O advogado de deus

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 514 (128337 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
O ADVOGADO DE [pic]

Ditado Por Lucius

Zibia Gasparetto

Capítulo 1

O salão estava cheio e a festa, animada. Os pares dançavam alegremente ao som da música agradável. Tudo estava impecável. Maria Alice olhava satisfeita, atenta aos convidados, observando todos os detalhes para que nada faltasse. Com classe e finura, deslizava entre eles, dando uma palavra aqui, um sorriso ali,segura de seu charme, certa de sua beleza. Mulher habituada ao brilho dos salões, sabia como receber com luxo e distinção.
Seu marido, Antônio de Almeida Resende, rico e de importante família do Rio de Janeiro, militava ativamente na política, tendo sido eleito deputado federal. Costumava reunir em sua casa pessoas famosas, artistas no ápice da fama, políticos, empresários, a classe A. Osconvites de suas recepções eram muito disputados e todos consideravam uma honra comparecer a uma de suas festas.
Tanto Maria Alice quanto o marido e seus dois filhos, Lanira e Daniel, apareciam constantemente nas colunas sociais das revistas da moda. Lanira, dezenove anos, corpo bem-feito, tez morena, cabelos castanhos, olhos negros grandes e brilhantes, sempre elegante e vestida na últimamoda, chamava atenção por onde passava. Voluntariosa, habituada a ser servida e valorizada, não se relacionava com facilidade. Educada, tinha muitos conhecidos, mas seria difícil encontrar alguém que privasse de sua intimidade.
Daniel, vinte e dois anos, alto, mais claro do que a irmã, cabelos castanhos e ondulados que o sol descoloria ainda mais colocando neles reflexos dourados. Elegante,afável e cordato, tinha muitos amigos, acabara de se doutorar em Direito.
O pai sonhava introduzi-lo na política. Daniel tinha todas as qualidades para isso. Simpático, amável, aparência bondosa e principalmente uma perspicácia que muitas vezes o surpreendia. Mas, apesar de sua insistência, Daniel não se decidira.
— Tenho outros planos — dizia quando o pai tocava no assunto.
—Nada pode ser melhor do que servir ao país! — argumentava ele convicto. — Você terá o apoio de nosso partido e obterá vitória fácil. Ê uma profissão honrosa e rendosa. Não pode haver caminho melhor!
— Não penso assim. Você vive preso a compromissos com os homens do partido, com o povo, com o governo, com as organizações. Não pretendo escravizar-me dessa forma. Sou livre e quero fazer o quegosto.
— Neste mundo não se pode fazer só o que se gosta! Cedo descobrirá que está errado. Para progredir terá que transigir. Não há outra maneira de vencer.
Daniel olhou-o pensativo e em seus olhos havia uma expressão indefinível ao dizer:
— A vida não é só o que parece estabelecido. Há diferentes caminhos para se chegar ao que se quer. Pretendo encontrar o mais curto.Antônio meneou a cabeça negativamente:
— Arroubos da mocidade, meu filho! Escute o que eu digo. Tenho experiência. Se quer o caminho mais curto, entre para a política. Terá fama, respeito, dinheiro, tudo.
Ele riu e não respondeu. Seu pai era um vencedor, respeitado, rico, bem-visto na sociedade, mas ele não concordava com suas idéias. Desde muito jovem observava a vida familiar eembora se relacionasse bem com o resto da família, respeitando seus pontos de vista, sentia que seus valores eram diferentes.
Quando os comentários em casa corriam soltos sobre as últimas fofocas sociais, quem aparecera mais em sociedade, quem estava decadente ou quem liderava neste ou naquele setor, Daniel entediava-se. Não sentia nenhum interesse por essas futilidades. Não dava nenhumaimportância aos sobrenomes, às posições ou aos poderes das pessoas.
Gostava da espontaneidade, olhava as pessoas apreciando seus aspectos de personalidade, valorizando-as pelas qualidades que descobria ou pelo brilho de sua inteligência.
Quando seus pais reclamavam porque ele não participava das conversas familiares, ele explicava:
— Vocês criticam todo mundo! Enxergam somente os...
tracking img