O roubo das agendas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 97 (24017 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Adriana Gattermayr Ribeiro
O roubo das agendas

O ROUBO DAS AGENDAS
Ilustrações: Fred Motta
Diagramação: Art Feita Design Gráfico

2002 Adriana Gattermayr Ribeiro
Direitos de publicação:
2002 Editora Melhoramentos Ltda.

Impresso no Brasil

1

Ao meu avô
Newton
e a todos os amigos que me iluminam.

Capítulo um
(Desenho de três garotos em um corredor próximos a uma porta.)Os três entraram pelo corredor agachadinhos, no maior silêncio. Guizinho
tirou a chave do bolso e tentou colocar na fechadura, mas suas mãos não
queriam colaborar:
- Vai logo, Guizinho! - sussurrou nervoso o Beca.
- Não dá, eu tô tremendo muito.
- Dá isso aqui - e puxou a chave da mão do menino.
Thiaguito achou que o Beca podia ser um trombadinha. Tinha talento:
nem uma tremida. Trêspalitos e já estava lá dentro. O primeiro teve vontade de
rir quando se imaginou contando para a dona Sônia: “Tia, o Roberto Carlos tem
um dom especial para roubar coisa dos outros. Precisa de ver.”
- Thiaguito, pára de rir! O que é que deu em você?
A frase o trouxe de volta à realidade:
- Nada. É que o Beca é bom mesmo nessa história de roubar.
- A gente não está roubando nada, sua mula manca!- Sssshhhhh! ! ! !
- A gente está só pegando emprestado... - completou Beca, bem baixinho,
trancando novamente a porta.
Missão cumprida, os três agentes secretíssimos deram no pé sem o menor
pudor. Correram não sei nem para onde, mas correram que nem uns malucos.
Quando estavam chegando perto da sala dos professores, o Beca parou.
- A gente tem que devolver a chave, antes que notem osumiço. Vou entrar
bem devagarinho, deixar a chave lá e me mandar. Me avisem se chegar alguém.
Beca enrolou a mão na camiseta e abriu a porta. Cara esperto, nada de
impressões digitais. Guizinho e Thiaguito acompanhavam a façanha do lado de
fora quando ouviram passos.
Olharam para o corredor.

Olharam um para o outro.
Olharam para o Beca lá dentro.
- A... - Thiaguito ia berrar, mas o Guizinhopôs a mão na boca dele.
- Ssshhh! ! Precisamos tirar o Beca dessa!
- Mas a dona Domingos está vindo aí. Vamos dar o fora!
Guizinho segurou o braço do amigo:
(Desenho de uma senhora e dois rapazes, um ao lado do outro. A frente só o rosto
de outro garoto com o olho esquerdo machucado.)
- Não! Vamos usar o plano B7.
- B7? ! ? ! ?
- É, Beca, Sete Vidas. Ele sempre escapa e vai tirar todo mundodessa
também.
- Ótimo plano!
- Meninos!
- Dona Domingos! !
- O que vocês estão fazendo aqui?
- Hã... É que... Sabe... A gente... A gente estava indo para a classe...
- Isso, classe! - concordou Thiaguito.
- Acontece que vocês estão cansados de saber que as classes ficam
trancadas durante o recreio, que é justamente pare ninguém entrar, não é,
meninos?
- É, é. A gente sabe, sim. Nãosabe, Guizinho?
- Sabe, sabe, claro que sabe!
- Então, o que é que vocês estavam fazendo aqui? - a voz engrossou: - Eu
quero uma resposta e eu quero agora!
Dona Domingos sempre dava uma entonação demoníaca no agora. Ela
realmente não facilitava as coisas. Como é que alguém consegue inventar uma
mentira plausível sob pressão?
- Vamos! Eu quero saber!
- O que a gente estava fazendo?
-Exatamente!
- O que a gente estava fazendo? - “funciona c érebro, funciona, droga!” Hã... O que a gente estava fazendo, Thiaguito?

Thiaguito ficou branco.
- Me levando para a enfermaria.
O plano B7 afinal funcionara. Lá estava o Beca, com um olho roxo surgido
não se sabe de onde e uma cara de “estou passando mal” fantástica.
- Roberto Carlos! O que aconteceu com você? ?
- Ai, dona Domingos, nemte conto! A gente viu um sujeito entrando na
nossa sala e fomos ver o que era. Acontece que era um ladrão e ele me socou
até... ai - sentou-se, curvado.
- Meu Deus! - precisamos avisar a polícia, a diretoria, o corpo de
bombeiros, o...
- Não!!! Quero dizer, não precisa... Quer dizer...
- O que ele quer dizer, dona Domingos, - interrompeu Guizinho - é que ele
achou que era um ladrão, mas...
tracking img