Em Que Sentido As Telas De Vermeer E De Meegeren Sao Amba artigos e trabalhos de pesquisa

  • Johannes Vermeer

    método favorito empregado pelo barroco para ilustrar a profundidade espacial é o uso dos primeiros planos super-dimensionados em figuras trazidas para muito perto do espectador e a redução no tamanho dos motivos no plano de fundo. Outras características são a tendência de substituir o absoluto pelo relativo, a maior rigidez pela maior liberdade, predileção pela forma aberta que parecem apontar para além delas próprias, ser capazes de continuação, um lado da composição é sempre mais enfatizado do que o...

    5937  Palavras | 24  Páginas

  • O caso Van Meegeren

    Será que a autoria de uma obra influi em nossa apreciação? O caso Van Meegeren pode lançar alguma luz sobre o assunto. Afinal, gostamos de arte ou de artistas? Pode parecer uma questão meio bizantina, mas tem lá sua importância, na medida em que ela se dá num ponto em que as coisas ficam um tanto confusas nas nossas cabeças. Alguém pode dizer que ama Monet, outro que é fissurado por Pollock, um terceiro que gosta mesmo é de Duchamp. Mas, e se não soubéssemos da autoria das obras desses artistas...

    784  Palavras | 4  Páginas

  • Incompleto

    Revendo o capítulo (nº 1 ao 4) 1- Quais são as principais características do conhecimento intuitivo É um conhecimento imediato, alcançado sem intermediarios, um tipo de pensamento direto, uma visao subta Sensível, quando percebemos pelos órgãos dos sentidos: o calor do verão (tato), as cores da primavera (visão), o som do violino (audição), o odor do café (olfato), o sabor doce (paladar/gustação); Psicológica, quando temos a experiência interna imediata de nossas percepções, emoções, sentimentos...

    757  Palavras | 4  Páginas

  • shua

    1) Quais são as principais características do conhecimento intuitivo? Todo conhecimento provém da experiência. O intuitivo é aquele em que a mente percebe o acordo ou desacordo entre duas idéias imediatamente. As características deste tipo de conhecimento são: pode ser imediato, individual, um dos fatores é o instinto, percepção de cada um de acordo com sua sabedoria. 2) O que é conhecimento discursivo? Dê exemplos diferentes dos já citados. É você ter o conhecimento, técnico, geral, social...

    519  Palavras | 3  Páginas

  • luan

    1) Quais são as principais características do conhecimento intuitivo? 2) O que é conhecimento discursivo? Dê exemplos diferentes dos já citados. 3) Leia a citação de George Kneller e explique o que se ganha e o que se perde com a abstração. “A ciência elimina a maior parte da aparência sensível e estética da natureza. Poentes e cascadas são descritos em termos de frequências de raios luminosos, coeficientes de refração e forças gravitacionais ou hidrodinâmicas”. 4) “0 filosofo é critico, embora...

    504  Palavras | 3  Páginas

  • Verdade

    “a verdade buscada é sempre resultado, não ponto de partida”. R: Ambos dão a ideia de que nada melhor é do que várias mentes raciocinando juntas, pois assim surgirão várias verdades e por meio disso alcançarão a razão. Página 118 1- Quais são as principais características do conhecimento intuitivo? R: Imediato, Individual, Instinto e Percepção. 2- O que é conhecimento discursivo? Dê exemplos diferentes dos já citados. R: É tudo que se pode ver que é real, mas é algo indefinido....

    599  Palavras | 3  Páginas

  • Atividade DE FILOSOFIA

    ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL MAGALHÃES BARATA DANIEL GAIA EDUARDO SOUZA Eletrônica 2013 manhã filosofia Atividade do cap.9 4º modulo Belém PA 2015 1) Quais são as principais características do conhecimento intuitivo? R= o conhecimento intuitivo: inato ao ser humano, o conhecimento intuitivo diz a respeito da subjetividade. As nossas percepções do mundo exterior e a racionalidade humana. Manifesta-se de maneira concreta quando por exemplo tem-se uma epifania. O conhecimento intuitivo...

    1083  Palavras | 5  Páginas

  • Vermeer

    Johannes Vermeer foi um pintor barroco que apresenta nas suas obras ainda algumas influências renascentistas. Este artista nasceu a 31 de Outubro de 1632 em Delft, nos países baixos no seio de uma família abastada. A sua vida foi ocupada inteiramente pela pintura sendo que hoje encontram-se-lhe atribuídos 34 trabalhos. É o segundo pintor holandês mais famoso e importante do século XVII (um período que é conhecido por Idade de Ouro Holandesa, devido às conquistas culturais e artísticas do país nessa...

    769  Palavras | 4  Páginas

  • Os ceticos

    capacidade: a fantasia. Desde os pré-socráticos, várias teorias foram pensadas para poder compreender a existência de cada coisa deste mundo e dos fenômenos da natureza. Os maiores representantes desta utilização dos conhecimentos dos pré-socráticos são os sofistas que ensinavam a arte da retórica. E neste processo, os sofistas preparavam para a vida pública na defesa de sua verdade usando a linguagem para expor a ideia verdade ou de uma falácia. O sofista a ser citado para compreender este pensamento...

    3505  Palavras | 15  Páginas

  • Conhecimento

    a possibilidade da invenção, da descoberta, dos grandes "saltos" do saber humano. Partindo de uma divisão muito simplificada, a intuição pode ser de vários tipos: - intuição sensível - é o conhecimento imediato que nos é dado pelos órgãos dos sentidos: sentimos que faz calor; vemos que a blusa é vermelha; ouvimos o som do violino. - intuição inventiva - é a do sábio, do artista, do cientista, quando repentinamente descobrem uma nova hipótese, um tema original. Também na vida diária, enfrentamos...

    3739  Palavras | 15  Páginas

  • Epistemologia

    processo do conhecimento usando os seguintes conceitos: sujeito, objeto,pensamento e verdade. 2. Leia a citação de Deleuze e Guattari e relacione com o problema do conhecimento: "O pintor não pinta sobre uma tela virgem, nem o escritor escreve sobre uma página branca. mas a página ou a tela estão já de tal maneira cobertas de clichês preexistentes, preestabelecidos, que é preciso de início apagar, limpar, laminar, mesmo estraçalhar para fazer passar uma corrente de ar. saída do caos, que nos traga...

    1745  Palavras | 7  Páginas

  • Filosofia

    do conhecimento usando os seguintes conceitos: sujeito, objeto, pensamento e verdade. R: 2. Leia a citação de Deleuze e Guattari e relacione com o problema do conhecimento: “O pintor não pinta sobre uma tela virgem, nem o escritor escreve sobre uma página branca, mas a página e a tela estão já de tal maneira cobertas de clichês preexistentes, preestabelecidos, que é preciso de inicio apagar, limpar, laminar, mesmo estraçalhar para fazer passar uma corrente de ar, saída de caos, que nos traga...

    692  Palavras | 3  Páginas

  • Teoria do conhecimento

    nem sempre as coisas são o que parecem ser. O conceito de pensamento ocorre por etapas, por uma junção de ideias juízos e raciocínios que levam a determinada conclusão, ou seja, antes de agir a pessoas começa a refletir sobre todo conhecimento que ela acha que é verdade. Se pensarmos no conceito da verdade enquanto conjunto de crenças aceitas pelos indivíduos em um determinado local e tempo ajudando a compreender e real e agir sobre ele, em um determinado momento as pessoas são levadas a questionar...

    960  Palavras | 4  Páginas

  • Johannes Vermeer

    Johannes Vermeer Johannes Vermeer é um pintor holandês, nascido em família protestante, que pintou quadros admirados pela técnica e projeção bem aplicadas. Produziu poucas obras ao longo de sua vida, mas o bastante para ser considerado um dos maiores pintores holandeses junto com Rembrandt e Frans Hals. O interesse de Vermeer em explorar os efeitos naturalistas, equilíbrio nas composições, e temas domésticos em suas obras, se deu em suas observações na cidade de Delft e no sul da Holanda. Como...

    700  Palavras | 3  Páginas

  • Aplicações de EDO

    APCC DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS – APLICAÇÃO NA QUÍMICA Aplicações de Equações Diferenciais: As Falsificações de Arte de Van Meegeren De maneira específica esse trabalho visa à investigação, em caráter matemático diferencial, do decaimento radioativo de núcleos de átomos para esclarecimento de um intrigante caso de falsificação de artes datado do pós-guerra, final da década de 40. Esse trabalho visa integrar matemática e alguns conhecimentos químicos para datação de obras de arte...

    1793  Palavras | 8  Páginas

  • aplicaçoes de edo

    Homogêneas; Equações Exatas; Fator Integrante. No Capítulo 2, são as exibições das aplicações tradicionais das Equações Diferenciais de 1ª Ordem no cotidiano, que são: Dinâmica Populacional; Meia-vida; Resfriamento; Circuitos e Séries; Problemas de Misturas; Juros Compostos e Ratos do Campo e Corujas. No Capítulo 3, uma apresentação de uma aplicação diferencial de 1ª ordem não tão trivial. A classificação é definida quanto o tipo, são as Equações Diferenciais Ordinárias, que contém somente a derivada...

    7034  Palavras | 29  Páginas

  • Vermeer Neuroarte

    A modelo delicada, com seu olhar direto e os lábios entreabertos, é uma das obras mais famosas do pintor holandês Jan Vermeer, sendo considerada como a Mona Lisa da arte holandesa. Infelizmente, nada se conhece sobre a história de tão esplêndida composição, que apareceu pela primeira vez em 1881, num leilão em Haia, Holanda. Ao olhar tão delicada composição, o observador é imediatamente cativado pela misteriosa moça com o seu turbante exótico. O tom de sua pele clara e pura é salientado pelo brilho...

    1404  Palavras | 6  Páginas

  • Espistemologia

    diferentes dependendo da maneira pela qual o homem entra em contato com o mundo que o cerca. 2. Leia a citação de Deleuze e Guattari e relacione com o problema do conhecimento: "O pintor não pinta sobre uma tela virgem, nem o escritor escreve sobre uma página branca. mas a página ou a tela estão já de tal maneira cobertas de clichês preexistentes, preestabelecidos, que é preciso de início apagar, limpar, laminar, mesmo estraçalhar para fazer passar uma corrente de ar. saída do caos, que nos traga...

    2662  Palavras | 11  Páginas

  • O Chapéu de Vermeer e a história

    O Chapéu de Vermeer e a História Por Aline Cristina Cristovam de Albuquerque No século XVII, houve um grande desenvolvimento intelectual e cultural, isto é, foi nesse século que as grandes navegações se expandiram, as faculdades começaram a ganhar renome internacional e grandes pintores e suas obras se destacam. Entre esses detentores de capacidade artística para a pintura que se destacam neste século, está Johannes Vermeer. Ele que nasceu nos Países Baixos e fez a maioria de seus quadros...

    1255  Palavras | 6  Páginas

  • TEORIA DO CONHECIMENTO

    e através de nossos pensamentos podemos fazer reflexões e discernir o que falso ou verdadeiro. 2.Lei a citação de Deleuze e Guattari e relacione como o problema do conhecimento. O pintor não pinta sobre uma tela virgem, nem o escritor escreve sobre uma pagina branca, mas a pagina ou a tela estão já de tal maneira cobertas de clichês preexistentes, preestabelecidos, que e preciso d inicio apagar, limpar, laminar mesmo estraçalhar para fazer passar uma corrente de ar, saída do caos que nos traga a...

    708  Palavras | 3  Páginas

  • Aplicação da transformada de Laplace

    RESUMO No presente trabalho, deseja-se utilizar a modelagem matemática por meio de equações diferenciais ordinárias associada a conhecimentos químicos para analisar o problema da veracidade das pinturas do artista holandês Vermeer. Para essa verificação, a partir de elementos radioativos presentes nas tintas utilizadas nos quadros, por meio do método de datação por decaimento radioativo, pode-se determinar o ano de fabricação dos quadros, sabendo o tempo de meia-vida - tempo necessário para metade...

    1865  Palavras | 8  Páginas

  • diferença entre tradução eletrônica e tradução baseada na teoria do escopo de Hans J. Vermeer

    teologia e ciências humanas CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS FELIPE XAVIER ANDRZEJEWSKI Diferença entre tradução eletrônica e tradução baseada no método do Escopo de Hans J. Vermeer curitiba 2010 FELIPE XAVIER ANDRZEJEWSKI Diferença entre tradução eletrônica e tradução baseada no método do Escopo de Hans J. Vermeer Projeto de Pesquisa apresentado à disciplina Orientação de Trabalho Monográfico do Curso Licenciatura em Letras - Português-Inglês da Pontifícia Universidade Católica do Paraná...

    6049  Palavras | 25  Páginas

  • fichamento apologia da história

    ela como uma batalha, como uma vitória inglesa ou uma derrota francesa, que se pode deixar entrever, desde o início, o seu epílogo ou simular descobri-lo; essas especulações podem dar ocasião a experiências estéticas divertidas; para o historiador, são a descoberta e um limite. (p.18) A história é, em essência, conhecimento por meio de documentos. Desse modo, a narração histórica situa-se para além de todos os documentos, já que nem um deles pode ser o próprio evento; ela não é um documento em fotomontagem...

    3144  Palavras | 13  Páginas

  • Aline

    a possibilidade da invenção, da descoberta, dos grandes "saltos" do saber humano. Partindo de uma divisão muito simplificada, a intuição pode ser de vários tipos: - intuição sensível - é o conhecimento imediato que nos é dado pelos órgãos dos sentidos: sentimos que faz calor; vemos que a blusa é vermelha; ouvimos o som do violino. - intuição inventiva - é a do sábio, do artista, do cientista, quando repentinamente descobrem uma nova hipótese, um tema original. Também na vida diária, enfrentamos...

    3769  Palavras | 16  Páginas

  • VERMEER E A REPRESENTAÇÃO DA LUZ NA PINTURA

    VERMEER E A REPRESENTAÇÃO DA LUZ NA PINTURA VERMEER AND REPRESENTATION OF LIGHT IN PAINT Amanda Bassanelli Lucineide Ratix Rosane Candido Solange Cruz Faculdade Paulista de Artes Resumo Este trabalho tem como base a leitura sobre a técnica e o estilo das obras do pintor holandês Johannes Vermeer e sua relação com a representação da luz, também sua composição e seus elementos. Palavras-chave: Vermeer; Barroco; Século de Ouro Holandês. Abstract This work is based in the reading...

    1152  Palavras | 5  Páginas

  • Apostila Epistemologia Respostas

    da "epistemologia" é responder "o que é" e "como" alcançamos o conhecimento?. Diante dessas questões da epistemologia surgem duas posições: Empirista: que diz que o conhecimento deve ser baseado na experiência, ou seja, no que for apreendido pelos sentidos. Como defensores desta posição temos Locke, Berkeley e Hume; e Racionalista: que prega que as fonte do conhecimento se encontram na razão, e não na experiência. Como defensores desta posição temos Leibniz e Descartes. A expressão "epistemologia"...

    31169  Palavras | 125  Páginas

  • Indumentária Período Barroco

    Período Barroco 1. Sociedade e filosofia O período conhecido como Barroco, que abrange, em linhas gerais os sécs. XVII e XVIII da arte européia pode ser encarado como um ‘’meio-termo" entre a Renascença e a era moderna. Num certo sentido , foi a retomada da renascença . vista de um ponto extra temporal, parece ser uma nova fase de que já ocorrera antes, uma renovação da atividade criadora, segundo as diretrizes que a precederam, uma revolução da roda. Como todas as fases da arte...

    5613  Palavras | 23  Páginas

  • Resumo História da Arte

    características que anunciam um novo estilo, em que a emoção se sobrepõe à razão. Barroco: As origens da palavra barroco são incertas. Acredita-se que seja derivada do termo português barroco ou do espanhol berrueco, que significa “pérola de formato irregular”. Como definição do estilo artístico desenvolvido no século XVII, a palavra foi utilizada posteriormente, com um sentido negativo. Assim, em finais do século XVIII, críticos de arte passaram a utilizar o termo para definir o estilo artístico...

    2174  Palavras | 9  Páginas

  • Joana

    principal da obra, como acontece na obra "Vocação de São Mateus", deCaravaggio. Caravaggio (Caravaggio, Lombardia, 1573 - Porto Ercole, 1610)   Pintor italiano. Homem de vida airada, Michelangelo Merisi estuda inicialmente em Milão com o maneirista Peterzano, contra cuja estética reage asperamente. Autodidacta no que se segue, a sua pintura suscita violentas reacções. Mas apesar das críticas dos artistas, o público aprecia as suas telas rugosas, encrespadas de pastosidades e dominadas pelo...

    4484  Palavras | 18  Páginas

  • Trabalho De Luz E Sombra

    Estudos acurados de luz e sombra fizeram parte da formação do artista da Renascença e do Barroco. Belíssimos desenhos de Leonardo, Michelangelo, Rafael, Rembrandt, Caravaggio, Vermmer - muitos deles executados como preparação para as telas - ajudam-nos a entender melhor o procedimento em chiaroscuro na pintura. Sombra e luz no Renascimento Na obra "A Ceia" de Leonardo da Vinci, a triangulação formada em Cristo tem sua cabeça como centro. A luz já aparece como elemento central neste...

    505  Palavras | 3  Páginas

  • Organizações de computadores

    ANHANGUERA – CAMPUS TATUAPE (TP) – SÃO PAULO/ SP TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TUTOR A DISTÂNCIA JOÃO ALEXANDRE BALDOVINOTTI ALESSANDRO FIORITO DA SILVA – ANDRÉ LUIS YORGOS EZIAS – ÉDER MOLINA DE OLIVEIRA – PAULO ROGÉRIO CÉSAR PEREIRA – RAFAEL FERREIRA LIMA - WILLIAN RIBEIRO – SÃO PAULO/SP 2013 1 Modelos de Equipamentos Ultrabooks e Tablets 1.1 INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Conceito Básico A base da computação...

    16957  Palavras | 68  Páginas

  • Artes - Barroco e Impressionismo

    Apenas pretendiam ser ainda mais fiéis que seus predecessores, realizando suas pinturas não em condições ideais ou conforme deveriam ser, mas como se apresentavam, de preferência sob os efeitos do olhar e das mudanças da luz diária. Nesse sentido pode-se dizer que são descendentes do realismo. As cores eram de fundamental importância para o grupo, elemento extremamente expressivo em sua arte. A frescura da impressão que um objeto causava ao artista deveria ser captada pelas pinceladas. Os objetos retratados...

    1293  Palavras | 6  Páginas

  • Barroco

    1 CARACTERÍSTICAS DO BARROCO EUROPEU  As características do barroco europeu valorizam as cores, as sombras e a luz, e representam os contrates. As imagens não são tão centralizadas quanto às renascentistas e aparecem de forma dinâmica, valorizando o movimento. Os temas principais são: mitologia, passagens da Bíblia e a história da humanidade.  As cenas retratadas costumam ser sobre a vida da nobreza, o cotidiano da burguesia, naturezas-mortas entre outros. Muitos artistas barrocos dedicaram-se...

    951  Palavras | 4  Páginas

  • PERGUNTAS

    questões apresentadas neste caderno têm como objetivo o desenvolvimento da prática reflexiva do estudante por meio da leitura e da interpretação de enunciados contextualizados, do uso do raciocínio crítico e da articulação de conhecimentos. Diversos são os temas abordados nas questões, como ética, cidadania, tecnologia, arte, cultura, ecologia, biodiversidade, geopolítica, relações de gênero e de trabalho, sociodiversidade e responsabilidade social. Este material configura-se como a parte prática...

    7426  Palavras | 30  Páginas

  • moça do brinco de pérola - resenha

    imagem, dosada pelo uso do pincel. A pintura delineia-se gradativamente como obra-prima de um gênio. Poucos são os filmes que conseguiram captar e transpassar tão bem para as telas do cinema a sensibilidade do processo criativo de um artista plástico. Moça com Brinco de Pérola, se encaixa como uma dessas raridades. O grande desafio é recriar o contexto em que o pintor holandês Johannes Vermeer (1632-1675) criou o quadro que dá nome ao filme. Considerada a “Monalisa” da Holanda, a pintura é uma das...

    868  Palavras | 4  Páginas

  • Pintura Barroca

    tempo. Mantendo estruturas já existentes, usou uma nova gramática decorativa, seduzindo através dos sentidos. A encenação levada a cado por reis ou pelo papa constituía, já por si, um programa politico onde o cerimonial e a etiqueta funcionavam como reflexo de uma ordem superior, como se fosse determinada por Deus. Todas as formas de arte se dedicavam a uma dupla função de fascinar pelos sentidos e veicular uma forte mensagem ideológica. A Arte Barroca dirigiu-se ao grande público, destinando-se...

    1944  Palavras | 8  Páginas

  • Moça com brinco de pérola

    Barroco é um período transitório entre o Renascimento e o período moderno, que se inicia na Itália no século XVII. A expansão marítima, o Renascimento, a descoberta do Novo Mundo, as novas religiões protestantes, a consolidação do poder monárquico são alguns dos acontecimentos complexos que irão reverberar nas diversas instâncias de ordem social, política e econômica. Com isso, na esfera artística irão surgir novos padrões estéticos superando todo aquele rigor proveniente dos princípios de simetria...

    1329  Palavras | 6  Páginas

  • Análise da obra a moça com brinco de pérola

    0200600 Análise da pintura e do filme: A moça com brinco de pérola Rio de janeiro, 30 de março 2012. Um resumo sobre a vida do pintor . Johannes Vermeer Johannes Vermeer (31 de outubro de 1632, 15 de dezembro de 1675) – foi um pintor holandês, que também conhecido como Vermeer de Delft ou Johannes van der Meer. Casou-se em 1653 com Catharina Bolenes e teve 15 filhos, dos quais morreram 4 em tenra idade. Pelo que se sabe o pintor vivia com magros rendimentos...

    643  Palavras | 3  Páginas

  • Asuhaush

    revelar as idiossincrasias de outros estilos de vida sem aplicar estes últimos como "controles" na rearticulação de nosso próprio estilo da vida. O entendimento antropológico setorna um "investimento" de nossas ideias e de nosso modo de vida no sentido maisamplo possível, e os ganhos a serem obtidos têm, correspondentemente,implicações de longo alcance. A "Cultura" que vivenciamos é ameaçada,criticada, contraexemplificada pelas "culturas" que criamos, e vice-versa.O estudo ou representação de ...

    2461  Palavras | 10  Páginas

  • Vermeer

    Johannes Vermeer (1632-1675), Delft – Holanda. A nova ordem que se instaurou nos Países Baixos a partir da trégua, firmada em 1609, trouxe diferenças culturais importantes entre o sul, sob domínio da corte católica espanhola, e as províncias do norte, protestantes. A inexistência da devoção a imagens nos cultos protestantes desvinculou a Arte da Igreja. Ainda, a ausência nas Províncias Unidas de uma cultura palaciana propiciou o desenvolvimento de uma arte mais singela e de temáticas do cotidiano...

    546  Palavras | 3  Páginas

  • Trabalho de estética e historia da arte

    ANHANGUERA EDUCACIONAL S.A. FACULDADE DE TECNOLOGIA ANCHIETA GRADUAÇÃO DE ARQUITETURA E URBANISMO. Apresentação sobre o Pintor Vermeer Disciplina: Estética e História da Arte II Alunas 2º Semestre – Diurno São Bernardo do Campo/ SP 2012 Johannes Van der Meer 31/10/1632 á 15/12/1675 Vermeer nasceu na Holanda, onde viveu sempre durante a chamada “Idade de Ouro da Holanda” (um período que é conhecido por Idade de Ouro Holandesa, devido às espantosas conquistas culturais e artísticas...

    927  Palavras | 4  Páginas

  • a leiteira

    A Leiteira Johannes Vermeer foi um pintor holandês, que também é conhecido como Vermeer de Delft ou Johannes van der Meer. É o segundo pintor holandês mais famoso e importante do século XVII. Os seus quadros são admirados pelas suas cores transparentes, composições inteligentes e brilhante com o uso da luz. O artista era considerado um mestre na observação do cotidiano, e conhecido por ser atento aos mínimos detalhes de uma cena. Vermeer viveu toda a sua vida na sua terra natal, onde está...

    530  Palavras | 3  Páginas

  • Visualizaçao 3d

    estes tópicos pretendemos facilitar a compreensão do tema e referir a sua importância. I. DEFINIÇÃO DE VISUALIZAÇÃO 3D E CONTEXTO NA PPV O olho é uma parte do nosso corpo muito complexa. Pode ser comparado a uima máquina fotográfica, no sentido em que é possível controlar o foco e a luz nos objectos, no entanto o controlo da luz é uma operação bastante complexa. Com o crescimento de cada ser humano, começamos a ganhar mais noção da forma como vimos o mundo, ou os objectos. Um desses progressos...

    1709  Palavras | 7  Páginas

  • projeto

    Renascimento e passaram a estar intensamente acopladas a teologia e a conceitos religiosos, este foi o pontapé imprescindível para que a arte e o modo de vida das pessoas suportassem fortes alterações De forma um tanto diferente, esses resultados foram sentidos no Brasil, o barroco não possuía aqui a sofisticação europeia, as terras que hoje compõem o país não suportava grandes investimentos na concepção de artistas, pela condição econômica da época, o que tornou a produção tecnicamente inferior mesmo com...

    1685  Palavras | 7  Páginas

  • Resumo da História da Holanda

    mestres neerlandeses, entre eles: Rembrandt van Rijn, Johannes Vermeer, Jan Steen e Jacob van Ruysdael. Grandes pintores dos séculos XIX e XX foram Vincent van Gogh e Piet Mondriaan. M.C. Escher é um artista gráfico também muito conhecido por suas obras. Willem de Kooning nasceu e se aperfeiçoou em Roterdão, embora tenha conquistado sua fama sendo conhecido como um artista estadunidense. Um outro mestre dos Países Baixos é Han van Meegeren. Na filosofia, o país deu ao Renascimento Erasmo de Roterdão;...

    1861  Palavras | 8  Páginas

  • Moça com brinco de perolas

    Johannes Vermeer Johannes Vermeer nasceu em 1632 em Delft,na Holanda.O pintor trabalhava por encomenda e diferente dos demais pintores produzia poucos quadros por ano criou 45 quadros.Uma característica do trabalho de Vermeer é o uso das cores azul e amarelo. Ele também é conhecido como o mestre da luz, as obras do pintor possuíam como tema paisagens, pinturas históricas e a chamada pintura de gênero,cenas do cotidiano, Retratava as mulheres de diferentes classes sociais, no cotidiano do ambiente...

    1047  Palavras | 5  Páginas

  • A leiteira

    autoria de Johannes Vermeer, A Leiteira, (1657-1658). Esta é uma pintura a óleo sobre tela, pertencente à corrente artística do Barroco, período estudado nas aulas da disciplina. Ao longo de todo este trabalho irei abordar tanto os aspetos temáticos e artísticos, como ainda toda a evolução da corrente artística ao longo dos tempos. A Obra Identificação - Ano: 1657-1658 - Autor: Johannes Vermeer - Técnica: Óleo sobre tela - Tamanho: 45...

    1301  Palavras | 6  Páginas

  • A moça com brinco de perola

    Rômulo 1001 A moça com brinco de pérola – Resenha O quadro do pintor Johannes Vermeer foi usado como inspiração para um romance e um filme, ambos tratando sobre pintura de uma obra de arte. O quadro é Moça com brinco de pérola, que deu origem ao romance e ao filme. A história nos faz pensar de uma forma romanceada o que teria se passado, antes, do quadro estar pronto. O romance é uma tentativa de atribuir um significado ao quadro, além das que já foram dadas pelos seus elementos constituintes...

    1290  Palavras | 6  Páginas

  • Barroco Europeu

    entre a arte e ciência, que os artistas renascentistas procuravam estabelecer de forma muito consciente. • Predomínio da emoção sobre a razão. • Acentuado contraste entre tons claros e escuros, que intensifica a expressão dos sentimentos. • Os temas são variados: Religiosos, mitológicos, e na forma de retrato. O precursor do Barroco: Michelangelo. Pintado por Michelangelo na capela Sistina, o afresco revela, na intensidade expressiva e no vigor das figuras, características que anunciam um novo...

    1561  Palavras | 7  Páginas

  • Peça teatral de autoria de ney nkossi

    bilhete de identidade. Angola, a morte e a pobresa não são meus parentes são parentes dos meus parentes Foi cumprir o serviço militar obrigatorio em mavinga durante 5 anos, mesmo assim não me traiste Angola, mon amour de olhos azuis Já dançaste como rainha no tempo do carnaval da victoria, disseste-me que aos 12 anos brincaste de papa e mama, passarão passarão e 35 victoria Angola, no cemiterio das vozes dos homens, no calar do sentido da palavra sexo, borrou a escuridão do prazer por orientação...

    2091  Palavras | 9  Páginas

  • analise filme

    O filme, Moça com Brinco de Pérola, retrata uma história fictícia de como o pintor Johannes Vermeer teria reproduzido seu famoso quadro de mesmo nome. A história fala de uma moça holandesa camponesa, Griet. Seu pai é um ex-pintor de cerâmica que agora está cego. A moça é forçada a deixar sua casa e ir trabalhar como empregada doméstica em uma casa na cidade devido a aparentes dificuldades financeiras pelas quais sua família estava passando. Chegando na casa, Griet aprende os deveres do cotidiano...

    918  Palavras | 4  Páginas

  • DOSSIE AULAS FOTOGRAFIA

    dá ideias, o que nos faz pensar. A arte não está apenas em pinturas e livros. Ela está em nosso dia-a-dia, na nossa cabeça, quando estamos inspirados e com a mente aberta para o novo. Gosto de quando falam que ‘’uma criança está fazendo arte” no sentido de bagunça. Ela realmente está fazendo arte, está abrindo as portas de sua imaginação, deixando um outro mundo entrar em sua cabeça, sem se preocupar com nada. Quando eu era pequena gostava muito de brincar sozinha com as minhas bonecas. Criava...

    1565  Palavras | 7  Páginas

  • BARROCO

    Rembrandt , Vermeer e Velázquez Temas: Religiosos , mitológicos , retratos , paisagens , naturezas mortas Michelangelo de Caravaggio (1571 – 1610) Milanês , destacou-se cuja originalidade foi a utilização de gente vulgar do povo como modelo nos assuntos religiosos. Desenvolveu um intenso contraste entre luz e sombra, utilizando fundos escuros e sombrios , conhecido por tenebrismo. Captura de Cristo , 1602 (Galeria Nacional da Irlanda) Morte da Virgem , óleo sobre tela , 1606...

    501  Palavras | 3  Páginas

  • moça do brinco de pérolas

    INTRODUÇÃO A história do filme foi inspirada na obra prima “Moça com Brinco de Pérola”, pintada por Johannes Vermeer, (interpretado por Colin Firth), pintor renomado, que nasceu em Delft na Holanda em 1632, século XVII. Este quadro é considerado como a obra Mona Lisa, holandesa. O longa-metragem conta uma versão fictícia e fantasiosa de como surgiu a inspiração deste artista para executar sua obra mais famosa. É aí que surge Griet, (interpretada por Scarlett Johansson) uma moça jovem, com apenas...

    1212  Palavras | 5  Páginas

  • As melhores obras de todos os tempos

    ajudou o tempo todo para que tudo saísse nos conformes. AGRADECIMENTOS Agradecemos em primeiro lugar a Deus por ser à base de nossas conquistas; Aos nossos pais por acreditarem em nossas escolhas. Aos professores Suzelaine Mendes, Renata São Leandro, Fernando Simone Sales e Giovanni pela dedicação em suas orientações prestadas na elaboração deste trabalho; incentivando-nos e colaborando no desenvolvimento de nossas idéias. ...

    11126  Palavras | 45  Páginas

  • Barroco

    Arquitetura e Arte Barroca Bibliografia ARGAN, Giulio Carlo Argan. História da Arte Italiana. São Paulo. Cosac & Naify, 2003. ARGAN, Giulio Carlo Argan. Imagem e Persuasão. Ensaios sobre o Barroco . São Paulo. Cia. das Letras, 2004. BAUMGART, Fritz. Breve História da Arte. 2 ed. São Paulo. Martins Fontes, 1999. BENEVOLO, Leonardo. História da Cidade. São Paulo. Perspectiva, 1999. BENEVOLO, Leonardo. Introdução à arquitetura. Lisboa. Edições 70, 1999. GIEDION, Siegfried. Espaço, Tempo e Arquitetura:...

    5995  Palavras | 24  Páginas

  • Trabalho Mpat

    FATEC-SP FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PROJETO PESQUISA Tecnologias Holográficas Nome: RA: São Paulo 2014 Conteúdo 1 Contexto Atual 2 2 Objetivo 4 3 Justificativa 5 4 Hipóteses 6 5 Metodologia 7 6 Referência Bibliográfica 8 7 Cronograma 9 1 Contexto Atual A holografia foi inventada em 1947, pelo cientista inglês, de origem húngara, Dennis Gabor, quando estava tentando melhorar a resolução de um microscópio eletrônico. Ele criou a palavra holograma que deriva...

    1335  Palavras | 6  Páginas

  • Hologramas

    crédito, pode encontrar hologramas na sua casa. Eles fazem parte do CD, DVD e de pacotes de software, assim como de quase tudo que é vendido como "produto oficial". Infelizmente, esses hologramas - que existem para dificultar as falsificações - não são muito impressionantes. Você pode ver que as cores e as formas mudam quando você move para frente e para trás, mas geralmente eles parecem apenas figuras brilhantes ou manchas coloridas. Mesmo os hologramas produzidos em massa que caracterizam os heróis...

    6391  Palavras | 26  Páginas

  • MOVIMENTOS ARTISTICOS

    cores, as sombras e a luz, e representam os contrastes. As imagens não são tão centralizadas quanto as renascentistas e aparecem de forma dinâmica, valorizando o movimento. • Uso da cor: Em sintonia com a afeição barroca pela dramaticidade, os artistas do século XVII geralmente escolhiam suas cores de uma paleta de tons ricos e vibrantes. Vermelho escuro, verdes e azuis são típicos na pintura de Caravaggio, Rembrandt e Vermeer, e, quando os tons terrosos eram usados, geralmente eram profundos e luminosos...

    4030  Palavras | 17  Páginas

  • BARROCO NOS PA SES BAIXOS

    da mesma época. Ainda assim, há aspectos comuns às obras desse período: o predomínio da emoção, e não da razão, que prevaleceu no Renascimento; o acentuado contraste entre tons claros e escuros, que intensifica a expressão dos sentimentos. Os temas são variados: religiosos, mitológicos e na forma de retratos. HISTÓRIA DA ARTE BARROCA O surgimento do Barroco no século XVII, na Itália, deve-se a uma série de mudanças econômicas, religiosas e sociais ocorridas na Europa. Com o humanismo, o...

    2154  Palavras | 9  Páginas

tracking img