A Diferença Entre O Registro Oral E O Escrito E Como Distinguir Um Do Outro artigos e trabalhos de pesquisa

  • A NATUREZA DAS MODALIDADES ORAL E ESCRITA

    A NATUREZA DAS MODALIDADES ORAL E ESCRITA INTRODUÇÃO Que a linguagem escrita e a linguagem oral não constituem modalidades estanques, apesar de apresentarem diferenças devido à condição de produção, é um fato incontestável. Contudo, há particularidades de outras ordens que as tornam modalidades específicas da língua. Tais particularidades são, de fato, elementos exclusivos de cada uma delas, como a gesticulação, por exemplo, na linguagem oral, e a reedição de texto, com apagamento do texto anterior...

    1839  Palavras | 8  Páginas

  • : Psicogênese da linguagem oral e escrita

    Módulo Comum II: ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM Profª Antonia Maria Nakayama – Unidade 1: Psicogênese da Linguagem Oral e Escrita Objetivos desta Unidade: 1) Compreender a Psicogênese da Língua Escrita e suas implicações na construção do conhecimento humano como estratégia de leitura do mundo; 2) Construir conceitos sobre alfabetização no espaço escolar, confrontando-os no contexto histórico, para entender as mudanças em relação a escrita e leitura, emergentes das abordagens construtivista...

    10816  Palavras | 44  Páginas

  • Fichamento - CALVET - tradição oral e tradição escrita

    CALVET, L.J. Tradição oral e tradição escrita. Trad.: Waldemar Ferreira Netto, Maressa de Freitas Vieira. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. As noções de analfabeto ou de iletrado [...] são, em nossas sociedades, noções negativas, privativas, elas situam, de um lado, o manejo de um saber (o manejo da escrita e da leitura) e, de outro, a das pessoas que não têm esse saber. (p. 8). Esses dois termos [analfabeto e iletrado] nos fornecem informações, se considerarmos que: (1) Longe de significar...

    3350  Palavras | 14  Páginas

  • Sequencias didáticas para o oral e a escrita

    percepções e estratégias. João Pessoa Semestre 2014.2 SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ORAL E A ESCRITA: APRESENTAÇÃO DE PROCEDIMENTO Introdução “Criar contextos de produção precisos, efetuar atividades ou exercícios múltiplos e variados: é isso que permitirá aos alunos apropriarem-se das noções, das técnicas e dos instrumentos necessários ao desenvolvimento de suas capacidades de expressão oral e escrita, em situações de comunicação diversas. E esse é o desafio a que se propõe esta coleção...

    767  Palavras | 4  Páginas

  • ensino da linguagem oral na educacao infantil o lugar dos generos textuais formais 1

    TÍTULO: Ensino da linguagem oral na educação infantil: o lugar dos gêneros textuais formais AUTORIA: Glaís Sales Cordeiro (doutora, Universidade de Genebra, Glais.Cordeiro@unige.ch) RESUMO Esta contribuição visa realizar uma discussão sobre o lugar dos gêneros textuais formais no ensino da linguagem oral no ciclo da educação infantil, onde a noção de gênero é ainda pouco presente na prática do educador e do professor. Será apresentada a análise de produções do gênero oral “receita de cozinha”, realizadas...

    8263  Palavras | 34  Páginas

  • As práticas orais na escola

    CLÁUDIA GOULART AS PRÁTICAS ORAIS NA ESCOLA: O SEMINÁRIO COMO OBJETO DE ENSINO UNICAMP Instituto de Estudos da Linguagem 2005 CLÁUDIA GOULART AS PRÁTICAS ORAIS NA ESCOLA: O SEMINÁRIO COMO OBJETO DE ENSINO Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Lingüística. Área de concentração: Sociolingüística Orientadora: Profª Drª Anna Christina...

    64364  Palavras | 258  Páginas

  • Leitura e Compreensão do texto Falado e escrito como ato individual de uma prática social (Luiz Antônio Marcuschi)

    Leitura e compreensão de texto falado e escrito como ato individual de uma prática social Luiz Antônio Marcuschi Nosso uso diário da língua Todos os que têm acesso à escrita podem desenvolver quatro habilidades no uso da língua: falar e escrever, ouvir e ler. Evidentemente, a distribuição do tempo no desempenho dessas atividades não é proporcional. Pesquisas realizadas com estudantes americanos revelaram que o tempo desses estudantes está assim divido: (16h) Ouvindo: 42% Falando: 32% ...

    1809  Palavras | 8  Páginas

  • O trabalho com os gêneros orais: um caminho de efetivação da linguagem

    FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE AFOGADOS DA INGAZEIRA – FAFOPAI CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS O TRABALHO COM OS GÊNEROS ORAIS: UM CAMINHO DE EFETIVAÇÃO DA LINGUAGEM Aderlan de Siqueira Campos AFOGADOS DA INGAZEIRA – PE 2012.2 ADERLAN DE SIQUEIRA CAMPOS O TRABALHO COM OS GÊNEROS ORAIS: UM CAMINHO DE EFETIVAÇÃO DA LINGUAGEM AFOGADOS DA INGAZEIRA – PE 2012.2 AUTARQUIA EDUCACIONAL DE AFOGADOS DA INGAZEIRA ...

    10271  Palavras | 42  Páginas

  • diferença entre lingua falada e lingua escrita

    escrita ou falada, mas realizar um trabalho com ambas. Mostrar ao aluno que a fala exige mecanismos, como gestos, entonação de voz, expressões faciais, enfim recursos não verbais, que a tornem clara, para que seja interativa, enquanto os textos escritos não necessitam desses mecanismos, porque o indivíduo tem mais tempo para refletir a cerca do que vai escrever e ainda poderá revisar seus textos quando necessário, já que os participantes da interação não partilham o mesmo tempo e espaço. Conscientizá-los...

    3383  Palavras | 14  Páginas

  • Registros

    Leia a classificação de Bowen e depois vá a ATD2 e responda o que foi solicitado. “Para Halliday, McIntosh e Strevens (1974) , as variações de registro são classificadas como de três tipos diferentes: grau de formalismo, modo e sintonia.O grau de formalismo representa uma escala de formalidade, entendida como um maior cuidado e apuro (no sentido normativo e estético) no uso dos recursos da língua (recursos do nível fonológico, morfológico, sintático ou das construções, do léxico, usos estilísticos...

    1772  Palavras | 8  Páginas

  • MARCAS DA ORALIDADE EM TEXTOS ESCRITOS

    MARCAS DA ORALIDADE EM TEXTOS ESCRITOS “Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um ano e são melhores. Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, há os que lutam toda a vida. Esses são os imprescindíveis. (Bertolt Brecht) Ellen Regina Camargo Lúzio UNEMAT/AIA Marlon Leal Rodriuges NEAD/UEMS/UFMS/UNICAMP Introdução Este trabalho tem por finalidade apresentar resultados de pesquisa sobre marcas da oralidade em textos escritos (narrativas), o qual teve como...

    7890  Palavras | 32  Páginas

  • lingua oral e escrita

    impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada em língua portuguesa ou qualquer outro idioma. Índic e Tema 01: Abordagens de aquisição de Língua Materna  6 Tema 02: Os Campos da Linguística  24 Tema 03: Influência dos aspectos fonológicos no aprendizado da escrita  40 Tema 04: Variação Linguística  56 Tema 05: Preconceito Linguístico  72 Tema 06: Compreensão e produção Oral  86 Tema 07: Compreensão e produção Escrita: a habilidade de ler  102 ...

    30316  Palavras | 122  Páginas

  • Variação Regional, Variação social e registros de uso

     Variação regional, variação social e registros de usos Interlocutores: são as pessoas que participam do processo de interação por meio da linguagem. Código: é um conjunto de sinais convencionados socialmente para a construção e transmissão de mensagens. Exemplo: a língua portuguesa. A língua portuguesa é um código verbal. Língua: é um conjunto formado por signos (palavras) e leis combinatórias por meio do qual as pessoas se comunicam e interagem entre si.  Aumento segunda-feira na...

    528  Palavras | 3  Páginas

  • MEMÓRIA E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural

    E ESQUECIMENTO: A História oral como forma de preservação da Identidade Cultural Aimée Aguiar Bezerra1 RESUMO: O presente artigo visa promover relações entre a História e cultura imaterial , utilizando a oralidade como ferramentas de construção de identidade. A discussão ocorre em torno da perpetuação de elementos culturais pela história oral, construindo a patrimonialização...

    2697  Palavras | 11  Páginas

  • SUPLEMENTAÇÃO ORAL, NUTRIÇÃO ENTERAL E PARENTERAL

    SUMÁRIO 1 SUPLEMENTAÇÃO ORAL, NUTRIÇÃO ENTERAL E PARENTERAL ................. 05 1.1 SUPLEMENTAÇÃO ORAL ............................................................................................. 05 1.2 NUTRIÇÃO ENTERAL (NE) ........................................................................................... 05 1.3 TERAPIA DE NUTRIÇÃO PARENTERAL (TNP) ......................................................... 05 2 DEFINIÇÃO E DIFERENÇAS ENTRE SUPLEMENTOS ORAIS E DIETAS ENTERAIS ARTESANAIS...

    4792  Palavras | 20  Páginas

  • Expressão oral no ensino fundamental ii

    EXPRESSÃO ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL II[1] Elisângela de Matos Melo Nunes[2] Dra. Maria de Nazaré da Rocha Penna3 RESUMO: A escola tem o papel de mostrar aos alunos a existência de inúmeras variações lingüísticas, proporcionando-os caminhos para o desenvolvimento da produção oral e escrita. O trabalho com linguagem oral em sala de aula deve ser desenvolvido com a utilização de diferentes gêneros discursivos, escolhendo-se aqueles mais recorrentes nos meios sociais dos alunos. Cabe também...

    5387  Palavras | 22  Páginas

  • Individuo E Biografia Na Historia Oral

    ALBERTI, Verena. Indivíduo e biografia na história oral. Rio de Janeiro: CPDOC, 2000. [5]f. Indivíduo e biografia na história oral* Verena Alberti** 1. O que é história oral? A história oral é uma metodologia de pesquisa e de constituição de fontes para o estudo da história contemporânea surgida em meados do século XX, após a invenção do gravador a fita. Ela consiste na realização de entrevistas gravadas com atores e testemunhas do passado. Inicialmente sua aplicação se dava principalmente nos campos...

    1980  Palavras | 8  Páginas

  • a diferença entre alfabetização e letramento

     UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ESPECIALIZAÇÃO EM PRATICAS DE LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO GISELI ANDRIOLI A DIFERENÇA ENTRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO MATÃO-SP 2014 GISELI ANDRIOLI A DIFERENÇA ENTRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Trabalho de conclusão de curso apresentado a Universidade Federal de São João Del-Rei como requisito...

    4324  Palavras | 18  Páginas

  • Pr tica Linguagem Oral e Escrita

    Linguagem Oral e Escrita Cleuza Luiz da Silva Daiane Aparecida da Silva Luzia Miranda Professor Daniele Cristiane Amaral Silva Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Pedagogia (PED 0893) 19/05/2015 RESUMO A linguagem oral e escrita cada uma com suas propriedades se completam, a linguagem falada tem mais liberdade, não necessitam ter um planejamento sendo necessário somente o uso de timbre, entonação e pausas de acordo com a oratória, representadas por pontuação, nessa linguagem...

    2561  Palavras | 11  Páginas

  • Linguagem oral e escrita

    Linguagem Oral e escrita Presença da linguagem na educação infantil O trabalho com a linguagem se constitui um dos eixos básicos na educação infantil. Quando a instituição de educação infantil torna-se um espaço de ampliação das capacidades de comunicação e expressão e de acesso ao mundo letrado pelas crianças, essa ampliação está relacionada ao desenvolvimento gradativo das competências linguísticas básicas: Entender e aprender a linguagem não é apenas decorar...

    3044  Palavras | 13  Páginas

  • O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O TEXTO E A PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS NA ESCOLA

    ELISANA DE MORAES DA SILVA RA 117741 O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O TEXTO E A PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS NA ESCOLA CORDEIRÓPOLIS - SP 2009 ELISANA DE MORAES DA SILVA RA 117741 O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O TEXTO E A PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS NA ESCOLA Monografia apresentada como exigência para a conclusão do Curso de Licenciatura em Letras, oferecido pela...

    9331  Palavras | 38  Páginas

  • O Registro E A Reflex O Do Educador Madalena Freire 1

    2. O registro e a reflexão do educador 2.1 Sobre o ato de escrever Madalena Freire Welfort “De tudo que está escrito, eu amo somente aquilo que o homem escrever com o seu próprio sangue”. Nietzsche Escrever com sangue, dor e prazer é falar do que corre em nossas veias. Falar de amor, ódio, sonho. Ousar colocar, socializar para o outro, o que pensamos, somos, dói, “a dor é prova de existência”. “A dor retrata diferença”41 Não nos cabe fugir dela, e sim enfrentá-la “para a construção do prazer...

    1490  Palavras | 6  Páginas

  • AS DIFERENÇAS SINTÁTICAS ENTRE O PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL E O PORTUGUÊS EUROPEU: NOSSA LÍNGUA REAL E NOSSA NORMA-PADRÃO

    SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. EMBASAMENTO TEÓRICO 6 2.1. A Teoria: o modelo de Princípios e Parâmetros e a as diferenças entre as línguas 6 2.2. A Hipótese: a questão do sujeito nulo e o português falado no Brasil 8 3. A PESQUISA 10 4. OS RESULTADOS 12 4.1. As interrogativas sem elementos à esquerda do sujeito 12 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 17 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 19 1. INTRODUÇÃO Há muitas décadas, o nível de distanciamento entre o português falado no Brasil...

    1134  Palavras | 5  Páginas

  • a importancia da linguagem oral e escrita na educação infantil

    CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI PEDAGOGIA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ÉDINA DA SILVA ANDRADE Capivari, SP 2012 PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pedagogia da FACECAP/CNEC Capivari para obtenção do título...

    8810  Palavras | 36  Páginas

  • Linguagem oral e escrita

    expressão, pensamento, interação, comunicação. Não mais sendo vista, apenas, como um período de recreação, cuidados e preparo para etapas futuras. A Educação Infantil caracteriza-se como espaço/tempo de vivências do respeito e da consideração pelas diferenças individuais, culturais e sociais. A organização deste Referencial Curricular reflete as (re)elaborações teóricos- práticas dos professores que compõem as escolas tendo em vista também as orientações dos Referenciais Curriculares Nacionais, ficando...

    6732  Palavras | 27  Páginas

  • Dialetos e Registros

    DIALETOS E REGISTROS Há dois tipos básicos de variação lingüística: os dialetos e os registros. Os dialetos são variedades originadas das diferenças de região ou território, de idade, de sexo, de classes ou grupos sociais, e da própria evolução histórica da língua.  As variações de formalismo ocorrem de acordo como grau de formalismo existente na situação; com o modo de expressão, isto é, se se trata de um registro oral ou escrito; com a sintonia entre os interlocutores, que envolve aspectos...

    873  Palavras | 4  Páginas

  • Aquisição da linguagem oral e de sinais na visão de piaget.

    UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DE SINAIS NA VISÃO DE PIAGET. COLOMBO 2008 AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DE SINAIS NA VISÃO DE PIAGET. COLOMBO 2008 AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DE SINAIS NA VISÃO DE PIAGET. Trabalho de Conclusão de Curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em pela Universidade Luterana do Brasil. Obteve o grau: Professor Orientador: ...

    11174  Palavras | 45  Páginas

  • Literatura oral e cordel

    LITERATURA ORAL E CORDEL Michelli de Aguiar Gomes Carvalho [1] “Mas a história-estória o povo não escreve: faz, conta, Faz e conta, faz-de-conta, faz e canta.” Marcus Accioly, poeta pernambucano. A literatura de cordel é singular em suas características. Rico representante da cultura popular, o cordel está bem vivo, em especial, na tradição artística do Nordeste do Brasil. Buscando semelhanças num passado não muito remoto, o cordel tem suas raízes na poesia dos trovadores, na Idade Média...

    3516  Palavras | 15  Páginas

  • HISTÓRIA ORAL: POSSIBILIDADES E LIMITES

    HISTÓRIA ORAL: possibilidades e limites1 A utilização de fontes orais não é um de fenômeno recente. Na verdade, os procedimentos de pesquisa baseados na história oral - no caso, entrevistas, são bastante antigos. Heródoto, já no século V a.C., escreveu: “Desejoso de saber, interrogo”. Há registros de que as fontes orais foram utilizadas no século XVI, por Bernardino de Sahagún, que, querendo compreender os povos colonizados pelos espanhóis, os entrevistou. Jules Michelet (1798-1874), no século...

    5340  Palavras | 22  Páginas

  • PNCs

    Aprendizagem Compreender enunciados orais em situações comunicativas, considerando os interlocutores, o objetivo comunicativo, as especificidades dos gêneros textuais, o registro. Identificar caraterísticas dos gêneros orais e seus registros. Identificar o uso de significativo de pausas e prolongamentos de sons. CONTEÚDOS Expectativas de Aprendizagem Graus de formalidade: cumprimentos formais, menos formais e informais; Identificar código, registro, marcas discursivas, turno, gênero...

    13854  Palavras | 56  Páginas

  • Registro, marca e patente

    Patentes, Marcas e Registro Kátia Vanessa Sodré de Almeida Patente A pesquisa e o desenvolvimento para elaboração de novos produtos (no sentido mais abrangente) requerem, na maioria das vezes, grandes investimentos. Proteger esse produto através de uma patente significa prevenir-se de que competidores copiem e vendam esse produto a um preço mais baixo, uma vez que eles não foram onerados com os custos da pesquisa e desenvolvimento do produto. A proteção conferida pela patente é, portanto...

    7482  Palavras | 30  Páginas

  • Roteiro de observação e análise de material escrito

    Roteiro de observação e análise de material escrito Ana Maria Falcão de Aragão Sadalla, Isabel Cristina Dib Bariani e Maria Silvia Pinto de Moura Librandi da Rocha1 - "Olha só este caderno... O que você acha?" Esta pergunta tem sido feita por professores de diferentes séries a psicólogos que atuam no contexto educativo. E o que se tem verificado de forma assistemática é que a grande maioria não sabe o que dizer aos docentes argüi dores. Muitos devolvem com uma resposta do tipo: - "Muito interessante...

    1507  Palavras | 7  Páginas

  • Webcamera na educação de surdos: uma alternativa para o registro da língua de sinais

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso de Especialização em Informática Educativa WEBCAMERA NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA ALTERNATIVA PARA O REGISTRO DA LÍNGUA DE SINAIS José Eldimar de Oliveira Sá Fortaleza - CE Maio – 2002WEBCAMERA NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA ALTERNATIVA PARA O REGISTRO DA LÍNGUA DE SINAIS José Eldimar de Oliveira Sá Monografia apresentada como requisito para obtenção do Título de Especialista em Informática Educativa da Universidade Federal...

    12117  Palavras | 49  Páginas

  • Fala e escrita

    FALA E ESCRITA: SEMELHANÇAS? DIFERENÇAS?1 1. Das semelhanças e diferenças Antes de introduzirmos a questão das semelhanças e diferenças entre as modalidades oral e escrita da língua, cabe distinguir gêneros de discurso (ou gêneros de texto) e tipos de discurso (ou tipos de textos ou ainda tipos de seqüências textuais). Os gêneros são formas textuais estabilizadas, histórica e socialmente situadas, embora maleáveis e dinâmicas, pois atendem às necessidades comunicativas humanas imediatas, que variam...

    1344  Palavras | 6  Páginas

  • Irandé antunes

    que, por meio da linguagem, o homem se reconhece humano, interage e troca experiências, compreende a realidade em que está inserido e percebe o seu papel como sujeito ativo e capaz de intervir na sociedade onde vive. Partindo desse pressuposto, outros caminhos foram suscitados para o trabalho pedagógico, exigindo dos professores uma nova abordagem para o ensino da língua, tendo em vista sua concepção como discurso que se efetiva nas práticas sociais. A língua é vista como processo discursivo, como...

    13676  Palavras | 55  Páginas

  • atividade matematica

    gêneros textuais, considerando sua função social, seu circuito comunicativo e suas características lingüístico-discursivas. (vocabulário, nível de linguagem, emprego de determinadas palavras, frases mais elaboradas, presença dos conectores, entre outros). Gêneros: 2.3 - Antecipar conteúdos de textos a serem lidos a partir do suporte, do gênero, da contextualização, das características gráficas e de conhecimentos prévios sobre o tema 2.4 - Levantar e confirmar hipóteses relativas ao conteúdo...

    10816  Palavras | 44  Páginas

  • Os modos orais de comunicação e a sua trajetória cultural.

    Os modos orais de comunicação e a sua trajetória cultural. 3.1 – A organização da fala, da escrita e da atividade conversacional. Dedo com Fávero (2005), alguns fatores compõe a atividade de conversação, dentre os quais estão os elementos pragmáticos, que são eficientes na atividade conversacional. A língua falada tem aí sua importância, pois possibilita a compreensão sobre como a conversação se estabelece, considerando que a conversa é a interação entre os interlocutores. O texto que surge...

    737  Palavras | 3  Páginas

  • Resumo SCHNEUWKY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Sequências Didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

    para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. Introdução O ensino da expressão real e escrita requer algumas exigências, como por exemplo, permitir o ensino da oralidade e da escrita a partir de um encaminhamento, ao mesmo tempo, semelhante e diferenciado. Além de centrar-se, de fato, nas dimensões textuais da expressão oral e escrita; oferecendo-lhes um material rico em textos de referência, escritos e orais...

    1529  Palavras | 7  Páginas

  • Eixos da Educa o Infantil

    características do som. · Conhecer o repertório de canções e brinquedos musicais regionais. CONTEÚDOS · Imitação de sons orais, corporais ou produzidos por instrumentos musicais. · Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento de mundo. · Trabalhar instrumentos musicais para perceber os diversos tipos de sons, distinguir suas características, identificando os sons produzidos por animais, voz humana, objetos, natureza. · Exploração, expressão...

    1926  Palavras | 8  Páginas

  • A modalização no discurso escrito e falado: implicações no ensino e na aprendizagem de línguas

    A MODALIZAÇÃO NO DISCURSO ESCRITO E FALADO: IMPLICAÇÕES NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS João Augusto Ribeiro MARIUSSI E-mail: professorjoao@msn.com Universidade Bandeirante Resumo   A modalização vem sendo discutida cientificamente tanto no discurso escrito quanto no discurso falado. Neste artigo, apresentaremos uma reflexão sobre os modalizadores nestas duas manifestações da língua, através da conceituação desses recursos e da explicitação de seu uso no cotidiano da enunciação...

    3921  Palavras | 16  Páginas

  • TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL

     TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Belo Horizonte 2012 Sumário UNIDADE CONTEÚDO PÁGINA Unidade 1 Língua Escrita e Língua Falada 1.1 Vícios de Linguagem 3 4 Unidade 2 O cuidado com as palavras 8 Unidade 3 Pontuação 12 Unidade 4 Colocação Pronominal 17 Unidade 5 Crase 21 Unidade 6 Concordância Verbal e Nominal 25 Unidade 7 Estrutura do Texto 34 Unidade 8 Estrutura do Parágrafo ...

    23383  Palavras | 94  Páginas

  • Formação mundo contemporâneo

    civilização e perpetuar a história de geração a geração, sendo a principal forma de registrar os fatos e acontecimentos. Quando Thomas Paine afirma “está em nossas mãos começar o mundo outra vez”, ele mostra que escrita é a principal forma de registro de fatos e que podemos reiniciar o mundo através da escrita. A história se constrói e nós também a construímos, pois um mesmo fato pode ter diferentes versões, partindo do pressuposto de que para transcrever a história são levados em consideração...

    693  Palavras | 3  Páginas

  • 4 Parte do PPP atual

    produzir textos orais e escritos de diferentes gêneros, veiculados em suportes textuais diversos, e para atender a diferentes propósitos comunicativos, considerando as condições em que os discursos são criados e recebidos. Ler textos não verbais, em diferentes suportes. Leitura Leitura Linguagem oral: Textos não verbais I/A A/C A/C Ler textos (poemas, canções, tirinhas, textos de tradição oral, dentre outros), com autonomia. Linguagem oral: Gênero...

    15663  Palavras | 63  Páginas

  • Quais as principais diferenças e semelhanças entre Ciência e memória?

    como documentos escritos ou impressos. Perdendo a subjetividade, presente nas narrativas orais e nas lembranças de quem “viveu a história”. Já no novo conceito, ”Nova História”, damos importância à cultura em sua forma mais abrangente utilizando de todos os métodos possíveis para promover a Alteridade. Com História (ciência) poderemos, no máximo, promover a empatia, mas na “Nova História” poderemos explorar a alteridade. Pois a empatia nos possibilita a tentativa de entender o outro vivenciando uma...

    1255  Palavras | 6  Páginas

  • Roteiro de Planejamento

    Compreensão de que os textos produzidos num dado contexto social podem revelar os ideais sociais veiculados nesse contexto. Identificação, em textos orais e escritos, de marcas linguísticas que expressem opinião ou intenção de quem os produziu. (como textos literários ou texto-musica). Identificação, em textos orais e escritos, de elementos que revelam que esses textos refletem os ideais sociais de uma época. Identificação das características expressivas de um texto e dos efeitos...

    6323  Palavras | 26  Páginas

  • manual de expressao oral

    MANUAL DE EXPRESSÃO ORAL E ESCRITA J. MATTOSO CAMARA JR. 4ª Edição PETRÓPOLIS EDITORA VOZES LTDA. 1977 FICHA CATALOGRÁFICA (Preparada pelo Centro de Catalogação-na-fonte do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ) Camara Júnior, Joaquim Mattoso, 1904-1970. C1731 Manual de expressão oral e escrita /por/ J. Mattoso Camara Jr. 4.ed. Petrópolis, Vozes, 1977...

    26148  Palavras | 105  Páginas

  • Plano de aula

    Desenvolver habilidade de escrita, leitura e expressão oral na abordagem de temas filosóficos. Elaborar hipóteses e questões a partir das leituras e debates realizados. Identificar a presença da filosofia no mundo cotidiano. Estabelecer a distinção entre o filosofar espontâneo, próprio do senso comum, e o filosofar propriamente dito, típico dos filósofos especialistas. Identificar característica da filosofia como reflexão. Distinguir diferença entre linguagem e língua. Relacionar pensamento, linguagem...

    1809  Palavras | 8  Páginas

  • A tradição oral - J Vansina

    FICHAMENTO 01 Texto: A tradição oral e sua metodologia Autora: J. Vansina “A tinta mais fraca é preferível a mais forte palavra’. Isso mostraria uma total ignorância da natureza dessas civilizações orais. Como disse um estudante iniciado em uma tradição esotérica: ‘O poder da palavra é terrível. Ela nos une, e a revelação do segredo nos destrói.’ (Através da destruição da identidade da sociedade, pois a palavra destrói o segredo comum)” “Uma sociedade oral reconhece a fala não apenas como...

    2735  Palavras | 11  Páginas

  • Resenha do texto “O oral e o escrito: Uma reconsideração” de Eric A. Havelock

    e Havelock acaba concordando quando faz referencia a Homero e Eurípides destacando toda a importância cultural das obras orais desses autores para toda a história, afirmando o quanto foram utilizadas para impressos e estudos nos dias de hoje. Havelock explicita que a utilização da linguagem oral não era considerada como um discurso simplista e sim como poesia, as obras orais dos mestres gregos eram consideradas linguagens artísticas, o que era o mesmo falar que esses mestres eram letrados, e não...

    993  Palavras | 4  Páginas

  • Planejamento anos iniciais 1º ano

    qualificada e atividade pastoril que gera pouco ou quase nenhum emprego. Parte das famílias trabalham no comercio local garantido uma melhor qualidade de vida a seus filhos. Em relação à escolaridade, há pais que concluíram o Ensino Médio enquanto outros apenas as séries iniciais, o que dificulta no acompanhamento dos estudos dos filhos e principalmente na realização de tarefas diárias. Como podemos perceber, a clientela é de origem diversa. Enquanto escola procuramos atender a diversidade existente...

    3338  Palavras | 14  Páginas

  • Latim texto "a manifestação da escrita "

    manifestações do esquema lingüístico do latim, isto é, seu uso, como língua materna, por falantes legítimos, chegaram até nós por meio de registros escritos. Essa é uma importante questão que se impõe ao ensino e que deve ser atentamente considerada. Os sistemas de escrita, como meio desenvolvido para representar a fala, surgem pela necessidade de registro permanente da expressão. Entretanto, não se pode deixar de ressaltar que esses sistemas, além de serem estranhos ao sistema lingüístico...

    1696  Palavras | 7  Páginas

  • Conte Dos Do Terceiro Trimestre 28 C Pia

    letras). .Diferenciar letras de números e símbolos. .Vogais. Famílias silábicas. .Reconhecer letra maiúscula e minúscula. .Textos. HABILIDADES: .Diferenciar a grafia de desenhos.. .Compreender diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas, como números sinais de pontuação e/ ou de outros sistemas de reprodução. .Demonstrar capacidade de reconto de histórias com seqüência lógica. .Fazer correspondência entre a letra e seu som. .Identificar as letras do alfabeto e sua seqüência...

    1846  Palavras | 8  Páginas

  • Eixos da educacao infantil

    características do som. · Conhecer o repertório de canções e brinquedos musicais regionais. CONTEÚDOS · Imitação de sons orais, corporais ou produzidos por instrumentos musicais. · Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento de mundo. · Trabalhar instrumentos musicais para perceber os diversos tipos de sons, distinguir suas características, identificando os sons produzidos por animais, voz humana, objetos, natureza. · Exploração, expressão...

    2510  Palavras | 11  Páginas

  • PROJETO MERCADINHO

    da formação da identidade esse projeto tende a levar as crianças a perceberem-se como indivíduos, a situarem-se nos diversos ambientes, a aprenderem a diferenciar seus gostos e opiniões e progressivamente a compreender e respeitar a existência do outro. Os jogos, brincadeiras e outras práticas sociais, nos trazem um grande número de possibilidades de tornar o processo de alfabetização matemática na perspectiva do letramento, significativo para as crianças. “Diferentes jogos, sejam eles envolvendo...

    1663  Palavras | 7  Páginas

  • Niveis da Escrita

    objetos e não os objetos;coisas grandes devem ter nomes grandes, coisa pequenas devem ter nomes pequenos; - usa letras do próprio nome ou letras e números na mesma palavra; - pode conhecer ou não os sons de algumas letras ou de todas elas; - faz registros diferentes entre palavras modificando a quantidade e a posição e fazendo variações nos caracteres; - caracteriza uma palavra com uma letra inicial; - tem leitura global, individual e instável do que escreve: só ela sabe o que quis escrever; - supõe...

    1764  Palavras | 8  Páginas

  • POR UMA PRÁTICA DA ORALIDADE NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA: ESCRITA, LETRAMENTO E GÊNERO TEXTUAL

    modalidade oral em contraponto com a modalidade escrita por meio de gêneros discursivos adequados, que a falta de uma maior dedicação à leitura e à escrita e de uma proposta de ensino que respeite as variedades da língua são fatores que contribuem para que os alunos não consigam distinguir a gramática da modalidade oral da gramática da modalidade escrita, o que compromete o processo e aquisição de letramento de usuários de variedades lingüísticas não padrão. Como fatores causas, entre outros, apontamos...

    6965  Palavras | 28  Páginas

  • REGISTRO GERAL

    processo civil começa por iniciativa da parte (262), o autor, que pede tutela jurisdicional, no exercício do direito de ação, através de petição inicial (282), ou seja, a ação materializa-se através da inicial, com a demanda e a pretensão. É escrita e não oral, com exceção dos Juizados Especiais; manuscrita, escrita com tinta escura e indelével. A exigência é que seja em língua portuguesa. De qualquer forma é bom ressaltar que, com o tempo (e, aliás, já em plena implantação no país), os processos todos serão...

    2437  Palavras | 10  Páginas

  • Resenha: da fala para escrita

    Filosofia pela PUC-RS, doutorado em Letras pela Universidade de Erlanger Nunrberg (Friedrich-Alexander) em 1976 e pós doutorado pela Universitat (Albert-Ludwgs) em 1988. O ser humano diferencia-se dos outros animais tornando-se animal racional por ser hábil na comunicação oral e utilizando dos signos linguísticos para a fomentação da linguagem. A função desta linguagem é servir como instrumento de comunicação, mas seu uso não se restringe só a isto - ela também permite a compreensão da...

    960  Palavras | 4  Páginas

  • Trabalho

    falar. • Produzir textos escritos, coesos e coerentes, dentro dos gêneros previstos para o ciclo, ajustados a objetivos e leitores determinados. • Ler diferentes textos dos gêneros previstos, sabendo identificar aqueles, que respondem às suas necessidades imediatas e selecionar estratégias adequadas para aborda-los. • Utilizar a linguagem oral com eficácia, começando a adequá-la a intenções e situações comunicativas que requeiram o domínio de registros formais. • Escrever textos...

    2509  Palavras | 11  Páginas

  • Planejamento Geografia

    geografia é uma ciência importante na sociedade atual Aulas expositivas Debates Observações Registros Observação, Entender a cartografia comparação, analise e a importância de sua de diversos tipos de utilização mapas, legendas e escalas Interpretar os diferentes conceitos Aula expositiva geográficos inseridos Observação, no tempo e no espaço, comparação e destacando as construir conceitos semelhanças e as diferenças estre elas Atividades práticas demonstradas através Interpretar diferentes do globo terrestre...

    6301  Palavras | 26  Páginas

tracking img