• Resenha ''Uma Pílula para (não) viver''
    diferentes opiniões sobre o fenômeno, além de analisar seu impacto na vida cotidiana e no meio científico. Iniciado os capítulos por citações de J. Mautner e trechos de contos sobre dependentes químicos de Isa Pessôa, o artigo inicia abordando a obra O mal-estar na civilização de Freud e questiona as...
    438 Palavras 2 Páginas
  • Concepção sexulidade freud e foucault
    , o desempenho de um papel tão importante na vida civilizada.” (FREUD, 1986, p.118). Os processos repressivos nos conduzem ao mal-estar na civilização, uma vez que nem toda a libido conseguiria escoar-se pela via sublimatória, restando uma boa parcela sendo sacrificada em sua expressão pela...
    3939 Palavras 16 Páginas
  • Guerra e Pacifismo
    > artigos ano XVII, n. 180, dezembro/2004 >22 Isto é o que encontramos enunciado em “O mal-estar na civilização”, quando Freud questiona a vocação da humanidade de “satisfazer no outro a agressão, explorar sua força de trabalho sem ressarci-lo, usá-lo sexualmente sem o seu consentimento...
    5682 Palavras 23 Páginas
  • Mal-estar e subjetividade
    , dá início às suas considerações sobre a civilização, traduzindo a profunda intimidade que mantém com os fatos de cultura. 128 REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. II / N. 2 / P. 123 - 144 / SET. 2002 ARTIGOS O TEXTO FREUDIANO COMO ANALIZADOR DA CULTURA Ainda com as...
    7472 Palavras 30 Páginas
  • Mal estar na civilização
    campos, porém, já possuímos um cerne de conhecimento seguro e O Futuro de uma Ilusão, O mal-estar na civilização e outros trabalhos – Sigmund Freud 32 quase inalterável. Finalmente, tentou-se desacreditar o esforço científico de maneira radical, com o fundamento de que, achando-se ele ligado às...
    79445 Palavras 318 Páginas
  • Conhecimento empírico, científico, fílosófico e mítico
    os estudos empírico-experimentais, fundamentais para a construção do conhecimento científico, certamente não seria possível todo o saber que a civilização ocidental acumulou. Caracteriza-se como conhecimento científico o conhecimento fundamentado em experimentação, análise e validação dos...
    394 Palavras 2 Páginas
  • O conceito de saúde
    uma renúncia que, ainda que assegure ao indivíduo certos benefícios, gera um constante sentimento de “mal-estar”. Desta condição não se pode fugir, donde resulta que entre indivíduo e civilização sempre haverá uma zona de tensão. Pode-se, inclusive, situar o mal-estar em um momento anterior ao da...
    3369 Palavras 14 Páginas
  • Diagnóstico de enfermagem
    pode fugir, donde resulta que entre indivíduo e civilização sempre haverá uma zona de tensão. Pode-se, inclusive, situar o mal-estar em um momento anterior ao da constituição dessa "civilização" de que se fala Freud. Afinal, o homem a construiu exatamente para escapar ao incômodo da insegurança em...
    3273 Palavras 14 Páginas
  • O mundo atual
    contempla é que possui consciência. Fausto pode ser articulado sob a forma desse paradoxo moral: experiência é o único caminho para o conhecimento humano, ainda que qualquer experiência, quando submetida à reflexão, possa trazer o sentimento de culpa. 5. O mal-estar na cultura I – Nietzsche (1844...
    2809 Palavras 12 Páginas
  • Teoria de Lombroso
    . Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.   BARATTA, A. Criminologia crítica e crítica do direito penal. Rio de Janeiro: Revan, 1997.   BIRMAN, J. Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.   CALHAU, Lélio Braga. Cesare...
    2775 Palavras 12 Páginas
  • Conceito de Saude
    em grupos baseiam-se em uma renúncia que, ainda que assegure ao indivíduo certos benefícios, gera um constante sentimento de "mal-estar". Desta condição não se pode fugir, donde resulta que entre indivíduo e civilização sempre haverá uma zona de tensão. Pode-se, inclusive, situar o mal-estar em um...
    2999 Palavras 12 Páginas
  • gjadfv
    busca infatigável de um recauchutado, potente e alegre novo ‘eu’, pobre consumidor de si mesmo. Palavras-chave: sujeito, sociedade de consumo, mídia, objetificação, prótese Já Freud, em "O mal-estar na civilização", apontava o inevitável fosso entre o indivíduo que busca obter prazer e a...
    2857 Palavras 12 Páginas
  • Cultur organizacional e psicanálise
    cultura em seu texto “O mal estar na civilização”. A partir daí pretende-se fazer uma possível conexão entre as idéias de Schein e Maria Ester de Freitas com as idéias que Freud desenvolve em seu texto, mostrando também suas diferenças. Schein nos diz que a cultura organizacional pode ser modificada...
    3162 Palavras 13 Páginas
  • Trabalho
    animais da vida. Aliás, Freud, em “Mal-estar na civilização» (1930[1929]), dará uma definição de civilização bem próxima daquela de cultura: “…a palavra civilização descreve a soma integral das realizações e regulamentos que distinguem nossas vidas de nossos antepassados animais, e que servem a...
    9909 Palavras 40 Páginas
  • Atps de humanização
    , as novas expressões que o sofrimento psíquico assume. A partir desta compreensão e de suas observações, os psicanalistas tentam criar modalidades de intervenção no social que visam superar o mal-estar na civilização. Aliás, o próprio Freud, em várias de suas obras — O mal-estar na civilização...
    1744 Palavras 7 Páginas
  • Elias e o esporte
    exemplo, opus magnum da civilização moderna, foram duramente rechaçados por algum tempo antes de se estabelecerem hegemonicamente. Antigos camponeses, quando forçados a se deslocar para grandes cidades, tendiam a ver esse ambiente, acertadamente, como uma das principais causas do seu mal-estar e...
    6437 Palavras 26 Páginas
  • Historia e paradigmas rivais
    Resumo: Este artigo faz apontamentos sobre a atual discussão que envolve a História, suas teorias e seus métodos, tendo como pano de fundo a produção teórica de Ciro Flamarion Cardoso. A crise de paradigma nas ciências sociais particularmente a história é especialmente enfocada. Palavras chave...
    1395 Palavras 6 Páginas
  • Redução de danos álcool e drogas.
    diferença sempre vai esxistir, os problemas sempre irão existir, o tráfico sempre irá existir, é apenas uma questão de equilíbrio, assim como a puslão de morte e puslão de vida, onde S. Freud explica no livro “O mal-estar na civilização” no sexto capítulo, a exsitencias dos instintos de autopreservação e...
    2474 Palavras 10 Páginas
  • Hans jonas o principio da responsabilidade
    , as ações humanas parecem irreversíveis: Prometeu4 está liberto e o mal-estar cresce ao redor da Terra. O centro nevrálgico da formulação de Jonas é sempre a possibilidade de que não seja mais possível reverter esse quadro. No Princípio Responsabilidade, propôs um sistema ético que pudesse superar o...
    10324 Palavras 42 Páginas
  • Conhecimento e Pensamento
    deparar com seus especialistas. Alguns por infelicidade do desenrolar da história da filosofia e, principalmente da filosofia mesma, 1 Esse artigo foi escrito a partir da proposta do Café Filosófico de refletir sobre a Banalidade do mal em Hannah Arendt. O presente artigo faz uma livre reflexão...
    1825 Palavras 8 Páginas