O livro rossi, aldo. arquitetura da cidade. são paulo: martins fontes, 1995. (parte iii e iv).

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (557 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
RESENHA DO LIVRO ROSSI, ALDO

O livro ROSSI, Aldo. Arquitetura da Cidade. São Paulo: Martins Fontes,
1995. (parte III e IV).
O conteúdo do texto a ser resenhado retrata a evolução dos fatosurbanos e as características da evolução em grandes cidades e a historia de Atenas e sua evolução.
A divisão no texto e de grande importância, fala sobre a cidade de Atenas, com seqüência em a Evoluçãodos fatos urbanos, as cidades e suas diferentes forças, a tese de Maurice Halbwachs e por fim sobre as características das expropriações.
A cidade de Atenas e a primeira idéia clara da ciência dosfatos urbanos, e a passagem da natureza a cultura, com essa passagem no próprio interior dos fatos urbanos, mas sempre nos oferece vários mitos.
Os fatos urbanos coincidem com o desenvolvimento dopensamento e a imaginação se torna história e experiência. A cidade Atenas tem sua origem e princípios gerais sobre o urbanismo na Grécia, e na Grécia que encontramos fundamentos de construir cidades comesquemas lógicos em todo o mundo romano.
Uma cidade pode mudar de acordo com o tempo, com fenômenos da natureza, econômicos e políticos. Em todas essas modificações, atuam muitas forças que se aplicamá cidade.
Nesse fato a um grande fator das forças, uma das mais existente e a força de natureza econômica onde essa força se manifesta nas cidades capitalista através da especulação, esse e o maiorfator para ter um grande crescimento das cidades.
Com duas teses diferentes podemos ver o ponto de vista econômico de Maurice Halbwachs que analisa o caráter das “expropriações”, e de Hans Bernoullicom sua tese da “propriedade privativa do solo”.
Na tese desenvolvida por Maurice Halbwachs que analisa o “expropriações”, seus fatos são de natureza, de acordo com a evolução da cidade, mas que doponto de vista econômico, cometer o erro de quem tem mais precisa mais rápido, de fator de produzir mas não sair do foco de produzir necessariamente mas que não muda de significado por se ter...
tracking img