O absurdo da agricultura

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1182 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS
NOME: Matheus Evaldt
Matrícula: 192489
Data: 04/01/2013
Resenha: “O absurdo da agricultura”
por José A. Lutzenberger

A agricultura, atividade econômica datada de 10 a 15 mil anos atrás, vem se desenvolvendo ao longo da história. Belos métodos agrícolas foram desenvolvidos, que alguns duraram até a segundaguerra mundial. A indústria, a partir do seu crescimento, tem apropriado a atividade agrícola, tomando dos produtores os meios de produção, que gera seu lucro, e deixando-lhes os riscos, inerentes a atividade agrícola. O argumento em favor da agricultura moderna é o eficiente meio de produção de alimentos e erradicação da fome.
O conhecimento científico pode proporcionar ganhos para a produçãoagrícola, porém, não precisa ser direcionado para monoculturas gigantescas, altamente mecanizadas. A produção colonial esteve por trás da marginalização de milhões de pessoas e a escravidão na África – uma das maiores calamidades da história da humanidade.
A agricultura moderna não é sustentável. Ela obtém sucesso exaurindo o solo e substituindo a fertilidade perdida mediante nutrientes que vêm defora: fertilizantes comerciais, tais como os fosfatos provenientes de minas que estarão brevemente esgotadas. Enquanto todas as formas de agricultura tradicional têm um balanço de energia positivo, a agricultura moderna perverte até mesmo este aspecto fundamental. Em sua maior parte, tem balanço de energia negativo.
O antigo campesinato era um sistema de produção, manipulação e distribuição dealimento, e ainda produzia seus próprios insumos. A rotação da terra era feita de forma totalmente orgânica. A pouca manipulação ou beneficiamento que os alimentos sofriam era feita na propriedade ou na aldeia, assim como os instrumentos de produção.
O agricultor moderno é apenas uma pequena parte da grande infraestrutura tecnoburocrática que compõe o agribusiness. Comparado com o seu antecessor,que realizava praticamente todas as atividades envolvendo a produção, hoje ele não é mais do que um tratorista e espalhador de venenos.
O sistema atual de produção de alimentos (incluindo fibras e alguns outros itens não comestíveis) começa nos campos de petróleo, passando por toda uma indústria (refinarias, siderúrgicas, etc) além de computadores, supermercados e toda uma nova indústria que nãoexistia no passado.
Os economistas clássicos tratam as fábricas de tratores e colheitadoras, indústria de maquinários, as fábricas de fertilizantes químicos e agrotóxicos, a indústria química e assim por diante, como se nada tivesse que ver com os alimentos. O que de fato acontece, então, é redistribuição de tarefas e certas formas de concentração dos poderes nas grandes empresas, e não umamaior eficiência na produção agrícola. Ao analisar detalhadamente o sistema moderno de produção e distribuição, se conclui que além de não ser mais produtivo por mão de obra, tampouco é mais eficiente em produtividade por hectare.
A política agrícola oficial tem sempre apoiado os grandes à custa dos camponeses. Centenas de milhares deles tiveram que desistir e ir para as cidades, frequentementepara as margens, formando favelas e lugares pobres. No estado de Rondônia, por exemplo, uma devastação foi feita com dinheiro do Banco Mundial. Outro exemplo é o Cerrado brasileiro, que está quase totalmente destruído em função das plantações de soja.
Os índios camponeses do Chiapadas, México, lutam por sobrevivência ao contrariar o NAFTA, Mercado Comum Norte-Americano, devido a produção maciçadas grandes corporações, que competem com suas plantações de milho. A marginalização desses agricultores é um dos grandes desastres dos tempos modernos. Ao chegar às favelas das cidades terão de comprar comida cultivada em monoculturas que são menos produtivas do que as delas. Em última análise, existe menos comida e mais pessoas para alimentar.
Outro aspecto absurdo diz respeito às rações...
tracking img