O monge e o executivo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4003 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Faculdade de Sistemas de Informação
Delta

RESENHA

Goiânia,
2011
Faculdade de Sistemas de Informação
Delta

RESENHA

Goiânia,
2011

1. Exercícios--------------------------------------------------------------------------------04
1.1 Perguntas------------------------------------------------------------------------04
2.2.Respostas-----------------------------------------------------------------------09

1. Exercícios
2.1 Perguntas

1. Ler atentamente o texto seguinte e responder às questões formuladas:

PIRANDELLO, Luigi. Henrique IV. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas. São Paulo: Edusp, 1991.

Luigi Pirandeilo é natural de Agrigento. Nasceu na Sicília, em 1867, e morreu em Roma, em 1936. Romancista,contista, poeta, ensaísta, dramaturgo. Uma de suas obras mais famosas e constantemente representada é Seis personagens à procura de um autor, de 1921.
Esta tradução oferece ao leitor brasileiro a oportunidade de conhecer o texto de Luigi Pirandeilo, que focaliza o homem que enlouquece, vítima de uma experiência desastrosa.Recupera sua saúde mental, mas prefere continuar fingindo-selouco, uma vez que se sente incapaz de enfrentar a realidade. Assim, o autor rompe os limites da loucura e da sanidade, da ilusão e da realidade, e já não pode saber o que é a verdade. Erige-se, portanto, o reino da total relatividade.
O leitor está diante de uma obra teatral do maior dramaturgo deste século. Um autor que é, ao mesmo tempo, irônico, sagaz e, às vezes, até pessimista.O significado de sua obra não pode ser apreendido imediatamente, numa leitura linear, ou como espectador burguês, freqüentador de teatro para puro exibicionismo ou divertimento. E grande aprofundidade das colocações de Pirandeilo e, conseqüentemente, grande seu valoi, bem como o prazer que se extrai do texto. Pirandeilo destaca-se particularmente pela análise que faz da realidade/ilusão,falso/verdadeiro, a verdade das relações humanas e a máscara social.
Para a crítica, o autor de Ofalecido Matias Pascal é considerado um autor intelectual, muito mais para ser lido e refletido que, propriamente, representado. Engano. Sua representação consegue manter o espectador atento, tenso com o desenrolar da ação e é capaz de levá-lo ao entendimento das idéias que subjazem ao texto. Emverdade, o autor criou um estilo próprio, inconfundível.
Em Henrique IV, a personagem principal inventa para si uma personagem e
transforma sua vida numa representação. Os espectadores e as próprias personagens que contracenam com Henrique IV vêem-no como louco, que pensa ser o imperador alemão do século XI. Vive numa casa de campo há 20 anos. Seus parentes transformaram apropriedade em um palácio e contrataram empregados para representar os mais diversos papéis, inclusive o de conde e de conselheiros.
Assim, todas as personagens representam para Henrique IV e alimentam sua loucura com encenações de situações históricas vividas pelo imperador alemão, particularmente suas discórdias com o papa Gregório VII.
No segundo ato, Henrique 1V revela aosempregados que sua loucura tivera a duração de 12 anos e que há oito anos está totalmente lúcido, isto é, somente nos últimos anos é que vinha representando, com tanta competência que ninguém percebera nada.
Por que Henrique 1V prefere a máscara da loucura à lucidez? Para rebelar-se contra a idéia de que o homem é o que a sociedade quer que seja. Retornando à vida normal, os outrosé que lhe imporiam uma máscara, roubando-lhe a liberdade de ação. Com a loucura, pode tomar a iniciativa e submeter todos a seus caprichos e desejos. Prefere a loucura à sanidade para poder viver com prazer, viver para “vingar-me da brutalidade de uma pedra que me machucara a cabeça!”
A desgraça de Henrique lv fora causada pela marquesa Matilde Spina e seu amante Belcredi....
tracking img