Em Que Consistia A Riqueza Para Os Mercantilistas E Os Fisiocratas artigos e trabalhos de pesquisa

  • Escola Fisiocrata

    A Escola Fisiocrata ou Fisiocracia é considerada a primeira escola econômica científica, criada para se opor ao mercantilismo e se apresenta como fruto de uma reação iluminista. Surgiu no século XVIII na França, antes mesmo da teoria clássica de Adam Smith. A palavra fisiocracia vem do grego “fisios” (natureza) e “kratos” (governo). Em síntese, a fisiocracia se baseia na afirmação de que toda a riqueza era proveniente da terra, da agricultura. Principais ideias econômicas: Governo da natureza ...

    1049  Palavras | 5  Páginas

  • Fisiocratas e mercantilistas

     FISIOCRATAS E MERCANTILISTAS INTRODUÇÃO Os séculos XVIII foram muito promissores para as ciências económicas. Foram neste período que começaram a surgir os grandes pensadores e estudiosos que viriam a formular teorias que tentavam explicar a realidade económica da época da observação da realidade que vivenciavam. Neste contexto, surge a Escola Fisiocrática, com origem francesa e que defendia a existência de uma ordem natural, com base na qual a sociedade deveria ser organizada. FRANCOIS...

    2560  Palavras | 11  Páginas

  • 1. Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas?

    Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? o Mercantilismo. Não representa um conjunto técnico homogêneo, mas tinha algumas preocupações explícitas sobre a acumulação de riquezas de uma nação. Continha alguns princípios de como fomentar o comércio exterior e entesourar riquezas. O acúmulo de metais adquire grande importância e aparecem relatos mais elaborados sobre a moeda. Considerava-se que o governo de um país seria mais forte e poderoso quanto...

    982  Palavras | 4  Páginas

  • Capitalismo, Mercantilismo e Fisiocratas

    vendia o produto acabado ao comerciante, vendia somente seu trabalho. O controle capitalista se estendeu ao processo de produção e foi criada a força de trabalho que possuía pouco capital e só vendia sua força de trabalho. Movimento de cercamento: consistia em cercar pedaços de terra que antes eram somente pastos, para a criação de ovelhas para a indústria têxtil. Também expulsaram os habitantes da zona rural para os cercamentos e os mesmos tiveram que procurar sustento nas cidades. Depois das grandes...

    1825  Palavras | 8  Páginas

  • A historia da riqueza do homem

    HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. 21. ed . rev. LTC: Rio de Janeiro, 1986. |A | |Parte 1– Do feudalismo ao capitalismo Cap. 1-Sacerdotes, Guerreiros e Trabalhadores Na época da Idade Média, a sociedade feudal se dividia em três classes: os guerreiros, os sacerdotes e os trabalhadores, sendo o trabalhador responsável por produzir para as outras duas classes. Por não apresentar fábricas e usinas, o trabalho era na terra, ou seja, trabalho agrícola. Na maior parte do território da Europa...

    6051  Palavras | 25  Páginas

  • Fisiocratas

    Pensadores de grande destaque que foram Smith e Ricardo, assim como os Fisiocratas, criaram grandes teorias visando explicar as relações econômicas entre as classes sociais. Outros pontos de grande destaque em seus estudos foram a origem da renda, o valor das mercadorias, as relações de troca, a criação e distribuição da riqueza na sociedade, a divisão do trabalho e a geração do excedente econômico. Smith e Ricardo formularam teorias visando explicar qual seria a melhor forma de os países manterem...

    4364  Palavras | 18  Páginas

  • historia da riqueza do homem

     HISTÓRIA DA RIQUEZA DO HOMEM PARTE I: “DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO” Cap. 1 – Sacerdotes, guerreiros e trabalhadores HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. 21. ed. rev. Rio de Janeiro: LTC, 1986. A sociedade feudal era constituída de três classes: sacerdotes, guerreiros e trabalhadores. Essa terceira é que sustentava as outras duas. A maioria das terras agrícolas da Europa Ocidental e Central estava dividida em áreas conhecida como feudos. Cada uma dessas propriedades tinha...

    1680  Palavras | 7  Páginas

  • Historia da riqueza do homem

    RESUMO – A HISTÓRIA DA RIQUEZA DO HOMEM Cap. I Há três classes na sociedade feudal: sacerdotes, guerreiros e trabalhadores; De maneira geral, os senhores feudais possuíam centenas de feudos, e geralmente 1/3 era domínio do senhor: o resto, dos arrendatários (camponeses, aldeões, vilãos – servos!); Os arrendatários trabalhavam suas terras bem como as do senhor, que eram prioridade; Camponês reparava pontes, pagava para usar os instrumentos do senhor e estava abarrotado de imposições...

    7921  Palavras | 32  Páginas

  • A historia da riqueza do homem

    ...........................................................28 Bibliografia................................................................................................29 Introdução Uma história moderna, um clássico, História da Riqueza do Homem, abrange desde a Idade Média até o nascimento do nazi-fascismo. O principal objetivo dessa obra é explicar a História pelo estudo da teoria econômica e, ao mesmo tempo,explicar a Economia através do estudo da História. É interessante...

    6319  Palavras | 26  Páginas

  • Historia e riqueza do homem

    HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. 21. ed. rev. LTC: Rio de Janeiro, 1986. p. 02-153. 1/14 1ª parte – Do feudalismo ao capitalismo Sacerdotes, guerreiros e trabalhadores. 1 – Resumo: No capitulo 1 o autor fala sobre a sociedade feudal que era divida em três classes - os sacerdotes, guerreiros e trabalhadores “... sendo que o homem que trabalhava produzia para ambas as outras classes, eclesiástica e militar.” (p.03). Os feudos “... consistia apenas de uma aldeia e várias centenas...

    7201  Palavras | 29  Páginas

  • Compilação da história da riqueza do homen

    História da riqueza do homem, de Leo Huberman Esse livro é considerado um clássico da história moderna, abrange desde a Idade Média até o nascimento do nazi-fascismo. A história européia em uma visão crítica, pautada no materialismo dialético. Com capítulos curtos e uma linguagem dinâmica, conseguimos captar e ler rapidamente o que o autor propõe, tornando assim uma leitura prazerosa da economia. Huberman escreveu este livro magistral, cujo objetivo é explicar a História pelo estudo da teoria...

    6531  Palavras | 27  Páginas

  • Resumo a historia da riqueza do homem

    História da Riqueza do Homem – Leo Huberman [FICHAMENTO] Este livro tenta explicar a história pela teoria econômica, e a teoria econômica pela história. Não é uma história econômica nem uma história do pensamento econômico, mas um pouco de ambas.  DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO:- A sociedade feudal consistia dessas três classes – sacerdotes, guerreiros e trabalhadores, sendo que o homem que trabalhava produzia para ambas as outras classes, eclesiástica e militar. Isto era muito claro, pelo menos...

    6666  Palavras | 27  Páginas

  • a riqueza do homem

    A sociedade feudal consistia dessas três classes - sacerdotes, guerreiros e trabalhadores, sendo que o homem que trabalhava produzia para ambas as outras classes, eclesiástica e militar. Isto era muito claro, pelo menos para uma pessoa que viveu naquela época. A maioria das terras agrícolas da Europa ocidental estava dividida em área conhecidas como “feudos”. Um feudo consistia apenas de uma aldeia e as várias centenas de acres de terra arável que a circundavam, e nas quais o povo da aldeia trabalhava...

    6563  Palavras | 27  Páginas

  • Escolas mercantilistas

     Introdução O presente trabalho tem como tema as Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica. O Mercantilismo é o conjunto de princípios que orienta os Estados europeus para a expansão comercial ocorrida entre os séculos XV e XVII. Os Fisiocratas defendem as sociedades agrícolas porque, para eles, a terra é a única fonte de riqueza de uma nação. E os Clássicos defendem o liberalismo e elaboram o conceito de racionalidade econômica, no qual o indivíduo deve satisfazer suas necessidades...

    2996  Palavras | 12  Páginas

  • Resenha do livro: "a história da riqueza do homem"

    RESENHA Este livro relata uma história nem econômica nem de pensamento econômico, mas um pouco das duas. Do feudalismo ao capitalismo, a sociedade feudal consistia em três classes, sacerdotes, guerreiros e trabalhadores, só que o homem que trabalhava produzia para ambas as classes eclesiástica e militar. A espécie de trabalho nas fábricas ou usinas era trabalho na terra, cultivando o grão ou guardando o rebanho para utilizá-la no vestiário. Era o trabalho agrícola diferente de laje que dificilmente...

    4015  Palavras | 17  Páginas

  • Gregos, Mercantilistas e Fisiocratas

    Universidade Federal Rural de Pernambuco Gregos, Mercantilistas e Fisiocratas Este trabalho tem como objetivo analisar a evolução histórica da Economia por meio dos sistemas econômicos que existiram no passado com os Gregos, Mercantilismo e a Fisiocracia, com enfoque nas principais características, do ponto de vista econômico, de cada um dos modelos. A Economia se desenvolveu como ciência no decorrer dos últimos 500 anos, paralelamente com o desenvolvimento de práticas comercias e com a...

    1447  Palavras | 6  Páginas

  • Aula 4a Mercantilista e Fisiocratas

    Crítica Marxista Os Mercantilista e Fisiocratas DIRCEU GRASEL ECONOMIA CUIABÁ, MT - 27/04/15 1 Teoria Econômica: Do Mercantilismo à Crítica Marxista I) O Mercantilismo: – 1776 = 275 anos de influência teórica. Estas datas variam de região para região; 1 – Principais Economistas: •Thomas Mun (1571-1641) Italiano; •Gerard Malynes (? -1641) Inglês; •Charles Davenant (1656- 1714) Inglês; •Jean Baptiste Colbert (1619- 83) Francês; •Wiliam Petty (1623- 87) Inglês; •O termo mercantilista é geralmente empregado...

    1430  Palavras | 6  Páginas

  • As Escolas Mercantilista Fisiocrata E Cl Ssica

    Henrique Cabreiro Xavier Rafael Cardoso de Oliveira Rafael Martins Dias Maringá 2012 (77847) (77722) (78015) ATIVIDADES - MERCANTILISMO 1) Explique os principais pressupostos da Doutrina Mercantilista. Dentre os principais pressupostos da Doutrina Mercantilista, destacaram-se: • Metalismo: As riquezas dos Estados Nacionais baseavam-se na quantidade de ouro e prata adquirida, isto é, quanto mais ouro e prata uma nação acumulava, maior seria seu status. No Metalismo também era importante exportar...

    4125  Palavras | 17  Páginas

  • econmia mercantilista

     Gabarito da Lista 1 – Mercantilistas e Fisiocratas 1) Descreva o “Tableau Economique” de Quesnay, identificando seus propostos e sua função.Qual o esquema proposto por ele na circulação da riqueza? Qual a razão apontada pelo autor de que somente a agricultura produz riqueza, sendo as outras atividades consideradas “estéreis”? De início é importante observar que os recursos necessários para cada colocar a produção de cada setor em movimento são chamados por Quesnay de adiantamentos, podendo...

    1478  Palavras | 6  Páginas

  • escola mercantilista

    pensamento_economico 2367 views Like Apostilamicroeconomia 110807203610-phpapp01 1054 views Like Apostila intr economia_pablo 145 views Like Iluminismo texto da wikipedia 83 views Like S ervico social 2009_5_2 (1) 2256 views Like A riqueza das nações [vol. i] adam smith 87 views Like S istemas Economicos E S ociais 22530 views Like Resumo sobre Iluminismo 229952 views Like Hpe aula 5 ricardo - História do Pensamento Econômico - UFABC Prof Giorgio 93 views Like ...

    4981  Palavras | 20  Páginas

  • O desenvolvimento econômico sob o ponto de vista dos mercantilistas, fisiocratas e os clássicos

    O desenvolvimento econômico sob o ponto de vista dos mercantilistas, fisiocratas e os clássicos Contribuição de Marco Aragão* 20 de September de 2007 O economista Marco Aragão traz neste artigo uma retrospectiva da ciência econômica. "Os problemas econômicos fundamentais começaram a surgir com a aglomeração da humanidade em centros urbanos, assim como, a busca pela sobrevivência do indivíduo em sociedade ao buscar o que é melhor para si e para os outros. Desde o surgimento da humanidade o homem...

    2112  Palavras | 9  Páginas

  • Mercantiliso: Mercadores e Estado; Fisiocratas: Leis naturais, laissez-faire, "adiantamentos" e excedente econômico

    que ambos possuíam interesse na prática do mercantilismo. A partir disso, temos que o Mercantilismo atingiu todos os Estados Nacionais primeiramente formados. Países como Portugal, Espanha e Inglaterra, põem em prática os ideais da política mercantilista, em associação com suas expansões marítimas. Com o Mercantilismo, surge a preocupação com relação a Balança de Pagamentos. Um país deveria exportar mais do que importar, com o objetivo de acumular capital. Para isso, o Estado deveria promover...

    927  Palavras | 4  Páginas

  • A História da Riqueza do Homem Capítulo XII – Deixem-nos em Paz

    Resumo: Capítulo XII – Deixem-nos em Paz! Autor: Leo Huberman Livro: A História da Riqueza do Homem Jéssica Nunes Flávio Vinícius Um número cada vez maior de pessoas não concordava com a teoria nem com as práticas mercantilistas. Os comerciantes queriam parte nos enormes lucros das companhias monopolizadoras privilegiadas pelo Estado. Eles queriam exercer livremente o poder que o dinheiro lhes dava; do outro lado existia a classe trabalhadora, explorada e cansada de pagar altos impostos...

    731  Palavras | 3  Páginas

  • CRISE DO MERCANTILISMO E A ESCOLA FISIOCRATA

    CRISE DO MERCANTILISMO E A ESCOLA FISIOCRATA A primeira forma de riqueza foi a TERRA, mas essa significava fonte de poder e riqueza, depois veio os METAIS, ouro e prata são duráveis, são aceitos amplamente de forma rápida e segura como pagamento de todos os serviços. As colônias que possuíam fontes de ouro e prata eram as mais ricas, suas estratégias para manter a balança comercial favorável – países produtores e exportadores de mercadorias - eram as mais variadas: exportar mais do que importar...

    767  Palavras | 4  Páginas

  • Fichamento - a historia da riqueza do homem, de leo huberman

    Aluna: Bárbara Jardim Paulo Curso: Ciências Econômicas – 1º período Disciplina: História Econômica Geral I Trabalho: Fichamento do livro “A História da Riqueza do Homem” CAPÍTULO 1 Pág. 3: A sociedade feudal consistia dessas três classes sacerdotes guerreiros e trabalhadores, sendo que o homem que trabalhava produzia para ambas as outras classes. Os feudos variavam de tamanho, organização e relações entre os que os habitavam...

    20941  Palavras | 84  Páginas

  • resumo da riqueza do homem

    Resumo, capítulos 11 e 12 do livro a Riqueza do homem. De inicio o livro trás de cara falando muito sobre o ouro e a prata naquela época de como queriam enriquecer o pais através do mesmo, utilizando a proibição da saída de ouro e prata, relatavam também que uma das maneiras de aumentar a riqueza do estado era vender mais aos países estrangeiros do que comprar deles. Os países poderiam sim, aumentar sua reserva de ouro dedicando-se somente ao comercio exterior, sempre com a cautela de...

    625  Palavras | 3  Páginas

  • Resumo Da Hist Ria Da Riqueza Do Homem I Robson

    Resumo da História da Riqueza do Homem Na Idade Média a sociedade Feudal era formada por três classes: Sacerdotes, Guerreiros e Trabalhadores, sendo que o homem que trabalhava produzia para as outras duas classes. A maioria das terras agrícolas da Europa Ocidental e Central estava divida em áreas conhecidas como Feudos, que consistia de uma aldeia e centenas de acres de terra arável que o povo da aldeia trabalhava. Cada propriedade feudal tinha um “Senhor” que vivia em uma casa sempre fortificada...

    8372  Palavras | 34  Páginas

  • A História da Riqueza das Nações

    Huberman, Leo – História da Riqueza do Homem, páginas 85 a 153 1 SUMÁRIO 1. “Homem Rico” ...................................... ............................................................... 2 2. “Homem Pobre, Mendigo, Ladrão” ................................................................... 5 3. Precisam-se de Trabalhadores – Crianças Podem Candidatar-se ................... 8 4. Ouro, Grandeza e Glória........................................................................................

    7002  Palavras | 29  Páginas

  • Resumo "a riqueza do homem"

    Resenha do Livro “A História da Riqueza do Homem” Fonte: HUBERMAN, Leo, História da Riqueza do Homem, 2 1' Edição, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1986. PARTE 1 | DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO 1. SACERDOTES, GUERREIROS E TRABALHADORES A Sociedade feudal era composta de três classes: sacerdotes, guerreiros e trabalhadores. O homem trabalhava e produzia para ambas as classes, o trabalho era a terra, cultivando o grão ou guardando o rebanho para fazer a lã no vestuário. A maior parte...

    3605  Palavras | 15  Páginas

  • Resumo Fisiocratas

    ESTUDO DIRIGIDO 2 Questões: 1. Para os fisiocratas existe uma ordem natural governando a economia. Qual o papel da teoria econômica e das ações econômicas dos governos nesse contexto? 2. Por que os fisiocratas defendiam o liberalismo econômico, de acordo com sua teoria e no contexto em que viviam? 3. O que são atividades produtivas e improdutivas na economia, de acordo com os fisiocratas? 4. Qual a unidade de medida que os fisiocratas usam para mensurar o excedente econômico? O excedente...

    599  Palavras | 3  Páginas

  • ESCOLA MERCANTILISTA

    por pedágios, estabelecendo leis e impostos uniformes e protegendo as pessoas e os bens em trânsito dentro de um país e entre países. 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 O Papel do Estado no Processo de Desenvolvimento Econômico De forma geral, a economia mercantilista concebeu a criação de um estado intervencionista capaz de atender as demandas de sua própria economia. A possibilidade de intervenção do Estado na economia era uma questão delicada no interior das monarquias nacionais européias. Muitas vezes, as...

    1510  Palavras | 7  Páginas

  • A escla fisiocrata

    A Escola Fisiocrática Quando os fisiocratas iniciaram a sua atividade teórica, a economia política ainda não estava separada da política econômica – era ainda, e apenas, um capítulo da arte do governo. Com os fisiocratas termina a época dos percursos e inicia-se a época dos fundadores da ciência econômica. Assim, os fisiocratas foram não só uma escola de pensamento econômico, como uma escola de ação política. A ideologia fisiocrática inspirou algumas páginas da Enciclopédia, de Diderot, e alguns...

    5220  Palavras | 21  Páginas

  • Analises mercantilistas ,fisiocratas e o conceito de Adam Smith

    Universidade de Pernambuco Campus Mata Sul - Palmares Curso: Serviço Social- III Período Equipe: Elicácia Maria Pereira Hananda Monyse Barreto de Medeiros Monikyelly Patrícia Lucena da Silva Analises Mercantilistas, Fisiocratas e Conceitos de Adam Smith O mercantilismo tem uma grande característica, sendo essa a grande intervenção do estado na economia, essa intervenção vinha através da exploração colonial. Esse estado dependia de reservas monetárias, ou seja, circulação de moedas.Um...

    659  Palavras | 3  Páginas

  • Escola fisiocrata

    Escola Fisiocrata A fisiocracia, considerada a primeira escola da economia científica, antes até mesmo da teoria clássica de Adam Smith, é uma teoria econômica que surgiu para se opor ao mercantilismo, se apresentando como fruto de uma reação iluminista. Em síntese, a fisiocracia se baseia na afirmação de que toda a riqueza era proveniente da terra, da agricultura. O idealizador da teoria foi François Quesnay, médico da corte do rei francês Luís XV. Em seu livro “Tableau Economique”, escrito em...

    927  Palavras | 4  Páginas

  • Fisiocratas vs teoria classica

    Econômica Matéria de Evolução do Pensamento Econômico Prof. Dr. Lauro Francisco Mattei Aluno Matheus Barth Paniz Matricula 12203864 Teoria Fisiocrata em contraposição à teoria Clássica. 1.0 Introdução - Neste trabalho, por meio de uma pesquisa bibliográfica, esclarecerei as principais diferenças e no que se refere à teoria Fisiocrata e a Clássica. É de extrema importância deixar claro o contexto vigente nas suas respectivas épocas. Um estudo sobre as teorias só poderia ser possível...

    3295  Palavras | 14  Páginas

  • Escola fisiocrata

    Escola Fisiocrata e o Laissez-Faire-Quesnay Governo da Natureza RESUMO A escola fisiocrata surge para contestar o pensamento mercantilista. Com seu nome significando governo da natureza, ela se desenvolve com a ideia de terra como fonte de toda a riqueza e diz que as atividades econômicas não deveriam ser reguladas por forças não naturais. Sendo assim, deveria haver uma liberdade econômica, liberdade esta, conseguida com a não intervenção do Estado. Palavras-chave: Terra, Riqueza, Liberdade...

    2428  Palavras | 10  Páginas

  • A Riqueza das Nações de Adam Smith

    O`ROURKE, P. J. A Riqueza das Nações de Adam Smith: Uma biografia. Trad. Roberto Franco Valente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. Resenha O século XVIII foi palco das grandes revoluções burguesas de enorme importância na história da humanidade. A ela foi dada o nome de iluminismo ou filosofia da luzes, que se difundiu na França e na Inglaterra. A principal característica do movimento, que depois se espalhou por toda Europa, era a valorização da ciência e da racionalidade como forma de eliminar...

    2642  Palavras | 11  Páginas

  • Fichamento capítulo II - Fisiocratas

    Estado, etc.) • Tão importante quanto os ingleses para essa ciência, são os franceses fisiocratas, quem também realizaram significativas pesquisas nas origens da economia política. Maxr e Schumpeter são admiradores da fisiocracia. • Os fisiocratas apontam uma maneira de lidar com os problemas econômicos vindos da desagregação das relações feudais e das complicações políticas de Estado mercantilistas. A fisiocracia analisava a grande distância que estava dando-se entre a economia inglesa e...

    620  Palavras | 3  Páginas

  • evolução do pensamento economico: breve retrospecto

    1. em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para as fisiocratas? 2. quem foi o mais destacado dos economistas classicos? quais suas principais ideias? 3. o que diz a teoria das vantagens comparativas?quem foi seu autor? 4. qual a principal diferença entre a lei say e o principio keynesiano da demanda efetiva? 5. explique sucintamente as principais diferença entre monetarista e fiscalista, pós-keynesianos, marxistas e institucionalista. 1. em que consistia a riqueza para os mercantilistas...

    598  Palavras | 3  Páginas

  • Economia

    Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? • 3 anos atrás • Denuncie Melhor resposta - Escolhida por votação Os Mercantilistas acreditavam que para um pais ser rico ele deveria exportar o maximo que pudesse e impor barreiras para importações, pois nesta epoca as transações entre paises eram feitas com pagamento em ouro e para os mercantilistas um pais só seria rico se tivesse mais ouro em seu poder do que os outros paises. Os fisiocratas acreditavam que o unico...

    2291  Palavras | 10  Páginas

  • escola fisiocrata

    ESCOLA FISIOCRATA (Resumo) Características: Nunca formaram toda a autoridade do governo. São uns dos primeiros a falar em DIVISÂO DO TRABALHO. A Sociedade só pode ser regida por leis naturais -> Leis físicas. A vida da Sociedade é regida pela economia, que é natural. A BASE ECONÔMICA DA SOCIEDADE é A TERRA CULTIVADA, Com cultura plantada. Isso pressupõe a Propriedade -> que é necessária e natural segundo eles. Derivada da ordem natural da sociedade. O direito à propriedade seria uma lei...

    1645  Palavras | 7  Páginas

  • Os fisiocratas

    Turgot do Ministério das Finanças e publicação de “A Riqueza das Nações” de Adam Smith ● Fisiocracia = governo da natureza - denominação de fisiocratas (1768): publicação de “Fisiocracia, ou constituição essencial do governo mais vantajoso para o gênero humano” (du Pont de Nemours) - é a ciência do governo da vida social, que descobre suas leis naturais e indica a conduta econômica do governo e das classes, para o aumento da riqueza e o alcance da prosperidade ● reformadores sociais ...

    2628  Palavras | 11  Páginas

  • 026114031880

     1- Os Mercantilistas acreditavam que para um pais ser rico ele deveria exportar o maximo que pudesse e impor barreiras para importações, pois nesta epoca as transações entre paises eram feitas com pagamento em ouro e para os mercantilistas um pais só seria rico se tivesse mais ouro em seu poder do que os outros paises.  Os fisiocratas acreditavam que o unico meio de gerar riqueza em um pais era através da agricultura, segundo esta escola de pensamento as outras atividades nao agregavam valor...

    905  Palavras | 4  Páginas

  • FISIOCRATAS

    econômico era visto como um organismo regido por leis inerentes ao cosmo. Nesta escola econômica desenvolveu-se a ideia da terra como fonte de toda a riqueza. A palavra fisiocracia possui origem nas raízes gregas "fisios" (natureza) e kratia (governo), que dão origem à expressão "governo da natureza". Com tal conceito em mente, foi desenvolvida  pelos fisiocratas a ideia central de governo da natureza e de liberdade de ação, em oposição aberta às complexas regulamentações governamentais que estavam por...

    964  Palavras | 4  Páginas

  • ESCOLAS FISIOCRATAS

    ESCOLA FISIOCRATA A palavra fisiocracia significa governo de natureza. Isto é, de acordo com o pensamento fisiocráico as atividades econômicas não deveriam ser regaladas de modo acessivo e nem guiadas por forças “antinaturais”. Deveria-se conceder uma maior liberdade a essas atividades, afinal “uma ordem imposta pela natureza e regida pelas leis naturais” governaria o mercado e tudo se acomodaria como que tivesse de ser. Na fisiocracia a base econômica é a produção agrícola, ou seja, um liberalismo...

    1672  Palavras | 7  Páginas

  • Fichamento do livro a historia da riqueza do homes

    Fichamento do livro História da Riqueza Do Homem Bibliografia: Huberman, Leo - ZAHAR EDITORES. Ano: 1981 Suellen 1º período – Economia UFF - Campos Prefácio: “Não é uma história econômica nem uma história do pensamento econômico - mas um pouco de ambas. Tenta explicar, em termos de desenvolvimento das instituições econômicas, por que certas doutrinas surgiram em determinado momento, como se originaram. Na própria estrutura da vida social, e como se desenvolveram, modificaram e Foram...

    13057  Palavras | 53  Páginas

  • Escolas Fisiocratas

    terra e as demais classes. O papel do estado se limitava a ser o guardio da propriedade e garantidor da liberdade econmica, no deveria investir no mercado, pois existia uma ordem econmica que regia as atividades econmicas. O fundador da escola fisiocrata, e da primeira fase cientifica da economia, foi Franois Quesnay autor de livros que ate hoje so inspirao para economistas atuais como por exemplo Tasbleau conomique. No se pode falar em fisiocracia sem citar seu nome,foi fundador de alguns princpios...

    1498  Palavras | 6  Páginas

  • O pensamento pré-mercantilista

    O pensamento pré-mercantilista Antiguidade oriental O mais antigo código conhecido, o código de Hamorabi (cerca de 2000 anos antes de Cristo), continha várias regras referentes ao juro, ao salário e duração do trabalho. Pensamento Hebraico A posição do pensamento hebraico é um pensamento eminentemente religioso, que dava mais importância aos valores morais do que aos materiais. Pensamento Grego Xenofonte – interessa-se pelas regras de uma boa gestão fundiária e pela poupança. Platão – defende um...

    1547  Palavras | 7  Páginas

  • Resumo do livro A Historia da riqueza do homem

    transferir para o plano nacional os princípios que haviam tornado as cidades ricas e importantes.” PAG.130 “Ouro e prata. A posse de ouro e prata, portanto, o total de barras que possuísse um país, era o índice de sua riqueza e poder” PAG.131 “Os prêmios governamentais sobre a produção destinavam-se a estimular a manufatura.” PAG.134 “O estímulo público solicitado veio na forma de proteção contra a competição estrangeira, através de altos impostos sobre...

    1630  Palavras | 7  Páginas

  • Quanto Concep O E Natureza De Seus Princ Pios E De Suas Leis

    produção (que são de sua propriedade) -OFERTA, enquanto as empresas os oferecem. Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas?      Os mercantilistas consideravam que quanto mais o governo de um país pudesse armazenar metais preciosos, quanto maior fosse seu estoque mais forte e poderoso ele seria, ou seja, o acumulo de riquezas de uma nação. Já para os fisiocratas a riqueza consistia em bens produzidos com a ajuda da natureza em atividades econômicas como a lavoura, pesca...

    915  Palavras | 4  Páginas

  • resumo capitulo 2 historia do pensamento economico

    Resumo do segundo capítulo da obra `​ `A história do pensamento econômico:uma  perspectiva critica​ ´´ de E.K Hunt e Mark Lautzenheiser. (HUNT, E.  K. LAUTZENHEISER,  Mark. 3 Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013)        Primeiros Escritos Mercantilistas sobre o Valor e Lucro: ​ O lucro mercantil era gerado pelos  preços de custo e venda das mercadorias, e diferença entre estes era o lucro do mercador.O valor  das mercadorias era dado pelo seu ``valor natural´´, seu ``valor intrínseco´´ e as forças da oferta e ...

    528  Palavras | 3  Páginas

  • Economia política

    papel moeda, depósito compulsório, compra e venda de títulos de dívida publica, empréstimo do Banco Central aos comerciantes e controle da taxa de juros   Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas?  Para os mercantilistas a riqueza consistia no acúmulo de metais.Para os fisiocratas a riqueza consistia em bens produzidos com a ajuda da natureza em atividades economicas como lavoura, pesca e mineraçao. Qual é o principal objetivo da política monetária? Controlar...

    592  Palavras | 3  Páginas

  • Fichamento historia do pensamento economico cap i

    Smith - “No início da época mercantilista, quase toda a produção ficava a cargo de trabalhadores que ainda eram donos de seus próprios meios de produção e os controlavam. Os capitalistas eram, basicamente, mercadores e seu capital consistia, quase todo ele, em dinheiro e estoques de mercadorias a serem vendidas. Portanto, era natural que os autores mercantilistas vissem as trocas das compras e vendas como a fonte dos lucros.” PRIMEIROS REGISTROS ESCRITOS MERCANTILISTAS SOBRE VALOR E LUCRO - “O...

    1055  Palavras | 5  Páginas

  • economia

    1-Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? Para os Mercantilistas a base de suas riquezas eram os metais preciosos. Eles acreditavam que quanto maior fosse seu estoque mais poderoso seriam. E para os fisiocratas a riqueza consistia na lavoura, na pesca e na mineração. Suas riquezas eram produzidas com a ajuda da natureza 2-Quem foi o mais destacados dos economistas clássicos? Qual sua principal idéia? Adam Smith (1723-1790). -A atuação da livre concorrência,...

    516  Palavras | 3  Páginas

  • Adam smith - a diversidade do progreso na riqueza das nações

    Diversidade do Progresso da Riqueza nas Diferentes Nações” Porto, 5 de Abril de 2013 Índice: I. Introdução II. Livro Terceiro a. Capítulo I b. Capítulo II c. Capítulo III d. Capítulo IV III. Ideias Mercantilistas: W. Petty e F.Quesnay IV. Visões Contemporâneas: PAC V. Conclusões Introdução No âmbito da cadeira de História do Pensamento Económico, foi-nos solicitado a execução de um relatório sobre a obra de Adam Smith “A Riqueza das Nações”. A mim...

    4249  Palavras | 17  Páginas

  • trabalho de economia - uniderp

    1 – Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? R: Para os mercantilistas, as riquezas consistiam através do acúmulo de metais que uma nação poderia ter. Considerava-se que o governo de um país seria mais forte e poderoso quanto maior fosse, seu estoque de metais preciosos. Para os fisiocratas, a riqueza consistia em bens produzidos com a ajuda da natureza, em atividades econômicas como a lavoura, a pesca e a mineração. 2 – Quem foi o mais destacado dos economistas...

    512  Palavras | 3  Páginas

  • Economia política

    QUESTÕES DO CAPÍTULO 2 1-Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? Para os mercantilistas a riqueza consistia nas políticas mercantilistas partilhavam a crença de que a riqueza de uma nação residia na acumulação de metais preciosos (ouro e prata). Para os fisiocratas todo riqueza provém da terra, a indústria apenas diversifica o produto e o comércio. Os fisiocratas consideram o sistema econômico como um`` organismo´´ regido por leis...

    950  Palavras | 4  Páginas

  • ECONOMIA

     Adam Smith divergiu das idéias dos mercantilistas sobre o verdadeiro significado da riqueza das nações. Esclareça em que consistiu e quais as conseqüências ideológicas e econômicas dessa divergência.  Resp.: Explique o significado do termo fisiocracia. Relacione o significado etimológico desse termo com as proposições econômicas e políticas dos fisiocratas franceses da segunda metade do século XVIII.  Conceitue a Política Econômica e esclareça a distinção que há, no campo da Economia...

    1034  Palavras | 5  Páginas

  • questionario

    2) 1. Em que consistia a riqueza para os mercantilistas e para os fisiocratas? Os mercantilistas acreditavam que quanto maior fosse o estoque de metais preciosos, mais forte e mais poderoso seria o governo de um país. Para os fisiocratas, a riqueza consistia em bens produzidos com a ajuda da natureza em atividades econômicas como a pesca, a lavoura e a mineração. Ou seja, para o mercantilismo consistia em fomentar o comércio exterior e acumular metais preciosos, já os fisiocratas acreditavam que...

    1224  Palavras | 5  Páginas

  • Resumo do Livro Historia da Riqueza do Homem de Leo Huberman -

    do livro Riqueza das Nações. - Muitos comerciantes eram contra as políticas mercantilistas. “Os comerciantes queriam uma parte dos enormes lucros das companhias monopolizadoras privilegiadas. Quando tentaram participar delas, foram excluídos como intrusos” p. 132. - Quem tinha dinheiro queria liberdade para aproveitar as oportunidades. - A liberdade de negociar traria vantagens mútuas. “Adam Smith se ocupava mais do estudo das causas que influenciam a produção e distribuição da riqueza” p. 134. Parte...

    5500  Palavras | 22  Páginas

tracking img