A teoria de marcelo, marmelo, martelo: visões a partir de pressupostos filosóficos da linguagem e de lógica semântica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (780 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A TEORIA DE MARCELO, MARMELO, MARTELO:
Visões a partir de pressupostos filosóficos da linguagem e de lógica semântica

Lívia de Souza Leandro¹
liviadesouzaleandro@hotmail.com

RESUMO

Apartir de questionamentos de cunho filosófico na obra Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias de Ruth Rocha, discute-se a teoria do personagem principal Marcelo, a de “renomear”, reinventar ousubstituir os signos. Analisaremos através de visões da filosofia da linguagem: o pragmatismo e a semântica.

Palavras - chave: Marcelo, signo, filosofia da linguagem, pragmatismo, semântica.

1.INTRODUÇÃO

O objeto de estudo deste trabalho é o livro infantil Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias de Ruth Rocha e foi delimitado a partir de questionamentos, com o objetivo de seremexplicados através de pressupostos da filosofia da linguagem, de cunho pragmático e semântico. Para tal, nos basearemos nas noções de intensão de Heronides Moura, no pragmatismo de William James e,concluindo, uma citação de Danilo Marcondes.

¹ Graduando (a) do 6º período do curso de Letras da Faculdade de Olinda – FOCCA.

Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias (1999) de Ruth Rocha aborda umasérie de estórias infantis, em especial a de Marcelo. Marcelo é um personagem que questiona aos seus pais o porquê de certos nomes de alguns objetos terem sido determinados “erroneamente”, devido àincompatibilidade de suas funções e os nomes a que se referem. Sem resposta, Marcelo resolve “renomear” esses objetos. Então, nos surge também um questionamento: como um menino simplesmente substituios nomes desses objetos e por quê?
Vejamos um fragmento do livro:
"E Marcelo continuou pensando:
'Pois é, está tudo errado! Bola é bola, porque é redonda. Mas bolo nem sempre é redondo. E por queserá que a bola não é a mulher do bolo? E bule? E belo? E bala? Eu acho que as coisas deviam ter nome mais apropriado. Cadeira, por exemplo. Devia chamar sentador, não cadeira, que não quer dizer...
tracking img