O evangelho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2411 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, ensina, no capítulo 4, parágrafo 4: “A ressurreição supõe o retorno à vida do corpo que está morto, o que a Ciência demonstra ser materialmente impossível, porque os elementos desse corpo estão, há muito tempo, desintegrados na Natureza.”. Esta é uma questão fechada no Espiritismo. Por isso, os kardecistas combatem a Ressurreição, procurandoconfundi-la com reencarnação. Porém, defender esta postura incondicionalmente significa se colocar contra Jesus, que além de ter ressuscitado três mortos, disse Dele mesmo: "Eu sou a Ressurreição e Vida; quem crer em mim, ainda que esteja morto, viverá". Leia este artigo de Juanribe Pagliarin e tire as suas dúvidas:

REENCARNAÇÃO ou RESSURREIÇÃO? 
(FATO OCORRIDO NO CULTO ECUMÊNICO DA FACULDADE DEDIREITO DO LARGO DE SÃO FRANCISCO – USP, vivenciado por Juanribe Pagliarin)

O Salão Nobre da Faculdade de Direito do Largo São Francisco estava lotado. Pais, mães, avós, amigos, em seus mais elegantes trajes, procuravam, orgulhosos, os lugares mais favoráveis para verem, do melhor ângulo possível, seus filhos e filhas, integrantes da 180ª. Turma, receberem o tão desejado Diploma de Formatura.Antes, porém, todos teriam de ouvir as autoridades eclesiásticas ali presentes que, esperava-se, diriam palavras de incentivos aos formandos. O primeiro a discursar foi um padre, seguido de um frei, um pastor, uma monja budista e um doutrinador kardecista. Este último, ao palestrar, afirmou categoricamente:

“Lázaro não morreu. O que ele teve foi catalepsia.”

A sua maneira de dizer,acompanhada de orgulhosa expressão facial, dava a entender que somente ingênuos e ignorantes poderiam acreditar que Lázaro realmente tivesse morrido. 

Algumas pessoas ao meu lado demonstraram simpatia pela sabedoria daquele instrutor que, quase dois mil anos depois do fato, desmistificou, à luz dos conhecimentos atuais, a ressurreição de Lázaro.

O distinto auditório, não obstante ser constituído depessoas cultas e esclarecidas, não dispunha de base teológica para analisar a veracidade ou não da afirmação e muitos a receberam como legítima ou – na pior das hipóteses – na dúvida: será? Por isso, este ensinamento kardecista merece ser melhor analisado.

Já que nem eu, nem o doutrinador espírita, nem uma junta médica, podem viajar no tempo e analisar o corpo de Lázaro na sepultura paraverificar se aquele caso era de morte ou catalepsia, só podemos chegar perto de alguma conclusão se analisarmos a única fonte histórica disponível: o capítulo 11 do Evangelho escrito por João, testemunha ocular dos fatos. Para tanto, vamos copiar o seu relato, na íntegra:

“Estava, porém, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta. E Maria era aquela que tinha ungido oSenhor com unguento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo. 
Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas. E Jesus, ouvindo isto, disse: 
– Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.
Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. Ouvindo,pois, que estava enfermo, ficou ainda dois dias no lugar onde estava. Depois disto, disse aos seus discípulos: 
– Vamos outra vez para a Judéia. 
Disseram-lhe os discípulos: 
– Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e tornas para lá?
Jesus respondeu: 
– Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; Mas, se andar de noite, tropeça,porque nele não há luz.
Assim falou; e, depois, disse-lhes: 
– Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono.
Disseram, pois, os seus discípulos: 
– Senhor, se dorme, estará salvo.
Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono. Então Jesus disse-lhes claramente: 
– Lázaro está morto; E folgo, por amor de vós, de que eu lá não estivesse,...
tracking img