O banquete - resenha

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (952 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
“O Banquete” é uma narrativa feita por Apolodoro ao seu companheiro de jornada, a caminho de Atenas. A refeição oferecida por Agaton tem como convidados Sócrates, Fedro, Pausânias, Erixímaco,Aristófanes e Alcibíades.
Apolodoro começa a história contando que o banquete fora há muitos anos, na casa de Agaton. Disse que por acaso encontrou Sócrates naquele dia e por ele foi convidado a participarde tal festa. Lá chegando, foi muito bem recebido pelo anfitrião, o qual realmente desejava sua presença, e só não o tinha convidado pessoalmente por não tê-lo encontrado.
Reunidos, por sugestão deErixímaco, ficou decidido que a refeição não acabaria em embriaguez, mas que beberiam com moderação. Assim, solicitaram a ele que definisse o assunto da palestra que teriam, ao que ele respondeu compalavras de Eurípides: “Não é estranho que (...) nenhum só canto (seja feito) à glória de Eros”, e como o tema agradou a todos, decidiu-se que cada um faria um elogio ao deus do amor.
O primeiro atomar a palavra foi Fedro, dizendo que o grande deus Eros, havia sido o “primeiro de todos os deuses gerados de deusa que governa o mundo”. Segundo ele, o deus faz nascer tudo que é belo, e que “nãohaveria homem assaz covarde, que o Amor não animasse de coragem, igualando-se ao mais valoroso”. Que somente os que amam sabem morrer um pelo outro, e os deuses aprovam os sentimentos que procedem o amor,por isso, seria mais divino “o apaixonado”, inspirado por um deus, que “o eleito” de seu amor.
Assim, terminou Fedro seu discurso, e foi sucedido por Pausânias. Ele afirma que Eros é dividido entrebem e mal, real e divino. Explica que há dois Eros, assim como duas Afrodites: A “Afrodite Vulgar” é o amor dos homens comuns, que se apaixonam pelo corpo e nunca pela alma da pessoa amada; já a“Afrodite Celeste” é o amor mais maduro e sábio, disposto a amar a vida inteira. Pausânias crê que deve-se amar, preferivelmente, os mais nobres e virtuosos, ainda que não possuam os mais belos corpos,...
tracking img