A utilização das histórias infantis, como um mecanismo de aprendizagem na educação física.

1. INTRODUÇÃO

O presente estudo visa analisar as histórias infantis, verificando se podem ser utilizadas como vínculo da aprendizagem nas aulas de educação física durante o processo de ensino-aprendizagem.
De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998),
No faz-de-conta, as crianças aprendem a agir em função da imagem deuma pessoa, de uma personagem, de um objeto e de situações que não estão imediatamente presentes e perceptíveis para elas no momento e que evocam emoções, sentimentos e significados vivenciados em outras circunstâncias. Brincar funciona como um cenário no qual as crianças tornam-se capazes não só de imitar a vida como também de transformá-la. Os heróis, por exemplo, lutam contra seus inimigos,mas também podem ter filhos, cozinhar e ir ao circo.
Ao brincar de faz-de-conta, as crianças buscam imitar, imaginar, representar e comunicar de uma forma específica que uma coisa pode ser outra, que uma pessoa pode ser uma personagem, que uma criança pode ser um objeto ou um animal, que um lugar “faz-de-conta” que é outro. Brincar é, assim, um espaço no qual se pode observar acoordenação das experiências prévias das crianças e aquilo que os objetos manipulados sugerem ou provocam no momento presente. Pela repetição daquilo que já conhecem, utilizando a ativação da memória, atualizam seus conhecimentos prévios, ampliando-os e transformando-os por meio da criação de uma situação imaginária nova. Brincar constitui-se, dessa forma, em uma atividade interna das crianças,baseada no desenvolvimento da imaginação e na interpretação da realidade, sem ser ilusão ou mentira. Também tornam-se autoras de seus papéis, escolhendo, elaborando e colocando em prática suas fantasias e conhecimentos, sem a intervenção direta do adulto, podendo pensar e solucionar problemas de forma livre das pressões situacionais da realidade imediata.
Quando utilizam a linguagemdo faz-de-conta, as crianças enriquecem sua identidade, porque podem experimentar outras formas de ser e pensar, ampliando suas concepções sobre as coisas e pessoas ao desempenhar vários papéis sociais ou personagens. Na brincadeira, vivenciam concretamente a elaboração e negociação de regras de convivência, assim como a elaboração de um sistema de representação dos diversos sentimentos, dasemoções e das construções humanas. Isso ocorre porque a motivação da brincadeira é sempre individual e depende dos recursos emocionais de cada criança que são compartilhados em situações de interação social. Por meio da repetição de determinadas ações imaginadas que se baseiam nas polaridades presença/ausência, bom/mau, prazer/desprazer, passividade/atividade, dentro/fora, grande/pequeno, feio/bonitoetc., as crianças também podem internalizar e elaborar suas emoções e sentimentos, desenvolvendo um sentido próprio de moral e de justiça.

Desta forma, proponho neste trabalho, compreender melhor os objetivos das histórias, assim como utilizá-las de forma coerente com os conteúdos propostos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, visando assim o melhor aprendizado dos alunos.
Ouvirhistórias não é uma questão que se restrinja a ser alfabetizado ou não... Afinal, adultos também adoram ouvir uma boa história, passar noites contando causos, horas contando histórias por telefone sejam elas verdadeiras, fictícias, vontades de que aconteçam, isto por quererem partilhar com os outros os momentos que tenham ou não vivido juntos. Se for importante para o bebê ouvir a voz da mãe, epara a criança pequenina escutar uma narrativa curta, simples repetitiva, cheia de humor e de calidez, para uma criança de pré-escola, ou mesmo do ensino fundamental, ouvir histórias é fundamental.
As histórias podem estimular o desenhar, o musicar, o sair, o ficar, o pensar, o teatralizar, o imaginar, o brincar, o escrever, o querer ouvir de novo (a mesma história ou outra). Ou...
tracking img