do cientista natural se dá na fase de...

    11551  Palavras | 47  Páginas

  • Conhecimentos científicos e saberes técnicos: a ciência segundo granger

    lógicomatematicamente, que pode exprimir - numa linguagem única - seus conteúdos empíricos, para 3 qualquer área. Para Granger, porém, a unidade da ciência está definida como uma visão comum e única de conhecimento, porém com métodos e objetos plurais. Para Paul Feyerabend, em uma recente e provocadora tese, a ciência deveria ser colocada no mesmo patamar da mitologia, dada a precariedade das teorias e as lacunas e multiplicidade de métodos das explicações científicas inerentes a ele. Para ele, é legítimo o “princípio...

    2612  Palavras | 11  Páginas

  • Wiki sobre Lakatos

    sua memória. A Base de seu Estudo Mesmo considerando que "as idéias de Popper constituem o desenvolvimento filosófico mais importante do século XX" (Lakatos, 1989; p. 180), Lakatos tomou a sério as críticas que elas receberam de Kuhn e Feyerabend. Ele pretende que a sua "metodologia dos programas de pesquisa científica" (MPPC) seja uma explicação lógica para o fazer científico, interpretando "as revoluções científicas como casos de progresso racional e não de conversões religiosas" (Lakatos...

    2385  Palavras | 10  Páginas

  • Imaginação - Ruben Alves capitulo 9

    observa que esse ponto de vista é muito perturbador, porque parece equiparar o ato pelo qual um cientista defronta com uma ideia seminal à experiência de iluminação espiritual de místicos e videntes: um ato de graça, uma surpresa, uma revelação. Feyerabend sugere, claramente, que a ideia de um método científico não passa de um mito que não resiste à investigação histórica: A ideia de um método que contenha princípios científicos inalteráveis e absolutamente obrigatórios que rejam os assuntos científicos...

    1657  Palavras | 7  Páginas

  • Comentário do filme matrix

    devolvida ao homem: ela não é constituída apenas de aspectos lógicos, mas também psicológicos e sociais. Não existe “a ciência” como realidade absoluta e abstrata, mas esta ciência, que é conseqüência de uma determinada “teoria geral sobre o homem” (Feyerabend). Nomes Principais Henri Poincaré * A ciência possui um caráter convencional e não absoluto. Serve-se da liberdade de pesquisa, e não pode fixar-se em idéias preconcebidas. Emile Meyerson * Existe um dualismo irredutível...

    1653  Palavras | 7  Páginas

  • Fundamentos Epistemológicos da Psicologia

    casos particulares. PRINCIPAIS ENFOQUES DA FILOSOFIA DA CIÊNCIA Refutação de Teorias - Falsificacionismo ( Popper) X Mudanças de Paradigmas (Kuhn) X Competição entre Programas de Pesquisa (Lakatos) X Anarquismo dos Programas de Pesquisa (Feyerabend) POPPER E A REFUTABILIDADE Karl Popper (1902 – 1994) A Ciência não se baseia na Indução Nega que os cientistas iniciem seus trabalhos com observações e infiram depois uma teoria geral. Primeiro eles propõem uma teoria, apresentando-a...

    4833  Palavras | 20  Páginas

tracking img