O megero

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 22 (5464 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
COMANDO DA AERONÁUTICA

ACADEMIA DA FORÇA AÉREA






CONCURSO DE ADMISSÃO 2000




CADERNO DE QUESTÕES DA PROVA DE PORTUGUÊS




CÓDIGO 41





INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA



1 TEMPO DE DURAÇÃO
– 3 horas, para resolução da prova, mais 15 minutos para o preenchimento do Cartão de Respostas.

1 MATERIAL PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA
– prancheta,caneta esferográfica azul ou preta, lápis preto nº 2 ou tipo B, borracha, apontador e Cartão de Identificação do candidato.
– Observação: é proibido o uso de qualquer instrumento como: régua, calculadora, relógio-calculadora, dicionário eletrônico, telefone celular ou qualquer outro aparelho eletrônico.

1 CONFERÊNCIA E IDENTIFICAÇÃO DO CADERNO DE QUESTÕES
– confira o Caderno de Questõesquanto a possíveis falhas na impressão e, no caso de ser encontrada qualquer falha que prejudique a leitura ou compreensão, comunique imediatamente ao fiscal;
– o Caderno de Questões deverá ser identificado com os dados do candidato;
– todas as 40 questões têm o mesmo valor (0,25 pontos) e, para efeito de correção e apuração do resultado, valerão somente as alternativas marcadas no Cartão deRespostas.

1 PREENCHIMENTO DO CARTÃO DE RESPOSTAS

– use somente caneta esferográfica azul ou preta;
– o número de inscrição do candidato e o código da prova deverão ser marcados no Cartão de Respostas, conforme o exemplo ao lado;
– as respostas deverão ser marcadas no Cartão de Respostas, preenchendo-se todo o espaço do círculo que contém a alternativa, conforme o exemplo abaixo;– serão consideradas válidas, na correção, somente as questões com apenas uma alternativa (a, b, c ou d) assinalada no Cartão de Respostas, computando-se como erradas as que fugirem dessa norma.

| | |
|NOME DO CANDIDATO ||
| | | | |
|NÚMERO DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO | |ASSINATURA | |FITA VERDE NO CABELO


(Nova velha estória)

Havia uma aldeia em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam, homens e mulheres que esperavam, e meninos e meninas que nasciam e cresciam. Todos com juízo, suficientemente, menos uma meninazinha, a que por enquanto. Aquela, um dia, saiu de lá, com uma fita verde inventada no cabelo.
Sua mãe mandara-a,com um cesto e um pote, à avó, que a amava, a uma outra e quase igualzinha aldeia. Fita-Verde partiu, sobre logo, ela a linda, tudo era uma vez. O pote continha um doce em calda, e o cesto estava vazio, que para buscar framboesas.
Daí, que, indo, no atravessar o bosque, viu só os lenhadores, que por lá lenhavam; mas o lobo nenhum, desconhecido nem peludo. Pois os lenhadores tinham exterminado olobo. Então, ela, mesma, era quem se dizia: ( “Vou à vovó, com cesto e pote, e a fita verde no cabelo, o tanto que a mamãe me mandou”. A aldeia e a casa esperando-a acolá, depois daquele moinho, que a gente pensa que vê, e das horas, que a gente não vê que não são.
E ela mesma resolveu escolher tomar este caminho de cá, louco e longo, e não o outro, encurtoso. Saiu, atrás de suas asas ligeiras,sua sombra também vindo-lhe correndo, em pós. Divertia-se com ver as avelãs do chão não voarem, com inalcançar essas borboletas nunca em buquê nem em botão, e com ignorar se cada uma em seu lugar as plebeiínhas flores, princesinhas e incomuns, quando a gente tanto por elas passa. Vinha sobejadamente.
Demorou, para dar com a avó em casa, que assim lhe respondeu, quando ela, toque, toque, bateu:...
tracking img