Explique Porque A Preservação Da Memória Histórica A Reconstituição Do Passado O Relatodos Acontecimentos Não É Sempre Idêntico Em Todos Os Tempos E Em Todos Os Lugares artigos e trabalhos de pesquisa

  • Preservação da memoria histórica, a reconstituição do passado e o relato dos acontecimentos não são sempre idênticos em todos os tempos e em todos os lugares.

    A PRESERVAÇÃO DA MEMORIA HISTÓRICA, A RECONSTITUIÇÃO DO PASSADO E O RELATO DOS ACONTECIMENTOS NÃO SÃO SEMPRE IDÊNTICOS EM TODOS OS TEMPOS E EM TODOS OS LUGARES. Somos seres históricos, já que nossas ações e pensamentos mudam no tempo, à medida que enfrentamos os problemas não só da vida pessoal, como também da experiência coletiva. É assim que produzimos a nós mesmos e a cultura a que pertencemos. Assim temos um ponto de partida para darmos continuidade ao futuro e construirmos uma...

    600  Palavras | 3  Páginas

  • memorias da historia da educaçao

    Osasco 2014 MEMÓRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. O que significa afirmar que somos feitos de tempo 2. Nascemos com uma herança cultural que modificamos conforme o tempo que vivemos e isso passam de geração para geração somos seres históricos já que precisamos ter um passado formado pelos nossos antepassados para que possamos através dessa base construir a nossa historia e vivermos o presente formando um novo capitulo que um dia será a base de outras gerações não podemos desconsiderar...

    665  Palavras | 3  Páginas

  • O RELATO DOS ACONTECIMENTOS NÃO SÃO SEMPRE IDÊNTICOS EM TODOS OS TEMPOS E EM TODOS OS LUGARES

    “SOMOS FEITOS DE TEMPO?” Somos feitos de tempo, porque toda ação e pensamento mudam no tempo. Nós somos resultados das consequências do passado e das nossas heranças... A preservação da memória é um tema de destaque nos últimos anos, a Preocupação com a conservação de registros de memória, nos diferentes contextos e suportes, justifica a reflexão sobre o perigo de esquecer ou perder tais registros que relatam fatos históricos marcantes de uma determinada sociedade. O conceito memória enquanto um...

    1338  Palavras | 6  Páginas

  • Que significa afirmar que “somos feito de tempo”?

    O que significa afirmar que “somos feito de tempo”? Como dizia Paulo Freire “(...) todo amanhã se cria num ontem, através de um hoje (...). Temos de saber o que fomos para saber o que seremos”. “porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir além dele. Esta é a diferença profunda entre ser condicionado e o ser determinado” (FREIRE, 2005, p. 53). O homem, como ser de relações, desafiado pela natureza, a transforma com seu trabalho; e que...

    2040  Palavras | 9  Páginas

  • A preservação da memória histórica da educação

    - olhosazuis42@hotmail.com MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL CONTEMPORÂNEO PROFª. MARIA CLOTILDE BASTOS TELÊMACO BORBA, 18 DE ABRIL DE 2013. "A preservação da memória histórica, reconstituição do passado e o relato dos acontecimentos não são sempre idênticos em todos os lugares”. Com as experiências vividas como ser social, tornamos históricas. A história da Educação nos orienta com suas teorias, como foi construído esse passado. A cultura dos povos, as instituições...

    676  Palavras | 3  Páginas

  • Atps

    feitos de tempo” ? R= Significa que com nosso tempo temos a nossa evolução, amadurecimento, crescimento e entendimento. Com o tempo aprendemos, culturas, costumes, valores, modernidade e com esse tempo temos comodismo para o nosso desenvolvimento. 2° - Explique por que a preservação da memória histórica, a reconstituição do passado, o relato dos acontecimentos não são sempre idênticos em todos os tempos e em todos os lugares. R = Porque com ela podemos conhecera história. A reconstituição do passado...

    1988  Palavras | 8  Páginas

  • Reflexao sobre o tempo

    REFLEXÃO SOBRE O TEMPO JAVÉ DE OLIVEIRA SILVA1 É relevante e densa a afirmativa de Aranha (2006) "somos feito de tempo", por isso a memória histórica, a reconstituição do passado e o relato dos acontecimentos não são sempre idênticos em todos os tempos e em todos os lugares. Esta constante mudanças em que vive a natureza humana, afeta não somente o homem em si, mas toda sociedade que o cerca, criando valores e cresças que podem mudar no decorrer dos acontecimentos de forma lenta e gradativa...

    587  Palavras | 3  Páginas

  • Como conhecemos o passado

    Referência Bibliográfica: LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. Revista projeto História, SP, n. 17, 1998. - “A consciência do passado é, por inúmeras razões, essencial ao nosso bem-estar”; (p.64). - “Como tomamos conhecimento do passado? Como adquirimos esse background imprescindível? A resposta é simples: lembramo-nos das coisas, lemos ou ouvimos histórias e crônicas, e vivemos entre relíquias de épocas anteriores”; (p.64). - “Não temos consciência da maioria desses resíduos, atribuindo-os...

    8950  Palavras | 36  Páginas

  • A FUNÇÃO SOCIAL DA CIÊNCIA HISTÓRICA

    Introdução ao Estudo da História TEMA: A FUNÇÃO SOCIAL DA CIÊNCIA HISTÓRICA Grupo nº 1 1º Ano História/Pós-laboral O Docente: Me. J. G. Máquina BENGUELA, NOVEMBRO DE 2013 REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DE BENGUELA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Introdução ao Estudo da História TEMA: A FUNÇÃO SOCIAL DA CIÊNCIA HISTÓRICA Elementos do grupo: BENGUELA, NOVEMBRO DE 2013 PENSAMENTO Palavra...

    8356  Palavras | 34  Páginas

  • atps

    “Somos feitos de tempo”? Significa que estamos sempre acompanhando as mudanças de acordo com o tempo não esquecendo totalmente as experiências do passado, estamos sempre resgatando as memórias do passado, adaptando-as para o presente. 2º Explique porque a preservação da memória histórica, a reconstituição do passado, relato dos acontecimentos não são sempre idênticos em todos os tempos e em todos os lugares. Por que não há um conceito de ser humano universal, estamos sempre em mudança, conforme...

    738  Palavras | 3  Páginas

  • educação

    sobre a memória da educação escolar. Questões respondidas por: 1 – O que significa “somos feitos de tempo”? R: Isso significa que ao passar dos anos, décadas e etc; fomos nos aprimorando em diversos aspectos e criando hábitos herdados de geração a geração, conforme histórias contadas ou escritas. 2 – Explique por que a preservação da memória histórica, a reconstituição do passado, o relato dos acontecimentos são sempre idênticos em todos...

    2554  Palavras | 11  Páginas

  • Didática

    http://histeducacao.blogspot.com.br/2009/02/somos-feitos-de-tempo.html ás 15:37 dia 24/03/13 SOMOS FEITOS DE TEMPO Somos seres históricos, já que nossas ações e pensamentos mudam no tempo, à medida que enfrentamos os problemas não só da vida pessoal, como também da experiência coletiva. É assim que produzimos a nós mesmos e a cultura a que pertencemos. Cada geração assimila a herança cultural dos antepassados e estabelece projetos de mudança. Com a HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, construímos interpretações...

    918  Palavras | 4  Páginas

  • cidades históricas, politica de preservação

    um verdadeiro amigo. A Cristina Ferreira, minha orientadora, sempre tranquila, educada, discreta e sensata. A Tatiane Amorin e Evanilda Santos que caminharam juntas comigo durante toda a graduação sempre sorridentes. A Rafael Calumbi, meu irmão, pelas conversas. Aos professores do colegiado de museologia da UFRB, por contribuírem para a minha formação acadêmica. 4 RESUMO Este trabalho visa a compreensão da cidade histórica a partir de uma abordagem museológica. Como o universo patrimonial...

    22629  Palavras | 91  Páginas

  • A relação entre história e memória a partir da obra O Trabalho da Memória: cotidiano e história no sertão do Piauí

    A relação entre história e memória a partir da obra O Trabalho da Memória: cotidiano e história no sertão do Piauí Simone Ferreira de Albuquerque Prof. da UFPI, Aluna esp. do Mestrado em História do Brasil pela UFPI simonefalbuquerque@hotmail.com.br RESUMO Este artigo aborda a relação entre história e memória a partir da história do campesinato do sertão do Piauí baseado no estudo antropológico realizado por Emília Pietrafesa de Godoi entre 1986 e 1989. O estudo foi realizado...

    4473  Palavras | 18  Páginas

  • MONUMENTO E MEMÓRIA ESPERANCENSE: UMA IDENTIDADE CULTURAL

     MONUMENTO E MEMÓRIA ESPERANCENSE: UMA IDENTIDADE CULTURAL SOUZA, Laura Izabel Guimarães de Bacharel em Turismo – FACISA E-mail: laurinha_gui@hotmail.com CORDEIRO, Renata de Sousa Mestranda em Desenvolvimento Regional – UEPB/UFCG E-mail: renata.sousa12@yahoo.com.br ROSA, Samantha Rodrigues da Especialista em Geografia e Território– UEPB E-mail: rodrigues_darosa@hotmail.com Resumo ...

    2848  Palavras | 12  Páginas

  • APRENDIZAGEM

    feitos de tempo” Significa que o tempo é o grande mestre de tudo porque para tudo tem seu tempo . Tempo de nasce ,tempo de cresce ,tempo de amadurece ,tempo de ter uma familia para tudo existe um tempo neim sempre o tempo de um é o tempo do outro mais o ser humano sempre terá seu tempo não importa o quanto demore sendo ele o mestre de tudo . 2º)Explique porque a preservação da memória histórica, a reconstituição do passado, o relato dos acontecimentos não é sempre idêntico em todos os tempos e em...

    773  Palavras | 4  Páginas

  • Atividades Práticas Supervisionadas - História da Educação e Pedagogia

    Aulas-tema: Refletindo sobre o processo histórico-educacional e sua importância. Esta atividade é importante para que se concretize o desafio de se produzir um Registro da “memória da educação escolar no Brasil contemporâneo” pois, como diz André Burguière (PLT p. 28)...”o futuro da história, o enriquecimento de seu saber não estão do lado das fontes inexploradas que ainda dormem no fundo dos arquivos,mas na capacidade praticamente infinita dos historiadores de interrogá-las “-ou seja, está...

    830  Palavras | 4  Páginas

  • Pesquisa Histórica

     Pesquisa Histórica.. .”Lembre-se que o Passado permanece vivo no Presente” O Historiador é uma peça fundamental em todo o tipo de cultura. Ele retira e preserva os tesouros do passado, interpreta a História, aprofunda o conhecimento do presente. Um povo sem História, e sem o Historiador, é um povo sem memória. A ligação com o cotidiano está tornando a História cada vez mais atraente para o grande público. Atualmente, não é só com países, guerras e heróis que os pesquisadores se preocupam...

    1386  Palavras | 6  Páginas

  • A memória como construto de identidade cultural gurapiúna

    A MEMÓRIA COMO CONSTRUTO DE IDENTIDADE CULTURAL GRAPIÚNA Maria de Lourdes Netto Simões * Rita Lírio de Oliveira ** Resumo Este artigo tem por escopo analisar o processo de construção da identidade cultural grapiúna, por meio da memória, nos contos de Euclides Neto, reunidos no seu livro O tempo é chegado. Para tal, tomando por aporte teórico as noções de memória coletiva, propostas por Maurice Halbwachs, e de identidade cultural, propostas por Stuart Hall, o texto identifica elementos da memória...

    6158  Palavras | 25  Páginas

  • trabalho de historia

    feitos de tempo”? O homem é resultado de suas experiências passadas e perspectivas para o futuro. De acordo com nossa vivência, mudamos pensamentos e atitudes. O passado passa a ter significação quando compreendemos que muito do que somos é consequência das escolhas que fazemos e o futuro carrega as nossas ambições e projetos de mudança. Também não podemos nos compreender sem a nossa prática cultural, pois estamos inseridos nesse contexto histórico social. Isso é afirmar que somos feitos de tempo, pois...

    1083  Palavras | 5  Páginas

  • historia

    afirmar que “Somos feitos de tempo”? Somos feitos de tempo é dizer que somos seus históricos, somos formados pela herança cultural dos antepassados, a partir de então, construímos nossos projetos e suas mudanças.  2.Explique porque a preservação da  memoria histórica, a reconstituição do passado dos acontecimentos não é sempre idêntico em todos os tempos e em todos os lugares. Por que cada acontecimento histórico é relatado e interpretado de acordo com a evolução dos tempos, e de acordo com cada visão...

    585  Palavras | 3  Páginas

  • Memória Coletiva e História Científica - Norberto L. Guarinello

    GUARINELLO, Norberto L. Memória coletiva e história científica. Revista Brasileira de História. São Paul, v.14, n.28, p.180-193, 1994. - Historiador de antiguidade clássica (mais especificamente história romana) e arqueólogo, Norberto Luiz Guarinello relata suas experiências nos campos em que atua. Como arqueólogo, viu que a memória que produzimos e frágil e seletiva, tendo em vista que o arqueólogo é obrigado a destruir sítios arqueológicos , para escavá-los e preserva-los como documento...

    2449  Palavras | 10  Páginas

  • A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA HISTÓRICA, A RECOSNTITUIÇÃO DO PASSADO E O RELATO DOS ACONTECIMENTOS NÃO SERÃO SEMPRE IDENTICOS EM TODOS OS TEMPOS E EM TODOS OS LUGARES

    UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE PEDAGOGIA MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL CONTEMPORÂNEO EMEIEF CIDADE TAKASAKI HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA Marli Simões de M. A. da Silva Girlane Gomes Dutra da Silva Alessandra Figueiredo Atividade Prática Supervisionada (ATPS) entregue como requisito para conclusão da disciplina “História da Educação e da Pedagogia”, -3º semestre-, sob orientação do professor-tutor à...

    3549  Palavras | 15  Páginas

  • Memória, história e sujeito

    GALEANO (1991), a memória é o melhor porto de partida para navegantes com desejo de vento e profundidade. De fato, na busca de construção da identidade, os sujeitos individuais e sociais mergulham na profundidade de suas histórias, em uma dinâmica que pode apresentar um caráter espontâneo ou direcionado. Considerando-se a evocação do passado como substrato da memória, pode-se deduzir que, em sua relação com a História, a memória constitui-se como forma de preservação e retenção do tempo, salvando-o do...

    3025  Palavras | 13  Páginas

  • Prova Didatica

    “Somos feitos de tempo”? Resposta: Amanda Bello – Todos nós somos feitos de tempo, sendo que nossas idéias, ações e pensamentos mudam conforme os anos passam. Não usamos mais o mesmo tempo de roupas, nem o mesmo sapato, não escutamos as mesmas musicas e nem mesmo o mesmo corte de cabelo. Somos seres históricos pois somos seres mutáveis que a cada nova geração adquirimos novos comportamentos, hábitos, atitudes e maneira de pensar, pois o ser humano muda com o passar do tempo. Resposta:...

    1169  Palavras | 5  Páginas

  • Preservação patrimonio cultural

    A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E SUA TRAJETÓRIA NO BRASIL Paulo Cesar Tomaz∗ Universidade Presbiteriana Mackenzie paulocesartomaz@gmail.com RESUMO: O presente artigo tem como objetivo discorrer sobre a preservação do patrimônio cultural, bem como refletir sobre sua trajetória de preservação em âmbito nacional. O estudo do patrimônio cultural promove a valorização e a consagração daquilo que é comum a determinado grupo social no tempo e no espaço, visto o mesmo possuir significações relevantes...

    4668  Palavras | 19  Páginas

  • Brasil colônia império 1ª e 2ª república

    feitos de tempo”? Significa que somos seres históricos e que vivemos de acordo com as mudanças que ocorrem de geração a geração, nossas atitudes e pensamentos mudam o tempo todo à medida que temos de enfrentar problemas em nossas vidas pessoais e no dia a dia, somos constituídos do passado, agindo no presente para modificar o futuro, ou seja, o que fazemos hoje é resultado do que foi feito no passado refletindo no futuro, isso nos torna seres históricos “feitos de tempo”. 2-Explique porque...

    975  Palavras | 4  Páginas

  • NA TRILHA DA MEMÓRIA:As memórias dos moradores de Santa Izabel do Pará sobre o Baratismo (1930-1945)

    13 A memória como arcabouço das lembranças passadas. 13 1.2 - Os revolucionários passaram por aqui: memórias da Revolução de 1930. 15 Capítulo 2 24 Lembranças do Baratismo: os diferentes olhares sobre o interventor. 24 Considerações Finais 33 Fontes e Referências Bibliográficas 35 1. Fontes: 35 1.1. Livros e textos: 35 1.2. Jornais: 36 INTRODUÇÃO Porque temos que lutar pelos velhos? Porque são a fonte de onde jorra a essência da cultura, ponto onde o passado se conserva...

    14151  Palavras | 57  Páginas

  • MISSÕES: AS REPRESENTAÇÕES DE UM PASSADO ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO

    FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA CURSO DE HISTÓRIA MISSÕES: AS REPRESENTAÇÕES DE UM PASSADO ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO JOICE SCHEILA CALONI Taquara 2010 JOICE SCHEILA CALONI MISSÕES: AS REPRESENTAÇÕES DE UM PASSADO ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO Trabalho de Conclusão apresentado ao Curso de História das Faculdades Integradas de Taquara, como requisito parcial para obtenção do grau de Licenciada em História, sob orientação da Profª....

    23114  Palavras | 93  Páginas

  • Memória social

    1 A CONTRIBUIÇÃO DOS MONUMENTOS HISTÓRICOS PARA A CONSTITUIÇÃO DA MEMÓRIA SOCIAL Juliana Natal da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC juli-natal@hotmail.com Resumo Tendo como tema Arte e Memória Social, o presente artigo visa compreender a efetiva contribuição da arte, em especial dos monumentos históricos, como estímulo à imaginação no sentido de resgatar e valorizar a memória social, com vistas a responder ao seguinte questionamento: qual é a contribuição da arte...

    7264  Palavras | 30  Páginas

  • Memoria da cidade

    RESUMO 01. Sobre a Memória das Cidades A valorização do passado das cidades é uma característica comum às sociedades deste final de milênio. No Brasil, esta tendência é inédita e reflete uma mudança significativa nos valores e atitudes sociais até agora predominantes. Depois de um longo período em que só se cultuava o que era novo, um período que resultou num ataque constante e sistemático às heranças vindas de tempos antigos, eis que atualmente o cotidiano urbano brasileiro vê-se invadido...

    3395  Palavras | 14  Páginas

  • Livro sobre a memoria no conceito do historiados le goff

    GOFF História e memória FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL-UNICAMP L525h Le Goff, Jacques, 1924 História e memória / Jacques Le Goff; tradução Bernardo Leitão ... [et al.] -- Campinas, SP Editora da UNICAMP, 1990. (Coleção Repertórios) Tradução de: Storia e memoria. 1. Historiografia. I. Título. ISBN 85-268-0180-5 20. CDD – 907.2 Índice para catálogo sistemático: 1. Historiografia 907.2 Coleção Repertórios Copyright©1990 Storia e Memória Giulio Einaudi ...

    181624  Palavras | 727  Páginas

  • ATPS DIDATICA

    ETAPA 1 Passos 1 e 2 ETAPA 1- SOMOS FEITOS DE TEMPO? Sim, pois somos seres históricos, nossas ações e pensamentos mudam com o passar dos anos. Também somos autores da nossas histórias e a cultura onde estamos inseridos, cada geração recebi a cultura dos seus antepassados e estabelece projeto de mudança, ou seja: Estamos inseridos no tempo: o presente não se esgota na ação que realiza, mas adquiri sentimentos pelo passado e pelo futuro desejado. Entretanto é importante conhecer o passada o...

    1163  Palavras | 5  Páginas

  • Um Olhar Complexo Sobre O Passado

    *   &  (  C /   6@ 6 D?E>F1& )*:6 +) "G   H      &  ?E>F ANDRÉ WAGNER RODRIGUES UM OLHAR COMPLEXO SOBRE O PASSADO: História, Historiografia e Ensino de História. AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por estar me guiando, ajudando a conquistar meus objetivos e me proporcionando saúde. Agradeço a minha esposa Luciana Monteiro Rodrigues, que, com muita...

    42094  Palavras | 169  Páginas

  • MONUMENTOS E USOS DO PASSADO: UMA TENTATIVA DE CONCEITUAÇÃO A PARTIR DE TRÊS EXPERIÊNCIAS

    MONUMENTOS E USOS DO PASSADO: UMA TENTATIVA DE CONCEITUAÇÃO A PARTIR DE TRÊS EXPERIÊNCIAS. CRISTIANO ALENCAR ARRAIS * RESUMO: O presente trabalho procura analisar a relação existente entre o conceito de monumento, um sinal do passado que se preocupa com uma das principais funções do espírito (mens), a memória (memini), como sintetizou J. Le Goff e de usos do passado, a forma como a experiência temporal é representada, apropriada e difundida por indivíduos ou grupos com o intuito de produzir...

    4313  Palavras | 18  Páginas

  • ATPS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA.

    ...................................................................................................4 2 SOMOS FEITOS DE TEMPO?.........................................................................................5 3 A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA HISTÓRICA, A RECONSTITUIÇÃO DO PASSADO E O RELATO DOS ACONTECIMENTOS NÃO SÃO SEMPRE IDÊNTICOS EM TODOS OS TEMPOS E EM TODOS OS LUGARES........................7 4 A ORIGEM DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL – A AÇÃO DOS JESUÍTAS COMO PARTE DO MOVIMENTO DA CONTRARREFORMA...

    1856  Palavras | 8  Páginas

  • Historia da educação

    ► Introdução As Instituições Escolares, na sociedade brasileira ao longo do tempo, passaram por diversas formas de subsistência e também por períodos de variadas formas de produção (como primitiva, escravistas, feudalismo, capitalismo e socialismo). A história da educação é parte da história da cultura, que por sua vez faz parte da história geral. Em cada tempo e espaço histórico, a educação atendeu a objetivos que correspondiam a visões de homem e de mundo. O presente trabalho apresenta uma...

    528  Palavras | 3  Páginas

  • memória Marilena Chauí

    PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS FACULDADE DE PSICOLOGIA A MEMÓRIA Amanda Kaiser Amélia Costa Diego Avelar Ithela Brezolin Laís Silva Maria Clara Matheus Phelipe Beato Priscila Silva BETIM 2014 Amanda Kaiser; Amélia Costa; Diego Avelar; Ithela Brezolin; Laís Silva; Maria Clara; Matheus Phelipe Beato e Priscila Silva A MEMÓRIA Trabalho apresentado à disciplina de Filosofia: Razão e Modernidade do curso de Psicologia da Pontifícia...

    5575  Palavras | 23  Páginas

  • Historia do Tempo Presente

    6/22/2014 História do Tempo Presente: um desafio possível Institucional Nossa Produção Imagens Links Fale Conosco Revista Eletrônica Tempo Presente Rede de Estudos Tempo Presente Domingo, 22 De Junho De 2014 - 15:26h Digite aqui o que deseja buscar História do Tempo Presente: um desafio possível Like 6 Tweetar 0 Vitrine do Tempo Presente 0 HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE: Um desafio possível1 FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS PUBLICAÇÕES por: Eduardo...

    5347  Palavras | 22  Páginas

  • memoria

    DO DIREITO À MEMÓRIA Roberto Massei* A modernidade transformou o homem em um ser insensível e sem memória; desproveu-o, inclusive, da capacidade de ter uma preocupação com ela. Na Era da Informação o receptor da comunicação de massa é, na verdade, um ser desmemoriado. Recebe um excesso de informações que saturam sua forma de conhecer o mundo; incham-no, pois não há lenta mastigação e assimilação daquilo que é transmitido pela mídia. O mundo contemporâneo, pós-moderno, é superficial. Nele, a imagem...

    1873  Palavras | 8  Páginas

  • historia da educaçaõ

     ANHANGUERA EDUCACIONAL-UNIDERP LICENCIATURA EM PEDAGOGIA – 3ª SERIE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL CONTEMPORÂNEO ESCOLA MUNICIPAL MARIA DA LUZ VIEIRA-IMBAÚ-PR PROFESSORA: Dra. Camila Beltrão Medina TELÊMACO BORBA, 01 DE ABRIL DE 2014 ANHANGUERA EDUCACIONAL – UNIDERP ...

    2755  Palavras | 12  Páginas

  • Artigo Leitura E Memoria Fabricio Silveira

    Leitura e memória: convergências em torno de uma harmonia oculta Fabrício José Nascimento da Silveira A criança está doente. A mãe a leva para cama e se senta ao lado. E então começa e lhe contar histórias. Como se deve entender isso? Walter Benjamin Ao projetar uma resposta para a questão acima levantada, Walter Benjamin1 evoca argumentos oriundos de uma longa tradição edificada em torno do poder curativo das palavras. Para o filósofo, a mãe conta histórias porque estas, em confluência com os...

    5697  Palavras | 23  Páginas

  • 15485355838

    TEMPO, HISTORIA, EDUCAÇAO E MEMORIA A Historia da Educação e a parte da historia da cultura, que por sua vez faz parte da historia geral. Em cada tempo/espaço histórico, a educação atendeu a determinados objetivos, que correspondem a visões de homem e de mundo. A historia resulta da necessidade de reconstruir o passado, relatando os acontecimentos que decorreram da ação transformadora dos indivíduos no tempo, por meio da seleção e reconstrução dos fatos considerados relevantes e que serão interpretados...

    535  Palavras | 3  Páginas

  • Educação patrimonial património e memória

    Agosto de 2013 – Edição Especial © by PPGH-UNISINOS Educação patrimonial, patrimônio e memória: Conceitos construtores de cidadania e identidade Giovanni Biazzetto * Resumo: O presente trabalho pretende investigar através das ações de Educação Patrimonial, projeto “Papel Antigo e Papel Velho” e projeto “Vivo Toque”, do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moisés Vellinho (AHPAMV), os usos dos conceitos de memória e patrimônio em ações de Educação Patrimonial, buscando compreender de que forma estes...

    7999  Palavras | 32  Páginas

  • MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural

    MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural Aimée Aguiar Bezerra1 RESUMO: O presente artigo visa promover relações entre a História e cultura imaterial , utilizando a oralidade como ferramentas de construção de identidade. A discussão ocorre em torno da perpetuação de elementos culturais pela história oral, construindo a patrimonialização...

    2697  Palavras | 11  Páginas

  • Caderno de Memorias

    Se bem me lembro... A vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la. Gabriel García Márques Copyright © 2010 by Cenpec e Fundação Itaú Social Coordenação técnica Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária – Cenpec Créditos da publicação Coordenação Sonia Madi Equipe de produção Regina Andrade Clara Anna Helena Altenfelder Neide Almeida Leitura crítica Zoraide Faustinoni Silva Colaboração Antonio Gil Neto Cristina Zelmanovitz...

    27519  Palavras | 111  Páginas

  • ATPS HISTORIA DA EDUCA O

    EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA PROF. LINDOLFO A. MARTELLI MEMÓRIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL CONTEMPORÂNEO NOME DA ESCOLA PESQUISADA E CIDADE ARARAS – SP 2013 Sumário 1 – INTRODUÇÃO 3 2 – ELABORAÇÃO DO TEXTO 5 2.1 – História da Educação e da Pedagogia “Somos feitos de tempo?” 5 2.2 – “A preservação da memória histórica, a reconstituição do passado e o relato dos acontecimentos não são sempre idênticos em todos os tempos e em todos os lugares?” 5 2.3 – A origem da educação escolar no Brasil – ação...

    2714  Palavras | 11  Páginas

  • Memórias de um sargento de milicias

    1ª aula Leia o texto abaixo: A obra-prima inicial O primeiro contato com "Memórias de um Sargento de Milícias" provoca surpresa. Em primeiro lugar, pela linguagem, a língua tal como é falada entre nós. Surpresa também pelo tratamento da história em si. Surgia afinal o primeiro anti-herói de nossa literatura. Chegavam à cena os primeiros tipos que delineariam a ficção nacional daí em diante, como o padrinho do personagem principal (que Machado de Assis, José Lins do Rego, Jorge Amado...

    8690  Palavras | 35  Páginas

  • História, memória e educação patrimonial.

    História, Memória e educação patrimonial. Aline Bezerra Dias Pacheco Palavras chaves História, memória, preservação e conscientização A pretensão deste texto é discutir a importância da História e da memória dentro da educação patrimonial. A função da memória segundo Michael Pollak e manter a coesão interna e defender as fronteiras daquilo que o grupo tem em comum, partindo deste pressuposto devemos ter em mente que o primeiro passo a se seguir para uma formação cultural de preservação e conscientização...

    1356  Palavras | 6  Páginas

  • O ENSINO DE HISTÓRIA A PARTIR DO COTIDIANO: MUSEU ARTE E MEMÓRIA FOTOGRAFANDO O ESPAÇO – TEMPO DE VILHENA

    COTIDIANO: MUSEU ARTE E MEMÓRIA FOTOGRAFANDO O ESPAÇO – TEMPO DE VILHENA Flaviana Faustino da Silva¹ flaviafaustino@outlook.com Universidade Federal de Rondônia – UNIR Liliane Pereira de Sousa² lilianesousavha@gmail.com Fábio Santos de Andrade (Orientador)³ Universidade Federal de Rondônia – UNIR GT7-História, Memória e Interculturalidade Resumo Este artigo visa apresentar questões relevantes para o ensino de História, a necessidade de compreender a relação entre memória e história na formação...

    4013  Palavras | 17  Páginas

  • tempos modernos

    com a qual se deve romper (p. 15). A alegorização da phisis só se pode levar a cabo em todo vigor a partir do cadáver. Os personagens do drama barroco [Trauerspiel, literalmente, ‘jogo em luto’, ou ‘lutilúdio’, como diria Haroldo de Campos] morrem porque só assim, como cadáveres, podem adentrar-se na morada da alegoria (citação n. 11, p. 17). (...) o cadáver se afirma como objeto alegórico por excelência porque o corpo que começa a se decompor remete inevitavelmente a essa fascinação com as possibilidades...

    6725  Palavras | 27  Páginas

  • A Memoria das Lavadeiras de Viçosa do Ceará

     A Memória das Lavadeiras de Viçosa do Ceará Sobral-Ce 2012 INTRODUÇÃO Este trabalho tem por finalidade contribuir para a valorização e preservação da fonte do caranguejo, patrimônio natural na cidade de Viçosa do Ceará. Difundir a importância deste elemento para a inclusão da memória como fonte resgatadora da história pertencente à população, e que muitas vezes não são reconhecidas, como a memória das lavadeiras, parte da população humilde...

    1445  Palavras | 6  Páginas

  • sociologia

    Sobradinho DF 2013 Anhanguera- Uniderp – CEAD- Sobradinho/ DFMemória da educação escolar no Brasil contemporâneo” Partindo para a realidade - A Escola Canarinho -Brasília DF Tutora Sobradinho DF 2013 INTRODUÇÃO A História da Educação Brasileira não é uma História difícil de ser estudada e compreendida. Ela evolui em rupturas marcantes e fáceis de serem observadas.  Por vários séculos, pouco foi feito...

    1854  Palavras | 8  Páginas

  • Memórias de um sargento de milícias: nem romantico nem realista

    propõe uma abordagem reflexiva do romance Memórias de um sargento de milícias de Manuel Antônio de Almeida, visando suas convergências e divergências em relação ao Romantismo, movimento literário vigente no período da segunda metade do século XVIII e primeira metade do século XIX. O romance de Almeida segue algumas características românticas, como a busca do passado, mas contrariando outras construções da escola supracitada, apresenta um cenário que não era o da aristocracia, mas sim da classe media...

    4056  Palavras | 17  Páginas

  • Património, memória e midia

    CAPÍTULO 1 CONCEITOS EMERGENTES: PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E MÍDIA. Introdução.................................................................................................................................p.02 1. O Patrimônio Cultural........................................................................................................p.03 1.1.1 Definição e História.........................................................................................p.04 1.1.2 Âmbito nacional....................

    16476  Palavras | 66  Páginas

  • historia da educaçaõ

    bastante representativa em nossa cidade, o Instituto Gay-lussac. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA SOMOS FEITOS DE TEMPO? Nós somos seres históricos através de pensamentos fatos ou talvez problemas que enfrentamos no dia a dia. O passado nunca está morto porque ele sempre volta às raízes do presente não há um conceito de ser humano universal. Somos feito de tempo, pois através no passado construímos o presente até o nosso futuro. Transmitimos nossas culturas, conhecimento e tradições e damos continuidade...

    1264  Palavras | 6  Páginas

  • Maurice halbwachs e a questão da memória  

    Maurice Halbwachs e a questão da Memória   O crescente interesse que a memória vem suscitando hoje entre os historiadores decorre, segundo Patrick Hutton, da inspiração da historiografia francesa, especialmente da história das mentalidades que se propagou nos anos 1970. Para Hutton, a memória já se encontrava implícita naquele momento, principalmente porque os estudos voltados para a área em questão procuravam abordar aspectos da cultura popular, da vida em família, dos hábitos e costumes de uma...

    1811  Palavras | 8  Páginas

  • Memória e história da Enfermagem

    Rev.latino-am.enfermagem - v. 7 - n. 3 - p. 87-93 - julho 1999 87 MEMÓRIA E HISTÓRIA PARA UMA NOVA VISÃO DA ENFERMAGEM NO BRASIL* Ieda de Alencar Barreira** BARREIRA, I.A. Memória e história para uma nova visão da enfermagem no Brasil. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 7, n. 3, p. 87-93, julho 1999. Trata-se de um estudo que tem por propósito evidenciar as implicações do conhecimento histórico para a enfermagem, no que se refere à formação de uma consciência crítica e de...

    5710  Palavras | 23  Páginas

  • Resumo de livro: le goff, jacques. história e memória.

    RESUMO DE LIVRO: LE GOFF, Jacques. História e Memória. Tradução Bernardo Leitão, et all. 2° Ed. Campinas: UNICAMP, 1992. - Seis problemas que o conceito de História pode trazer: a) Relação da História Objetiva com a história vivida; b) Relação da História com o tempo natural, cronológico[1]e cíclico; c) A dialética da história parece resumir-se numa oposição passado/presente[2]; d) Relação da História com o futuro; e) Relação com outras ciências (estruturalismo). - A história de início era um...

    6333  Palavras | 26  Páginas

  • Fotografia e Memória: Reconstituição por meio da fotografia.

    KOSSOY, Boris – Fotografia e Memória: Reconstituição por meio da fotografia. O autor trata no texto a trajetória da reconstrução da memória por meio da fotografia. Ele constrói o texto por meio de subtítulos cronologicamente. É evidente, nesse artigo, que a fotografia é uma grande fonte de informações para reconstituição do passado quanto para a reinvenção do mesmo. Isso porque a imagem fotográfica possui múltiplas faces e realidades, a primeira delas seria aquilo que está retratado na fotografia...

    548  Palavras | 3  Páginas

tracking img