A revolta vacina

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1545 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A Revolta da Vacina

Adhemar N1 3B

1)

A Revolta da Vacina foi um grande e violento movimento popular ocorrido no Rio de Janeiro no ano de 1904. Ela foi uma resposta às atitudes opressivas que o governo teve para vacinar a população contra a varíola, que estava causando um grande número de mortes na época. Esse processo de “higienização” era de profundo interesse dasclasses dominantes e do governo de Rodrigues Alves. Porém, essa higienização começou muito antes da revolta da vacina, que pode ser considerada como uma “gota d’água” que causou o movimento popular. No sistema econômico capitalista, é muito importante para a economia da nação conseguir investimentos e atrair capital estrangeiro, portanto, uma cidade com grande número de pessoas pobres morando emcasas velhas e sujas como no Rio de Janeiro na época, não era atrativa para o dinheiro do exterior. Por isso começou o processo de exclusão social, que visava indiretamente afastar a população mais carente dos centros urbanos, através do aumento de preços de terrenos ou medidas econômicas parecidas. A revolta da vacina é um exemplo dessa parcela menos favorecida cansada da exploração pelas classesdominantes, que contavam com o apoio do governo. Vale ressaltar que a culpa da própria existência das famílias mais pobres é do governo e de tais classes dominantes.

Em 2009, um grande número de moradias e de vidas foi perdido devido aos deslizamentos de terra nas encostas dos morros em São Paulo, causados por chuvas torrenciais. Analisando a localização dessas casas populares, é possívelperceber que infelizmente o processo de exclusão social ainda existe. O governo alega que a culpa das mortes é da própria população que habitava os morros, pois elas sabiam que os terrenos da região eram irregulares. Entretanto, é responsabilidade dos governantes assegurar moradia para todos, porém, como isso não ocorre, a classe mais baixa habita qualquer local vazio, mesmo que irregulares,próximos aos centros urbanos. Dessa forma, a culpa das mortes pelos deslizamentos é do governo e de sua falta de preocupação com famílias de baixa renda.




2)Atos de violência organizada no Brasil em 2006



“Iniciada na noite de 12 de maio, a maior onda de violência contra forças de segurança e alguns alvos civis que se tem notícia na história do Brasil, com origem no estado de SãoPaulo. No dia 14, o ataque já havia se espalhado por outros estados do País, como Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Bahia (este último sem ligação direta com o PCC)[1].

Os ataques tomaram uma repercussão gigantesca na mídia brasileira, que somados à falta de informações por parte do governo de São Paulo e ao enorme sensacionalismo da imprensa, além de váriosboatos infundados, acabaram por causar pânico geral e clima de terrorismo na população, principalmente na segunda-feira. Os atentados foram destaque na mídia internacional durante os dias do ocorrido[2].

O governador do estado de São Paulo, Cláudio Lembo, foi duramente criticado pela imprensa pela demora na resposta, falta de comunicação entre as forças policias, falta de informação àmídia e à população em geral e gerenciamento da crise. Lembo, a um mês e meio no poder quando a crise eclodiu, acabou virando pivô de discórdia entre o PSDB, do ex-governador e pré-candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin e o PFL, partido de Lembo e aliado nas eleições do final do ano.

O planejamento e a execução dos movimentos foram parcialmente atribuído à organizaçãocriminosa paulista PCC (Primeiro Comando da Capital). O estopim teria sido uma resposta a decisão do governo do estado de São Paulo de isolar líderes da facção com o objetivo de desmontar a articulação da mesma colocando-os em presídios de segurança máxima. No dia 11 de Maio, 765 presos foram transferidos para Presidente Venceslau (a 620 km a oeste de São Paulo).

No dia 12, oito líderes...
tracking img