O segredo dos poderosos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (392 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Rui Peres Jorge
Mario Draghi está a fazer bluff? |
|
|
|
Estará Mario Draghi a fazer "bluff" sobre os seus planos para salvar o euro? Esta é a pergunta que o Free Exchange deixa no ar.Vejamos porquê. Apesar de defender uma união bancária em toda a sua força (o que a teoria defende que implica supervisão comum de bancos e seguro pan-euro de depósitos comum) o Presidente do BCE pareceestar a suavizar as condições dessa união, nomeadamente não defendendo um seguro de depósitos comum. Noutra frente, Draghi também parece cada vez mais relutante em usar o novo mecanismo de compra deobrigações aprovado pelo BCE, sinalizando que a condicionalidade associada será forte e que, mesmo com ela, não há garantias de intervenção do BCE, como sublinhou ontem para o caso espanhol. Alémdisso estamos também a ler:2. EconoTrolls: An Illustrated Bestiary. Noah Smith faz uma inspirada caracterização das várias espécies de economistas. Vale (mesmo) a pena ler;3. Target2 para miúdos. O PedroRomano trocou-nos por outras paragens: vale a pena continuar a lê-lo agora no seu "Desvio Colossal". Neste post salienta um dos temas mais quentes da política monetária: quem deve o quê a quem entreos bancos centrais do euro.4. Reinhart-Rogoff vs. Bordo-Haubrich (with grandstanding by John Taylor). Também por Noah Smith fica a análise a um dos último embates sobre se os EUA estão a recuperardesta crise mais rápido ou mais devagar do que em crises anteriores;5. Fact-checking financial recessions: US-UK update. Se nos EUA há espaço para debate sobre se recuperação económica nesta crise émelhor ou pior que no passado, no Reino Unido não há dúvidas: é muito pior, escrevem Moritz Schularick e Alan Taylor no Vox. Parece começar a desenhar-se a resposta a um dos primeiros "posts" do MassaMonetária.6. Semantics and the Debt Burden. Vamos lá ver se nos entendemos: dívida não é necessariamente um fardo para a geração futura! O debate regressa à agenda com frequência, mas nunca é demais...
tracking img