O enfermeiro e o paciente idoso

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 12 (2755 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 6 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
FUNDAMENTAÇÃO CIENTÍFICA
Ao longo dos anos, a população idosa vem crescendo em todo o mundo. No Brasil, se não for bem administrado, o aumento dessa população poderá ocasionar situações constrangedoras, principalmente na saúde, em virtude da precariedade dos convênios médicos e do baixo salário da aposentadoria dos idosos.
Com a saúde vem também o problema da família, pois os parentes têmdificuldades para cuidar dos seus idosos, encaminhando-os às instituições popularmente denominadas asilos, casas de repouso ou instituições geriátricas.
O grupo etário dos idosos foi aquele que mais cresceu e que mais crescerá em relação aos outros. Calcula-se que em 2025 o aumento percentual da população idosa dos países em desenvolvimento será maior do que o dos países desenvolvidos. O Brasilterá a 6ª maior população de idosos em número absolutos, com 32 milhões de indivíduos gerônticos, estimados em 15% da população.
Nos últimos 30 anos, essa transição demográfica vem ocorrendo de forma expressiva em nosso país. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica o Brasil como um país estruturalmente envelhecido, uma vez que a população acima de sessenta anos já ultrapassa 7% do totalde habitantes.
Com o crescimento da população e a dificuldade em conciliar familiar e moradia, os idosos mais rejeitados são levados para as casas de repouso ou asilos. Essas instituições são geralmente um caminho sem volta, porque tanto a família como a comunidade tendem a se esquecer dos seus idosos internados. Estes, por sua vez, acabam perdendo a real identidade e cidadania, emdecorrência das condutas e comportamentos regidos pelas normas das instituições em que estão inseridos e muitas vezes chegam a desfalecer por desgosto.
É muito sorrateira a forma como o adulto tiraniza o idoso que se encontra em sua dependência. Segundo Beauvoir o idoso nessas condições é manobrado de acordo com a persuasão de quem lhe dirige a palavra e muitas vezes enganam-se com a falsa impressão deque seu familiar está agindo a seu favor, quando na realidade está apenas recorrendo a forças e mentiras para que o idoso ceda às vontades dele. E quando falham “as astúcias e a persuasão”, o familiar trata de convencê-lo a ir provisoriamente para um asilo e então o abandona sem explicação alguma.
Infelizmente o idoso institucionalizado acaba sendo esquecido até mesmo em instituições geriátricasparticulares. Isso ocorre, na maioria dos casos, em locais que visam apenas lucro. Fatores como a contratação de mão-de-obra barata não habilitada legalmente e a não-observância da estrutura física adequada da unidade repercutem consideravelmente no bom desenvolvimento das atividades técnicas de saúde e do próprio idoso institucionalizado (CONSIDERA 1996).
Para Carvalho e Fernandez (1996), ainstitucionalização é uma das situações estressantes e desencadeadoras de depressão, que levam o ancião a passar por transformações de todos os tipos. Esse isolamento social o leva à perda de identidade, de liberdade, de auto-estima, ao estado de solidão e muitas vezes de recusa da própria vida, o que justifica a alta prevalência de doenças mentais nos asilos.
A qualidade do atendimento dado aoidoso institucionalizado vem sendo cada vez mais comprometida, concorrendo para que seja comum encontrar problemas como: uso excessivo de tranqüilizantes, restrições físicas, ambientes com sujidades e odor fétido, superlotação, má alimentação ou alimentação inadequada, proprietários e administradores despreparados ou indiferentes e falta de pessoal qualificado, entre outros problemas (FERRARI,1991).
O asilamento ou institucionalização pode trazer inúmeras conseqüências, pois toda mudança, por mais simples que seja, implica em fatores positivos ou negativos. A principal mudança é a adaptação à vida asilar, pois por mais conformado que esteja o idoso com a idéia de morar no asilo, ele tem seus passatempos, seus costumes, seus afazeres, o papel do avô/avó, pai ou mãe. No asilo, ele é...
tracking img