A violencia nas cidades

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (488 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A VIOLÊNCIA NAS CIDADES
Hoje vivemos em uma sociedade em que as notícias de violência nas grandes cidades crescem diariamente em todos os lugares. Todos os dias somos surpreendidos com reportagensou noticiários em que um cidadão sofreu algum tipo de violência, como: roubos, assaltos, invasão ao domicilio...seja por meio de jornais, TV ou rádios.
Uma reportagem da revista VEJA, publicou no dia29 de fevereiro de 2012 com o título de capa “RETRATOS DO MEDO”, que retratou sobre a violência na cidade de São Paulo. Ela disseca a violência em que a população paulistana sofre quase quediariamente. Em uma amostra populacional realizada com 1978 moradores da cidade, 76% já foram abordados por assaltantes, 81% tiveram pessoas da família vítimas de alguma violência e 71% consideram a metrópoleinsegura. Podemos dizer que proporcionalmente de cada dez habitantes da cidade, oito deles já sofreram algum tipo de violência em algum momento da vida cotidiana.
Será que este mesmo índicepercentual é tão alto em comparação as cidades do interior?
A mulher é mais suscetível à violência que os homens?
A cidade de Jundiaí mostra uma porcentagem maior que as demais cidades da região dointerior?
Considerando o índice de abordagem por assaltantes nessa mesma linha de estudo, foi realizada outra pesquisa, mas especificamente de caráter qualitativa e quantitativa, onde foram eleitas ascidades de Jundiaí, Itatiba e as demais cidades da região para uma nova pesquisa; com uma amostragem significativa de alunos da Universidade Paulista UNIP Jundiaí.
Foram pesquisadas 112 pessoas nototal, sendo que em Jundiaí foram entrevistadas 58 pessoas, equivalente a 51,8%; Itatiba com 24 pessoas (21,4%) e as demais cidades com 30 pessoas (26,8%). Dentre os entrevistados 72 pessoas (64,3%) foramdo sexo feminino e 40 (35,7%) do sexo masculino.
Considerando somente as mulheres, 25% delas já sofreram algum tipo de abordagem por assaltantes. Já entre os homens houve um “equilíbrio”...
tracking img