A menina que rouva livros

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1076 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL – CAMPUS - TORRES

ANÁLISE LITERÁRIA DO LIVRO - “A menina que
roubava livros” – Markus Zusak

Max Becker de Aguiar Braga
Setembro de 2012
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL 

Max Becker de Aguiar Braga  
 
TÍTULO DO TRABALHO (Análise Literária do livro “A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS deMarkus Zusak.)

Trabalho apresentado ao curso de Sociedade e Contemporaneidade, como parte das exigências do curso, orientado pelo Professor Luiz Carlos Garlipp.

Setembro de 2012

 

Resumo:

A Menina que roubava livros é uma história que trata de três assuntos bem distintos que compuseram a vida da roubadora de livros: seus encontros com morte; oslivros roubados; os relacionamentos travados no núcleo social em que foi compulsoriamente inserida.

Liesel Meminger teve seu primeiro encontro com a Morte, que a propósito, é quem narra à história, quando viajava com a mãe e o irmão caçula, Werner, e tendo como destino a casa dos pais adotivos. Werner morreu no caminho e, a viagem foi interrompida para o seu funeral. Nesta ocasião, apequena Liesel se encontra com a Morte e com seu primeiro livro “roubado”, o Manual do Coveiro, que é deixado cair na neve por um dos coveiros que sepultara seu irmão. Vale dizer que na ocasião ela não sabia ler ainda e o livro significava, enquanto objeto uma ligação com o seu primeiro encontro com a Morte.

Após conhecer sua nova família e começar um relacionamento muito estreitocom o bondoso Hans Hubberman (papai) e a pitoresca Rosa Hubberman (mamãe) Liesel continuava sem saber ler e tendo no Manual do Coveiro o objeto que a liga aos acontecimentos e sentimentos presentes na morte de Werner. Hans ao descobrir que Liesel tinha um livro e que não sabia ler, começou a dar-lhe aulas, mesmo porque na escola ela passava pelo constrangimento de estar na classe dos “anões”, comoela mesmo dizia; houve progressos e mais dois livros, desta vez não “roubados”, mas ganhos no natal, dados por Hans.

Neste meio tempo surge um personagem muito importante na nossa história, que acompanharia Liesel em seus “roubos” e eventuais aventuras, era Rudy Steiner – que se tornaria o grande amor de sua vida; bem, passemos agora para o segundo “roubo”, que aconteceu de maneiraoportunista. Toda a cidade de Molshing fora convocada para assistir a fogueira que o III Reich acenderia naquele dia. Liesel estava lá, com seu uniforme da juventude Hitlerista; ouviu discursos acalorados e a apresentação dos objetos a serem queimados na fogueira, considerados subversivos. A fogueira foi acesa, celebrada e aos poucos deixada. Liesel continuou por lá com o pai por mais um tempo equando começaram a limpar os restos da fogueira, Liesel viu escorregar dos destroços três objetos dentre eles um livro por título “O Dar de Ombros” que passou a fazer parte de sua coleção, agora de quatro livros.

Os outros livros que viria conseguir saíram todos da casa do prefeito, da biblioteca de sua esposa, e com a anuência, mesmo que velada, dela. Logo após a aquisição dos Dar de Ombros,vemos entrar mais uma personagem em cena que faria toda diferença na vida de Liesel, era o lutador; O lutador na verdade era um judeu cujo pai fora amigo de Hans; ele prometera, caso fosse necessário, ajudá-lo, como a sua família. E esse dia chegou; Max Vandenburg ficou dois longos anos habitando o porão da casa dos Hubberman; nesse período ele contribuiu com dois exemplares para a coleção deLiesel; foram escritos em um Mein Kampf que teve as paginas pintadas de branco; o primeiro livro foi o Vigiador, onde fazia referência a sua vida até então, culminando com o tempo em que Liesel passava velando-o em seu coma de três dias; o segundo foi a Sacudidora de Palavras onde ele mostra o poder das palavras; foi concebido a partir da história ocorrida durante um aviso de ataque aéreo.
|...
tracking img