O fim do mundo antigo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2720 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Norte do Paraná – UNOPAR
Curso de Licenciatura em História
Disciplina: Introdução aos Estudos Históricos
Acadêmica: Maria Eunice da Silva Ramos polo: Macapá (UCRI)
Tutora : Bernadete de L. Streisky Strang
Atividade: produção texto: O Fim do mundo antigo: uma discussão historiográfica.
1- No texto de Gilvan Ventura podemos perceber a preocupação com o uso dedeterminadas palavras. Termos como declínio, queda, bárbaro indicam uma concepção e uma interpretação do historiador sobre o período estudado. Com base nos conhecimentos da disciplina Comunicação e Linguagem e no texto lido, de que maneira Historia e Linguagem se relacionam?
2- Na Grecia Antiga nós tivemos uma importante passagem da linguagem mito-poetica para o discurso filosófico. Socrates,Platão e Aristoteles elaboraram importantes contribuições nesse campo. Na Roma Antiga a produção filosófica e literária foi também muito rica. Podemos destacar as obras de Cicero e Santo Agostinho. De que maneira a filosofia pode auxiliar a pesquisa historiográfica?
3- A interpretação do fim do império Romano como uma queda ou declínio indica uma determinada concepção teórica da Historia. Comentesobre a interpretação criticada por Gilvan Ventura e sobre a proposta interpretativa apresentada por ele.
INTRODUÇÃO
Pelo presente artigo intitulado “O Fim do mundo antigo: uma discussão historiográfica”, do autor Gilvan Ventura da Silva, parte de uma analise sobre as transformações observadas no conhecimento histórico a partir do século XVIII. A partir das analises do autor, observa-se asmúltiplas interpretações que os historiadores, no uso do seu fazer histórico ao analisar a historia em suas diversas dimensões: narrativas, descritiva, interpretativa, em fim, um novo olhar acerca de um determinado tema, um fato, um acontecimento. Isso nos leva a entender que o historiador tradicional deveria sair de uma postura simplista, mecânica, pouco reflexiva, apenas narrativa e descrita, parauma postura critica, analítica, interpretativa de fatos e fenômenos sociais, culturais e histórico de uma determinada sociedade, onde suas analises não pudessem ser somente analises politicas e documentais, não que fossem menos ou mais importantes, mas que outros fatores que pudessem alicerçar uma analise critica, exaustiva e reflexiva de um conteúdo, de um fato, como foi a queda do impérioromano. Tal fato, ele começa discorrendo sobre o declínio desta sociedade “O fim do Mundo Antigo sempre representou, ao longo da História, um apaixonante tema para todos aqueles que se sentiam atraídos pela “grandeza” e “decadência” de Roma, o que não nos deve suscitar uma excessiva admiração - a expressão “fim do Mundo Antigo” não possui, no espaço desse trabalho, nenhum conteúdo pejorativo, daíque a utilizaremos com freqüência, nas páginas subseqüentes, para definir o ápice de todo um amplo conjunto de transformações que vinham se processando no interior da sociedade romana desde o século III. Estas transformações redefiniram de tal forma o perfil da Civilização Clássica que se torna impossível negar que a Idade Média significou o advento de uma outra civilização, não obstante inúmeroselementos da cultura romana poderem ser detectados sem muito esforço ao longo de todo o período medieval”. Isso quer dizer que o papel da historiografia em muito contribui para os avanços em fazer historia, já que ela denota a arte e ou técnica de escrever historia, ou então refere-se a um conjunto das obras e métodos históricos de uma determinada época. Sendo assim, a obra de Gilvan Venturaacaba sendo uma critica sobre a maneira de fazer historia e a forma como se deve lançar um olhar diferente ao interpretar um fato, um acontecimento histórico. Como ele cita sobre a queda de Roma: “Para um maior esclarecimento sobre o assunto, consultar Fernández Ubiña (1982). Diante de um acontecimento tão insólito como este, os espíritos não poderiam permanecer serenos e passivos. Pelo contrário,...
tracking img