O espectador comum: a imagem como narrativa9resumo)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (635 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Disciplina: Comunicação e artes visuais

Resumo

O espectador comum: A imagem como narrativa

Boa parte das pessoas prefere ter uma imagem veiculada a um texto para assim identificarmelhor as coisas, mas para Gustave Flaubert assim que um personagem é posto em forma de imagem perde seu caráter geral, fazendo com o que os leitores não possam mais ter a possibilidade de imaginarlivremente o que está sendo descrito em palavras, pois como ele dizia: “Uma mulher desenhada a lápis parece uma mulher, e só isso. A ideia, portanto, está encerrada, completa, e todas as palavras, então,se tornam inúteis, ao passo que uma mulher apresentada por escrito evoca milhares de mulheres diferentes.”
No século XVI o ensaísta Francis Bacon observou que, para os antigos, todas asimagens que vemos já estão em nossas memórias desde o nascimento. “Desse modo, Platão tinha a concepção”, escreveu ele, “de que todo conhecimento não passava de recordação; do mesmo modo, Salomão proferiusua conclusão de que toda novidade não passava de esquecimento.” Se isso for verdade, estamos refletidos nas numerosas e distintas imagens que nos rodeiam, somos essencialmente criaturas de imagens,de figuras. Aristóteles sugeriu que todo processo de pensamento requeria imagens. Sem dúvida, para o cego, outras formas de percepção, sobretudo mental. As imagens que formam nosso mundo são símbolos,sinais, mensagens e alegorias. Ou talvez sejam apenas presenças vazias que completamos com o nosso desejo, experiência, questionamento e remorso. Qualquer que seja o caso, as imagens, assim como aspalavras, são a matéria de que somos feitos.
Formalmente, as narrativas existem no tempo, e as imagens, no espaço. Durante a Idade Média, um único painel poderia representar uma sequêncianarrativa, incorporando o fluxo do tempo nos limites de um quadro espacial. Com o desenvolvimento da perspectiva, na Renascença, os quadros se congelam em um instante único: o momento da visão tal como...
tracking img