E. coli

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1570 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
EHE/STEC – E. coli enterohemorrágica

Características

Os diferentes tipos de Stx apresentam variações até a sua potencia, possivelmente relacionadas a maior ou menor afinidade pelo receptor na superfície celular e/ou maior eficiência no transporte intra e intercelular.

Aderem às células no intestino grosso, onde produzem uma exotoxina (Shiga – Stx), que causa uma forma grave de diarréiasanguinolenta (CH –Colite hemorrágica) na ausência tanto de invasão da mucosa como de inflamação.

É associada a surtos de insuficiência renal aguda (SHU – Síndrome hemolítico urêmica) que tem potencial de risco de morte.

Dentre o quadro clínico, apresenta-se febre, insuficiência renal aguda e anemia. Anatomicamente observa-se na mucosa intestinal, lesões do tipo A/E (Attaching andeffacing).

Patogênese

1. Passa pela barreria gástrica devido a adaptação a acidez do estômago.

2. Atinge o intestino grosso onde aderem á mucosa, proliferame liberam Stx.

3. A Stx é absorvida pelo epitélio intestinal, entrando na circulação sanguínea.

Liga-se aos leucócitos polimorfunucleados.

4. Stx reconhece as células alvo e se liga ao receptor glicolipídicoglobotriciluramida (Gb3) que é expresso principalmente nos pequenos vasos das células endoteliais do rim, intestino e cérebro.

5. Ocorre internalização de Stx por endocitose mediada por receptor.

Ocorre interação da toxina com componentes subcelulares, resultando na inibição da síntese protéica ou apoptose.

*Outras células como as dos túbulos renais, células mesangiais, monócitos eplaquetas podem também ser afetados pelas toxinas.

8. A ligação da toxina ao seu receptor inicializa então, uma cascata de reações que inclui coagulação e processos inflamatórios que resultam na SHU.

9. No cólon ocorre rompimento dos vasos do glomérulo levando à insuficiência renal.

EAEC – E. coli enteroagregativa

Características

Causam diarréira dos viajantes e diarréiapersistente em crianças pequenas.

Produzem toxinas: EAST-1 (termoestáveis) e Pet (plasmid encoded toxin – Proteína envolvida na colonização intestinal), esta última rompe o citoesqueleto.

Podem ser encontradas em locais estéreis como bexiga ou na corrente sanguínea. Quando na bexiga podem provocar infecções do trato urinário (ITU), acometendo principalmente as mulheres devido a proximidadeno ânus á vagina.

Patogênese

1. Induz um aumento na secreção do muco na mucosa intestinal.

2. As bactérias emaranhadas formam biofilme.

*Este processo está envolvido na capacidade de a bactéria colonizar e causar doença persistente e má absorção de nutrientes.

3. Induzem encurtamento das vilosidades intestinais, necrose hemorrágica do topo das microvilosidades e umaresposta inflamatória branda com edema e infiltração mnonuclear na submucosa. (Elaboração de toxinas).

- Amostras podem provocar efeitos citotóxicos, provocando carcinomas intestinais.

Ocorre má absorção de fluidos e solutos, causando desnutrição.

- A natureza persistente da doença ocorre devido a demora no reparo da mucosa lesada, desnutrição ou de outros comprometimentos do hospedeiro.ETEC – E.coli enteroxigênica

Através da pili, aderem-se a mucosa do trato intestinal (intestino delgado) e produzem enterotoxinas.

Causam hipersecreção de íons de sódio, inibindo a reabsorção de sódio. O intestino fica repleto de fluidos, resultando em diarréia líquida que dura dias.

Patogênese

1. Adesão aos receptores específicos presentes na superfície do epitélio intestinalatravés de estruturas denominadas fatores de colonização (CFs). *CFs=CS (antígeno de superfície de coli).

2. As enterotoxinas provocam alterações nos níveis intracelulares de nucleotídeos cíclicos levando à alteração do equilíbrio hidrossalino do lúmem intestinal, resultando na secreção de eletrólitos e, conseqüentemente, na redução da absorção de água. A eliminação de água ocorre então...
tracking img