A Queda Do Liberalismo Eric Hobsbawm artigos e trabalhos de pesquisa

  • Hobsbawm

    Introdução Eric Hobsbawm nasceu no Egito em 1917, período no qual o país estava sob domínio inglês, por essa razão Hobsbawm possui nacionalidade britânica. Durante sua vida Hobsbawm viveu em diversos países, tais como Alemanha e Inglaterra. A saída de Eric da Alemanha se dá logo após a morte de seus pais e foi motivada pela perseguição aos judeus. Anos depois, já na Inglaterra, Hobsbawm cursou historia na Universidade de Cambridge. A política foi algo marcante na vida de Hobsbawm, logo após se...

    1157  Palavras | 5  Páginas

  • HOBSBAWN, Eric J. A era dos impérios: 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. Capítulo 2.

    HOBSBAWN, Eric J. A era dos impérios: 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. Capítulo 2. Universidade Federal do Tocantins Curso de História História Contemporânea II Bruno Mendes de Jesus No capítulo 2 de “A era dos impérios”, Eric J. Hobsbawm vai destacar o cenário econômico mundial do período compreendido entre os anos de 1875 e 1974. Como é de conhecimento geral, o mundo passou por uma Grande Depressão econômica nos anos 1870, depressão esta que só veio a ser superada em meados...

    1503  Palavras | 7  Páginas

  • 1875 – 1914: As transformações políticas e econômicas na Europa no livro “A Era dos Impérios” de Eric Hobsbawm.

    1 1875 – 1914: As transformações políticas e econômicas na Europa no livro “A Era dos Impérios” de Eric Hobsbawm.1 Bruno Mendes de Jesus2 Elizi Nete Rodrigues dos Santos3 Oneide Belém Ribeiro4 Ao analisar o livro a “Era dos Impérios” de Eric Hobsbawm, percebemos que ele é marcado pela predominância de grandes potências imperais ou colonialistas. Hobsbawm analisa os anos que formaram o século XX, quando um longo período de paz, expansão capitalista e domínio europeu mergulhou em crises...

    3739  Palavras | 15  Páginas

  • Liberalismo e revoluções

    Após a queda e a conseqüente segunda abdicação de Napoleão, o quadro político da Europa pós-1815 se caracteriza pela restauração, não apenas na França, mas em toda a Europa. Ela se aplica a todos os aspectos da vida social e política, e trata de tomar um sentido oposto ao da Revolução, buscando apagar todos os vestígios desta e objetivando legitimar novamente o poder soberano das monarquias pré-revolução. Mas esta Restauração de modo algum consegue ser integral. Nem todos os monarcas são restabelecidos...

    2582  Palavras | 11  Páginas

  • Liberalismo, Democracia e Socialismo no Séc. XIX

    a Europa do séc. XIX. Não poderíamos deixar de citar as consecutivas descontinuidades, perdas, dissoluções, e, especialmente, colapsos sofridos pelos impérios europeus durante o século XIX, como o chamado Crepúsculo do Império Global Espanhol; a queda do Império Napoleônico com a derrota da Batalha de Waterloo seguida pelo exílio e morte de Napoleão Bonaparte; o fim do Segundo Império Francês de Napoleão III; a dissolução do Sacro Império Romano-Germânico, entre outras descontinuidades e processos...

    5830  Palavras | 24  Páginas

  • Resenha Hobsbawm cap. 3

    INTERNACIONAIS HISTÓRIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS II PROF. ERWIN PÁDUA XAVIER CASTRO, Brenda Luana COUTINHO, Luiz Henrique FERNANDES, Mariana GODOI, Izabella MARTINS, Kennedy RHAYO, Victor TORRES, Barbara VIEIRA, Ivan HOBSBAWM, Eric. Rumo ao abismo econômico. In: HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos – O breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995. Resumo: O texto apresenta o tema do colapso econômico presente no mundo após a Primeira Guerra Mundial, e, diferentemente da guerra...

    2409  Palavras | 10  Páginas

  • Nacionalismo - parte iii - hobsbawm

    das Relações Internacionais I, ministrado pelo professor Raimundo William Tavares Jr, do curso de Relações Internacionais. Turma 4 RIN 1. | “A Era das Revoluções” capítulo 6 - III Hobsbawm descreve o cenário do periodo da restauração no tópico III do capítulo sexto de A Era das Revoluções, e inicia o texto, citando que havia diferenças ideológicas entre bonapartistas e republicanos, moderados e radicais mas que ambos mal podiam ser...

    973  Palavras | 4  Páginas

  • Resenha A Era da Catástrofe Eric Hobsbawn

    Nomes: Luana Morales Victorero Eric Hobsbawm considera o período de 1914-1945 a Era da Catástrofe, reunindo as duas guerras mundiais do século XX e o período entre guerras. No que diz respeito às guerras mundiais, podemos dizer que não houve duas guerras, mas sim um único e prolongado conflito, com dois períodos agudos, separados pelo período 1918-1939. A primeira grande guerra foi apenas a manifestação de um dos dois grandes conflitos no mundo capitalista a partir dos anos 70 do século XIX:...

    737  Palavras | 3  Páginas

  • Revolução Francesa - Hobsbawm

     HOBSBAWM, Eric J. A revolução Francesa. In.: A Era das Revoluções: 1789-1848. São Paulo: Paz e Terra, 2008. O período estudado por Hobsbawm, em que o autor o definiu como a Era das Revoluções, constituiu a maior transformação da história humana. A grande revolução de 1789-1848 foi o triunfo não da “indústria” como tal, mas da indústria capitalista. Liberdade da “classe média”. Ascensão da sociedade “burguesa liberal”. Consolidação do Estado Moderno Europeu. As forças econômicas e sociais...

    890  Palavras | 4  Páginas

  • A queda da bastilha

    Disciplina: História Moderna I Professor Dr. Lélio Luiz de Oliveira. Franca 2012. Introdução Essa pequena introdução é só uma forma de procurar justificar os autores escolhidos para a exposição do tema acima apresentado, sendo que Eric J. Hobsbawm oferece uma abordagem um tanto marxista e que preza muito as relações econômicas, enquanto Georges Lefebrve faz sua interpretação social da França da Revolução e fala de um Grande Medo[1] que se apossou da população. Jules Michelet, por sua vez...

    3263  Palavras | 14  Páginas

  • o tempo presente hobsbawm

    HISTÓRIA O TEMPO PRESENTE NA OBRA DE ERIC HOBSBAWM ISAMARC GONÇALVES LÔBO Recife 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CURSO DE MESTRADO EM HISTÓRIA O TEMPO PRESENTE NA OBRA DE ERIC HOBSBAWM Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em História da Universidade Federal de Pernambuco por Isamarc Gonçalves Lobo, tendo como Orientadora a Profª. Drª. Ariane Norma de Menezes Sá. Recife 2003 O TEMPO PRESENTE NA OBRA DE ERIC HOBSBAWM ISAMARC GONÇALVES LOBO Aprovada...

    58340  Palavras | 234  Páginas

  • Fichamento Introdução Hobsbawm

     Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus Poços de Caldas FICHAMENTO Introdução “A Era do Capital – 1848-1875” – Hobsbawm, Eric J. Jéssica Adriane da Silva Teoria Socioeconômica do Espaço Prof. Luciano Bernardino da Costa HOBSBAWM, Eric J. A Era do Capital – 1848-1875. 9ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. [Publicado originalmente em 1975] Linha do tempo para ajudar no entendimento do texto: ----------|----------|---------...

    828  Palavras | 4  Páginas

  • Eric Hobsbawn: biografia

    Eric Hobsbawm nasceu em Alexandria em Junho de 1917. Pertencendo a uma família judaica de classe média, viu conturbada a vida de seus pais que, entre as duas grandes guerras, foram obrigados a deslocarem-se para Viena e mais tarde para Berlim, onde acabaram por perecer já no período da grande depressão. Forçado pelas circunstâncias da vida, Hobsbawm e sua irmã ficaram a cargo do seu tio que trabalhava nos Estados Unidos da América, emigrando mais tarde para Inglaterra, onde actualmente é Professor...

    5099  Palavras | 21  Páginas

  • Eric Hobsbawn: biografia

    Eric Hobsbawm nasceu em Alexandria em Junho de 1917. Pertencendo a uma família judaica de classe média, viu conturbada a vida de seus pais que, entre as duas grandes guerras, foram obrigados a deslocarem-se para Viena e mais tarde para Berlim, onde acabaram por perecer já no período da grande depressão. Forçado pelas circunstâncias da vida, Hobsbawm e sua irmã ficaram a cargo do seu tio que trabalhava nos Estados Unidos da América, emigrando mais tarde para Inglaterra, onde actualmente é Professor...

    5099  Palavras | 21  Páginas

  • Resenha- a queda do liberalismo

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RELAÇÕES INTERNACIONAIS RELAÇÕES ECONÔMICAS INTERNACIONAIS RESENHA A queda do liberalismo Thayane Peixoto Franco Matrícula: 11111RIT051 UBERLÂNDIA 2013 Capítulo 4 - A queda do liberalismo Hobsbawm começa o capítulo com um questionamento de valores que leva as massas a movimentar-se como, por exemplo, a criação do movimento trabalhista socialista, que era comprometido com esses valores racionais e humanos. A democracia...

    1074  Palavras | 5  Páginas

  • “A queda do liberalismo

    "A ERA DOS EXTREMOS" Cap. 4 “A queda do LiberalismoHobsbawm inicia o texto falando que o fato que mais chocou a Era da Catástrofe foi o colapso das instituições da civilização liberal, que havia sido baseada em valores como a desconfiança a ditadura, compromisso com um governo constitucional, liberdade de expressão etc. Esses valores haviam proporcionado progresso durante todo o século e estavam destinados a avançar mais, antes de 1914 era contestado apenas pela Igreja Católica e por outros poucos...

    663  Palavras | 3  Páginas

  • Resumo Critico - A era dos extremos, Eric Hobsbaw

    Resumo Critico: autor David Dantas de Barros A ERA DOS EXTREMOS. O breve século XX HOBSBAWM Eric J. A Era dos Extremos : o breve século XX: 1914-1991 – São Paulo : Companhia de Letras, 1995. EDITORA SCHWARCZ LTDA. http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/10/morre-aos-95-anos-o-historiador-eric hobsbawm.html Eric Hobsbawm foi um dos principais intérpretes da era moderna e o marxismo. Falecido em Londres no ano de 2012, ele deixou uma obra vasta capaz de dar sentido a um conjunto importante...

    608  Palavras | 3  Páginas

  • resenha eric hobswan, revolução industrial

     Resenha do texto “A Era das Revoluções” de Eric Hobsbawm. Rio de Janeiro Julho 2013 Eric Hobsbawm inicia falando do próprio nome “Revolução Industrial”, o qual reflete um impacto relativamente tardio sobre a Europa. O fato existia na Inglaterra antes do termo. Na década de 1780 houve o ponto de “partida” para a Revolução.  O avanço britânico não se deveu à superioridade tecnológica e científica, mesmo porque os franceses é que estavam à frente nesse...

    556  Palavras | 3  Páginas

  • Análise do filme “1984” de Micahel Radford utilizando como base teórica o livro “Era dos Extremos” de Eric Hobsbawm.

    Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro RAFAEL HOTZ AZEVEDO Análise do filme “1984” de Micahel Radford utilizando como base teórica o livro “Era dos Extremos” de Eric Hobsbawm. Trabalho acadêmico apresentado como requisito para obtenção de nota da Disciplina: Cinema e Política. PUC – Faculdade de Cinema. Professor: Fernando Sá Rio de Janeiro 2012 “O Grande Irmão cuida de você!” “No nazismo, temos um fenômeno difícil de submeter-se à análise racional...

    1899  Palavras | 8  Páginas

  • Resenha sobre a Revolução Industrial de Eric Hobsbawm

    Discente: Nilza Paes Resenha 01: Texto de Eric Hobsbaum A Era das Revoluções – Editora Paz e Terra Capítulo II: A Revolução Industrial Com o objetivo de analisar a Revolução Industrial e seus impactos na sociedade até os dias de hoje, Eric Hobsbawm inicia o capítulo dois de seu livro “A Era das Revoluções”, citando o próprio nome “Revolução Industrial” e sua atuação moderadamente tardia sobre a Europa. O fato já existia na Inglaterra antes do referido...

    1154  Palavras | 5  Páginas

  • Revolução Industrial Inglesa - análise de Eric Hobsbawm

    “Projeção Histórica da Revolução Industrial na obra de Eric J. Hobsbawm” MVR * Aluna do segundo termo do curso de curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo. Resumo Este trabalho tem como objetivo realizar uma análise histórica sobre a Revolução Industrial Inglesa, que teve como marco inicial o período de 1780, na visão do autor Eric J. Hobsbawm. Tendo como foco a importância da transição para produção através de máquinas e a mudança repentina de modo de vida...

    3864  Palavras | 16  Páginas

  • resenha Eric Hosbawn

    CAPITULO 5 " A era dos extremos" - Capítulo 5 - Contra o inimigo comum - Eric Hobsbawm RESENHA: Eric Hobsbawn no texto “Contra o inimigo comum” fala principalmente sobre o nacional-socialismo. Eric fala sobre a aliança formada por países liberais e comunistas para derrotar a Alemanha na 2ª Guerra Mundial e claro, falar da Alemanha obrigatoriamente, fala sobre Hitler . Essa aliança seria estranha por se tratar de “grupos” opostos, mas naquele momento se tornou fundamental. Inicialmente, essa...

    963  Palavras | 4  Páginas

  • Resenha - Eric Hobsbawm, A Era dos Extremos - Rumo ao abismo econômico

    Bibliografia: Hobsbawm, E.; Era dos Extremos. O breve século XX, 1914-1991, São Paulo 1995, cap. 3: Rumo ao abismo econômico, pp. 90-112. Era dos Extremos, de Eric Hobsbawm, escrito em 1994, narra e interpreta os acontecimenos do século XX fazendo um recorte temporal que vem desde 1914 a 1991. O terceiro capítulo, denominado “Rumo ao abismo econômico” trata, em específico, sobre a crise econômica que se tornou evidente no ano de 1929 e devastou o mundo nos anos posteriores, além de apontar os...

    1495  Palavras | 6  Páginas

  • resenha eric hobsbawn

     UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS História Econômica Geral Belém 2013 Segundo Eric Hobsbawm, a questão da origem da industrialização da Grã-Bretanha é difícil de analisar por ter sido a pioneira no capitalismo industrial. Esta não poderia basear-se num panorama de uma economia mundial industrializada adequando-se as condições do mercado. Coube a Grã-Bretanha o papel de ser a virtual monopolizadora...

    552  Palavras | 3  Páginas

  • FICHAMENTO HOBSBAWM, Eric. A Era Das Revoluções 

    Florianópolis 05/2014 HOBSBAWM, Eric. A Era Das Revoluções  Neste capítulo é feita uma análise do que ele considera ideologia secular, que se dá a partir da revolução dupla. verifica-se um crescimento constante de pensamentos relacionados com a natureza da sociedade. Pensando sobre isso havia dois tipos básicos de opinião, uma que acreditava no progresso e outra que não. Até 1789, a formação mais poderosa e adiantada dessa ideologia de progresso tinha sido o clássico liberalismo burguês. Era uma...

    1311  Palavras | 6  Páginas

  • eric j. hobsbawm

    Eric J. Hobsbawm, 1998, in: A Era das Revoluções – 1789-1848, 11a edição, Paz e Terra. Introdução: O capítulo tem como objetivo abordar o desenvolvimento da Revolução Industrial, tomando como enfoque histórico o período compreendido entre 1780 a 1840. É importante ressaltar, como o faz Hobsbawm, que essa periodização representa uma questão analítica, por dua razões: a) porque alguns processos que levaram à Revolução Industrial se desenrolaram antes mesmo de 1780. Há controvérsias, inclusive...

    1362  Palavras | 6  Páginas

  • Escola keynesiana

    | SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 CAPÍTULO 1 – LIBERALISMO ECONÕMICO DE ADAM SMITH 04 1.1 – A MÃO INVISÍVEL DE ADAM SMITH 04 1.2 - A QUEDA DO LIBERALISMO 05 CAPÍTULO 2 – A CRISE DE 1929 08 CAPÍTULO 3 – KEYNESIANISMO 11 3.1 - A ESCOLA KEYNESIANA EM SI 11 3.2- A TRANSIÇÃO...

    3153  Palavras | 13  Páginas

  • Resenha do texto de eric hobsbawn: a revolução francesa.

    Resenha do Texto de Eric Hobsbawn: A Revolução Francesa. Eric John Earnest Hobsbawm nasceu em Alexandria, Egito, no dia 9 de Junho de 1917. Foi um historiador marxista internacionalmente reconhecido. Contexto, causas e características da revolução francesa (também conhecida como revolução burguesa) A França do século XVIII era caracterizada como um país absolutista onde o rei governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos seus súditos...

    1345  Palavras | 6  Páginas

  • Nação como novidade: da revolução ao liberalismo

    Eric Hobsbawn começa discorrendo sobre os vários conceitos sobre nacionalismo, e coloca a nação como uma unidade política, porém qual é o critério para um grupo de pessoas se sentirem pertencentes a uma mesma nação? Ele afirma que a palavra tem um sentido, movendo para a questão da etnicidade, mas no entanto os Estados não eram homogênios, e portanto não poderiam ser simplesmente equalizados com as nações. Então ele busca em outros conceitos, como o do Zedler que afirma que nação significa um número...

    918  Palavras | 4  Páginas

  • Fichamento do texto... Primavera do Povos de Eric Hobsbawn

    Fichamento HOBSBAWM, Eric. A Era do Capital. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2004. “A Primavera dos Povos” Pp. 27-50 Ao inicio de 1848, Alexis de Tocqueville, pensador político francês, foi a Câmara dos Deputados para falar sobre a revolução que estava prestes a acontecer. Praticamente ao mesmo tempo, Karl Marx e Friedrich Engels publicavam para a Liga Comunista Alemã, em 24 de fevereiro de 1848, o livro intitulado Manifesto do Partido Comunista, para ser publicado em vários idiomas. ...

    867  Palavras | 4  Páginas

  • HISTORIA CONTEMPORANEA I 20141 1

    Paulo: Alameda, 2009 HOBSBAWM, Eric J. A Era do Capital (1848-1875). 15a edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001. DANIEL, Orlando. A Primeira Internacional, na história do movimento operário europeu. Versão online disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223913233Q1vMV4bm8Dx81FA4.pdf Bibliografia Complementar: BOITO JR., Armando, GALVÃO, Andréia. Política e classes sociais no Brasil nos anos 2000. São Paulo: Alameda, 2012. KENNEDY, Paul. Ascensão e queda das grandes potências...

    1494  Palavras | 6  Páginas

  • Ficha Resumo Hobsbawm 1

    HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA I - Eurelino Coelho FICHA-RESUMO de HOBSBAWM, Eric J. A Revolução Industrial. In: HOBSBAWM, E. A Era das Revoluções. 8ªed., Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991. Tradução de Maria Tereza Lopes Teixeira e Marcos Penchel. A. Elementos centrais/eixo do texto: tema, problematização, teses principais. O texto figura como capítulo 2 no primeiro volume da trilogia “As eras” sobre o século XIX. No entanto, como é característico do autor em todos os capítulos da trilogia, este texto...

    1692  Palavras | 7  Páginas

  • Resenha: o fim dos impérios - a era dos extremos, hobsbawm, e.

    Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Economia Relações Internacionais Relações Econômicas Internacionais I Clara Rosa Aires 11011RIT011 Resenha: O Fim dos Impérios - A Era dos Extremos, HOBSBAWM, E. O autor Eric Hobsbawm é um historiador internacionalmente aclamado, de tradição marxista. Nasceu em Alexandria em 1917, quando o Egito ainda estava sob domínio britânico e, por isso, possui nacionalidade britânica. Filho de judeus, morou em Viena e, posteriormente, em Berlim, numa...

    1956  Palavras | 8  Páginas

  • Revolução Industrial e o Liberalismo de Adam Smith

    o trabalho humano, uma nova relação entre capital e trabalho se impôs, novas relações entre nações se estabeleceram e surgiu o fenômeno da cultura de massa, entre outros eventos. Essa transformação foi possível devido a uma combinação de fatores, como o liberalismo econômico, a acumulação de capital e uma série de invenções, tais como o motor a vapor. O capitalismo tornou-se o sistema econômico vigente. A Revolução Industrial é comumente dividida em três partes: A primeira (1780-1830), segunda (1860-1945)...

    1597  Palavras | 7  Páginas

  • Era dos extremos cap 3 e 4

    Século XX: 1914 – 1991.” Publicado em 16 de abril de 2011por diplomaciasecreta http://diplomaciasecreta.wordpress.com/2011/04/16/era-dos-extremos-o-breve-seculo-xx-1914-1991-2/ Resenha 2 – Capitulo 3 No aclamado “Uma breve história do século XX”, Eric Hobsbawn descreve os acontecimentos sociais, econômicos e políticos ocorridos no último século e a estreita ligação entre eles. O início de sua obra aborda o problema fundamental do grande século, os conflitos armados. Pejorativamente – ou corretamente...

    2010  Palavras | 9  Páginas

  • PROGRAMA FINAL Estado Moderno E Capitalismo 2015 25

    Ática, 2001. v.1, p. 51-78. SADEK, Maria Teresa. Nicolau Maquiavel: o cidadão sem fortuna, o intelectual de virtú. In: WEFFORT, Francisco (Org.). Os clássicos da política. São Paulo: Ed. Ática, 2001. v.1, p. 10-24. HOBSBAWM, Eric. “A nação como novidade: da revolução ao liberalismo”. In: IDEM. Nações e nacionalismos desde 1780. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 2008. POLANYI, Karl. (1980) A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 1980. (O Nascimento do Credo Liberal...

    1493  Palavras | 6  Páginas

  • "Consolidação da Revolução Industrial, transformações socioeconômicas e a Crise de 1873-1896"

    entre os países segundo Landes; 1780, segundo Eric Hobsbawm (auge 17801800); 1760-1780, segundo Mantoux - Das Manufatura às fábricas Transição do Capitalismo Concorrencial para o Monopolista Capitalismo Monopolista Consolidação da Revolução Industrial, transformações socioeconômicas e a Crise de 1873-1896 2º subperíodo: grandes rivalidades entre os países Crise de 1873-1896: Encerramento da era do liberalismo econômico Eric Hobsbawm. “Cap. 2 – A Revolução Industrial.” In: A era...

    3881  Palavras | 16  Páginas

  • Anos dourados

    Instituto de Humanas – IH Departamento de História História Contemporânea 2 Wolfgang Döpcke Aluno: Rodrigo Ruperto – 14/0086960 Resenha Título do texto: Hobsbawm, E.; Era dos Extremos. O breve século XX, 1914-1991, São Paulo 1995, cap. 9: Os anos dourados, pp. 253-281. O autor do capítulo e do livro, Eric John Earnest Hobsbawm, foi um historiador do século XX formado pela Cambridge University em história e também conseguiu seu PhD pela mesma universidade, foi Professor de História na Universidade...

    1167  Palavras | 5  Páginas

  • CIDADANIA NO BRASIL

    impacto que a bolsa e portanto a economia sofreu, o Índice Industrial de Dow Jones (Dow Jones Industrial Index) caiu muito rapidamente, registrando uma queda de 17,2% e 16,4 milhões de ações foram vendidas em 29 de outubro de 1929. Esta quebra na Bolsa piorou drasticamente os efeitos da recessão econômica já existente, causando grande deflação e queda nas taxas de venda de produtos, que por sua vez obrigaram o fechamento de inúmeras empresas comerciais e industriais, elevando assim drasticamente as...

    3120  Palavras | 13  Páginas

  • revolucao Hobsbawm

     No livro “A era das revoluções” de Eric J. Hobsbawm podemos observar as profundas transformações ocorridas do mundo entre a segunda metade do século XVIII e primeira metade do século XIX, com base fundamentada nas duas revoluções que mais significativas da historia, na medida em que todos os sistemas conhecidos sofreram alterações diretamente vinculadas as estas revoluções. No período compreendido entre 1789 e 1848 é possível observar o mundo vivendo uma inquestionável transformação...

    2435  Palavras | 10  Páginas

  • O novo século

    Resenha do livro " O Novo Século" Por Lionel Messi - Ciência Política - Com a publicação de "A Era dos Extremos" (Cia. das Letras), Eric Hobsbawm parecia haver encerrado sua grande série histórica iniciada há mais de 30 anos. No primeiro volume, "A Era das Revoluções" (Paz e Terra), examinou o período compreendido entre a Revolução Francesa e os acontecimentos que sacudiram a Europa em 1848. No segundo, "A Era do Capital" (Paz e Terra), analisou o auge da sociedade burguesa, detendo-se nos...

    1052  Palavras | 5  Páginas

  • Século w

    Segundo a visão de Eric Hobsbawm, a história do século XX pode ser analisada a partir de três momentos específicos. Identifique e caracterize cada um desses períodos. Segundo Hobsbawm, o século XX tem três fases bastante nítidas que são a Era da Catástrofe, A Era de Ouro e O Desmoronamento. A primeira delas, Era Da Catástrofe, com seu início em 1914, compreende o período do início da primeira grande guerra até o final da segunda grande guerra (1945), abrangendo a queda do liberalismo e o fim dos impérios...

    1284  Palavras | 6  Páginas

  • A queda do liberalismo

    O autor Eric Hobsbawn, no intermédio entre as duas guerras, busca uma interpretação da economia mundial, a qual afirma que é preciso uma profunda reconstrução do período para que ajude a captar o efeito na história do século XX, do colapso econômico entre as guerras. O mundo da segunda metade do século XX torna difícil de compreender senão observar o colapso econômico mundial dado pela crise. O colapso econômico chamado de Grande Depressão, a qual foi o retrato de que a economia capitalista pareceu...

    675  Palavras | 3  Páginas

  • saber mais

    HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o Breve Século XX (1914-1991). São Paulo, Companhia das Letras, 2003, 598 p. Antonio Carlos de Souza Para o historiador inglês Eric Hobsbawm, “O Breve Século XX”, considerando os anos que vão “da eclosão da Primeira Guerra Mundial ao colapso da URSS” (p. 15) se subdivide em três partes: A “Era da Catástrofe”, que se inicia em 1914 com a Primeira Guerra Mundial, “que assinalou o colapso da civilização (ocidental) do século XIX” (p. 16), caracterizada...

    4462  Palavras | 18  Páginas

  • Resumo - a era das revoluções - hobsbawm, eric j.

    HOBSBAWM, Eric J., A era das revoluções, Paz e Terra, 10 edição,1997 INTRODUÇÃO - As palavras seguintes foram criadas, ou ganharam seu sentido moderno, entre 1789 e 1848: - capitalismo, socialismo, ideologia, jornalismo; - classe média, classe trabalhadora; proletariado; - Liberal, conservador, nacionalidade; - aristocracia, cientista, engenheiro; - crise(econômica), greve; - As revoluções industrial e francesas tiveram como conseqüência mais notável o estabelecimento de um domínio do globo...

    21613  Palavras | 87  Páginas

  • 1848

    revolução não foi o liberalismo, mas sim o nacionalismo. Os revolucionários desses países queriam libertar seus povos da dominação estrangeira imposta pelas decisões do Congresso de Viena. . A "primavera dos povos" - como ficou conhecida essa vaga revolucionária - marcou o despertar das nacionalidades — poloneses, dinamarqueses, alemães, italianos, tchecos, húngaros, croatas e romenos —, que exigiram dos impérios a concessão de suas autonomias. Segundo o historiador Eric Hobsbawm, a Primavera dos Povos...

    1401  Palavras | 6  Páginas

  • 1º guerra mundial

    consequências (...)” HOBSBAWM, Eric J., Era dos extremos: o breve século XX: 1914 – 1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. a) Aponte qual foi o principal tratado assinado após a Primeira Guerra Mundial. __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ b) Com base no texto e nos pontos do Tratado de Versalhes, explique por que o historiador britânico Eric J. Hobsbawm diz que os...

    1947  Palavras | 8  Páginas

  • Aspectos urbanos e rurais na economia cafeeira

    humano, uma nova relação entre capital e trabalho foi imposta, novas relações entre nações se estabeleceram e surgiu o fenômeno da cultura de massa, entre outros eventos. Essa transformação foi possível devido a uma combinação de fatores, como o liberalismo econômico, a acumulação de capital e uma série de invenções, tais como o motor a vapor. O capitalismo tornou-se o sistema econômico vigorante. A Revolução Industrial é habitualmente dividida em tres partes: primeira (1780-1840), segunda (1860-1945)...

    2116  Palavras | 9  Páginas

  • REVOLUÇÃO FRANCESA

    INGLESA do historiador E. P. Thompson relacionam-se a um momento decisivo na formação do mundo contemporâneo. a) b) c) d) e) a revolução comercial e a reforma protestante. a revolução industrial e a revolução francesa. o feudalismo e o liberalismo. o capitalismo e a contra-reforma. o socialismo e a revolução russa. 2. Do ponto de vista social, pode-se afirmar, sobre a Revolução Francesa, que: a) teve poços resultados, pois foi iniciada, dirigida e apropriada por uma só classe social...

    3665  Palavras | 15  Páginas

  • A Era Das Revolu Es

    A Era das Revoluções 1789-1848 Eric J. Hobsbawm A Revolução Francesa Revolução Industrial: Base da economia do século XIX. Revolução Francesa: Base da política do século XIX. ----- Cada uma destas não restringiu sua influência a apenas um campo da atividade humana, e eram mais complementares que competitivas. “Era da revoluções democráticas”: Final do século XVIII. -- Crise dos velhos regimes políticos e sistemas econômicos. -- Revolução Francesa: Mais importante e radical (Influenciou todas...

    535  Palavras | 3  Páginas

  • Graduado

    EXTREMOS O BREVE SÉCULO XX 1914-1991 RESENHA ALUNO: JORGE LAERTE PINTO DOS SANTOS ARACAJU, 2012 I. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914 – 1991; tradução Marcos Santarrita; revisão técnica Maria Célia Paoli – São Paulo: Companhia das Letras, 1995. II. CREDENCIAIS DA AUTORIA Eric J. Hobsbawm nasceu em 1917 em Alexandria, no Egito, estudou em Viena, Berlim, Londres e Cambridge. Fellow da Britshi Academy e da American Academy of...

    9047  Palavras | 37  Páginas

  • Exercícios história com gabarito - Revolução Francesa

    glória nacional e triunfo revolucionário, essa comparação tenha sido evitada. Contudo, é difícil não concordar com Isaac Deutscher, que Stálin pertencia à família dos grandes déspotas revolucionários, como Cromwell, Robespierre e Napoleão. Eric Hobsbawm Assinale a alternativa que cita as respectivas revoluções, das quais participaram Stálin e Robespierre. a) Revolução Americana e Revolução Liberal do Porto b) Revolução Comunista e Revolução Inglesa c) Revolução Cubana e Revolução Chinesa ...

    12138  Palavras | 49  Páginas

  • Nações e nacionalismo

    Nações e Nacionalismo de Eric J. Hobsbawn Lorena 2011 Marcos Henrique Ronchi O nascimento do ideal nacional Reflexão da Obra Nações e Nacionalismo de Eric J. Hobsbawn Artigo Científico apresentado ao Prof.Ms.Mário José Dias na disciplina de História Contemporânea Lorena 2011 O nascimento do ideal nacional: Reflexão da Obra Nações e Nacionalismo de Eric J. Hobsbawn The birth of...

    5889  Palavras | 24  Páginas

  • A era do Capital - Hobsbawn

    Trabalho Final de História Moderna e Contemporânea A Era Do Capital Eric J. Hobsbawm O livro de Hobsbawn abrange um período curto, porém abrange uma grande extensão geográfica, tem como foco principal a expansão do capitalismo que iniciou-se em 1848. Os materias utilizados para a elaboração deste livro, são materias de segunda mão, já que trata de temas que diversos estudiosos já o exploram. Em alguns momentos o autor aborda alguns acontecimentos históricos de maneira superficial...

    1467  Palavras | 6  Páginas

  • avaliação sobre revolução russa

    da sociedade até aos nossos dias é a história da luta de classes.” Karl Marx 1. "... derrota na guerra, deserções, motins militares contra os superiores, greves nas fábricas, falta de gêneros alimentícios e combustíveis nas principais cidades, queda na produção, aviltamento dos salários, incapacidade governamental e crescente miséria das massas." O quadro descrito no texto conduziu à: a) derrota dos franceses no Vietnã em 1954. b) descolonização Afro-Asiática em 1945. c) rebelião Boxer na...

    665  Palavras | 3  Páginas

  • Exerc Cios Word

    investimento e matérias-primas estratégicas. D - Ambos se desenvolveram no contexto do capitalismo industrial, mas com funções diferentes: o primeiro abastecia de matérias-primas a Europa e o segundo consumia seus excedentes. E - O primeiro baseou-se no liberalismo econômico, porém o segundo adotou princípios da política mercantilista, por exemplo, o monopólio e o metalismo. 3. (UFRRJ/RJ) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro A expansão imperialista das potências europeias sobre o continente africano...

    1452  Palavras | 6  Páginas

  • Economia brasileira

    “A primeira metade do século XX foi marcada fortemente por três acontecimentos: a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a Grande Depressão (1929-1933) e a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Na visão e respeitados historiadores econômicos, com Eric Hobsbawm, foi o período em que as economias capitalistas atravessaram sua crise mais profunda e terrível.” “(...) os países capitalistas industrializados são, periodicamente, atingidos por crises econômicas.” “(...) podemos...

    1703  Palavras | 7  Páginas

  • A contemporaneidade e a mulher

    INTRODUÇÃO 1 “O exercício da liberdade é uma dura aprendizagem”2 As revoluções vividas no final do século XVIII foram o rastilho de uma sucessão de acontecimentos que mudaram a História da Europa e do Mundo de uma forma irrevogável. Como nos mostra Eric Hobsbawm ao longo dos trinta anos em que escreve a coletânea das quatro Eras (Revoluções, Capital, Império e Extremos), o mundo viveu experiências que alteraram o curso dos acontecimentos para sempre. Tendo em conta estes livros de leitura obrigatória para...

    7373  Palavras | 30  Páginas

  • Texto Ref Aula 01 Modulo II

    Texto de Referência Módulo II História da Formação do Capitalismo Aula 1 Liberalismo, Capitalismo e Desenvolvimento Capitalismo, Liberalismo e Desenvolvimento Econômico. Alexandre de Freitas Barbosa 1 Este texto procura discutir inicialmente as várias definições de capitalismo, procurando em seguida realizar uma tentativa de periodização. Neste sentido, destaca a transformação estrutural trazida pela Revolução Industrial, que instaura uma nova dinâmica econômica e social, a partir da...

    8395  Palavras | 34  Páginas

  • O Reino do Terror - A ascenção e queda dos Jacobinos

    Introdução O Terror foi um período na Revolução Francesa que se iniciou em 1972 com a queda dos Girondinos e terminou em 1794, com a decapitação de Robespierre, Saint-Just e Couthon. O Terror se deu a partir da ascensão dos Jacobinos, parte da pequena burguesia, com apoio dos Sans-Culottes. O nome dado posteriormente ao período remete ao radicalismo por parte dos Jacobinos, onde o governo, controlado pelos montanheses, prendeu e executou todos os "inimigos" da revolução. N'O terror, de 16 a 17...

    1264  Palavras | 6  Páginas

tracking img