A pergunta de partida, como se fazer.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4308 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de dezembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A PERGUNTA DE PARTIDA, como se fazer.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. A pergunta de Partida. In: Manual de Investigação em ciências Sociais. Lisboa, Ed. Gradiva. 1996.

O primeiro problema que se põe ao investigador é muito simplesmente o de saber como começar bem o seu trabalho. De facto, não é fácil conseguir traduzir o que vulgarmente se apresenta como um foco de interesse ouuma preocupação relativamente vaga num projeto de investigação operacional. O receio de iniciar mal o trabalho pode levar algumas pessoas a andar às voltas durante bastante tempo, a procurar uma segurança ilusória numa das formas de fuga para a frente que abordamos, ou ainda a renunciar pura e simplesmente ao projecto.
Ao longo desta etapa mostraremos que existe uma outra solução para esteproblema do arranque do trabalho.
A dificuldade em começar de forma válida um trabalho tem, freqüentemente, origem numa preocupação de o fazer demasiado bem e de formular desde logo um projeto de investigação de forma totalmente satisfatória. É um erro. Uma investigação é , por definição, algo que se procura. É um caminhar para um melhor conhecimento e deve ser aceito como tal, como todasas hesitações, os desvios e as incertezas que isto implica. Muitos vivem esta realidade como uma angústia paralisante; outros, pelo contrário, reconhecem-na como um fenômeno normal e, numa palavra, estimulante.
Por conseguinte, o investigador deve obrigar-se a escolher rapidamente um primeiro fio condutor tão claro quanto possível, de forma que o seu trabalho possa iniciar-se sem demora eestruturar-se com coerência. Pouco importa que este ponto de partida aparente ser banal e que a reflexão do investigador não lhe pareça ainda totalmente madura; pouco importa que, como é provável, ele mude de perspectiva ao longo do caminho. Este ponto de partida é apenas provisório, como um acampamento-base que os alpinistas constroem para preparar a escalada de um cume e que abandonarão por outrosacampamentos mais avançados até iniciarem o assalto final. Resta saber como se deve apresentar este primeiro fio condutor e que critérios deve preencher para desempenhar o melhor possível a função que dele se espera. Será este o objecto desta primeira etapa.

1. UMA BOA FORMA DE ATUAR

Por várias razões que irão progressivamente aparecendo, sugerimos a adoção de uma fórmula que aexperiência revelou ser muito eficaz.`Consiste em procurar enunciar o projeto de investigação na forma de uma pergunta de partida, através da qual o investigador tenta exprimir o mais exatamente possível o que procura saber, elucidar,compreender melhor. Para desempenhar corretamente a sua função, este exercício deve, claro está, ser efetuado segundo algumas regras que adiante serão especificadas eabundantemente ilustradas.
Sem dúvida, muitos leitores experimentarão desde logo algumas reticências em relação a uma tal proposta, mas gostaríamos que cada um reservasse a sua opinião até ter apreendido bem a natureza e o alcance axato do exercício.
Em primeiro lugar, não é inútil assinalar que os autores mais reputados não hesitam em enunciar os seus projetos de investigação sob a formade perguntas simples e claras, ainda que, na realidade, essas perguntas tenham subjacente uma sólida reflexão teórica. Eis três exemplos bem conhecidos dos sociólogos:

A desigualdade de oportunidades em relação ao ensino tem tendência a diminuir nas sociedades industriais?

Esta é a pergunta posta por Raymond Boudon no início de uma investigação cujos resultados foram publicadoscom o título L’inégalité dês chances: la mobilité sociale dans lês sociétés industrielles ( Paris, Armand Colin, , 1973). A esta primeira questão central, Raymond Boudon acrescenta uma outra que assenta sobre . Mas a primeira pergunta citada constitui verdadeiramente a interrogação de partida do seu trabalho e aquela que lhe servirá de primeiro eixo central.

A luta estudantil ( em...
tracking img