O encontro do leitor com a palavra alheia: leituras bakhtinianas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (516 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
RAMOS, Bruna Soares; SHAPPER, Ilka. O encontro do Leitor com a Palavra Alheia: Leituras Bakhtinianas. Revista Teias Vol. 10, nº 19. Rio de Janeiro, UERJ, 2009




No artigo ‘’O Encontro doleitor com a palavra alheia ‘’, Shapper e Ramos discutem a leitura, a partir das relações que o sujeito leitor estabelece com o discurso alheio, baseado no que Bakhtin (1983) classificou por discursode autoridade.
Segundo as autoras, no cenário acadêmico, a díade tem sido discutida nos muitos estudos que deram visibilidade às práticas leitoras desenvolvidas no cotidiano escolar. É omomento em que os usos sociais da língua assumem o seu protagonismo nos estudos sobre a leitura, colocando em cena as diversidades do modo de ler. Esses estudos também colocam em xeque trabalhado naescola.
Elas dizem que apesar de não se ater a questões específicas do campo educacional, o acento de sua obra na centralidade da linguagem e na importância da constituição da consciência social dosujeito, nos permite tecer as aproximações deste ensaio. As expectativas das autoras são mapear o movimento discursivo que coloca a leitura no lugar privilegiado de encontro da palavra própria com a palavraalheia.
As autoras explicam que o discurso autoritário se funda no estatuto de verdade absoluta, consolidando ou reforçando significados fixos que não se modificam em contato com outras vozes, aocontrário do discurso de autoridade, a palavra internamente persuasiva não é finita, abre-se para muitas possibilidades de inferência do discurso interior.
Shapper e Ramos afirmam que é noprocesso da compreensão ativa que podemos entender a distinção entre sentido e significação, já que esta compreensão é uma forma de diálogo que possibilita ao locutor-ouvinte espaços de oposição nacontrapalavra, na réplica. É, portanto, no interior da comunidade semiótica que o signo linguístico, e, por conseguinte, a indissociabilidade de sentido-significado, explicam as autoras.
As autoras...
tracking img