Analise Do Poema Canção Do Exílio artigos e trabalhos de pesquisa

  • Artigo de Análise do Discurso

    aspectos  intertextuais,  interdiscursivos  e  intradiscursivos  presentes  nos  poemas ​ Canção  do  Exílio  (DIAS,  1846),  ​ Nova  Canção  do  Exílio  (ANDRADE,   1945),  ​ Uma  Canção  (QUINTANA,  1962)  Fundamentaremo­nos  e  nas  Nova  ​ Canção  do  Exílio  conceituações  a  respeito  de  (GULLAR,  texto,  2000).  intertexto,  intertextualidade,   discurso,  ideologia,  filosofia  da  linguagem,  análise  de/do  discurso,  interdiscurso  e  intradiscurso,  dentre  outras, presentes em Koch (2004)...

    2271  Palavras | 10  Páginas

  • Aspectos semânticos canção do exilio

    SOARES SANTOS – RA: 5847740 MARIA DO CARMO TARGINO – RA: 5640687 JAIME ANDRÉS SUSA BOCANEGRA – RA: 5796948 ANÁLISE DOS ASPECTOS SEMÂNTICOS NO POEMACANÇÃO DO EXÍLIO” DE GONÇALVES DIAS São Paulo 2013 FMU DANIELA NO POEMACANÇÃO DO EXÍLIO” DE GONÇALVES DIAS Trabalho apresentado no Curso de Letras, atendendo a exigência da disciplina Semântica...

    765  Palavras | 4  Páginas

  • Análise de "Navio Negreiro" e "Canção do Exílio"

    Canção do Exílio Gonçalves Dias Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá;...

    3229  Palavras | 13  Páginas

  • Canção do exilio

    Introdução O propósito do trabalho é fazer uma análise semântica, formal e temática da “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias bem como suas parodias. Esta análise deverá mostrar as semelhanças e as diferenças das duas escolas literárias com as peculiaridades do texto sugerido. É importante analisar a intertextualidade presente, explicando a constituição parodiana ou estilização, afinal vemos o uso do discurso alheio sendo modificado. Analise semântica Parônimos No estudo semântico...

    1837  Palavras | 8  Páginas

  • Analise de poemas gonçalves dias

    Universidade de Direito de Coimbra, onde tem contato com escritores do romantismo português, entre eles, Almeida Garret, Alexandre Herculano e Feliciano de Castilho. Ainda em Coimbra, em 1843, escreve seu famoso poema "Canção do Exílio", onde expressa o sentimento da solidão e do exílio. Gonçalves Dias volta ao Maranhão em 1845, depois de formado em Direito. Ocupa vários cargos no governo imperial e realiza diversas viagens à Europa. Vai para o Rio de Janeiro em 1846 e em 1847 publica o livro "Primeiros...

    1037  Palavras | 5  Páginas

  • Sobre canção do exílio

    CANÇÃO DO EXÍLIO Canção do exílio Gonçalves Dias (De Primeiros cantos (1847) Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em  cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar –sozinho, à noite– ...

    1154  Palavras | 5  Páginas

  • Análise

    Análise: Poesias de Murilo Mendes Sobre o autor Iniciou-se na literatura escrevendo nas revistas modernistas Terra Roxa, Outras Terras e Antropofagia. Os livros Poemas (1930), História do Brasil (1932) e Bumba-Meu-Poeta, escrito em 1930, mas só publicado em 1959, na edição da obra completa intitulada Poesias (1925-1955), são claramente modernistas, revelando uma visão humorística da realidade brasileira.  Tempo e Eternidade (1935) marca a conversão de Murilo Mendes ao catolicismo. Nesse...

    695  Palavras | 3  Páginas

  • Canção de Exílio

    IGOR CORRA CVOLI BIOGRAFIA Gonalves Dias (Caxias MA 1823 - Baixo dos Atins MA 1864) estudou Direito em Coimbra, Portugal, entre 1840 e 1844 l ocorreu sua estria literria, em 1841, com poema dedicado coroao do Imperador D. Pedro II no Brasil. Em 1843, escreveria o famoso poema Cano do Exlio. De volta ao Brasil, foi nomeado Professor de Latim e secretrio do Liceu de Niteri, e iniciou atividades no Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro. Nos anos seguintes, aliou a intensa produo...

    1376  Palavras | 6  Páginas

  • Poemas da antologia

     Introdução A pergunta é: Por que ler, hoje, poemas do século XIX? Ler poemas antigos enriquece o vocabulário e nos faz entender como era a literatura. Com os poemas do século XIX, entende-se quais eram os assuntos do momento e qual era a visão das pessoas dessa época. Exemplo, como se lidavam com o amor, o que era aceitável e o que não era, entre outras coisas. O que foi falado á séculos, continua tocando até hoje e nos faz sentir as emoções da época. O mais...

    2475  Palavras | 10  Páginas

  • Análise de Poemas sobre Cidadania

    1. Introdução Este trabalho foi-nos proposto pela professora Elisabete Afonso, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa. Com a intenção de ser exposto no dia da Escola, trata de uma recolha de poemas que se enquadram no tema “ Poesia e Cidadania”. Cidadania é o conjunto de direitos e deveres ao qual um indivíduo está sujeito em relação à sociedade em que vive. São objectivos do trabalho: - Desenvolver o gosto pela poesia; - Promover a cidadania e os direitos humanos como valores universais; ...

    1908  Palavras | 8  Páginas

  • Análise de poemas de Bocage e Marquesa de Alorna

     Comparação entre os poemas de: Marquesa de Alorna e Bocage Literatura Portuguesa II O presente trabalho visa uma comparação entre poemas da Marquesa de Alorna e Bocage, escritores de um mesmo período, mas com características distintas. Tomemos como tópicos principais de análise a influência que as experiências de vida dos autores causaram e o uso que fizeram de suas obras. Leonor de Almeida Portugal é filha de nobres aristocratas cuja família é acusada de traição, perseguida pelo Marques...

    1884  Palavras | 8  Páginas

  • poemas sec xix

     Canção do exílio Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar — sozinho, à noite — Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, ...

    2216  Palavras | 9  Páginas

  • Análise do filme “pro dia nascer feliz”

    Análise do filme “Pro dia Nascer Feliz” e o texto “História na sala de aula – conceitos, práticas e propostas” de Leandro Karnal. Ao ensinar história, um professor deve ter muito cuidado em passar o objeto da matéria que é o homem inserido no tempo, pois não é possível contar algo do passado com uma verdadeira exatidão, já que interpretamos o passado a partir de nossas experiências do presente, exemplo: se observarmos a segunda guerra mundial a partir da visão de um nazista, será uma coisa,...

    2160  Palavras | 9  Páginas

  • Canção do Exílio

     Canção do exílio Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá;  As aves, que aqui gorjeiam,  Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas,  Nossas várzeas têm mais flores,  Nossos bosques têm mais vida,  Nossa vida mais amores. Em  cismar, sozinho, à noite,  Mais prazer eu encontro lá;  Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores,  Que tais não encontro eu cá;  Em cismar –sozinho, à noite–  Mais prazer eu encontro lá;  Minha terra tem palmeiras...

    2271  Palavras | 10  Páginas

  • Canção do exilio

    Canção do exílio "Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite - Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde...

    1313  Palavras | 6  Páginas

  • Análise do disco Caetano Veloso 1969

    (1969), de Caetano Veloso Nota: recomenda-se ler o texto ouvindo o disco, disponível em streaming no seguinte site: http://grooveshark.com/#!/album/Caetano+Veloso+White+Album+1969/8350356 Caetano Veloso, 1969: O Colorido Álbum Branco Nossa análise diz respeito ao quarto disco gravado por Caetano. Disco esse gravado de maneira totalmente inversa à maneira usual de gravar discos. Antes disso, é necessário fazer uma pequena contextualização histórica. Caetano Veloso e Gilberto Gil foram presos...

    2686  Palavras | 11  Páginas

  • Romantismo - Poemas e análises

     1ª geração INDIANISTA, NACIONALISTA Poetas: Gonçalves Dias Canção do Exílio – Gonçalves Dias Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que...

    4890  Palavras | 20  Páginas

  • Analise textual

    Canção do exílio Gonçalves Dias Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá; As aves que aqui gorjeiam Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas Nossas várzeas têm amais flores, Nossos bosques têm anis vida, Nossa vida mais amores. Em cismar sozinho, à noite. Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar sozinho à noite – Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, ...

    2112  Palavras | 9  Páginas

  • As múltiplas influências do romantismo português e as paródias brasileiras da canção do exílio de Gonçalves Dias

    PARÓDIAS BRASILEIRAS DA CANÇÃO DO EXÍLIO DE GONÇALVES DIAS TUTORA: FLÁVIA BENTO DA SILVA PAP- GUAXUPÉ – MG INTRODUÇÃO A leitura de textos literários nos permite o contato com diversas civilizações e sua herança cultural. O movimento literário Romantismo reflete um estilo de vida e de arte predominante de toda uma sociedade na Civilização Ocidental que vai entre a segunda metade do século XVIII e a primeira do século XIX. O poemaCanção do Exílio” de Gonçalves Dias...

    3432  Palavras | 14  Páginas

  • Murilo Mendes - A Canção do Exíiio

    A “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias, texto-matriz, foi produzida no primeiro momento do Romantismo Brasileiro, época na qual se vivia uma forte onda de nacionalismo, que se devia ao recente rompimento do Brasil-colônia com Portugal. O poeta trata, neste sentido, de demonstrar aversão aos valores portugueses e ressaltar os valores naturais do Brasil. Apesar de ser um texto de profunda exaltação à pátria, o poema possui total ausência de adjetivos qualificativos. São os advérbios “lá, cá, aqui”...

    803  Palavras | 4  Páginas

  • Diferenças sobre canções do exílio

    quanto os da “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias. Síntese do amor pela pátria manifesta naquele momento em que o poeta se encontrava exilado em Coimbra, o ‘eu’ do poema faz grande exaltação das belezas do Brasil enquanto deixa muito claro o seu saudosismo: “Minha terra tem primores| Que tais não encontro eu cá.”/ “Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá;” Segundo uma interpretação detalhada por Sylvia Helena Cyntrão (1988), os principais elementos do poema são as palavras...

    1116  Palavras | 5  Páginas

  • Figurações do exílio em camilo pessanha e mário de sá-carneiro

    .................................................................................................................8 1. O exílio no fin-de-siècle..............................................................................................10 1.1 A ausência e a dor....................................................................................................10 1.2 Auto-exílio: a Torre de Marfim..............................................................................15 1.3 Passos do Simbolismo...

    29935  Palavras | 120  Páginas

  • Por que ler poemas do século xix?

    que ler poemas do século XIX? Por: Lara Partezani Por que ler poemas do século XIX?  Os Poemas do século XIX são vistos como "um ato de brasilidade", pois abandonaram aos poucos o tom lusitano em favor da fala brasileira, ressaltando o nacionalismo. A literatura nesse período expressa sua ligação com a política e com o Romantismo, os sentimentos começam a tomar o lugar da razão como instrumento de análise do mundo...

    2959  Palavras | 12  Páginas

  • Canção de Exílio, Gonçalves Dias

    Canção de Exílio – Gonçalves Dias Composto em 1843, na cidade de Coimbra, Portugal, o poema Canção do exílio é, hoje, sinônimo de seu criador, o poeta maranhense Antônio de Gonçalves Dias. Seus versos se misturam com profundidade em nossa cultura, e alguns deles aparecem na segunda parte do Hino Nacional. O crítico Agripino Grieco disse: Ninguém lê os poetas, mas raros são os brasileiros que não conhecem a “Canção do exílio”. O poema representou, para o seu autor, um momento de grave dor...

    513  Palavras | 3  Páginas

  • poemas

    Capaz de ouvir e de entender estrelas." (E) Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo sobre o poema “Via láctea”, de Olavo Bilac. a) ( ) O sujeito poético, através do uso de aspas, simula um diálogo com um interlocutor que o interroga sobre a sua capacidade de ouvir estrelas. b) ( ) Em “Via láctea”, Olavo Bilac assume uma postura mais intimista e subjetiva, afastando-se da objetividade parnasiana. c) ( ) O poema descreve, em um tom irônico, uma situação vivida...

    1422  Palavras | 6  Páginas

  • Canção do Exílio x Pátria Minha

     “Canção do Exílio” Quando escreveu este poema, Gonçalves Dias encontrava-se em Portugal, a estudos. O poeta estava afastado do Brasil por anos. Em seu poema, ele exalta cegamente sua pátria, principalmente sua natureza – marca registrada. Isso se deveu à necessidade de ter uma identidade cultural própria do Brasil, que era dominado por portugueses e os nativos haviam sido, em sua maioria, “domesticados” e sua cultura tinha sido quase perdida. Gonçalves Dias ressalta a natureza como a marca...

    821  Palavras | 4  Páginas

  • Análises de Obras Literárias

    Análise das Obras Literárias - UEPG DOIS IRMÃOS MILTON HATOUM Dados Biográficos Nasceu em Manaus, AM, em 19/081952. Professor, tradutor, contista e romancista colecionador de prêmios literários. Até o momento todos os seus livros são premiados: Relato de um certo Oriente (1990); Dois irmãos (2000); e Cinzas do norte (2005) receberam o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, como melhores romances do ano, sendo que o último recebeu também o Prêmio Portugal Telecom Literatura. São...

    16631  Palavras | 67  Páginas

  • Modernismo no Brasil (com poemas e análises)

    marco inicial do Modernismo brasileiro. A Semana ocorreu entre 13 e 18 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de São Paulo, com participação de artistas de São Paulo e do Rio de Janeiro. O evento contou com apresentação de conferências, leitura de poemas, dança e música. O Grupo dos Cinco, integrado pelas pintoras Tarsila do Amaral e Anita Malfatti e pelos escritores Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Picchia, liderou o movimento que contou com a participação de dezenas de intelectuais...

    6178  Palavras | 25  Páginas

  • Considerações sobre 'canção do exílio', 'o menino sem passado' e 'a outra infância' de murilo mendes e 'os sinos' e 'o último poema' de manuel bandeira

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LETRAS Considerações sobre os textos:Canção do exílio’, ‘O menino sem passado’ e ‘A outra infância’ (Murilo Mendes) ‘Os sinos’ e ‘O último poema’ (Manuel Bandeira) São Cristóvão Setembro-2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIENCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LETRAS WAGNER DÓRIA MELRO FONTES ...

    1498  Palavras | 6  Páginas

  • Análise sobre a segunda guerra a partir de fontes diversas

    BOTELHO SOARES FABRÍCIO CORDEIRO DAS NEVES MICHEL CARDOSO VILARINO SERGIO NOGUEIRA XAVIER ANÁLISE SOBRE A SEGUNDA GUERRA A PARTIR DE FONTES DIVERSAS PASTA 758922 Teresópolis 2011 CELSO LUIZ BOTELHO SOARES FABRÍCIO CORDEIRO DAS NEVES MICHEL CARDOSO VILARINO SERGIO NOGUEIRA XAVIER ANÁLISE SOBRE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL A PARTIR DE FONTES DIVERSAS PASTA 758922 ...

    4968  Palavras | 20  Páginas

  • Análise de poema

    textos em prosa que têm poesia, assim como há textos em verso que não são poéticos. A poesia está acima das formas; ela é a expressão da alma humana, como o são outras formas de arte. Um conjunto de versos forma uma estrofe. Por exemplo, Canção do Exílio compõe-se de cinco estrofes. As três primeiras têm 4 versos e as duas últimas, 6 versos. As estrofes, em geral, podem ter de 2 a 10 versos, recebendo a seguinte denominação: Número de Versos Designação 2 versos Dístico 3 versos ...

    1225  Palavras | 5  Páginas

  • Analise de Lira dos Vinte Anos

    - ANÁLISE DE LIRA DOS VINTE ANOS, ÁLVARES DE AZEvEDO: - Sinval Santana: - O MOMENTO LITERÁRIO DO AUTOR: ROMANTISMO:               O Romantismo é o mais revolucionário movimento do Ocidente, porque não só modificou a história das artes, mas por ser o movimento que consolidou a ideologia burguesa. Impôs a democratização, tornando a produção e consumo das artes acessível a um público amplo, que abrangeu a pequena burguesia. Influenciado pela Revolução Francesa e pela consolidação do Estado...

    3579  Palavras | 15  Páginas

  • Poemas

    brasileira do século XX. Sua carreira poética pode ser dividida em 4 fases. Cada uma delas é composta por obras que nos permitem acompanhar a evolução de seus temas e sua visão de mundo. Curiosidade Após a sua morte descobriu-se um conjunto de poemas eróticos que ele mantinha em segredo intitulado “O amor natural” (1992). Faleceu em 17 de agosto de 1987,No Rio de Janeiro,doze dias após a morte de sua filha única. Obras “Alguma Poesia” (1930) “Brejo das Almas” (1934) “Sentimento do mundo”...

    869  Palavras | 4  Páginas

  • CONSOLO PARA OS QUE CHORAM: Uma análise do Salmo 126

    EDILSON MARÇAL DE SOUZA CONSOLO PARA OS QUE CHORAM: Uma análise do Salmo 126 ANÁPOLIS – GO 2014 EDILSON MARÇAL DE SOUZA CONSOLO PARA OS QUE CHORAM: Uma análise do Salmo 126 Artigo apresentado ao Seminário Presbiteriano Renovado Brasil Central como atividade de conclusão da disciplina Análise de Salmos. Coordenador: Prof. Sergio Dario Costa Silva ...

    10540  Palavras | 43  Páginas

  • Análise de obras completas de murilo rubião

    cinco atos é uma obra dramática (teatral) contemporânea que faz uma análise crítica da produção poético-literária da atualidade. Trata-se de um texto metaliterário, já que sua temática principal aborda a criação e o estilo da poesia pós-moderna. A ação se baseia na caminhada de três poetas brasileiros, todos mortos, de diferentes épocas e concepções poéticas, pela cidade de São Paulo em busca do que dizem se tratar do “poema do século XXI” No 1º ato, logo na primeira cena, há o encontro do...

    6768  Palavras | 28  Páginas

  • Poema

    autor-obra-público, tão necessário ao estímulo da vida literária. Ao movimento da Independência de 1822, a literatura nesse período expressa sua ligação com a política e com o Romantismo, os sentimentos começam a tomar o lugar da razão como instrumento de análise do mundo, e a vida passam a ser encarada de um ângulo bem pessoal, em que sobressai um intenso desejo de liberdade. Essa ânsia de libertação que nasce no interior do poeta, em determinado momento alcança também o nível social, com o artista romântico...

    5421  Palavras | 22  Páginas

  • Análise

    compreensivas fórmulas de engajamento político que acabaram por irrigar todo o continente latino-americano, assolado que esteve por ditaduras militares de genealogia imperialista estadunidense. O compositor, que como tantos outros enfrentara o exílio e que esculpira verdadeiras jóias musicais politizadas do continente, parece conseguir se libertar da exigência de dizer o que sua geração queria ouvir,1 mas sem deixar de lado a necessária sensibilidade que faz de seu cancioneiro um dos mais apurados...

    9780  Palavras | 40  Páginas

  • Análise do poema "canção" de vinicius de moraes

    Análise do poemaCanção” de Vinícius de Moraes O poeta brasileiro Vinícius de Moraes manteve uma relação explícita e forte entre a literatura e a música, de modo que muitos de seus poemas foram musicados em vista da veracidade e da profundidade com que representavam a realidade de seu tempo. Nascido em 1913 no Rio de Janeiro, Vinícius fez parte de um grupo seleto de escritores da segunda geração do modernismo brasileiro que dominam bem a técnica de construção do soneto, além de manter a reflexão...

    1166  Palavras | 5  Páginas

  • analogia de poemas do seculo xix

    assunção do envelhecimento, ou seja, a escrita, surge como superação possível. Ligada à adolescência e à idade madura, a sua poesia caracteriza-se pela presença dos temas do erotismo e da natureza, assumindo-se o autor como o «poeta do corpo». Os seus poemas, geralmente curtos, mas de grande densidade, e aparentemente simples, privilegiam a evocação da energia física, material, a plenitude da vida e dos sentidos. Foi galardoado com o Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, atribuído a...

    5342  Palavras | 22  Páginas

  • O poema de Oswald de Andrade

    parte de Pau-Brasil - "Poemas da colonização" -, o escritor revê alguns momentos de nossa época colonial. O que mais chama a atenção nesses poemas é o poder de síntese do autor. No Pau-Brasil há ainda a descrição da paisagem brasileira, de cenas do cotidiano, além de poemas metalingüísticos. (Oswald de Andrade - Pau-Brasil) O Verso livre, o tom de prosa, a simplicidade da linguagem e a extrema condensação, ou síntese, são os principais elementos de modernidade deste poema-metalinguístico, poesia...

    1950  Palavras | 8  Páginas

  • Analise de poema

    Seguir @infoescola No poema Língua Portuguesa, o autor parnasiano Olavo Bilac faz uma abordagem sobre o histórico da língua portuguesa, tema já tratado por Camões. Este poema inspirou outras abordagens, como o poema “Língua”, de Gilberto Mendonça e “Língua Portuguesa”, de Caetano Veloso. Esta história é contada em catorze versos, distribuídos em dois quartetos e dois tercetos – um soneto – seguindo as normas clássicas da pontuação e da rima. Partindo para uma análise semântica do texto literário...

    3154  Palavras | 13  Páginas

  • Analise socio historica das musicas pas

     Análise sócio histórica das músicas do PAS/UnB A Terceira Margem do Rio, de Caetano Veloso e Milton Nascimento Contexto histórico - 1991 É criado o Museu de São Jorge, vila da Calheta, ilha de São Jorge. Janeiro 17 de janeiro - Início da Primeira Guerra do Golfo. Fevereiro 28 de fevereiro - Fim da Guerra do Golfo. Março 26 de março - Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinam o Tratado de Assunção, que estabelece o Mercosul. Novembro 26 de novembro - Comunidade Económica Europeia:...

    4773  Palavras | 20  Páginas

  • Sarau da Independência - Poemas a serem declamados

     POEMAS O POETA COME AMENDOIM (a Carlos Drummond de Andrade) Mário de Andrade Noites pesadas de cheiros e calores amontoados... Foi o Sol que por todo o sítio imenso do Brasil Andou marcando de moreno os brasileiros.   Estou pensando nos tempos de antes de eu nascer...   A noite era pra descansar. As gargalhadas brancas dos mulatos...   Silêncio! O Imperador medita os seus versinhos. Os Caramurus conspiram na sombra das mangueiras ovais. Só o murmurejo dos cre’m-deus-padre...

    9942  Palavras | 40  Páginas

  • Poemas Para Almas Apressadas

    Hospital dos Plantadores de Cana de Campos pelo zelo e pela retidão com que conduz sua trajetória diária e pela forma carinhosa com que me recebeu no meu retorno à essa casa, Aos amigos Lívia, Henrique e Aymee, À amiga Sidianara Ofrante Nogueira, Estes poemas E nosso carinho. Luís Tavares. As mãos da amiga e as mãos de Deus 13 Era fevereiro de 2014 quando a amiga querida partiu apressadamente e foi viver numa das várias moradas do Pai que está nos Céus. Não houve tempo para as despedidas que desejaríamos...

    11698  Palavras | 47  Páginas

  • Trabalho De Materias

    parte da poesia para que preparem uma dramatização conforme a análise feita na atividade 1. A apresentação podera ser filmada e apresentada à turma após a finalização, podendo também ser postada na internet. Atividade 3 Formação de palavras: Substantivos Professor, explique aos seus alunos que algumas profissões em português originam-se a partir de um substantivo comum. Peça aos seus alunos que identifiquem as profissões mencionadas no poema, como maquinista, foguista. Em seguida agrupe os alunos e faça...

    2272  Palavras | 10  Páginas

  • Análise poema de Fernando Pessoa

    Ter a tua alegre inconsciência, E a consciência disso! Ó céu! Ó campo! Ó canção! A ciência Pesa tanto e a vida é tão breve! Entrai por mim dentro! Tornai Minha alma a vossa sombra leve! Depois, levando-me, passai! É utilizada a abreviatura sp sempre que nos referirmos a sujeito poético ou eu poético Análise(s) do poemaanálise Trata-se de um poema ainda um pouco ligado ao interseccionismo O poema pode ser dividido em duas partes: A primeira são as três quadras iniciais, relatando...

    2197  Palavras | 9  Páginas

  • Gonçalves Dias

    I – Introdução         Este trabalho tem como proposta, em um primeiro momento, fazer uma análise do poema de Gonçalves Dias, “A Canção do Exílio”, que foi escrito em 1843, enquanto o autor estava cursando Direito em Coimbra, Portugal. Poema este que é, talvez, um dos mais emblemáticos e reconhecidos da literatura brasileira, escrito durante a época do Romantismo, e, até hoje, reproduzido em antologias, livros didáticos, entre outros. É também parodiado, citado e recriado por diversos outros...

    1102  Palavras | 5  Páginas

  • Análise do Poema "Canção do Vento Canção e da Minha Vida", Manuel Bandeira

    ANÁLISE DO POEMACANÇÃO DO VENTO E DA MINHA VIDA”, DE MANUEL BANDEIRA Thays Bandeira Galhardo1 Contextualização Segundo o livro História concisa da literatura brasileira Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (Recife, 1886 – Rio 1968). Veio adolescente para o Rio de Janeiro, onde cursou o Colégio Pedro II. Em São Paulo, iniciou o curso de Engenharia, mas a tuberculose, manifestando-se cedo, impediu-o de prosseguir os estudos. Esteve em 1912 na Suíça (sanatório de Clavadel) e aí entrou em...

    1073  Palavras | 5  Páginas

  • ANÁLISE DA LINGUAGEM DO POEMA-CANÇÃO "A VOLTA DA ASA BRANCA", DE LUIZ GONZAGA E SUA RELAÇÃO COM O REGIONALISMO DE 30.

    RHENA RAIZE PEIXOTO DE LIMA CARLA THAÍS DE LIMA COSTA ANÁLISE DA LINGUAGEM DO POEMA-CANÇÃO "A VOLTA DA ASA BRANCA", DE LUIZ GONZAGA E SUA RELAÇÃO COM O REGIONALISMO DE 30. PAU DOS FERROS/RN 2014 INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS PAU DOS FERROS CURSO: INFORMÁTICA DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFª RHENA RAIZE PEIXOTO DE LIMA Carla Thaís de Lima Costa Análise da linguagem do poema-canção "A volta da Asa Branca", de Luiz Gonzaga e sua relação com o Regionalismo...

    1565  Palavras | 7  Páginas

  • o canto

    07/12/13 blau A CANÇÃO DO EXÍLIO Misturando saudade e nacionalismo num estilo clássico e sisudo, Gonçalves Dias foi criador de um dos mais célebres poemas em Língua Portuguesa Gonçalves Dias Composto em 1843, na cidade de Coimbra, Portugal, o poema ¿Canção do Exílio¿ é hoje sinônimo de seu criador, o poeta maranhense Antônio de Gonçalves Dias (1823-1864). Seus versos se confundem com o ¿inconsciente coletivo¿ de nossa cultura e alguns deles aparecem na segunda parte do Hino Nacional...

    1132  Palavras | 5  Páginas

  • resumo Analise textual

    RESUMO DE ANALISE TEXTUAL – AV1 Aula 1: A língua é uma construção social, e corresponde à cultura, história e sociedade de um determinado povo, de uma determinada nação. Exemplo: Libras Linguagem é uma faculdade (capacidade do ser humano) que permite exercitar a comunicação, latente ou em ação. Exemplo: Linguagem de cores, do corpo, placas de transito, etc Contexto Verbal - Utiliza a escrita ou a fala para estabelecer a comunicação. Não Verbal - Utiliza gestos, expressões e símbolos. A escrita...

    2268  Palavras | 10  Páginas

  • Análise de poemas simbolistas portugueses

    discrepantes, entre as estéticas Romântica, Parnasiana e Simbolista. Eugênio de Castro Eugênio de Castro apresenta no 1º e 2º poemas a forma clássica do soneto petrarquiano, com dois quartetos e dois tercetos. O autor enquadra-se na Escola Simbolista pelo uso de rimas novas e raras, novas métricas, sinestesias, aliterações e vocabulário mais rico e musical. No 1º poema, o eu lírico descreve o amor impossível por uma musa que o desdenha. A rejeição faz com que seu desejo cresça. Sua conclusão é...

    2019  Palavras | 9  Páginas

  • Histórias em quadrinhos numa perspectiva interdisciplinar

    Gonçalves Dias e a Canção do Exílio Adriana Correa Bezerra Ferreira[1] “Seus versos serão repetidos enquanto a língua que falamos for a língua de nossos destinos”. Machado de Assis Resumo Este trabalho pretende fazer uma análise do poema canção do exílio escrito em 1843 por Antonio Gonçalves Dias, abordando as características do romantismo nele presentes, ressaltando o contexto histórico e literário em que se deu a escrita do mesmo, bem como um breve...

    2110  Palavras | 9  Páginas

  • Literatura

    Colégio da Polícia Militar de Goiás - Unidade Anápolis Anápolis, 25 de Março de 2013. Professora: Érika Aluno: Igor Silva Série: 2º Ano Turma: F Nº: 13 Canção do exílio "Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, ...

    562  Palavras | 3  Páginas

  • Análise poemas concretos brasileiros

    integração do som, da visualidade e o sentido das palavras encontradas no poema concreto. Sintetiza a proposta da poesia concreta que procurava elaborar novas formas de comunicação poética em que predomina o visual, usando o sistema fonético e uma sintaxe analógica criando essa linguistica especifica. O concretismo procura então explorar os significantes, jogando com as formas, cores, decomposição, montagem das palavras, etc. Nos poemas velocidade e pluvial/fluvial de Ronaldo Azeredo e Augusto de Campos...

    919  Palavras | 4  Páginas

  • Sequência Didática

    ......... Tutora: .................... Aluna: Sandra Borges Silva Martins Público alvo: 2º ano do Ensino Médio Conteúdo programático: Literatura: Romantismo no Brasil Gramática Contextualizada: Substantivos e adjetivos Poesia e poemas: Leitura e análise. Produção textual: Paródia Competências:       Formar leitores capazes de compreender o que leem e colocar seu ponto de vista crítico. Identificar o Romantismo como período literário , relacionando Gonçalves Dias ao...

    745  Palavras | 3  Páginas

  • Poema Sujo: testamento de Gullar

    LETRAS VERNÁCULAS DISCIPLINA: LEITURAS DIRIGIDAS: AUTORES E OBRAS ACADÊMICA: RENATA LOUZADA POEMA SUJO: o TESTAMENTO de Gullar Pelotas, 17 de dezembro 2010. Este trabalho tem por objetivo principal discutir a relação existente entre a criação do texto Poema Sujo, de Ferreira Gullar, e o momento que o autor vivia quando o escreveu. Será possível pensar o Poema Sujo como um testamento? Além de registrar suas memórias o autor poderia estar pensando em seu legado, em deixar...

    1983  Palavras | 8  Páginas

  • Análise da música: pra não dizer que não falei das flores

    permitiu que o Exército e a polícia militar contivessem revoltas da população mesmo que para isso precisassem fazer uso de violência explícita. A população temia a repressão, que consistia em prisões, torturas, podendo levar a morte, e possivelmente o exílio, entretanto, o final dos anos 60, representa um período de motivação para lutas de um povo esperançoso, idealizando e acreditando no fim da ditadura. O ano de 1968 é marcado pelo início das fortes revoltas, como as guerrilhas. Por exemplo, no Rio...

    1282  Palavras | 6  Páginas

  • Gonçalves Dias - Biografia

    Universidade de Direito de Coimbra, onde tem contato com escritores do romantismo português, entre eles, Almeida Garret, Alexandre Herculano e Feliciano de Castilho. Ainda em Coimbra, em 1843, escreve seu famoso poema "Canção do Exílio", onde expressa o sentimento da solidão e do exílio. Gonçalves Dias volta ao Maranhão em 1845, depois de formado em Direito. Ocupa vários cargos no governo imperial e realiza diversas viagens à Europa. Vai para o Rio de Janeiro em 1846 e em 1847 publica o livro "Primeiros...

    904  Palavras | 4  Páginas

  • "Do alto dos montes - Canção epílogo": uma leitura da poesia nietzscheana em Além do bem e do mal

    XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 “Do alto dos montes – Canção-epílogo": uma leitura da poesia nietzscheana em Além do bem e do mal Francisco Wilton Lima Cavalcante*¹ (IC), Fernando Ribeiro de Moraes Barros¹ (PQ) 1. Universidade Federal do Ceará wiltonlima12@hotmail.com Palavras-chave: Leitura. Poesia. Filosofia. Resumo Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900) – reconhecido como um dos maiores filósofos de todos os tempos – é...

    2895  Palavras | 12  Páginas

tracking img