O brincar para a educação não é brincadeira é coisa séria

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3241 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU

ANDREIA APARECIDA DA SILVA
DEBORAH MIRANDA ALVARES
LUDMILA THEODORO LAUREANO

 
O BRINCAR PARA A EDUCAÇÃO NÃO É BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

 

Bauru
2009

ANDREIA APARECIDA DA SILVA
DEBORAH MIRANDA ALVARES
LUDMILA THEODORO LAUREANO

 

 
O BRINCAR PARA A EDUCAÇÃO NÃO É BRINCADEIRA É COISASÉRIA

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pedagogia da Faculdade Anhanguera de Bauru, como requisito parcial para obtenção do título de Licenciatura em Pedagogia.

Orientador: Prof.ª Dr.ª Vera Mariza Regino Casério

Bauru
2009

ANDREIA APARECIDA DA SILVA
DEBORAH MIRANDAALVARES
LUDMILA THEODORO LAUREANO

O BRINCAR PARA A EDUCAÇÃO NÃO É BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pedagogia da Faculdade Anhanguera de Bauru, como requisito parcial para obtenção do título de Licenciatura em Pedagogia

Aprovado em: ___/___/___.

BANCA EXAMINADORA_____________________________
Prof. Dr.xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

_____________________________
Prof. Dr.xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

_____________________________
Prof. Dr.xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Faculdade Anhanguera de Bauru

Amarelinha, chicote-queimado,

Roda pião, esconde-esconde,Bola de gude, pega-pega,

Cantigas de roda, cabra-cega...

Você não sabe? Não aprendeu?

Pobre criança de hoje,

Trancada na sala

Pra ver tevê...(Extraído de “Sonhos de criança”, Belo Horizonte: Nova Safra; Blumenau: FURB, 1988)

RESUMO

Inicialmente a criança dispõe apenas de sua atividade motora, as pessoas do meio social interpretam um ato de apontar (gesto/movimento), como um pedido de algo para o qual o dedo aponta e esta criança internaliza que ao apontar o dedo o adulto vai dar o objeto. Então gradativamente ela desenvolve suacapacidade simbólica, assim no pensamento silencioso a criança executa mentalmente o que originalmente era uma operação baseada em sinal. Tal diálogo interno libera a criança de raciocinar a partir da situação social imediata e permite controlar seu próprio pensamento. Vygotsky (1997) cria um conceito para explicar o valor social no desenvolvimento cognitivo, denominado de Zona doDesenvolvimento Proximal. As pessoas do convívio social das crianças atuam na zona de desenvolvimento proximal de forma natural. Com a entrada da criança na escola, o professor deve ensinar de forma que a atividade faça sentido, a partir da necessidade da criança, assim como ocorria antes, como por exemplo, quando ela aprendeu a andar e seus pais atuaram na ZDP dela ao auxiliar esta criança aandar.Tudo bem mais como fazer sentido dentro da escola? Para dar sentido a uma atividade de cálculo, por exemplo, o professor usa o faz de conta e monta um mini mercado. Trazer o imaginário, o faz de conta para dentro do contexto escolar, pois este tipo de brincadeira conduz o aprendizado social e conseqüentemente implica desenvolvimento cultural. E não é isso que nós professores queremos !?Palavras-chave: CAPACIDADE SIMBÓLICA, ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL, ENSINO APRENDIZAGEM, BRINCADEIRA

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ................................................................................................6
2. PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM...............................................7
2.1. VYGOTSKY E O PAPEL DO BRINQUEDO NO PROCESSO DE ENSINO E...
tracking img