Caracteristicas Da Escola Positivista artigos e trabalhos de pesquisa

  • Comparação escola clássica x positivista

    Escola Clássica da Criminologia. No século XVII O sistema Jurídico-legal era algo de certa forma assustador, pois eles não pensavam nas suas leis, e condenavam as pessoas que cometiam delitos a serem torturadas ate a morte, sem direi de uma defesa justa. Muitas das vezes existiam provas suficientes para provar a culpa do acusado, mas mesmo assim o torturavam com o intuito do mesmo admitir seu erro, para que confessassem. O que apoiava a lei, a religião, dizia que esse método era muito eficaz para...

    1324  Palavras | 6  Páginas

  • Escola positivista

    conceitos no âmbito geral e em especial o Direito avançando racionalmente, com descobertas recentes sobre informações de indivíduos da sociedade, possibilitando, a médio prazo, que seja possível determinar as características do ser humano como sua tendência ou pré-disposição delitiva. Entretanto a escola positiva foi um movimento teórico e um marco intelectual, que teve como estudo o indivíduo criminoso no âmago das pesquisas, com fulcro à prática delitiva consubstanciada como o raios-X dos anseios e preocupações...

    2914  Palavras | 12  Páginas

  • A ESCOLA METÓDICA E POSITIVISTA

    A ESCOLA METÓDICA E POSITIVISTA Positivismo é um rótulo novo, para uma nova fase de desenvolvimento do empirismo. Nasceu o nome em 1830 na Escola do socialista utópico Saint-Simon (1760-1825), e ganhou fortuna com Augusto Comte, o pensador protótipo do movimento, sobretudo na França. Derivado do latim (o que está posto diante, situado), significa descritivamente o que se observa, ou experimenta. É uma corrente ou escola filosófica que afirma que o único conhecimento somente pode surgir da afirmação...

    713  Palavras | 3  Páginas

  • Resumo de aulas escolas positivistas e naturalistas

    o mínimo de moralidade. * Em determinados casos, é mais comum observarmos profissionais da área seguindo sempre o padrão positivista, aplicando somente leis em situações que necessitariam de mais humanidade. * Natureza empírica: natureza do cotidiano, conhecimento das coisas através do costume. Escolas Jurídicas Escolas moralistas do Direito: * As escolas moralistas partem da ideia de que o direito é pré-determinado por tais “leis”, que fazem parte do direito natural. Existem basicamente...

    2049  Palavras | 9  Páginas

  • Escolas Positivistas Do Direito

    Escolas positivistas do direito Entendem o direito com um sistema de normas (regras) que regulam o comportamento social. O direito então é elaborado com o intuito de governar. É um instrumento de governo da sociedade. Por detrás desta “ordem de comando” está sempre a vontade política. Um sujeito político tem um “leque” de possibilidades, escolhe uma delas. A sua solução é sempre a mais justa ou mais adequada Teorias Positivistas centradas na Legislação THOMAS HOBBES (1588-1679) Em suas obras...

    683  Palavras | 3  Páginas

  • Escolas penais

    Escola Clássica: Deve-se deixar claro que não houve unidade doutrinária quando se denomina a Escala Clássica referente ao direito de punir e suas implicações no crime e sanção penal. A denominação Escola Clássica tem cunho pejorativo atribuído pelos positivistas que negaram o caráter científico das valorações jurídicas do delito. A bandeira humanista levantada pelos Iluministas permeou o campo das Ciências Penais, tendo Cesare de Beccaria como expoente com a publicação, em 1764, do livro Dos...

    2202  Palavras | 9  Páginas

  • Escola Positivista

    como a violência familiar, a falta de oportunidades, etc. Lombroso é considerado o marco da Escola Positivista, em termos filosóficos encontramos Augusto Comte. Esta escola italiana critica os da Escola Clássica, como Beccaria e Bentham, no que diz respeito à utilização de uma metodologia lógico-dedutiva, metafísica, onde não existia a observação empírica dos fatos. As características principais desta escola mostram-se em três pontos: Empirismo (cientificidade, observação e experimentação dos factos...

    3290  Palavras | 14  Páginas

  • Escolas Penais

    Escolas Penais No século XVIII as idéias iluministas estão a todo vapor, questões como Razão e Humanidade estão sendo debatido em todos os lugares, assim o Direito se fundamenta em cima dessas questões e esta ciência passa a ser acessível a todos e não somente a uma área privilegiada da sociedade, seus reformadores passam a pensar no povo começam a usar da Razão para decidir o futuro de homem. Escola Clássica Os positivistas assim denominaram os pensadores que eram influenciados pelas idéias...

    1070  Palavras | 5  Páginas

  • escolas penais

    SUMÁRIO 1 ESCOLAS PENAIS 4 1.1 ESCOLA PENAL CLÁSSICA 4 1.2 ESCOLA PENAL POSITIVISTA 1.3 ESCOLA PENAL HUMANISTA REFERÊNCIAS 7 1. ESCOLAS PENAIS As escolas penais vieram representar a acolhida de distintos métodos e objetos de abordagem que se seguem no estudo do Direito Penal, seu estudo leva a orientar sua elaboração. Logo, as Escolas Penais são as diversas correntes, filosófico e jurídico em matéria penal que surgiram nos...

    828  Palavras | 4  Páginas

  • Historia positivista

    POSITIVISMO e HISTÓRIA TRADICIONAL/POSITIVISTA O positivismo é uma corrente filosófica que surgiu na França no começo do século XIX especialmente pelo filósofo Augusto Comte (1798-1857). Esta escola filosófica ganhou força na Europa na segunda metade do século XIX e começo do XX, período em que chegou ao Brasil. O positivismo defende a idéia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria...

    1084  Palavras | 5  Páginas

  • Escolas penais

    Escolas Penais 1. Conceito “Escola Penal significa um conjunto de princípios e teorias que procuravam explicar o objeto de Direito Penal, a finalidade da Pena e compreender o autor da infração penal” (p.56) 2. A Escola Clássica, Idealista ou Primeira Escola “(...) Surgiu na Itália, onde se espalhou para todo o mundo, principalmente para Alemanha e para a França. (...) Dividida em dois períodos: a) teórico ou teórico-filosófio (Cesare Boseana Marquês de Beccaria); e b)prático ou ético-jurídico...

    712  Palavras | 3  Páginas

  • positivismo e escola ineracionista

    TEXTO 4 ESCOLA POSITIVA A ESCOLA INTERACIONISTA NORTE-AMERICANA E O CONCEITO DE CRIME. ESCOLA POSITIVA NO BRASIL: Com gênese no cientificismo, o positivismo, surgido no início do século XIX, é corrente filosófica que acreditava que, somente por meio da razão, poderíamos entender e interpretar a realidade. Desse modo, conheceríamos as da natureza que constituem as bases que devem reger a vida dos homens, do mundo e de todo o universo. Auguste Comte(1798-1857), fundador da doutrina, ansiava...

    2450  Palavras | 10  Páginas

  • Escola classica e escola positiva

    ESCOLA CLASSICA E ESCOLA POSITIVISTA ESCOLA CLASSICA A Escola classica surge no fim do seculo XVIII em pleno iluminismo.Esta escola florece em meio a um conturbado panorama politico e social.Esse periodo ficou conhecido historicamente por ter sido uma epoca macabra.Dentre os escritores da epoca destaca-se Beccaria,este agarrou suas criticas no poder arbitrario dos reis e do clero catolico,os quais embriagavam-se e perdiam o norte em meio ao poder limitado que possuiam. Na Escola...

    1641  Palavras | 7  Páginas

  • Escolas penais

     ESCOLAS PENAIS SUMÁRIO 1 ESCOLA CLÁSSICA 3 2 ESCOLA POSITIVA 5 3 ESCOLA CRÍTICA OU TERZA SCUELA ITALIANA 7 4 ESCOLA ALEMÃ 8 5 ESCOLA HUMANISTA E TÉCNICO-JURÍDICA 10 6 ESCOLA CORRELACIONISTA 12 REFERÊNCIAS 14 1 ESCOLA CLÁSSICA A Escola Clássica penal situa-se no período do final do século XVIII até a metade do século XIX. Surgiu a partir pensamentos iluministas básicos apresentados por Cesare Beccaria em “Dos...

    2948  Palavras | 12  Páginas

  • Escolas - exegese

    A Escola Exegese “A Escola da Exegese surgiu no início do século XIX em meio ao caos político e social da França revolucionária. Nessa época, as diversas trocas de governo no Estado Francês, principalmente durante o período do Terror, provocaram uma grande desordem no ordenamento jurídico deste país, o que causava grandes prejuízos aos negócios da classe social mais favorecida pela Revolução: a burguesia”. As contribuições da Escola Exegese “A Escola da Exegese é, com razão, muito criticada...

    725  Palavras | 3  Páginas

  • Escola Metódica

    História, entre a Filosofia e a Ciência. José Carlos Reis. CAPÍTULO II: A ESCOLA METÓDICA, DITA “POSITIVISTA” (pp. 15-32). José Carlos vem tratar neste capítulo sobre o início do pensamento positivista que tem como principal objetivo separar a História da arte literária. Ele começa seu texto tratando de Ranke, o pai da história positivista. Posteriormente cita princípios metodológicos para um historiador positivista (p. 17). Ao decorrer do texto vemos a chegada do positivismo à França. Por...

    1276  Palavras | 6  Páginas

  • Escolas Penais

    VINICIUS DE OLIVEIRA SACRAMENTO ESCOLAS PENAIS Varginha 2013 EMMANOEL VINICIUS DE OLIVEIRA SACRAMENTO ESCOLAS PENAIS Trabalho solicitado pelo professor Wellington Clair da disciplina de Direito Penal – Parte Geral do curso de Direito Varginha 2013 2. Escola Clássica Não havia de fato uma escola com corpo de doutrina comum, mas juristas que representavam...

    1883  Palavras | 8  Páginas

  • A ESCOLA DOS ANNALES E A NOVA HISTÓRia

    A ESCOLA DOS ANNALES E A NOVA HISTÓRIA Guilherme Augusto Hilário Lopes Graduando em História RESUMO O objetivo desse estudo é fazer breves considerações sobre as mudanças no discurso historiográfico a partir do surgimento da escola dos Annales e o processo de formação da Nova História, movimento que surge como contraponto à história metódica com raízes positivistas. Para tanto, utilizou-se como método de estudo a pesquisa bibliográfica. Com a leitura de diversos autores pode-se evidenciar...

    1956  Palavras | 8  Páginas

  • escolas moralistas e positivistas do direito

     Escolas positivistas e Escolas Moralistas O trabalho vai se incidir em escolas jurídicas. Começarei o trabalho falando, antes de mais, do significado de escola jurídica. 1-Escolas Jurídicas Entende-se por escola jurídica um grupo de autores que defende determinada posição na interpretação do direito e sua função. A partir dessas interpretações procura-se responder a três questões: O que é o direito? Como funciona o direito? Como deveria ser configurado o direito? Levando em...

    4808  Palavras | 20  Páginas

  • Escola Clássica X Escola Positiva

    EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA CRIMINOLOGIA: ESCOLAS CRIMINOLÓGICAS A Criminologia pode ser estudada do ponto de vista de sua evolução científica, e em períodos históricos onde se destacam a escola Clássica e a escola Positiva, sendo que nos dias de hoje as duas teorias são aplicadas, mas prevalecem os ideais desta última. A escola Clássica e a Positiva nasceram do pensamento filosófico-jurídico em face do Direito Penal e da Criminologia. Formaram-se e tornaram-se escolas distintas, todavia estão abaixo...

    1239  Palavras | 5  Páginas

  • Escolas Penais

    600358137 Turma: 4° Período n2 Escolas Penais Escola Penal Clássica. A Escola Clássica surge como um divisor de águas do direito penal, pois nasce a preocupação com a execução da pena, pois as leis penais que precederam o Iluminismo previam, entre outras coisas, o encarceramento daqueles que eram considerados criminosos por tempo indeterminado, dava poderes ilimitados aos juízes e previam ainda a tortura como meio de obtenção de confissão. Os pensadores da Escola Clássica adotaram os ideais iluministas...

    1603  Palavras | 7  Páginas

  • A Escola dos Annales

     A Escola dos Annales: histórias e revoluções historiográficas por Jossefrânia Vieira Martins Sobre a autora[1] Este texto busca refletir acerca das transformações teórico-metodológicas pelas quais o conhecimento histórico passou com o desenvolvimento e a atuação da Escola dos Annales concebida e liderada primeiramente por Marc Bloch e Lucien Febvre nas primeiras décadas do século XX. Para tanto, mergulhamos na historicidade dos Annales atentando para as várias posturas que modelaram a...

    1571  Palavras | 7  Páginas

  • Pensamento positivista

    Praça Nossa Senhora Aparecida, 64 fundos, Vila Esperança. 87020-790. Maringá – Paraná – Brasil. Fone: (44) 3246-7218. inovadora, buscando novas reformas nas escolas. Ou seja, a novidade, sempre tão aclamada na área de educação parece seduzir os educadores e pesquisadores. No entanto, tais novidades contêm muito do pensamento positivista de Augusto Comte (1798-1857) que tanto causa repulsa na academia. Criticas são tecidas a todo instante a essa corrente de idéias, sem muitas vezes aquele que critica...

    3492  Palavras | 14  Páginas

  • Resumo ESCOLAS JUR DICAS MANUAL DE SOCIOLOGIA JUR DICA

    SOCIOLOGIA JURÍDICA Ana Lucia Sabadel ESCOLAS JURÍDICAS “Escola jurídica”: grupo de autores que compartilham determinada visão sobre a função do direito, sobre os critérios de validade, as regras de interpretação das normas jurídicas e os conteúdos que o direito deveria ter – “o que é”, “como funciona” e “como deveria ser figurado”. São consideradas como produto de determinadas épocas e culturas jurídicas. A existência das características em comum de escolas jurídicas nos permite classificá-las...

    3706  Palavras | 15  Páginas

  • Resumo dos três pensamentos pedagógicos: iluminista, positivista e brasileiro

    PEDAGÓGICOS: ILUMINISTA, POSITIVISTA E BRASILEIRO LINHARES 2012 O PENSAMENTO PEDAGÓGICO ILUMINISTA O pensamento iluminista surgiu no século XVII, que se fortaleceu com a Revolução Francesa, na época em que se buscavam as liberdades individuais, contra o obscurantismo da Igreja e a prepotência dos governantes. Na época auge do Iluminismo, Jean Jacques Rousseau, inaugurou uma nova era na história da educação. A educação se tornou obrigatória, assim se fazendo escolas públicas, filha da revolução...

    1121  Palavras | 5  Páginas

  • escola de annales

     A Escola dos Annales: histórias e revoluções historiográficas por Jossefrânia Vieira Martins Sobre a autora[1]   Este texto busca refletir acerca das transformações teórico-metodológicas pelas quais o conhecimento histórico passou com o desenvolvimento e a atuação da Escola dos Annales concebida e liderada primeiramente por Marc Bloch e Lucien Febvre nas primeiras décadas do século XX. Para tanto, mergulhamos na historicidade dos Annales atentando para as várias posturas que modelaram...

    1448  Palavras | 6  Páginas

  • Escolas Juridicas

    Mondardo Teoria do Direito - Exercício de fixação A seguir um esboço do “pensamento jurídico”, por meio de pensadores e Escolas Jurídicas: (a “desordem” da coluna à direita o forçará a se concentrar na busca) 1. “Escola jurídica” ( 1 ) grupo de autores que compartem determinada visão sobre a função do direito, sobre conteúdos que o direito deveria ter. ESCOLAS MORALISTAS DO DIREITO 2. “Leis” (na ótica do Direito Natural) ( 5 ) Considera o direito natural como imutável, estável e permanente...

    1100  Palavras | 5  Páginas

  • Diferença entre escolas moralistas e escolas positivistas

    Diferença entre escolas moralistas e escolas positivistas * As escolas moralistas baseiam o Direito em uma autoridade bem definida, Razão Humana, Deus, Natureza. Não identificam no Direito um caráter histórico nem o vê como fruto de uma vontade política. * Em contrapartida, as escolas positivistas veem o Direito como produto histórico e produto da vontade política. * As escolas mais recentes estão se direcionando a uma desmistificação do Direito, o vendo de forma mais realista, posto...

    2071  Palavras | 9  Páginas

  • criminologia escola cientifica e moderna

    SABRINA FEITOSA SORAIA SANTOS WELTON LIMA Escolas Penais. Cientifica / Moderna MACAPÁ 2014 FAMA – FACULDADE DE MACAPÁ CAMPUS LAGOA CURSO DE DIREITO. ANA AMARAL JOÃO ALVES LUCIVAN SABRINA FEITOSA SORAIA SANTOS WELTON LIMA Escolas Penais. Cientifica / Moderna Macapá 2014 SUMÁRIO 1 Introdução O presente trabalho busca retratar de forma sucinta os primórdios das Escolas Cientifica ou propriamente dita Moderna. Optamos...

    1659  Palavras | 7  Páginas

  • Pós-modernismo versus racionalismo: o debate pós-positivista

    5. Pós-modernismo versus racionalismo: o debate pós-positivista ________________________________________________________________________ [As] genealogias não são portanto retornos positivistas a uma forma de ciência mais atenta ou mais exacta, mas anti-ciências. […] Trata-se da insurreição dos saberes não tanto contra os conteúdos, os métodos e os conceitos de uma ciência, mas de uma insurreição dos saberes antes de tudo contra os efeitos de poder centralizadores que estão ligados à instituição...

    3558  Palavras | 15  Páginas

  • escolas penais

    arbitrário das próprias razões, é crime fazer justiça com as próprias mãos no Brasil, ainda que a pretensão seja legitima, seja ela qual for, tenho sempre que me recorrer do poder judiciário. Escolas Penais Nós tivemos 3 escolas penais. Notemos o direito penal brasileiro que regulamenta condutas criminosas sobre ameaça de sanção para coibir a arbitrariedade, para combater a desordem social, para salva guardar inúmeros bens jurídicos sob ameaça de sanção. O...

    2025  Palavras | 9  Páginas

  • Teoria positivista. Auguste Comte

    AUGUSTE COMTE E A TEORIA POSITIVISTA Auguste Comte (1798-1857) é um pensador inteiramente conservador, ou seja, um defensor sem ambiguidades da nova sociedade. Sua motivação repousa no estado de “anarquia” e “desordem” de sua época, a França do século XIX, período marcado por um profundo caos social. E ao se deparar com essa realidade se propõe a pensar a sociedade de forma cientifica com o objetivo de restabelecer a coesão e equilíbrio social, mas para isso é necessário ordem. O Positivismo:...

    1376  Palavras | 6  Páginas

  • JUSNATURALISMO x DIRETO POSITIVISTA

    JUSNATURALISMO x DIRETO POSITIVISTA Este trabalho tem a finalidade de fazer uma breve explanação a cerca do direito natural e do direito positivo, mostrando seus principais pensadores, seus fundamentos, onde se entrelaçam, onde se destinguem. E mostrar como eles se atuam no ordenamento jurico que temos, desenvolvido, hoje. A principal caracteristica do direito natural é nao ser sistematizado, ele precedeu o direito positivo. É o direito que acredita no que possa ser naturalmente justo, universal...

    792  Palavras | 4  Páginas

  • ESCOLA PENAIS

    ESCOLAS PENAIS 1. Escola Clássica A denominação “escola clássica” foi dada pelos positivistas, com sentido negativo. Essa doutrina – de conteúdo heterogêneo – se caracteriza por sua linha filosófica, de cunho liberal e humanitário. Classicismo significa equilíbrio, apogeu, expressão acabada de uma tradição. Essa escola surgiu no final do século XVIII, e constituiu-se de um conjunto de idéias, teorias políticas, filosóficas e jurídicas acerca das principais questões penais. Antecessora...

    2385  Palavras | 10  Páginas

  • O legado do pensamento positivista ao Brasil

    ciência da física social positivista. Tal disciplina forneceria a uma elite as leis e parâmetros pelos quais a sociedade seria modelada por completo. Para isso, Comte idealizava uma religião baseada no misticismo racionalista que levaria a população a considerar autênticos os mandos de tal elite, dado que essa por sua vez serviria aos ideais científicos de humanidade previstos pela física social. Desenvolvimento Já ao fim do século XIX, a filosofia positivista era presente internacionalmente...

    1089  Palavras | 5  Páginas

  • Escola dos annales x escola social inglesa

    Comparativo entre a Escola dos Annales e a Escola Social Inglesa Na Europa, as primeiras universidades surgiram no século XIII, mas, foi apenas no século XIX que o conhecimento histórico passou a ter uma presença específica nos currículos. É então, a partir do século XIX que o conhecimento histórico começa a ser produzido, e analisado mais intensamente, passando por diversas modificações. Foi no século XX que começou a se questionar sobre uma historiografia que dava muita importância a fatos...

    769  Palavras | 4  Páginas

  • Objetividade e subjetividade no conhecimento histórico: a oposição entre os paradigmas positivista e historicista

    subjetividade no conhecimento histórico: a oposição entre os paradigmas positivista e historicista José D’Assunção Barros Doutor em História (Universidade Federal Fluminense - UFF) Professor Adjunto da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Resumo: Este artigo objetiva discutir questões referentes à relação entre Objetividade e Subjetividade na operação historiográfica, examinando os paradigmas Positivista e Historicista, de modo a desenvolver uma análise efetiva do problema...

    13864  Palavras | 56  Páginas

  • Escolas Penais

    ESCOLAS PENAIS Introdução “ As escolas penais são corpos de doutrinas mais ou menos coerentes sobre os problemas em relação com o fenômeno do crime e, em particular, sobre os fundamentos e objetos do sistema penal.” - Aníbal Bruno O presente trabalho acadêmico tem por objetivo listar, discorrer, caracterizar e detalhar as filosofias e os princípios de cada Escola Penal que nortearam o comportamento e a vida dos homens através dos tempos e a relevância que tiveram para o estabelecimento do Direito...

    2246  Palavras | 9  Páginas

  • A influência do pensamento positivista na história e na geografa

    A influência do pensamento positivista na História e na Geografia A Geografia e a História, do ponto de vista do conhecimento, são antigas, visto que estão ligadas ao pensamento grego. Na Antiguidade, ambas compunham um saber vinculado à Filosofia, permanecendo assim até o final do século XVIII; apesar de nós não podermos afirmar que as mesmas padronizaram seus métodos neste período. Com a expansão capitalista e o desenvolvimento comercial e industrial no início do século XIX, ocorreram...

    1223  Palavras | 5  Páginas

  • Escola Classica

    Francisco Carrara Foi um jurista italiano e inspiração político liberal; o maior representante da escola clássica de Direito Penal e um dos primeiros estudiosos dessa matéria em querer abolir a pena de morte na Europa. “A atenção do crime para o seu agente”. Foi a Escola Clássica a precursora desse feito. Ela deu um salto gigantesco nesse sentido. Num segundo momento do movimento clássico ressalta aos olhos a figura de outro expoente: o italiano Francisco Carrara. Ele houve enxergar o delito...

    3515  Palavras | 15  Páginas

  • Epistemologia Positivista

    276 Epistemologia Positivista: Qual a Sua Influência Hoje? Positivism: What is your influence today? Alexandre Magno Dias Silvino Artigo Instituto de Ciências do Trabalho PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, 2007, 27 (2), 276-289 277 PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, 2007, 27 (2), 276-289 Resumo: O que é ciência? Essa questão continua pertinente. Banalizada por uns ou valorizada ao extremo por outros, a verdade é que ela ganha força sempre que uma área do conhecimento se pretende...

    6965  Palavras | 28  Páginas

  • A MATRIZ POSITIVISTA NA EDUCA O BRASILEIRA

    Diálogos Acadêmicos - Revista Eletrônica da faculdade Semar/Unicastelo A MATRIZ POSITIVISTA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Uma análise das portas de entrada no período Republicano Claudemir Gonçalves de Oliveira1 RESUMO O Positivismo como teoria filosófica inaugurada e sistematizada por Augusto Comte é um dos elementos mais marcantes da história do pensamento educacional brasileiro, embora sua entrada no Brasil tenha se dado não somente pela educação, mas também pela política e pela filosofia, contudo...

    6490  Palavras | 26  Páginas

  • Escola dos annales

    Introdução A Escola dos Annales foi um movimento historiográfico surgido na França, durante a primeira metade do século XX. Desde o século XVIII, quando a História passou a ser notada como ciência, os métodos de se escrever e pensar sobre História conquistaram grande evolução. A historiografia passou por grandes modificações metodológicas que permitiram maior conhecimento do cotidiano do passado, através da incorporação de novos tipos de fontes de pesquisa. Ainda assim, no início do século XX...

    1080  Palavras | 5  Páginas

  • REPÚBLICA VELHA: OLHAR POSITIVISTA

    CORRENTE POSITIVISTA O positivismo é uma corrente filosófica que surgiu na França no começo do século XIX. Esta escola filosófica ganhou força na Europa na segunda metade do século XIX e começo do XX, período em que chegou ao Brasil. O positivismo defende a ideia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. A partir do Positivismo é que existe a ciência da sociologia. A sociologia como ciência surge aliada a corrente filosófica chamada positivismo, ligado ao pensamento...

    2056  Palavras | 9  Páginas

  • A PRODUTIVIDADE DA ESCOLA IMPRODUTIVA

    CIÊNCIAS SOCIAIS - CCSO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO II CURSO DE PEDAGOGIA EMANUELLA SILVEIRA LUCIANA MENDES RAYSA QUEIROZ RESUMO DO TEXTO: A PRODUTIVIDADE DA ESCOLA IMPRODUTIVA São Luís 2013 EMANUELLA SILVEIRA LUCIANA MENDES RAYSA QUEIROZ RESUMO DO TEXTO: A PRODUTIVIDADE DA ESCOLA IMPRODUTIVA Trabalho apresentado na Universidade Federal do Maranhão no Curso de Pedagogia 1º período 2013/2 turno vespertino à Disciplina Fundamentos Econômicos...

    4344  Palavras | 18  Páginas

  • escolas do direito

    ESCOLAS JURÍDICAS Por “Escola Jurídica” entende-se um grupo de autores que compartem determinada visão sobre a função do direito. A partir de interpretações singulares, procura-se responder três questões: O que é o direito? Como funciona o direito? Como deveria ser configurado o direito? As características em comum que permite classificar as Escolas Jurídicas em dois grandes grupos: moralistas e positivistas (Dimoulis, 1999.) * EXISTÊNCIA DE VÁRIAS ESCOLAS As características em comum permite...

    1187  Palavras | 5  Páginas

  • A escola erudita

    Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências da Educação Faculdade de Educação Curso: Pedagogia A Escola Erudita Disciplina: História geral da Educação Profº: Dr Paulo Sérgio Almeida Elane Almeida Lena Braga Manoel Parente Maria do Socorro Castelo Rosilene Quadros Silana Souza Willainne Gemaque SUMÁRIO INTRODUÇÃO_______________________________________________ 1 DESENVOLVIMENTO_________________________________________ 2 CONCLUSÃO_________________________________________________...

    3504  Palavras | 15  Páginas

  • Escolas jurídicas

    01 – Escolas Jurídicas Escola jurídica se configura em um conjunto de autores, pensadores, os quais, a partir de interpretações singulares, vão procurar responder três questões principais: * 1ª questão: O que é Direito? * 2ª questão: Como funciona o Direito? * 3ª questão: Como deve ser estruturado o Direito? Existem dois grandes grupos dentro das escolas jurídicas, as escolas moralistas e as escolas juspositivistas. As escolas moralistas se dividem em Jusnaturalismo Grego, Escola Medieval...

    5522  Palavras | 23  Páginas

  • Escolas penais

    ® BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Análise Crítica das Escolas Penais, Sob à Luz dos Fins e Funções da Pena Victor da Silveira Graça* INTRODUÇÃO: Diante de uma reação humanitária, decorrente do iluminismo durante o século XVII, o chamado Século das Luzes, tendo o seu apogeu com a Revolução Francesa. Foram formadas diversas correntes de pensamentos criticando os excessos imperantes na legislação penal vigente. Essas criticas, tinham por objetivo diminuir a crueldade que era imposta aos condenados...

    3700  Palavras | 15  Páginas

  • Escolas penais

    ESCOLAS PENAIS Trabalho apresentado como avaliação parcial da disciplina de Direito penal I do curso de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. ...

    1257  Palavras | 6  Páginas

  • RESENHA-AS ESCOLAS HISTÓRICAS

     RESENHA – AS ESCOLAS HISTÓRICAS Disciplina: Metodologia da História I Aluno: Iago Haniel Gonçalves Morais No século XVIII as filosofias da história surgem na época do iluminismo. Ele foi o grande responsável pelo o movimento de ideias na Europa, nas luzes, onde nasce à ideia do devir na Historia, da matéria, da evolução das espécies, do progresso, a marcha do espírito. Mas é principalmente a partir do século XIX,...

    962  Palavras | 4  Páginas

  • Terceira escola penal

    TERCEIRA ESCOLA PENAL O termo doutrina, como sustenta Norberto Bobbio, “firmou se cada vez mais, como indicador de um conjunto de teorias, noções e princípios, coordenados entre eles organicamente, que constituem o fundamento de uma ciência, de uma filosofia, de uma religião, etc., ou então que são relativos a um determinado problema e, portanto, passíveis de ser ensinados”. As chamadas Escolas Penais subsumem-se perfeitamente ao conceito apresentado. Trata-se de sistemas de elaboração e interpretação...

    698  Palavras | 3  Páginas

  • Escolas Penais

    Henrique de Sousa – 3° A – 1246313 As Escolas Penais O Direito Penal é um resultado da organização humana, por meio do seu extenso melhoramento histórico para sancionar crimes que violam os principais bens as da sociedade. As Escolas Penais são um montante de ideias e pensamentos político-jurídicos e filosóficos que em certo momento da história colocaram para fora os pensamentos dos juristas sobre as questões criminais básicas. Escola Clássica A Escola Clássica surgiu no inicio do século XVII...

    1461  Palavras | 6  Páginas

  • HISTÓRICO DO DIREITO PENAL E AS ESCOLAS PENAIS

     FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU BACHARELADO EM DIREITO Nanci Pires HISTÓRICO DO DIREITO PENAL E AS ESCOLAS PENAIS MACEIÓ 2013 FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU BACHARELADO EM DIREITO HISTÓRICO DO DIREITO PENAL E AS ESCOLAS PENAIS Trabalho apresentado para obtenção da nota na disciplina Direito Penal I, do Curso de Direito Noturno ministrado pelo Professor Rubens Neto. ...

    5640  Palavras | 23  Páginas

  • A escola dos analles

    A ESCOLA DOS ANALLES INTRODUÇÃO: A Escola dos Annales foi um movimento de renovação da historiografia iniciado na França do final da década de 1920, com a fundação, por Marc Bloch e Lucien Febvre, da revista Anais de História Econômica e Social. Como o próprio título denuncia, os dois historiadores, inicialmente periféricos na academia francesa e que reuniram em torno de si pesquisadores de outras áreas das ciências humanas, propunham uma escrita da história que privilegiasse o econômico e...

    4977  Palavras | 20  Páginas

  • Escolas penais

    ESCOLAS PENAIS Os tempos modernos viram nascer essas correntes do pensamento filosófico-jurídico em matéria penal, chamadas escolas penais, que se formaram e distinguiram uma das outras, como corpo de doutrina mais ou menos coerentes sobre os problemas em relação com o fenômeno do crime e, em particular, sobre os fundamentos e objetivos do sistema penal.  Dentre essas escolas, duas se destacaram, porque representaram posições lógica e filosoficamente bem definidas, cada uma delas correspondendo...

    2593  Palavras | 11  Páginas

  • Escola de Annales

    Escola dos Annales:1ª, 2ª, 3ª geração: Objetivos: Conhecer a história da Escola de Annales  e a contribuição de seus fundadores. Analisar a proposta da revista e o contexto de sua criação. Compreender as principais críticas feita ao grupo. Introdução: A Escola dos Annales foi um movimento de renovação da historiografia iniciado na França do final da década de 1920, com a fundação, por Marc Bloch e Lucien Febvre, da revista Anais de História Econômica e Social. Como o próprio título...

    5719  Palavras | 23  Páginas

  • História do direito penal, doutrinas e escolas penais

    Doutrinas e Escolas Penais Antecedentes das escolas penais Em meados do século XVIII vários pensadores agruparam-se em torno de ummovimento de ideias como fundamento a razão da humanidade. Sendo o direito um instrumento gerador de privilégios, os juízes sentiam-se no direito, por obter tais privilégios, de julgar os outros de acordo com a sua condição social. A mudança desse quadro começou na metade desse mesmo século. Dentre as escolas penais, duas se destacam, tendo...

    3698  Palavras | 15  Páginas

  • escolas penais

     O estudo da escola penal é um conjunto de princípios e teorias que procura explicar o objeto do Direito Penal, a finalidade da pena e compreensão do autor da infração penal. As escolas penais surgiu com o objetivo de adquar o comportamento e o convivio do homem em sociedade. A ESCOLA CLASSICA. A Escola Clássica constitui-se de um conjunto de idéias, teorias políticas, filosóficas e jurídicas acerca das principais questões penais. Em sua primeira fase, a escola clássica procurou pontuar a diferença...

    707  Palavras | 3  Páginas

  • INTRODUÇÃO À ESCOLA FRANKFURTIANA

    INTRODUÇÃO À ESCOLA FRANKFURTIANA A partir de meados de 1923, intelectuais de diversas origens teóricas reuniram-se em Frankfurt com a intenção de realizar uma crítica ao seu tempo, denominada de Escola Frankfurtiana. A reunião destes intelectuais se deu em grande parte devido a sua desilusão com as transformações que vinham ocorrendo no mundo contemporâneo. Os mesmos buscavam a autonomia e a independência do pensamento. Para tanto, tinham em mãos uma “arma teórica”, o Marxismo, em particular...

    592  Palavras | 3  Páginas

tracking img