A vida cotidiana à época do renascimento

A vida cotidiana à época do Renascimento
Lindaura Dias de Oliveira Silva

Resumo: este trabalho tem como objetivo construir um panorama geral das mudanças de mentalidades na vida cotidiana doséculo XVII, tendo como base uma coletânea de texto que contribuirá para o entendimento do comportamento social desse período.
Palavras chave: Mentalidades, Cotidiano.
De acordo com a Autora AgnesHeller, (1989) no período renascentista a ciência ainda estava muito distante da vida cotidiana. O distanciamento entre a ciência e a vida comum no período medieval contribui para uma erudiçãodescomplicada e aberta. No período renascentista, a vida cotidiana pouco se diferenciava da tecnologia, da ciência, e da arte, o conhecimento era privilégio de grupos sociais do tipo casta. Privilegiando aigreja, e a própria filosofia, beneficiando grupos sociais, as qualidades mais bem vistas no ser humano passam a ser a inteligência, o conhecimento e o dom artístico. Assim a prática da erudição edas artes liberais transforma-se em profissões e a filosofia movimenta-se para os problemas éticos da vida cotidiana se bem que não de uma maneira cientificamente. Pois as vidas da maioria das pessoasestavam cobertas de enigmas e a doutrina religiosa dificultava a evolução da ciência. Com o Renascimento acontecem radicalmente as mudanças de ordem sociais acabando com a junção da ciência e osprivilégios. A organização da Academia em Florença foi um marco na história; uma Escola de filosofia independente e inteiramente secular, acolhedora de qualquer homem pensante se maneira Platônica dandooportunidades cada vez mais a jovens que antes se quisessem estudar seria apenas seguindo a carreira eclesiástica. Segundo Carlo Guinzburg, considerado um dos mais célebres historiadores dasmentalidades. Principalmente por causa das suas duas obras: O Queijo e os Vermes e os Andarilhos do Bem. Na primeira, o autor relata o cotidiano e as ideias de Domenico Scadella, perseguido pelo processo...
tracking img