O cavalo e suas encilhas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1134 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O Cavalo e sua encilhas.

|"O cavalo é o maior companheiro do |
|gaúcho. Nas lides campeiras ele |
|é o senhor das distâncias, a maior|
|relíquia do peão posteiro". |

O cavalo foi introduzido no atual território rio-grandense, em 1634, pelos padres jesuítas, nas Missões. Molhado pelas águas do Rio Uruguai, pisou em nosso solo, selando a convivência campeira das três pátrias irmãs:Uruguai, Brasil e Argentina.

O cavalo era desconhecido dos nativos e em pouco tempo tornou-se o maior patrimônio guerreiro dos índios Charruas, Jaros, guaranis, Minuanos, etc., que habitavam a região do Tape. Os Charruas foram os mais hábeis cavaleiros de nossa história. Muitas reduções jesuíticas receberam o cavalo pelos índios Jaros, nas investidas contra os Charruas.

Quando o cavalo pisava osolo pampeano, pela primeira vez, seu relincho altivo foi a marca da soberania de uma era. O cavalo entrou em nosso Estado, seguindo a mesma rota do gado “Aspas Longas’, aqui chamado de ”Gado Franqueiro”, trazido do Uruguai, pelos missioneiros. Essa raça bovina encontramos, até hoje, em nossa tropa sul-rio-grandense.

O Rio Grande do Sul tem tradição na criação de cavalos. O Cavalo Crioulodesenvolveu muito, levando nos cascos, para todo o Brasil, a mistura dos pisoteios do trabalho, dos desfiles de convivência, das provas de cancha reta, da elegante imponência e de muitos rufos de balas. O verde pampa é um painel de uma terra tão heróica, estampado na linhagem de uma raça bem crioula.

O cavalo, em nossa rica linguagem regionalista, é chamado, carinhosamente de “Pingo”. Muitosescritores regionalistas sustentam que pingo é o cavalo bom, corredor, vistoso, árdego e fogoso. Defendemos a tese do animal pequeno e corredor, que teria, inicialmente, sido chamado de pingo.

O cavalo ocupa lugar de destaque em nossa terra. O homem doma o cavalo para tomar seus serviços. A convivência desenvolve o companheirismo, dotando-os de uma mútua afeição. Com que carinho o peão trata commuita estima. Prova desse entendimento mútuo está no episódio da morte de Sepé Tiaraju, quando seu cavalo, deixando fluir o sentimento, tudo fez para salvar seu companheiro de lutas.

O cavalo é o centro das atenções nas carreiradas, tropeadas, rodeios, campereadas, marcações, domas e, especialmente, nos desfiles comemorativos. O cavalo foi uma das principais armas dos guerreiros deantigamente. Um homem bem montado tinha passaporte garantido para a vitória. Tanto que, no Velho Mundo, numa sangrenta batalha, um poderoso rei, sentindo-se derrotado, proferiu a famosa frase: “Meu reino por um cavalo”! Oferecia a coroa real em troca de um cavalo.

O gaúcho nunca se separa do cavalo, montando-o, sempre, pela esquerda. A direita é o lado de laçar. O Rio grande do Sul é o paraíso dasmanadas de grande beleza. São baios, alazões, pangarés, etc. Um homem bem montado sempre trilhou os caminhos da vitória e colheu os louros reservados para pessoas caprichosas e de coragem.

Para o gaúcho, o cavalo é o "animal", por excelência, usado quase que exclusivamente para montaria. Já o índio rio-grandense, vencido o temor que o animal desconhecido lhe causava, cavalgava altivamentepelas coxilhas, montando "em pêlo" ou, mais tarde, como mostram desenhos do pintor Debret, num tipo de sela primitivo: num "xergão" sobre o qual havia uma "carona", presa por uma espécie de "cincha", governando o cavalo por uma corda que lhe era amarrada no queixo.
Hoje os arreios, isto é, as peças necessárias para encilhar o cavalo, os chamados "aperos" ou "preparos" são bem mais...
tracking img