O enigma do capital e as crises do capitalismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2069 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O enigma do capital e as crises do capitalismo de David Harvey – um comentário de cabeça erguida

Compreensão da Crise

Robin Blackburn Financista (Centra-se na esfera do capital financeiro) Industrialista (Centra-se na esfera do capital industrial) Chris Harman

John Bellamy Foster

subconsumista

superacumulacionista

Compreensão da Crise
Divisória: autonomia da macroeconomiaExplicação

Divisória: o que divide os marxistas?

Financista

Industrialista

subconsumista

superacumulacionista

Marxistas nãomarxianos ou mesmo Marxistas keynesianos

Lei tendencial da queda da taxa de lucro

Marxistas marxianos

Explicação subconsumista

Explicação superacumulacionista

Justificativa da divisória
• Marx, no capítulo A lei tendencial da queda da taxa dejuros, afirma: “(...) tampouco toda a Economia até hoje (...) conseguiu descobri-la. (...) Dada, porém, a grande importância que essa lei tem para a produção capitalista, pode-se dizer que constitui o mistério em torno de cuja solução toda a Economia Política gira (...)”

O que é a lei de Marx?
Apresentação mecânica
Taxa de lucro =
+

=

(+)

=

+− (+)

=

+ r= [ − ]= s (1 –q) → + +

O que é... (cont.)
Apresentação mecânica
r = s (1 – q) Nessa igualdade, s = Eq
= +

→ taxa de mais-valia.

→ composição orgânica do capital

Lei na forma mecânica Como r = s (1 – q), se “s” permanece constante mas “q” se eleva, então “r” cai. Ora, ter-se-á uma lei mecânica válida se esse modelo reger de fato a acumulação de capital.

Por que essa explicação é mecânica??
Resp.: Sistema Fechado

Por que Marx fala em lei tendencial?

?
Resp.: Sistema Aberto

A lei em resumo
1) O MPC impõem uma lógica ao capitalista: a) economizar trabalho (aumentar a produtividade do trabalho). Daí, Marx, com mediações, vai tirar a lei da queda tendencial da taxa de lucro. b) incorporar mais trabalho (acumular, acumular). Daí Marx vai tirar a tendência ao aumento damassa de mais valia.

2) No processo da concorrência, os capitalistas são levados a introduzir novos meios de produção e a incorporar novas tecnologias. Ao fazê-lo, eles buscam aumentar sobretudo a produtividade do trabalho. Nota: A competição é um fenômeno muito mais complexo. O seu caráter acima ressaltado é crucial para entender a lei de Marx.

3) Para o capitalista individual, aumentara produtividade do trabalho implica em aumentar a taxa de lucro que pode obter.

Ao mesmo tempo, a vantagem competitiva lhe permite aumentar a massa de lucro que pode capturar.

4) As novas tecnologias tendem a substituir trabalhadores por meios de produção. Isto gera desemprego. E aumenta a composição orgânica das empresas inovadoras. Ora, isto aumenta, também, a composição orgânica dossetores em que as empresas inovadores produzem. Assim como, da economia como um todo. Porém, o capitalista individual não se preocupa com isso.

5) Por que cai a TLM? Como o trabalho cria valor, menos trabalho vivo significa menos valor. A inovação poupadora de trabalho aumenta o trabalho morto em detrimento do trabalho vivo. São dois lados da mesma moeda: cai a TLM e aumenta a produtividade dotrabalho. Marx: “a taxa de lucro não cai porque o trabalho se torna menos produtivo, mas porque ele se torna mais produtivo”.

6) As empresas inovadoras aumentam a produtividade para obter mais lucro. Ela não sabem que os seus trabalhadores produzirão menos valor e menos mais-valia. Como isto é possível? Sem que saibam, as empresas avançadas tecnologicamente “chupam” mais-valia das empresasatrasadas tecnologicamente e de outros setores.

Assim, em consequência, nas empresas inovadoras, a taxa de lucro sobe, mas no setor e na economia como um todo, a taxa de lucro cai.

Marx: “Como tudo na concorrência, e portanto na consciência dos agentes da concorrência, se apresenta de modo invertido, assim também essa lei...”

7) A lei é tendencial. Surgem contratendências: algumas são...
tracking img