A vida na porta do frigorifico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1544 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
APARIÇÃO, VERGÍLIO FERREIRA
❑ CLASSIFICAÇÃO LITERÁRIA DA OBRA
Aparição pode classificar-se de romance metafísico, porque proporciona as condições para uma reflexão filosófica, ou seja, reflecte sobre a complexidade da condição humana. A obra associa à racionalidade da filosofia uma dimensão emotiva, possibilitando o leitor um enriquecimento intelectual e ético.
❑ESTRUTURA DA NARRATIVA
A diegese (história) desenvolve-se ao longo de 25 capítulos enquadrados por um prólogo (cuja função é apresentar-nos o narrador, recordando, e em acto de escrita) e um epílogo, dividido em 4 partes (as 2 primeiras partes dizem respeito à história ocorrida em Évora; a 3ª parte contém informação de ordem autobiográfica; a última parte retoma circularmente a situaçãoinicial).
Tanto o prólogo, que contém os temas da obra, como o epílogo estão em itálico para sublinhar o mais importante, aquilo a que Vergílio Ferreira chama “o tom”.
Para além destes textos, o romance é constituído por 2 acções: a secundária – o que se passa na aldeia com a família (acontecimento determinante: a morte do pai), e a principal – os acontecimentos que a sua presença e a sua palavra vãodesencadear em Évora.
A diegese organiza-se ao ritmo do ano escolar: de Setembro até às férias do natal, Alberto Soares lança a perturbação nos espíritos predispostos para ela (Ana Sofia e Carolino). Neste espaço de tempo, há referências à família do protagonista, à casa paterna e à infância, feitas em rememoração. No capítulo XI, parte para férias, e até ao capítulo XIII, apresenta questõesfamiliares e metafísicas a Tomás. O conjunto de capítulos XIV a XXI é importante para o desenrolar dos acontecimentos: a morte de Cristina e a reacção que provoca em Ana, o início das relações entre Sofia e Carolino e a ruptura deste com o professor. No capítulo XXII, nova interrupção com as férias da Páscoa e a partida de Alberto Soares em viagem em direcção ao Norte (pág. 237). Nos últimos 3capítulos, os acontecimentos precipitam-se: Ana resolve a sua angústia com a adopção, Sofia desdenha desta solução e assume cada vez mais a sua loucura. A narração termina com o assassinato de Sofia, que coincide com o final do ano lectivo.
Tal como há duas acções, há duas séries de personagens, em função de 2 espaços e vários tempos.
❑ ESPAÇO (em Vergílio Ferreira, é simbólico emetafórico)
• Espaço Físico
- Évora: aparece como uma cidade irreal, fantástica (págs. 26/189)
- A Montanha: é, para Vergílio Ferreira, poética e mística (pág. 133)
• Espaço Social
- Bailote – interpretação simbólica: Alberto Soares vê na mão de Bailote uma força transcendente, de vida e de criação, de domínio sobre a terra;
- Ceifa – denúncia de uma problemáticasocial, mas aborda também uma problemática metafísica: Alberto Soares sente o sofrimento que atinge os ceifeiros, mas deseja-os abertos a outra discussão da existência – a busca de captar o mistério de captar a pessoa, ou seja, a plena consciência de si.
❑ TEMPO
a) tempo da escrita: o narrador também é protagonista; logo, quando narra, situa-se no tempo da escrita;
b) tempoda história: quando o narrador narra, quer a acção principal (Évora), quer a secundária (férias);
c) tempo do discurso: consiste em analepses e prolepses – o narrador não narra as acções numa ordem cronológica
d) tempo psicológico: só Alberto Soares e Sofia o têm
❑ O NARRADOR
O narrador, em “Aparição”, tem uma dupla função: apresenta o mundo diegético (da história) e é oprotagonista da história que narra (s textos estão escritos na 1ª pessoa gramatical), sendo assim, um narrador auto-diegético.
É um narrador em acto de rememoração e de escrita (págs. 24, 25, 27). Evocando o passado, o narrador recria o mundo diegético, em que teve parte activa, e que o seu problema desencadeou. O “eu” narrante é o mesmo que o “eu” narrado, porque o que narra é a vivência...
tracking img